Artigos

Canon e Fanon

Nossa colunista, Pâmela Lima, continua nossa área de Colunas abordando as diferenças entre aqueles que apóiam o canon e o fanon de Harry Potter.

Não importa se você acha que a Hermione deveria ter ficado com o Harry, o Remus com o Sirius ou a Ginny com o Draco, pois esta coluna trata tanto daquilo que aparece na obra escrita por JK Rowling como daquilo que seus próprios fãs criaram.

Você pode conferir a coluna completa aqui.

Deixe seu comentário e feedback, é importante para nós e para o autor. Se quiser, sinta-se livre para comentar a coluna em nosso Fórum.

Canon e Fanon

Por Pâmela Lima

Antes de começar a distribuir qualquer conceito, de falar sobre qualquer ship ou personagem, gostaria de deixar claro: sou Ron/Hermione desde o primeiro livro, e Moody/Tonks desde o quinto. Então, minha opinião aqui é totalmente imparcial.

Dois conceitos surgiram junto com o mundo das fanfics, até mesmo antes de Harry Potter: canon e fanon. Em poucas palavras, o primeiro se refere a aquilo que pertence realmente à história, que é comprovado pelo livro/mangá/filme/série. Já o segundo, à tudo aquilo que os fãs criaram por si próprios, aquilo que eles querem para a série que gostam.

O fandom potteriano talvez seja o mais variado em termos de fanon. Temos autores que gostam de Draco/Ginny, apesar do sonserino odiar tudo e todos que tenham relações com sangue impuro ou traidores do sangue; outros gostam de Harry/Hermione, apesar de ser um ship negado por JK Rowling, que chegou a escrever nos livros que Harry considera Hermione como uma irmã; outros gostam de Severus Snape/Hermione, apesar da raiva que ela sente por ele, principalmente depois da morte de Dumbledore, e do amor incondicional à falecida Lily Potter. O que não podemos esquecer é que tudo isso foi criado por fãs, não sendo nada verdadeiro ou comprovado, e assim deve ser analisado.

O mundo canon também é muito defendido, e cada dia mais fics James/Lily, Remus/Tonks e outros casais unidos por JK são escritas, aclamando o amor lido e relido nos próprios livros. A guerra entre esses dois tipos de fãs (os que apóiam as decisões de JK Rowling e os que não apóiam) é antiga, e não cessou nem com o sétimo livro, onde tudo fica claro e determinado. Os canons afirmam que é idiotice apoiar aquilo que não é verdade. Os fanons afirmam que é idiotice só apoiar aquilo que é verdade. Para ajudar nesse combate (porque ele nunca vai ter fim!), respondo a três perguntas que quase movem o fandom hoje:

Tudo que não é canon é ruim?
Não. Claro que toda regra tem sua exceção! Não existe nada de mais em gostar de Draco/Hermione, por achar o “eu-te-amo-ou-te-odeio?” algo interessante, ou acreditar que Lily teria feito melhor se desse o fora em James e ficasse com Severus. Escrever fanfics em Universo Alternativo também pode ser interessante. Por que não seria? A palavra “fandom” refere-se exatamente ao reino dos fãs, onde podemos fazer qualquer coisa.

Muitos traços supostamente canons não são tão verdadeiros assim. Por exemplo, a personalidade galanteadora de Sirius. Nos livros, só vimos o maroto andando com seus amigos homens, sem se dirigir a nenhuma mulher. Sim, ele tinha pôsteres de mulheres semi-nuas no quarto, mas quem garante que tudo isso não era para irritar seus pais? Quem garante que Sirius não era bissexual?

O que pode ser considerado canon?
Aquilo que ficou claro, muito claro, durante os livros. Harry corajoso, Ron com medo de aranhas, Hermione inteligente, Fred e George engraçados, Luna sonhadora, Pansy loura, Lavander histérica. Quanto aos ships, todos os que se concretizaram ao longo da saga: Harry/Cho até Ordem da Fênix, Harry/Ginny a partir de então, Ron/Hermione com evidências desde Cálice de Fogo, Hermione/Krum em Cálice, amor platônico entre Snape e Lily Potter, Remus e Tonks, etc.

Já todas as afirmações que não estão tão claras assim devem ser consideradas fanon. Em lugar algum do livro está escrito que Narcissa casou-se com Lucius por amor, ou que Lavander ficou com Ron por pura maldade, ou que todo sonserino pratica Artes das Trevas. Nunca foi dito que Lily era parecida com Hermione, que o filho de Draco será tão arrogante quanto o pai, que Dumbledore tinha um caso com Minerva.

Por que os canons insistem em defender seus ships, se têm tanta certeza que eles são verdadeiros?
Porque é divertido. Foi algo que Harry Potter nos trouxe: o prazer de poder discutir opiniões, teorias, fatos, o prazer de mudar de opinião, de conseguir gostar de ships contrários, pois, afinal, tudo não passa de uma brincadeira. Nenhuma das nossas opiniões vai mudar a história agora, mas isso não impede ninguém de imaginar, e é isso que devemos ter em mente enquanto escrevemos fanfics e desenhamos fanarts, tanto canons quanto fanons.

O que é uma injustiça e vem acontecendo muito agora, com o fim de Harry Potter e as revelações finais, são fãs que não aceitaram sua condição, e odeiam a autora dos livros por ela não ter os mesmos gostos que os seus. Agora, eu deixo a pergunta: JK Rowling não fez o suficiente por nós? Não deu um mundo para que nós pudéssemos imaginar todas as possibilidades dentro dele? Agora, por que esse ódio contra ela? Odiá-la por ter escrito algo que ela planejou, que ela idealizou por anos, que ela lutou para conseguir? Injustiça. Portanto, sejam fãs. Com consciência de que são apenas isso.

Pâmela Lima é estudante.