Filmes e peças

Daniel Radcliffe fala sobre seu retorno ao teatro inglês com a peça “The Cripple of Inishmaan” em entrevistas

Prestes a estrelar a comédia de humor negro “The Cripple of Inishmaan” (“O Aleijado de Inishmaan” em uma tradução livre), em Londres, e promovendo-a, Daniel Radcliffe concedeu uma entrevista ao jornal The Telegraph e às revistas Vogue e Time Out.

Durante a entrevista ao jornal e à revista Time Out, o ator detalhou como se preparou para estrelar a peça londrina e como são os bastidores do espetáculo, falando também de como a série “Harry Potter” marcou sua vida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na peça, que está fora dos teatros desde 1996, Daniel interpretará o órfão irlandês Billy Claven – de 17 anos, com deficiência em uma perna, decorrente de má formação genética, e um braço atrofiado -, que está rodeado de excêntricos personagens teatrais irlandeses.

Para tanto, o ator contou que teve que se preparar treinando estritamente um andar vacilante, assim como um braço rígido; mas também destacou como foram os treinos da peça, mais especificamente uma cena onde Billy é estapeado por uma tia, cuja atriz foi incentivada por ele a bater mais forte.

É brilhante todas essas coisas de apanhar. Eu encorajo as pessoas a me bater mais forte. A atriz, Gillian Hanna, não vai causar danos permanentes em mim apenas batendo em minha cabeça. Ela não gosta de bater nas pessoas, compreensivelmente, mas eu acho que dei um jeito nela no momento.

Porém, isso não foi tudo, pois os treinos físicos e vocais exigem tanto esforço que o ator precisa de um treinador pessoal para garantir que seu corpo consiga suportar o estresse das contorções e convulsões de Billy.

Além disso, Daniel também consultou um treinador de voz com paralisia cerebral para ver o que essa experiência poderia acrescentar ao personagem, assim como nadou nas ilhas de Aran, onde a peça se passa, terra natal de seu pai e empresário.

Se passando na solitária ilha de Inishmaan no ano de 1934, a peça retrata a mudança da vida de Billy quando uma empresa de cinema chega ao lugar para filmar o cotidiano de seus habitantes, documentário este que é real e foi lançado em 1934 com o título de “Man of Aran”.

Apesar da preocupação e das humilhações que o jovem sofre pelos seus conterrâneos devido a seus problemas físicos, Billy consegue se envolver com a empresa após ver a chance de estar no filme como uma saída para sua triste vida, a qual muda completamente após esse passo e passa a ter como companhia personagens mesquinhos, em um cenário tragicamente cômico.

A direção da peça ficou a cargo do diretor teatral Martin McDonagh, que também escreveu a mesma, e que pôde observar Daniel sob os holofotes do teatro antes na peça “Equus”, no ano de 2007, a qual também foi hospedada no teatro londrino West End e foi, além de sua estreia nos teatros, sua última peça inglesa até agora.

Durante as entrevistas o ator evitou abordar assuntos pessoais, mas revelou seu desejo em ter filhos e em tatuar a frase que ele acredita refletir bem sua atual fase profissional, do romancista irlandês Samuel Beckett: “Tente de novo. Falhe de novo. Falhe melhor”.

Sobre esse seu crescimento na carreira, Daniel falou um pouco a respeito da série bruxa, dizendo que ela lhe ajudou muito, e que sente muito orgulho por ter participado da mesma, mas que, por causa dela, tem que lutar contra o estereótipo de estrelas que conquistaram o sucesso logo na infância.

Por fim, o inglês contou um pouco sobre seus atuais projetos, como a comédia romântica independente “The F Word”, o seu papel como Igor na nova adaptação cinematográfica do romance inglês “Frankenstein” e como um jornalista que investiga a máfia japonesa em “Tokyo Vice”, também uma adaptação.

E ainda revelou alguns de seus atuais desejos profissionais, tais como participar dos novos filmes da série estadunidense “Star Wars” e de participar da paródia musical “ A Very Potter Senior Year”, assim como Evanna Lynch fez uma vez.

O ator também concedeu ao jornal inglês uma sessão de fotos, a qual pode ser vista na nossa galeria de imagens através deste link.

A peça entrará em cartaz no dia 8 de junho em Londres no teatro Noël Coward Theatre, pertencente ao grupo de teatros West End, e ficará hospedada exclusivamente no local por três meses em mais de 90 apresentações, cujos ingressos já estão à venda nesta página.

Para ler a entrevista completa de Daniel à Vogue clique em notícia completa, e para ver a sessão de fotos e os scans da entrevista, que mostram o ator caracterizado para a peça, clique neste link, em nossa galeria de imagens.

DANIEL RADCLIFFE
O retorno de Daniel Radcliffe aos palcos londrinos

Vogue – Adam Green
22 de maio de 2013
Tradução: Ana Carolina Jobim

Na transformação de Daniel Radcliffe a partir do menino bruxo adorado mundialmente em um ator descontroladamente famoso, o jovem ator versátil continua em ritmo acelerado. No ano passado, ele gravou três filmes, estrelando papéis como o derrotado poeta Allen Ginsberg em Kill Your Darlings, um amante confuso em The F World, e um jovem em quem cresce um conjunto de chifres apropriadamente intitulado Horns. Agora, de volta aos palcos de Londres pela primeira vez desde sua estreia em 2007 na peça “Equus”, Radclliffe é um rapaz irlandês deficiente com sonhos de se tornar uma estrela de cinema, no West End, renasce a brilhante comédia negra de Martin McDanagh,The Cripple de Inishmaan. “Como toda a obra de Martin,” – Radcliffe me conta em entrevista no Union Club, em Londres – “o enredo, apesar de lidar com temas muito obscuros, tem um inacreditável sentimento de alegria na maneira que está escrito”.

Autor de peças eletrizantes como The Beauty Queen Of Leenane e The Pillowman, McDonagh é um mestre anglo-irlandês de violência gótica e humor selvagem.A “Cripple” é relativamente suave, ocorrendo em 1934 em uma ilha fora da Costa Oeste Irlandesa, e que conta a história de Bill, um órfão de dezessete anos de idade, com membros deformados, que vive com suas duas ‘tias’ e que passa seus dias olhando para vacas e suportando os insultos do fofoqueiro Johnny pateenmike e da língua afiada de punhos nervosos, sua afeição,Helen. Quando uma equipe de filmagem chega na cidade próxima Inishmoore, Billy convence o BabbyBobby a transportá-lo de barco para uma audição, na esperança de escapar de sua existência sombria para Hollywood.” É tudo o que você espera de Martin, mas também é muito compassivo e até edificante”, Radcliffe diz: “Ele consegue ser doce e, ao mesmo tempo, incrivelmente cruel. Ele sempre lhe dá apenas o valor mínimo de esperança de que você precisa para sair do cinema sorrindo.”

Conhecido por seu entusiasmo juvenil e ética profissional, quase obsessiva, Radcliffe lançou-se em preparação para o papel, trabalhando com um treinador de dialética (como é um dos poucos atores não-irlandeses na peça, ele não quer seus companheiros de elenco, segundo ele, “balançando a cabeça e murmurando: ‘Oh, Deus’, quando eu abrir a minha boca”) e um treinador de movimento para aprender a andar e movimentar de maneira convincente como alguém incapaz por oito shows a cada semana, sem ferir a si mesmo.” Eu quero que seja consistente, autêntico e, para mim, seguro, e que eu possa seguir em frente e ter uma vida produtiva no mercado de trabalho”, diz ele. “Dan é extraordinariamente envolvente, um ator inteligente”, diz Michael Grandage, o ex-chefe da Donmar Warehouse, que está dirigindo “Cripple” como parte de uma temporada de cinco episódios no West End. ”Billy não pode ser apenas simpático e abusado.Ele tem que ter ambição, egoísmo, com capacidade de enganar-ele é uma massa de contradições. É uma grande oportunidade de Dan para que ele promova-se como um ator. E isso é sempre satisfatório para o público, porque o viu crescer e que agora começa a ver uma versatilidade que eles não sabiam que ele tinha”.

Ao contrário de seu personagem, a quem todo mundo vê apenas como “aleijado Billy”, Radcliffe conseguiu escapar de ser rotulado, como evidenciado pela diversidade de seus próximos filmes, começando por este outono na estreia de Kill Your Darlings. Ele se encontrou interpretando Ginsberg que para ele foi “libertador”. Apesar disso ele está ansioso para estreia de todos os três filmes, porque, diz ele, “eles são tão grandes passos para mim”. Próximo passo: o corcunda Igor em uma nova versão de Paul McGuigan de Frankeistein. Ele também continua com as aulas de canto e dança, que começou a fazer para executar seu trabalho na Broadway, “How To Succeed In Business” e, influenciado pela obra de McDonagh, escreveu um roteiro que ele espera dirigir.” Eu não posso chamá-lo de um rouba cena, mas…” ele dá um pausa e ri. “Bem, vamos apenas dizer que é comédia muito escura, com muita violência. Estou muito orgulhoso dele, mas pode ser algo que só eu gostaria de ver.”