Não categorizado

Tom Felton: “Ele [Draco] é um personagem muito único”

Foi recentemente publicada no blog Good Prattle, a primeira parte de uma entrevista feita com o ator Tom Felton, famoso na pele do malvado Draco Malfoy. Essa entrevista foi feita via Skype e manteve do início ao fim um tom divertido e informal.
Logo no começo foi mencionado o fato de Felton ter colocado algumas músicas suas em locais como You Tube e iTunes, sempre sob o apelido de Feltbeats.

Bem, basicamente, venho testando essas músicas há alguns anos. Alguns dos meus amigos se mudaram, e para mantê-los atualizados sobre as novas músicas, coloquei-as no YouTube sob um nome diferente. Uma vez que as pessoas, que eu conhecia, começaram a escutá-las e distribuí-las do seu próprio jeito…

Quanto questionado sobre sua participação no filme The Disappeared, Tom fez uma comparação entre este filme e os produzidos pela Warner Bross.

Sim, correto. É um filme inglês bem pequeno entre esse e o último filme Harry Potter. Eu não acho que ele ganhou um mega lançamento ainda, e tenho certeza que muito menos nos Estados Unidos, mas foi muito divertido filmá-lo, e legal ver a outra ponta do mundo financeiro se tratando de filmagem.

A entrevista na íntegra pode ser conferida na extensão!

TOM FELTON
Tom Felton, ator de Harry Potter

Rainy-Day Kate ~ Good Prattle
22 de novembro de 2008
Tradução: Dérick Andrade Moreira
Revisão: Abner Augusto Moreira

Tom Felton é um cavalheiro: ele é claramente muito inteligente e maravilhoso para se conversar; ele irá, corajosamente, se comunicar através de uma conexão computador-telefone muito ruim; e, quando o dinheiro na nossa conta do Skype acabar, desconectando nós dois, e eu precise lutar histericamente para colocar mais dinheiro na conta, para que assim possa então ligar novamente, ele atenderá ao telefone e continuará a conversa sem confusão.

Eu tenho para vocês a primeira parte da entrevista, a metade conduzida antes de sermos desconectados; aqui nós discutimos sua reprise do papel de Draco Malfoy em Harry Potter e o Enigma do Príncipe, sua atuação em um filme independente chamado The Disappeared, e sua música. Sim, sua música. Confuso? Intrigado? Leia a entrevista.

Ei, Tom?
Olá! Como—Não consigo ouví-lo muito bem.

Desculpe-me, repita isso?
Não posso ouví-lo muito bem. Faremos nosso melhor!

Ah, certo—Você pode me ouvir agora?
Sim, eu ouço você.

Certo, vamos começar. Primeiramente, gostaria de falar sobre sua musica antes de qualquer outra coisa. Certo, claro.

Então, recentemente você tem colocado musicas no You Tube, no iTunes, sob o apelido de Feltbeats—
Sim, sim.

Justamente—Como isso aconteceu?
Bem, basicamente, venho testando essas músicas há alguns anos. Alguns dos meus amigos se mudaram, e para mantê-los atualizados sobre as novas músicas, coloquei-as no YouTube sob um nome diferente. Uma vez que as pessoas, que eu conhecia, começaram a escutá-las e distribuí-las do seu próprio jeito. Elas se tornaram relativamente bem sucedidas depois que uma garota que eu conheço colocou-as no iTunes e uma porção delas- nós investimos o dinheiro em [ininteligível]. Nada foi acertado no momento, mas…

Eu notei que a primeira música que você pôs no YouTube, “Time isn’t Healing”, possui agora acompanhamentos no iTunes. Então você tem desenvolvido sua música enquanto continua com seu trabalho, presumo.
Sim, eu tenho a desenvolvido.

Então, esse é inteiramente um projeto solo, ou você tem colaborado com outras pessoas, ou…?
Se eu colaboro, você disse?

Sim, você tem colaborado, ou é tudo baseado em você?
No momento é mais uma banda de um homem só, mas eu gostaria de colaborar e desenvolver as músicas mais adiante. Mas no momento eu faço isso como um hobby, e não como uma iniciativa financeira. Não espero criar uma carreira pop disso ou qualquer coisa do tipo. No momento é só um pouco de diversão e espero que, nos próximos anos, isto possa se tornar algo que me permita contribuir com a música, de alguma maneira, mas, como disse, é só diversão no momento.

Bem, você é muito talentoso, e é ótimo vê-lo embarcar em outro tipo de esforço.
Bem, claro, muito obrigado pelo comentário. É algo que faço por diversão. Eu não gostaria de ter que depender da música para pagar o aluguel, não é assim que deveria ser feito.

Então, você disse que mesmo antes de iniciar o Feltbeats, esteve tocando violão por alguns anos, certo? Como você se envolveu com música pela primeira vez?
Ahn, eu preciso pensar bastante sobre essa, na verdade. Sabe, eu estava muito interessado em alguns conteúdos de música, e fui à África no meu 18º aniversário. Teve uma garotinha lá que conhecemos e tocamos Jack Jonhson para ela, no carro, e basicamente, desde que eu ouvi aquele CD, tenho tocado violão.

Você foi à África no seu 18º aniversário? …Olá?
Olá?

Oi. Pode me ouvir?
Não, me desculpe, continue.

Não, você mencionou que você foi à África no seu 18º aniversário?
Sim, correto. Foi incrível. Fui só eu e meu irmão, por dez dias olhando animais e visitando cidades diferentes e tendo uma experiência real no país. Foi uma ótima viagem.

Sim, e você viaja a todos os tipos de lugares, especialmente com Harry Potter, tenho certeza—
Sim, claro.

Então, há outros lugares, em particular, que o impressionaram? Ou, presumo, que você gostaria de visitar?
Claro. Eu gostaria de ir à França, ou ver muito da Europa no geral. Eu fui a Veneza não muito tempo atrás, e Veneza é uma cidade como nenhuma outra que já visitei, como nenhuma outra. Eu acho que toda pessoa deve ir a Veneza pelo menos uma vez.

E quanto a… bem, eu imagino que você já esteve em Nova Iorque, e as grandes cidades dos Estados Unidos, também.
Sim, eu fui a Nova Iorque, uma vez, de qualquer maneira – a première, a primeira, e foi muito legal. Eu planejo voltar lá em novembro, também.

Você definitivamente deveria vir e conferir o Brooklyn da próxima vez que estiver em Nova Iorque. Como um residente do Brooklin, eu me senti obrigado a dizer isso.
Certo, é justo!

Então, a propósito, você também tem um novo filme saindo que não é Harry Potter ou qualquer outra coisa. Chama-se The Disappeared, certo?
Sim, correto. É um filme inglês bem pequeno entre esse e o último filme Harry Potter. Eu não acho que ele ganhou um mega lançamento ainda, e tenho certeza que muito menos nos Estados Unidos, mas foi muito divertido filmá-lo, e legal ver a outra ponta do mundo financeiro se tratando de filmagem.

Certo. E a série Harry Potter não foi o seu começo, foi—
Não, eu havia feito alguns filmes antes disso.

Então foi uma espécie de retorno a diversidade e fazer outros filmes, eu imaginaria.
Claro, foi muito legal meio que ver como o mundo real funciona, se isso faz sentido, porque a Warner Brothers possui tempo e dinheiro extensivos, enquanto essa outra companhia não possui, e é bem contrastante observar o estilo de filmagem entre os dois, e foi muito divertido e foi um belo contraste com Harry Potter.

Então, você poderia falar sobre o que é o filme e sobre seu personagem nesse filme?
Sim, o nome dele é Simon e ele é o melhor amigo de um dos personagens principais, com a trama principal, e, novamente, é bastante contrastante em relação a Harry Potter. Ele é muito normal, de verdade, e não há muita ação envolvida, foi mais ou menos como ser você mesmo, então novamente, foi muito diferente de Harry Potter.

Sim. É certamente uma grande despedida da série Harry Potter, embora eu ache que qualquer coisa seria, pois é uma experiência bem singular.
Sim, sim. Completamente verdade. Qualquer coisa seria meio que um contraste de Draco, mesmo porque ele é um personagem muito único.

Então, na realidade, vamos falar sobre Harry Potter agora. O sexto filme está se aproximando, e nele Draco é muito mais importante para a trama do que ele tem sido em livros anteriores.
Certo, sim, ele é o personagem central da trama desse filme, eu acho.

E o que eu acho interessante é que nós conseguimos enxergar outro lado dele.
Certo, completamente, completamente. Eu acho que nos anteriores ele foi muito bidimensional. Nesse filme, outra dimensão aparece. Eu acho que ele é louco para representar um Harry malvado, se isso faz sentido, O Escolhido, se desejar, mas você vê isso se desdobrar, e ele não tem a coragem e força para se tornar Harry.

Sim, eu realmente acho Draco um dos personagens mais complexos da série –
Porque Harry o vê tão negativamente, nós vemos somente um lado dele nos livros até que o próprio Harry veja mais.

Certo, certo. Resumidamente, do meu ponto de vista, é que há…A ligação teminou, mas a entrevista foi logo retomada.