Filmes e peças ︎◆ O Enigma do Príncipe

[TRADUZIDO] Revistas Empire e Filmstar abordam EdP e Radcliffe

Ontem foram divulgadas entrevistas com parte do elenco jovem provindas do livro-pôster de Harry Potter e o Enigma do Príncipe. Hoje o DR.com publicou os scans de duas revistas, mostrando que a avalanche de material difundido pelos meios de comunicação está se iniciando.A primeira foi divulgada pela edição de julho da Empire Magazine, que trouxe um artigo com citações da equipe técnica a respeito da sexta película, além de uma nova foto do photoshoot feito pelo trio para a revista.

A segunda trata-se de uma longa entrevista com o ator Daniel Radcliffe publicada nas páginas da primeira edição de uma nova revista chamada Filmstar, onde o jovem fala sobre seu trabalho na série Potter e fora dela, além de curiosidades da sua vida.

Os scans de cada uma das revistas podem ser vistos respectivamente aqui e aqui, e logo mais estaremos atualizando essa notícia para disponibilizar as suas traduções, portanto continuem ligados!

Atualizado: As traduções dois dois textos já se encontram na extensão! Boa leitura!

HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE
A sequência bruxa de longo atraso: mais engraçada e assustadora

Empire Magazine
Julho de 2009
Tradução: Junior Colares

OS FILMES HARRY POTTER SÃO TRADICIONALMENTE FEITOS PARA AQUECER seu coração, fazer parte do Natal e confortar seus ansiosos fãs. Eles não são feitos para revirar seu estômago e submetê-los a uma severa dose de tensão. Mas olhe para as fotos nestas páginas e você com certeza se encontrará menos encantado e mais assustado, ou se você é um dos que fazem parte da porção sensível, sentirá um desejo de se esconder atrás do sofá. No esforço para cumprir suas obrigações contratuais e fazer cada episódio um pouco mais sombrio que o anterior, a série Potter não está agora apenas prestando atenção nas partes assustadoras do livro, mas inventando partes extras para fazer a platéia tremer.

O livro seis é, como os fãs lembrarão, aquele onde tudo assusta os fãs. Voldemort está de volta à ação (mas apenas de uma maneira “invisível” – ele não aparece no livro ou no filme), um aparente inimigo do bem se revela verdadeiramente formidável, há um enorme ataque à escola, uma morte bem significante, e um horrível exame de revisão a ser feito. Isso deveria ser suficiente o bastante para compor a maioria do crescimento da série, mas os produtores deram substância às trevas para manter a relevância ao amadurecimento do público.

“Nosso público está crescendo, então eu acho que estamos mais maduros também”, disse o diretor David Yates quando nós o encontramos durante uma breve pausa nas filmagens no set Leavesden. “É, na verdade, um pouco mais divertido que o anterior – nós nos divertimos mais com a comédia – mas sim, nós montamos algumas ótimas sequências que não estão no livro”. Então, assim como o ataque em Hogwarts e Harry e Dumbledore enfrentando os “zumbis” Inferi – que, julgando pelo avançado estágio que nós vimos e pelo profundamente desgradável trabalho de desenvolver um morto-vivo, será um grande momento – nós também veremos um ataque inventado à Ponte Millenium em Londres e os Comensais da Morte provocando o caos na casa dos Weasley. Isso também significa que um grande vilão ganhou um enorme destaque.

Fenrir Greyback (interpretado por David Legeno), um lobisomem aliado com bruxos das trevas, que você vê aqui aterrorizando as pessoas no Beco Diagonal, é apenas um vilão menor no livro, mas ele foi aumentado para substituir a ausência de Voldemort, e sua figura repugnante, metade-andarilho-raivoso, metade-menino-cachorro, tomou conta de todo o departamento de maquiagem do filme e ele não parece feliz. “Na verdade estamos o preparando para o próximo filme”, diz o produtor David Barron (Greyback aparece em dois momentos significantes do livro final). “Ele será muito assustador. Não é alguém que você gostaria de conhecer em uma noite escura, pode ter certeza”. Uma sala de cinema escura pode não ser muito mais confortável.

HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE ESTRÉIA EM 17 DE JULHO.

Esta foto da nossa galeria de aniversário pode ser sua.

ESTA IMAGEM DE COLECIONADOR EXCLUSIVA DO 20º ANIVERSÁRIO DA EMPIRE apresenta Daniel Racliffe, Emma Watson e Rupert Grint em um modo pós-papel-de-avião-voando e a imagem – assinada pelos três bruxos – irá para um leilão especial da Empire Online, onde os valores serão doados para o Great Ormond Street Hospital Children’s Charity. Para participar, acesse empireonline.com/auction. Boa sorte.

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling [TRADUZIDO] Revistas Empire e Filmstar abordam EdP e Radcliffe

DANIEL RADCLIFFE
Filmstar ~ Ed Selby
28 de maio de 2009
Tradução: Adriana Couto, Junior Colares, Daniel Mählmann, Flávio Júnior e Sylvia Souza

Há quase uma década ele tem sido sinônimo de um certo garoto mágico, e se tornou um astro mundialmente conhecido no processo. Mas com os últimos filmes de Harry Potter em fase de produção, o ator amadurecido tem um projedo bastante diferente planejado. Nós o encontramos nesse estágio crucial em sua carreira para falar sobre a vida de ator, karaokê e críquete.

Poucos rapazes se vêem como objetos de desejo antes de atingir a adolescência. Daniel Radcliffe era um pin-up global aos 12 anos. A estrela de Harry Potter já é famoso há metade de sua vida; em uma ocasião notável, quando estava apenas chegando à idade de dois dígitos, uma mulher usando apenas uma toalha se aproximou dele durante um evento promocional de Harry Potter. “Aquilo foi interessante”, sorri o rapaz de 19 anos, “mas eu sou alguém horrível para ser um símbolo sexual de qualquer tipo. Não sou bom em animar as pessoas”. Radcliffe não precisa se preocupar. Ele já forjou uma reputação como um dos mais agradáveis jovens astros para se trabalhar no cinema atualmente, e se colocou como algo próximo ao sonho de um jornalista, demonstrando interesse em ser entrevistado, não importa o tipo de mídia. Ano passado, ele provou suas habilidades no palco, fazendo o papel do rapaz que cegava cavalos, Alan Strang, na peça de Peter Shaffer Equus, com grande audiência tanto em Londres quanto em Nova Iorque. Ele está atualmente filmando as duas partes finais da saga de Harry Potter. A pergunta é, o que acontecerá quando ele se formar em Hogwarts?

Em O Enigma do Príncipe, Harry é um pouco menos simpático como personagem, se distanciando de todo mundo. Isso foi bem passado no filme?
Para mim, isso é muito mais evidente em Ordem da Fênix do que aqui, mas podemos ver um elemento disso neste filme. Se houver atritos no campo, isso não tem muito a ver com Harry. É certamente um elemento. Harry está bem feliz, apesar dessa coisa com as pessoas que querem matá-lo. Mas também o amor pela vida é incrível. É isso que Rowling faz de modo tão brilhante ao longo dos livros: combina os problemas muito mundanos da vida comum com esse outro mundo inacreditável.

O livro realmente foca na paranóia do Harry; presumivelmente, isso também estaria presente no filme…
Absolutamente. Há uma grande cena no filme com Harry se preocupando sobre Draco Malfoy se tornar um membro dos Comensais da Morte. Mas além disso, tivemos Dumbledore morrendo, e ele sabe que ele vai morrer, então a morte é bem proeminente. É divertido, na verdade. Michael Gambon brincava com isso após descobrir que seu personagem era gay – ele vestiu uma coisa tipo barba rosa protetora! Ele é tão engraçado. Há um grande humor no filme. Minha cena favorita é a de Rony fazendo seu treino de Quadribol. É de fazer você rir em voz alta.

E, claro, o filme é rotulado como ação, também?
Certamente, há muitas sequências de ação intensa. Mas quando estão apenas duas pessoas sentadas conversando, os diálogos são muito mais emotivos. Essas são minhas cenas favoritas.

Como tem sido trabalhar com David Yates, comparado a seus outros diretores?
Ele é ótimo – quando uma pessoa vem e te deixa paralisada, eu acho que nos primeiros anos é muito importante que você não seja complacente. E também acho que diferentes diretores ajudaram nisso. Mas, a melhor parte em relação à estabilidade de ter alguém como David – e David está em seu terceiro filme comigo – é que nós nos conhecemos muito bem, profissionalmente. Nós sabemos como o outro quer que algo seja feito e estamos nos comunicando muito bem. Os outros diretores foram sempre muito comunicativos, mas com David, às vezes, não precisa ser dito nada. Vou chegar ao fim da cena e direi: “Ah, desculpe, isso foi uma droga, vamos de novo”. Imediatamente eu sei que não fiz o que David estava procurando.

Você não fica emocionado sabendo que, em pouco meses, tudo chegará ao fim?
Vai ser muito estranho não ter mais que fazer isso, porque, mesmo quando estou envolvido com projetos como Equus ou My Boy Jack, tenho pensado que deixarei de ser Potter em alguns meses. Ele é como uma rede de segurança e saber que não o terei mais é um pouco estranho. Vou ficar parcialmente triste porque perderei o personagem, mas, principalmente por dos amigos que fiz e das pessoas que conheci durante os filmes. Obviamente, na indústria cinematográfica, nós iremos nos encontrar novamente, mas não vê-los todos os dias vai ser bem diferente.

Mas você continuará amigo de todos?
Eu creio que sim. Eu sei que com algumas pessoas eu terei contato pelo resto da minha vida. Alguém me perguntou essa manhã: “Você nunca foi à uma reunião de reencontro?”. Eu acho que não, mas se a fizessem eu certamente iria. Acho que a única reunião de reencontro será provável que eu nunca vá é uma reunião da escola.

O que você pensa quando olha para o primeiro filme e se vê tão jovem?
Eu nunca assisti realmente. É muito estranho. Talvez um dia eu olhe e pense “Ah, Meu Deus”. Ou talvez eu ache muito bom. Eu não sei. Tenho certeza que sempre terá uma certa dose de servilismo em relação ao meu desempenho. Eu deveria tentar, depois de percorrer um longo caminho, poder ver o lado positivo disso. Mas será um pouco embaraçoso me ver tão jovem.

Depois de Equus, as coisas mudaram para você?
Sim, acho que elas mudaram ligeiramente. Tenho esperanças de que isso seja o começo de um longo processo de estar em algo que não seja Harry, o que é ótimo. Harry é brilhante e me divirto interpretando ele, mas obviamente, quero me abrir para algo além desse personagem. E sim, Equus pareceu marcar um pouco dessa mudança – todos estavam esperando que eu falhasse, como não fiz, isso compôs um pouco dessa escolha bizarra.

O filme para televisão, “My Boy Jack”, deve ter sido bem diferente também, não é?
Tive um ótimo momento filmando e pareceu se desenvolver muito bem, então fiquei aterrorizado com isso. E também, sempre fui consciente de que o mundo Potter é bem mais lento do que a maioria dos outros filmes, por isso foi muito bom fazer algo desafiador, não só em termos de qual personagem interpreto, mas da maneira que tive de fazê-lo – tínhamos que filmar sete cenas por dia às vezes. Teve um dia que filmamos duas páginas de diálogo em duas horas.

Em setembro, você estava na peça Equus, na Broadway. Você ficou nervoso por fazê-la outra vez?
Sim, definitivamente. Eu acho que a coisa mais importante era que nós não poderíamos ir com a atitude de “Fomos um sucesso em Londres, isto aqui está garantido”. Tínhamos que ir lá e partir do zero, basicamente, e tentar e criar algo, não apenas bom, mas ainda melhor, porque, em teoria, à medida em que você vai praticando uma coisa, você fica cada vez melhor nisso. Nós tivemos uma pausa considerável antes deste, então estávamos aptos a voltar com a mente clara. Também, acho que o show foi ótimo porque Richard Griffiths [que interpreta Martin Dysart] estava ainda melhor. Richard foi fenomenal em Londres, mas ele estava, de fato, acometido por algumas doenças: com o joelho machucado e irritação do nervo ciático, além de uma terrível infecção no peito; e todo esse tipo de coisa se foi [na Broadway].

Seus trabalhos como ator tornaram-se bastante intensos recentemente. Quando você está entre projetos, você dorme até mais tarde e sai desajeitado por aí?
Eu sou, realmente, uma pessoa diurna, o que é ótimo, mas realmente incomoda as pessoas noturnas. Nunca me senti inclinado a acordar cedo. Mas eu penso que você deve se acostumar com isso, porque acordei cedo muitas vezes para as filmagens de Harry Potter. Além disso, eu mal dormia apropriadamente quando criança. A razão de eu não ter irmãos é que eu dormia muito mal quando era mais jovem. Nunca tive, realmente, uma noite adequada de sono até que tivesse cerca de 7 anos de idade. Eu era completamente hiperativo. Isto meio que suavizou um pouco agora, mas eu ainda tenho bastante energia e pulo bastante por aí – o que incomoda mais a mim do que a qualquer outro. Eu realmente me incomodo comigo mesmo porque não consigo parar de me mover e de falar.

Nada de café e espumantes, então?
Chá e café são idéias muito, muito más para mim. Somente como último recurso, eu tomaria café. Eu tomo chá quando estou fora de casa. Faz parte da coisa de lembrar que você é inglês quando você está no exterior. Dizendo “Quero um pouco de chá, por favor”, você está reforçando um estereótipo nacional. Mas se pedir por isto no Japão, eles essencialmente te darão leite – é horrível! Para mim, Twinings [“Twinings of London”, uma marca de chá inglesa], por favor. Stephen Fry!

E sobre sair? Que tipos de coisa você gosta de fazer?
Eu gosto de karaokê. Eu sempre tento e canto “Rock’n Roll Suicide”, de David Bowie. Por Deus, cantei-a bastante na festa de encerramento de Equus! Eles estavam indo para o karaokê todas as noites e eu disse “Não, de forma alguma. Quero aproveitar minha juventude! Não vou subir nesse palco e cantar esta noite!”. Mas então, não muito mais tarde, cerca de 11 da noite, Will Kemp, que interpretou um dos cavalos na apresentação, veio até mim e disse “Vamos lá”. E eu disse “Certo, tudo bem. Você esteve comigo a noite toda”. E eu fui lá e realmente adorei! Cantei três músicas. Eles não conseguiam me fazer descer do palco.

Mas sendo um artista profissional, um ator de filmes… Bem, é uma vida estranha, não é?
Há algumas coisas maravilhosas que você encontra na América; é bem parecido com Crufts [um campeonato de cachorros internacional, considerado o maior do mundo] – eles dizem, “Você está muito bem arrumado às 10:30 da manhã! E você tem um ‘domador talentoso'”. Coisas assim são muito, muito estranhas. De fato, há duas coisas que a maioria dos atores odeia e eu realmente adoro. Uma é fazer entrevistas, a outra é ADR [GDA: Gravação de Diálogo Adicional], que é quando você redubla partes do filme porque um avião atrapalhou a sua fala ou você não falou o desejável. A maioria dos atores realmente despreza o ADR, mas eu gosto bastante dele. Tem a ver com a forma pela qual você entra nas coisas, com qual mentalidade você assume as coisas. Se você vem para as entrevistas e pensa “Ah, Cristo, aqui está um fatigante questionário de 8 horas com as mesmas perguntas de sempre!”, é claro que você terá um dia horrível. Mas se você vai e pensa “Certo, estou aqui para conhecer um monte de pessoas. Com um pouco de sorte, algumas delas serão malucas e lunáticas”, então será ótimo, eu me divertirei! Alguns dos mais loucos nem estão lá por mim. Havia uma mulher que era absolutamente magnífica. Ano passado, no press junket, ela realmente sentou no colo do Rupert!

Deve ser uma coisa incomum, porém, principalmente para alguém tão jovem: um estranho vir e fazer a você um monte de perguntas pessoais…
Você se importa com isso cada vez menos. Como ator, seu principal recurso são as pessoas, as pessoas ao seu redor e as que você vai conhecer. Na verdade, eu estou – e não quero que você se sinta estranho -, mas estou estudando você tanto quanto você está me estudando, de certa maneira estranha. Lembro-me que eu estava falando com alguém uma vez e ele me disse em meio à conversa que era um psiquiatra. A partir daquele momento eu não queria mais falar com ele e [tê-lo] me analisando, maldição!

Você acha a fama intrusiva? Os fãs Potter podem ser entusiásticos – especialmente na América…
Há algo único na América. Acho que o lugar onde você nota mais americanos é na Inglaterra, porque a diferença é que as pessoas inglesas muito, muito raramente viajam à América para ver alguém, mas os americanos sempre vem para cá. Eles vem para premieres, e esse é o nível de dedicação, apoio e comprometimento – fanatismo, se você quiser. Então, sim, na América há uma grande diferença na multidão, no público. É muito difícil de definir, mas há uma incrível positividade sobre isso e é do tipo assustadora de certa forma, porque é um país tão grande, e com uma população tão enorme, que sempre existirão várias pessoas que gostam do que você está fazendo. Seria muito fácil perder de vista se o que você está fazendo é realmente bom, ou se essas são apenas pessoas que são obcecadas por Harry Potter e vão amá-lo não importa o que você faça.

Conforme vai envelhecendo, você está se tornando mais consciente de ser considerado um objeto de luxúria?
A coisa da luxúria geralmente pára quando eles me conhecem, quando falam comigo, porque eu não sou uma pessoa particularmente sexy com quem falar. Não acho que sou uma pessoa sexy para olhar – algumas pessoas o fazem, mas é quando você conversa fala comigo que eu não sou legal. Eu tenho um bom gosto para a música, acho; ex-namoradas me disseram isso. Isso é muito sexy. Mas elas são ex-namoradas! Além disso, eu gosto de coisas estranhas. Gosto de fatos estúpidos e aleatórios. Gosto de coisas sem importância. Gosto de conversa. Eu sou uma droga naquele tipo de breves conversas legais. Não sou bom em papo furado. Não consigo captar as linhas. Conheço um cara que baixa sua voz quando conhece garotas. Isso me irritou. Eu diria tipo ‘Que tipo de babaca é você?’, mas ele conseguiu montes de garotas, então quem deu a última risada?

Sim, mas você tinha o famigerado incidente da ‘garota muito excitada na toalha’…
A placa que ela estava segurando. Você ouviu essa?

Era ‘A Futura Sra. Radcliffe’?
Não. Garota diferente. A garota da toalha era muito atraente. A placa não significava nada para mim na época. Ela dizia: ‘Não vem nada entre mim e Harry Potter’…

As pessoas estão sempre perguntando sobre Emma Watson e namorados…
Eles provavelmente perguntam a ela mais do que a mim. Sou questionado ocasionalmente. Sou mais questionado por pessoas que me conhecem do que por jornalistas. Eles muitas vezes ficam um pouco envergonhados de me fazer essa pergunta. Os jornalistas simplesmente gostam de escrever sobre isso às vezes. Lembro-me no Dia dos Namorados, houve uma história sobre eu e Emma indo a um jantar romântico. Era simplesmente uma mentira. Não havia verdade nisso. Nós estávamos a cerca de 97 quilômetros de distância naquele momento! Uma vez, eu ouvi uma citação sobre jornalistas. Havia um jornalista australiano que foi nadar em águas infestadas de tubarão e quando ele saiu, todos disseram, ‘Meu Deus! Como eles não o atacaram?’ Ele disse, ‘Acredito que isso se chama cortesia profissional’. Lembro-me que estávamos fazendo uma conferência de imprensa – Rupert, eu e Emma. Ela estava sentada à minha direita e lá estava uma fotógrafa parada ao lado dela. Toda vez que eu olhava pra lá, ela estava tirando uma foto minha olhando para Emma. Eu realmente parei de olhar para ela no final. Foi muito, muito estranho.

Quando você conhece novas pessoas, há sempre um sentimento de desconfiança sobre suas motivações? Você se preocupa que elas estejam apenas querendo ser amigas do Harry Potter?
A coisa é que, se elas querem apenas ser amigas do Harry Potter, esse é o menor dos problemas. Se estão querendo fazer amizade com o Harry Potter, então elas podem contar histórias sobre o Harry, esse é o problema crucial que você tem que ter cuidado. Na verdade, você coloca limites para as pessoas por um longo tempo antes de realmente começar a falar mais livremente com elas, e, finalmente, você tem que confiar em seus instintos e saber que a maioria das pessoas terá um preço. Então, enquanto você está ciente desse tipo de coisa… não é uma forma agradável ter ver as pessoas, mas é um fato. Foi o melhor amigo do Richard Bacon quem o vendeu, eu acho. Não vou julgar isso nessa idade.

Mas você acha difícil se relacionar com pessoas da sua idade? Não atores?
Um dos meus melhores amigos me conhece desde que eu tinha cinco anos, e tenho uma grande amiga chamada Jessie que deve ter a minha idade. Eu me vejo conhecendo pessoas e, às vezes, ficando entediado com a conversa pelo fato de que não tenho nada em comum com elas. É muito estranho, mas você simplesmente se entedia. A coisa com pessoas da minha idade é que elas normalmente falam sobre as pessoas que conhecem, e como estou fora desse círculo e não conheço muitas pessoas, fico meio que perdido, realmente. Então eu tento mudar de assunto.

Isso soa isolado, mas você parece uma pessoa realmente feliz…
Somente depois de acabar de matar alguém! Não, eu sempre pareço uma pessoa feliz. Sou tão feliz como uma pessoa próxima, e tão triste como uma pessoa próxima. Não quero que as pessoas me vejam como essa pessoa irritantemente feliz e despreocupada. Se estou zangado, o que faço para exorcizar bastante disso é escrever tudo. Eu gosto de poesia. Acho que ajuda.

Quem é seu herói?
É loucura. Eu conheci toda a equipe Inglesa de críquete. Foi incrível. A maioria deles foi adorável. A coisa mais surpreendente para mim foi conhecer Sachin Tendulkar. Eles têm a prática de arremesso em Lords e ele estava na rede e indo para fora, e lá estavam os três caras que obviamente estavam torcendo pelo West Indies parados gritando para ele. Tudo o que eu tinha na mão era uma carta nove de ouros, porque eu tinha um baralho de cartas comigo – era uma partida de treino, não havia tempo de sobra! Então me senti muito mal – as pessoas fazem isso comigo -, eu meio que bati a carta no rosto do cara e disse, ‘Com licença. Você poderia autografá-la?’. Foi brilhante, porque ele também é baixo. Ele tem 1,65m, exatamente a minha altura, então foi brilhante encontrá-lo e, em seguida, pensar que ainda há esperança para a minha carreira de críquete! E depois houve um encontro com Andy Strauss. Incrível. Acho que a forma como me senti é como algumas pessoas se sentem sobre mim. Essa bajulação é incrível!

E agora você está no próximo filme sobre Dan Eldon, o fotógrafo que foi espancado até a morte em Mogadishu em 1993…
Há montes de coisas correndo por aí sobre isso no momento. Eu absolutamente estou incluso no filme e será fantástico interpretar o papel de Dan Eldon, mas as pessoas estão fazendo suposições sobre quando isso vai acontecer. Não irá acontecer, eu imagino, por um tempo ainda… está nos estágios bem iniciais. Basicamente, a história é sobre um fotógrafo que cresceu na África e descobriu uma paixão e um dom para a fotografia. No final das contas, para definí-lo com simplicidade, ele foi flagrado em algo que levou à sua morte.

Há relatos de que a mãe de Dan Eldon escolheu você entre outros atores. Essa é uma aprovação incrível…
Isso é incrível, se for verdade… não tenho idéia se é verdade ou não. Conheci alguns de seus familiares e conversei sobre Eldon com eles não tem muito tempo, e eles me mostraram alguns de seus diários, nos quais o filme será parcialmente baseado, e são incríveis. Cada livro – e deve haver cerca de 20, eu acho -, é tão grosso e tem pedaços esfarelados de fita adesiva, coisas e arames saindo deles. É algo incrível. Alguém que morreu muito, muito jovem, mas parece ter vivido uma vida tão plena quanto poderia ter feito alguém que chegou à velhice…

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling [TRADUZIDO] Revistas Empire e Filmstar abordam EdP e Radcliffe

HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL (2001)
O primeiro filme Potter não foi o primeiro papel de Radcliffe no cinema. Ele foi o jovem David Copperfield na sequência infantil da BBC TV, adaptação estrelada em 1999, ao lado de Ian McKellen, Bob Hoskins e Maggie Smith. Mas, antes, ele teve um pequeno papel na adaptação de John Boorman’s Le Carré, “The Tailor of the Panama”, que estreiou vários meses antes de Harry Potter. “Pedra Filosofal” foi um grande filme para um livro curto, talvez por causa da grande preocupação com a inclusão de todos os pormenores (ainda que seus jovens fãs tenham falado, animados, como se não os tivessem), e ainda muito bonito e ligeiramente doce.

Mas Chris Columbus e sua tripulação fizeram mais escolhas certas, não menos importante: Columbus tinha visto o cabelo assanhado de Radcliffe, em “Copperfield”, e o queria para o papel desde o início. Radcliffe foi o ator mais experiente das três crianças que fizeram o teste para o papel principal, e olhou, em seus pequenos óculos redondos e os trajes vermelho e dourado, quase exatamente como tinha imaginado a maioria das pessoas com os olhos claros de Harry.

Para alguns, os papéis principais levaram os atores a interpretar seus dois amigos, Rony e Hermione, iria ofuscá-lo. Mas, olhando bem, Daniel tem a tarefa mais difícil: Ele sempre teve que se manter no centro, mas sem nunca ser muito notado, já que ele era tão comum, mas também extraordinário: corajoso, áustero e brilhante, mas não tão excepcional. Radcliffe sugere encanto e é bastante profundo. Isso é um ótimo começo.

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling [TRADUZIDO] Revistas Empire e Filmstar abordam EdP e Radcliffe

HARRY POTTER E O PRISIONEIRO DE AZKABAN (2004)
O segundo filme de Chris Columbus na série Potter, A Câmara Secreta, se aproveitou do fato de ter o caminho já estabelecido, mas seu tom era bem similar ao do primeiro filme. Talvez um pouco mais dramático e assustador.

Foi com a chegada do diretor mexicano, Alfonso Cuarón, para o terceiro filme, que as coisas mudaram drasticamente: tivemos os Dementadores, Sirius Black, um novo Dumbledore e uma sensação bem mais sombria, fria e suja. Quando a partida de Quadribol desse filme é disputada, é no meio de uma tempestade. O visualmente sofisticado Cuarón (que também fez “E sua mãe também” antes d’O Prisioneiro, e que trabalhou no sinistro “Filhos da Esperança”), é um mestre na fotografia acinzentada, na camisa para fora da calça e na gravata mal arrumada: os padrões de Hogwarts claramente mudaram desde que Columbus saiu. O visual converge no Dickensiano, a obsessão do filme com o horror cômico refletindo a adolescência do nosso trio central.

Quanto a Radcliffe, seu personagem que cresce tão rapidamente também está mudando, desenvolvendo mais astúcia – ele não é mais o órfão sofredor, mas alguém com quem não se deve comprar briga, arrebatando a tia Guida em um arroubo cruel de magia. Ele ainda é um espectador na maior parte da ação – é parte do sentido dos livros de “Harry Potter” que Harry não chegaria a lugar algum sem a ajuda de seus amigos, apesar do fato de que ele se sente cada vez mais sozinho. O jovem astro poderia também ser sobrepujado pela enorme quantidade de grandes atores se espremendo a seu redor (novos para este filme: Gambon! Thompson! Thewlis! Oldman! Spall!), mas Radcliffe permanece no centro.

É muito empolgante; e nossa primeira visão do lado obscuro de Harry, lentamente aprendendo que há monstros tanto dentro dele, quanto fora.

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling [TRADUZIDO] Revistas Empire e Filmstar abordam EdP e Radcliffe

HARRY POTTER E O CÁLICE DE FOGO (2005)
Com um novo diretor (Quatro Casamentos eu um Funeral, Mike Newell), a trama maior e mais ampla até agora (esse é aquele com o Torneio Tribruxo e se estende até quase o dobro do tamanho de Prisioneiro na forma de livro, tornando um corte abundante uma dolorosa necessidade), e o primeiro da série com classificação PG-13/12A (pelo aumento dos níveis de violência de fantasia e imagens assustadoras), Cálice de Fogo é de todas as maneiras um monstro.

Atores ainda mais renomados se uniram ao enorme elenco (Brendan Gleeson, Miranda Richardson, Ralph Fiennes), mas os jovens atores também ganharam muitos dos aplausos: uma Emma Watson emotiva estava realmente começando a aparecer a essa altura, e um Radcliffe definido e robusto parece um adolescente adequado. Seu desempenho aqui foi um dos seus mais elogiados até então, cheio de cenas na água sem camisa, o pânico dos bailes escolares, brigas dramáticas com amigos, e o ciúme sexual sempre presente.

Newell é especialmente bom em momentos de personagem (e mais incompleto em seu manejo em ações e sequências de grandes efeitos, o que muitas vezes parece existir em um filme diferente), e ele ajuda Radcliffe dar ao Harry uma vida mais rica emocionalmente do que antes: ele sempre parece se esquivar das invisíveis, mas palpáveis ameaças exteriores enquanto luta com sua própria confusão interna. Nada parece seguro ou justo, e para o Harry, a maravilha do espetáculo em oferta (Dragões! Navios subindo do mar! Sereianos povoando o lago!) simplesmente parece entrar em seu caminho.

Apesar do tamanho dessa coisa, Newell parece estar mais interessado no realismo das relações entre os humanos que cresce nas histórias Potter do que na mecânica das cenas emocionantes, e isso se encaixa muito bem na crescente carreira artística do ator Radcliffe.

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling [TRADUZIDO] Revistas Empire e Filmstar abordam EdP e Radcliffe

HARRY POTTER E A ORDEM DA FÊNIX (2007)
O filme mais recente, lançado em 2007, foi o primeiro feito pelo diretor de televisão David Yates, que estará ligado à série até a sua conclusão: primeiro Enigma do Príncipe e, em seguida, as duas partes de Harry Potter e as Relíquias da Morte, esperadas para 2010-11. A história de fundo em Ordem da Fênix está ficando mais política, conforme as linhas da batalha são traçadas e a vasta multidão de personagens é forçada a escolher lados. O trabalho de Yates em State of Play e Sex Traffic parece ter sido uma preparação ideal para isso.

Mais uma vez, a enorme tamanho do livro significou múltiplos cortes, com a vítima principal sendo o Rony de Rupert Grint: suas tentativas para entrar no time de Quadribol da Grifinória foram completamente perdidas. Cada filme Harry Potter consegue a sua agitação justa, e este é ainda o melhor e mais obscuro deles nas análises, e então aqui está, com novos membros no elenco (principalmente, a maravilhosamente burocrata Imelda Staunton, Helena Bonham Carter e a novata Evanna Lynch) especialmente elogiados. Quanto ao Radcliffe, ele e Yates parecem ter se dado bem imediatamente: o potente ataque inicial pelos Dementadores no parque tem um realismo quase de documentário, enquanto a tentativa de romance com Cho Change de Katie Leung é devidamente frágil, e sua noite pesadelos horrível. (Nem tudo é bom, entretanto: Radcliffe talvez ainda seja melhor na raiva e paranóia do que nas coisas mais sutis). Esse é um filme mais cruel e sombrio do que qualquer um de seus antecessores, constantemente operando na sombra do fascismo, da paranóia, loucura e morte.

Na sorridente e rosa Dolores Umbridge de Staunton, nós temos talvez o vilão mais potente da série – ela é a encarnação da repressão de respeitabilidade no meio da sala de aula, a ramificação executiva do governo deixada desmarcada. Voldemort empalidece em comparação.