Filmes e peças ︎◆ O Enigma do Príncipe

Coming Soon divulga set report e conversa com Jessie Cave

O site de cinema Coming Soon divulgou seu set report e entrevistas com cinco atores do elenco de Harry Potter e o Enigma do Príncipe. Nós traduzimos o primeiro texto, que contém, além algumas informações do set, citações da atriz Jessie Cave (Lilá Brown).

Depois o primeiro beijo foi bem e nós o fizemos algumas vezes. Ao final do dia, eu espero não tê-lo machucado. Eu estava mais preocupada com lascar um dente. Estava realmente preocupada. Acho que a primeira ou segunda vez eu fui um pouco enérgica demais para ele.

A tradução deste texto vocês podem conferir na íntegra em notícia completa. Fiquem ligados, pois estaremos divulgando as outras traduções ao longo do dia, e outros relatos devem sair muito em breve!

Atualizado: Todas as entrevistas já se encontram completamente traduzidas na extensão!

HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE
No set de Harry Potter e o Enigma do Príncipe

Coming Soon ~ Heather Newgen
08 de julho de 2009
Tradução: Daniel Mählmann

Nós estávamos esperando pacientemente para revelar os detalhes do set de Harry Potter e o Enigma do Príncipe que visitamos no início do ano passado, e agora podemos finalmente contar a você sobre as nossas experiências do sexto filme.

Em janeiro de 2008, o ComingSoon.net foi enviado a Londres para passear pelo set por um dia e conversar com o elenco. Era uma manhã fria quando acordei por volta das 7h para me preparar, mas estávamos tão animados para ver o set que não importava o quão frio estivesse. Vestimos casacos e saltamos em uma viagem de ida e volta aos Estúdios Leavesden, que fica a cerca de uma hora de distância de Londres.

Quando chegamos, fomos cumprimentados pelo publicitário do filme e levados à área da imprensa, que fora decorada com a árvore de Natal da família Weasley com diversos ornamentos, e presentes falsos belamente embalados foram colocados embaixo.

Enquanto nós bebericávamos um chá quente e comíamos bolo, notávamos avidamente que a sala estava preenchida com outras recordações, como uma máscara de Comensal da Morte que era um pouco assustadora, mas legal de se ver, lanternas chinesas da festa do Horácio Slughorn juntamente com o seu pijama lilás de seda, que simplesmente combinava com uma cadeira com aparência de ser de cozinha, o gabinete de frascos de memórias e vestido em um manequim estava o robe cinza de Harry Potter e um casaco cinza, que foi combinado com uma camisa vinho escuro.

Embora a última parcela da franquia tenha mais humor adulto e tenha sido chamada de mais engraçada, ela também é considerada como o filme mais obscuro de todos os filmes “Potter”.

“Há o sentimento de agouro em torno do exterior do filme, que é o crescimento da força de Voldemort, coisas terríveis estão acontecendo no mundo exterior e Dumbledore está instruindo Harry para um momento em que ele não estará mais aqui, ainda que Harry não esteja consciente disso. Eles percebem que Voldemort não é apenas invencível, mas que ele é sete vezes invencível”, o produtor David Barron explicou.

Além disso, as crianças estão crescendo e descobrindo o sexo oposto de uma forma que não tinha sido abordada nos filmes anteriores. Os relacionamentos se tornaram mais românticos e complexos.

Harry Potter terá alguns problemas amorosos quando ele começa a ver a sua antiga amiga Gina Weasley mais como um interesse amoroso, algo que causa alguns problemas com Rony.

Quando falamos com Daniel Radcliffe, ele descreveu suas cenas de amor com Bonnie Wright como “um pouco estranhas” porque Gina sempre foi considerada uma amiga de Harry até recentemente. Radcliffe explicou que ele nunca soube que Wright viria a ser um interesse amoroso, então ele foi pego um pouco desprevinido. No entanto, ele nos disse que teve bons momentos filmando as cenas de amor e espera que isso se transporte para o filme.

Mas Potter não é o único que terá problemas amorosos. Há um bagunçado triângulo amoroso entre Rony Weasley, Hermione e Lilá, que inventou em sua cabeça que Rony é a pessoa da sua vida. Hermione fica especialmente chateada sobre a Lilá, mas está determinada a não deixar mostrar os seus sentimentos ou ciúmes.

A novata Jessie Cave interpreta a excessivamente obcecada Lilá e falou ao ComingSoon.net sobre sua personagem. Vestida em seu traje completo de Quadribol, com um lenço enorme que ela estava usando para mostrar o espírito de equipe, Cave explicou, “Esta é a manhã do grande jogo de Quadribol e ela beija o Rony depois. Essa é a Lilá tentando parecer bastante legal e mocinha. Ela está completamente entusiasmada para ir e apoiar a Grifinória.”

Rony finalmente está recebendo alguma ação nos filmes “Potter”, e a cena de beijo com Cave tem provocado muito interesse. Então é claro que tivemos que perguntar à Cave sobre ele, e ela foi muito honesta e hilária quando descreveu como foi para ela.

“Foi muito, muito engraçado porque foi bem cedo no cronograma de filmagens. Ele correu realmente, realmente bem. Foi realmente muito engraçado porque havia cerca de 17 estudantes da Grifinória também, e é uma grande cena porque estou em pé em uma caixa daquele tipo de naufrágio. Todos estão torcendo por ele porque ele foi bem na partida. Foi realmente legal e muito engraçado, e não foi muito enervante.”

“Depois o primeiro beijo foi bem e nós o fizemos algumas vezes. Ao final do dia, eu espero não tê-lo machucado”, Cave continuou. “Eu estava mais preocupada com lascar um dente. Estava realmente preocupada. Acho que a primeira ou segunda vez eu fui um pouco enérgica demais para ele”, confessou a jovem atriz.

Embora Lilá possa ser realmente agressiva em ir atrás de Rony, Cave diz que ela é exatamente o oposto.

“Eu nunca ficaria atrás de um garoto daquele jeito. Nunca seria tão óbvia. Nunca seria tão clara em meu tipo de perseguição, por isso é bastante divertido imaginar que eu poderia ser assim. Não acho que eu teria esse tipo de coragem… de certa forma, ela consegue o que quer por um período de tempo muito pequeno. Eu não acho que é bom conseguir alguém dessa maneira. Eu não sou como ela de forma alguma.”

Quanto à razão pela qual ela acha que sua personagem tem uma fixação tão forte por Rony, Cave não tem certeza, mas ela nos conta sobre a interação com Hermione como um resultado.

“É bastante volátil. Tal como a personagem, eu realmente não tenho olhado a Hermione nos olhos… na maior parte, eu estou tentando não reconhecê-la, o que a deixa bastante irritada.”

Nós também falamos com Daniel Radcliffe, Rupert Grint, Emma Watson, Tom Felton e Bonnie Wright. Você pode ler as entrevistas usando os links abaixo!

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling Coming Soon divulga set report e conversa com Jessie Cave

HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE
Visita ao Set: Emma Watson

Coming Soon ~ Heather Newgen
08 de julho de 2009
Tradução: Virág Venekey

Ainda com o figurino que consistiu em um par de jeans transado e uma camiseta, Emma Watson sentou com o CoomingSoon.net e conversou sobre as discussões com Ron em Harry Potter e o Enigma do Príncipe. Watson brincou sobre como o lado ciumento de seu personagem se revela nesse filme e os exageros que Hermione comete para se aproximar novamente do seu amigo agora que ela tem sentimentos por ele:

P: Esse filme é como a comédia romântica de “Harry Potter”. Isso é verdade? Tem muito disso?
Emma Watson: Sim. É algo similar. É realmente, para a Hermione certamente esse filme é sobre seu relacionamento com Ron e como isso se desenvolve e ao mesmo não se desenvolve porque obviamente ele tem um enrolamento acontecendo com a Lilá. Então eu acho que vai ser bem humorado. Certamente está sendo bem hilário para filmar e nós temos tido acessos de riso a ponto de termos que parar, “Desculpe. Nós precisamos de cinco ou dez minutos porque, francamente, isso não pode estar acontecendo.” Então de fato tem sido realmente, de fato engraçado.

P: Qual foi a melhor parte do que você filmou até agora?
Watson: Eu acho uma das partes que eu mais gosto nesse filme é obviamente sobre o relacionamento, mas há também muitas cenas entre Hermione e Harry porque Ron e Hermione têm todos esses problemas. Esses fatos aproximam Harry e Hermione e há muitas cenas deles conversando e há uma cena onde Hermione vê Ron beijar Lilá pela primeira vez. Eles simpatizam um com outro porque Hermione fica de fato irritada com Ron e Harry também está decepcionado porque ele nada pode fazer a respeito de Gina, que é a pessoa que ele gosta na verdade. Então, eu gosto bastante dessas cenas. Eu sei que não é a parte mais interessante e não tem os melhores efeitos visuais ou não há nenhum dragão ou qualquer outra coisa, mas para mim são verdadeiramente engraçados e bem simpáticos. Eu acho que esses vão ficar bem legais.

P: De que forma você demonstra o seu ciúme?
Watson: Bem, Hermione fica com Córmaco que está nesse filme [e] é esse tipo horrível de garoto franzino e realmente arrogante. Ele se amostra sobra tudo e é de fato horrível. De acordo com que Hermione fala, ele é vulgar e ela nem teria considerado ele até que, obviamente, Ron de alguma forma a machuca e começa sair com Lilá. Então ela de certa forma usa ele para se vingar de Ron porque ela sabe que essa é a pessoa que vai incomodar mais Ron caso saia com ele, afinal eles têm também uma competição acontecendo no Quadribol. É esperto e mostra a você o que as garotas são capazes de fazer. É engraçado porque ele de fato tenta ficar com Hermione e ela tenta fugir dele.

P: Córmaco tenta?
Watson: Córmaco realmente gosta de Hermione. É de fato engraçado. Nós estamos fazendo uma sequência no jantar de Slughorn para o Clube do Slug e nós estamos rodando uma cena e eu novamente mal consegui me agüentar nas filmagens, mas basicamente Côrmaco está dando todas aquelas olhadas para Hermione e David Yates estava experimentando o quão ridículo ele poderia ficar. Côrmaco estava lambendo creme dos seus dedos e olhando Hermione e todas essas coisas. Eu não sei como ele esperava que eu conseguisse me manter concentrada. Então Hermione se enfurece com esse tipo de coisa, “Oh, meu Deus!”, ela não sabe lidar com isso. É engraçado. É realmente engraçado e Freddie Stroma faz muito bem. Boas coisas estão sendo feitas. Vai ser de fato muito engraçado.

P: O Rony percebe que você está com ciúmes e irritada com a nova namorada dele?
Watson: Eu acho que sim, mas ele está de fato com ciúmes porque descobre do Harry, bem, ele não descobre do Harry, mas de alguma forma ele faz a pergunta, “Você acha que Hermione e Côrmaco se beijaram?” Eles provavelmente não. Não foi mostrado no filme. Harry fala, “Eles provavelmente se beijaram.” Então ele fica muito ciumento e esse tipo de coisa, “Oh, bem”. Então eu acho que ele percebe. Acho que ambos estão negando tanto seus sentimentos que fica engraçado.

P: Você pode falar sobre como foi pegar o sétimo livro e ler ele?
Watson: Meu Deus, sim. Foi realmente péssimo porque eu tinha acabado de sair de férias quando me mandaram o livro e foi enviado para a minha casa. Então na verdade eu tive que sair e compra-lo porque queria ler muito e não queria esperar até chegar em casa. Então, aquilo foi estranho porque todo mundo estava me olhando tipo, “Oh, meu Deus, é a Hermione. Ela está na fila conosco para conseguir o livro.” Aquilo foi realmente engraçado. Eu fui para a Borders e atraí muita atenção.

P: Você leu primeiro o final do livro ou esperou até chegar nele?
Watson: Não. Eu me comportei bem. Eu fui comedida. Eu não queria que a mágica acabasse. Eu queria que ele durasse o quanto podia. Eu li até o final e foi bom.

P: Então o Rupert foi o único que foi direto no final primeiro.
Watson: Isso é típico de Rupert. Ele é incrivelmente preguiçoso. Ele deveria fazer um esporte da preguiça.

P: Sim, isso foi o que o Daniel Radcliffe disse. Ele nos falou sobre aquele lance do aparelho de DVD.
Watson: Ele é diferente de tudo que você já viu. Ele é preguiçoso de uma forma simpático, mas aquilo é mesmo típico de Rupert.

P: Todo mundo ainda fica lá no camarim dele?
Watson: Sim, de certa forma. A minha é meio entediante comparando com a dele porque ele tem todos os jogos. Ele tem mesa de pingue-pongue e sinuca e tudo mais. O dele continua sendo o lugar para se estar.

P: Você tem se preparado emocionalmente ou mentalmente para quando tudo isso acabar em alguns anos?
Watson: Sim, de certa forma. Eu acho que estou apenas consciente de que esse vai ser o último e sei o que acontece. Eu sei onde vai dar e como vai ser concluído. Obviamente eu vou ficar muito triste, mas vou ficar também muito animada porque significa que outras coisas podem começar.

P: Eu li que você fez recentemente seu primeiro projeto novo com o “Ballet Shoes”. Como isso te mudou, em termos de atriz, começar trabalhar com outras pessoas em uma história diferente?
Watson: Deu-me bastante confiança e aprendi muito o fazendo. Fazer um filme para TV foi muito diferente em termos de velocidade e em termos de orçamento, em termos de tudo. Então eu realmente adorei e sou muito grata por ter feito.

P: É muito mais intimo do que você está acostumada.
Watson: Sim, realmente foi e eu adorei porque todo mundo estava bem próximo e todos se uniram como um time porque era uma equipe técnica pequena tentando fazer algo grande. Eu realmente gostei muito.

P: Que tipo de atividade você faz para deixar a Hermione de lado em um outro papel?
Watson: Bem, eu estava bastante preocupada no início. Eu estava preocupada que a Hermione iria aparecer; que ao dizer as falas iria achar difícil ser alguém diferente, mas eu me identifiquei tanto com a Pauline e sua historia que basicamente me surpreendi comigo mesma como saiu de forma natural ser ela e estar no lugar dela se isso faz sentido. Logo foi bastante fácil.

P: Você pode falar sobre seu site oficial? Você está gostando de fazer e o que você pretende fazer com ele?
Watson: Sim, eu realmente gosto. É algo muito divertido de fazer. Parece chato, mas eu realmente queria dar algo em retorno. Eu recebo tantas cartas e coisas que não tenho tempo de ler e não tenho uma forma de me comunicar com as pessoas e os fás do filme, da Hermione e tudo isso. Então eu queria uma forma de poder me comunicar com eles porque não posso responder a cada um individualmente, pois é fisicamente impossível. Eu cheguei à conclusão que é uma boa forma de fazer e uma forma divertida de fazê-lo. Eu acho que está indo bem e tem sido bem útil. Eu realmente estou muito satisfeita de ter feito o site.

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling Coming Soon divulga set report e conversa com Jessie Cave

HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE
Visita ao Set: Tom Felton

Coming Soon ~ Heather Newgen
08 de julho de 2009
Tradução: Adriana Couto Pereira

Na tela, Draco é um rapaz ciumento e condescendente que menospreza Harry Potter, mas Tom Felton, que interpreta o vilão, é na verdade muito amigo de Daniel Radcliffe e falou sobre sua visão de seu personagem que as pessoas amam odiar:

Q: Você tem um papel maior neste filme.
Felton: Sim. Um naco maior para morder, com certeza.

Q: Fale sobre isso e sobre o desafio de interpreter um papel tão central.
Felton: Bom, na história, Draco é um personagem um pouco mais central do que o bem e o mal. Acho que pelos últimos cinco anos ele tem sentido muita inveja de Harry ser o escolhido. Acho que ele teve uma oportunidade de ser escolhido também para os outros garotos. Acho que assim que a oportunidade surgiu, ele aceitou.

Q: Então ele descobre que não é tão legal quanto parece?
Felton: Algo assim. Acho que ele tem algumas perguntas internas que dificilmente poderia responder sozinho. Ele não percebe exatamente a seriedade do que está fazendo consigo mesmo, nem a falta de confiança que realmente tem naquilo que está tentando fazer.

Q: Após todos esses anos e todos esses filmes, como é para você finalmente ocupar , de certa forma, o papel central?
Felton: É ótimo descobrir mais sobre o personagem e mergulhar um pouco mais fundo em sua relação com o pai. Seu pai não está por perto neste filme, então ele se sente um pouco fraco sem sua presença, definitivamente, mas sabe que ele é o cara da Mansão Malfoy, então ele tem que seguir seu jogo. É também uma contradição. Ele quer seguir e ser útil, mas ele também sabe lá no fundo que não é nem metade do homem que Harry é, tenho certeza.

Q: É um pouco como Snape, que ninguém realmente sabe se ele é bom ou mau ainda.
Felton: Isso mesmo.

Q: Onde você acha que ele se encaixa, então?
Felton: Ele não está acostumado com a ideia de que alguém está cuidando dele ou tentando ajudar. Ele ama a ideia de ser o escolhido e mais ninguém. “Ninguém pode me ajudar. Deixe comigo. Farei isso. Vai ser moleza.” O que inevitavelmente não acaba em seu favor, mas acho que quando Snape tenta interferer em seus planos e tenta ajudá-lo, ele fica muito tentado a dizer não, obrigado, embora não com essas palavras.

Q: E ele até mesmo se desentende um pouco com seus colegas, certo?
Felton: Oh sim. Como eu disse, nos anos anteriores ele nunca tinha nada importante acontecendo em seu dia a dia na escola e então escolher lugares era seu passatempo, mas acho que agora ele está certamente mais aprofundado em seu estado mental e as pequenas coisas triviais que costumava fazer durante o dia não parecem mais tão excitantes quanto antes. Ele parece estar um pouco mais distante e imerso em seus próprios pensamentos, como qualquer um estaria se tivesse uma tarefa como essa para fazer.

Q: O que você achou mais desafiador para essa produção em particular?
Felton: Bom, até agora tivemos apenas um pouco disso e estou certo que o melhor ainda está por vir. Gosto da ideia dessa personalidade conflitante nele. Metade dele está deseperado para ser o próximo escolhido e enquanto isso a outra metade está deseperadamente aborrecida porque seu pai não está lá. Ele sabe lá no fundo que isso não vai acontecer e esse sentimento cresce devagar até o final.

Q: Esse é o seu traje veste durante a maior parte do filme?
Felton: [rindo] Acho que sim. É um tipo de roupa de baixo. É tipo muito preto e astute este ano. Falando em geral, sim. Obviamente ele tem o uniforme escolar para os momentos de aula, mas acredite ou não, isso é o casual de Draco. Tentei pensar sobre o que ele usaria em um casamento ou algo assim…

Q: Você acha que isso está mais de acordo com Draco porque agora ele se acha mais importante?
Felton: Sim, sem dúvida. Ele gosta da ideia de usar vestes que não estão disponíveis a todas as outras crianças da escola e certamente ostenta isso como um dedão machucado. Isso definitivamente dá a ele aquela sensação de superioridade e seu pai não veria de outra forma, tenho certeza. Ele gosta disso.

Q: Seu personagem não é tão bonzinho, mas quando você se vê interpretando-o, chega a pensar que ele é horrível?
Felton: Não particularmente. Tenho que admitir que nos anos anteriores ele sempre foi um pouco bajulador. Ele não é realmente horrível. Ele é arrogante e esnobe e vários outros adjetivos que não posso usar, mas neste filme ele amadureceu muito, ou pode-se pensar assim, pelo menos. Ele não tem mais interesse em chamar Harry de perdedor. Ele está tentando realizar secretamente sua tarefa e então acho que está definitivamente mais desenvolvido.

Q: Ele executa uma ação realmente violenta no trem, logo no início.
Felton: Sim, foi legal. Esperei anos para fazer isso. Foi muito divertido fazer aquilo e é legal ter os ases na mão mesmo que só momentaneamente. Foi gostoso e muito divertido. Acho que isso trás a ele a ideia de ser o escolhido. Ele gosta da ideia de se mostrar como o verdadeiro escolhido. Então foi um momento de orgulho para Draco, obviamente.

Q: Seu personagem está constantemente aborrecendo Harry. Qual é sua verdadeira relação com Daniel Radcliffe?
Felton: O jovem Daniel. Muito boa. Nós obviamente já nos conhecemos há alguns anos. É bem estranho porque mesmo tendo crescido juntos, ao mesmo tempo estivemos separados, porque temos uns quatro ou cinco meses entre as filmagens e cada vez que voltávamos, estávamos ambos um pouco mais maduros e ligeiramente diferentes. O legal é que ambos somos grandes apaixonados por cricket. Podemos passer horas falando sobre cricket, o que certamente não interessa nem um pouco a você, mas esse é geralmente o assunto de nossas conversas e obviamente nós dois curtimos filmes e várias outras coisa, e música também. Não tenho certeza se curtimos o mesmo tipo de música, mas somos ambos apaixonados por música. Então temos bastante em comum para manter uma amizade saudável.

Q: Como ator, você está na posição peculiar de interpretar um personagem popular, mas um personagem que todos amam odiar.
Felton: Sim, é divertido.

Q: Isso repercute em você como pessoa, quando é reconhecido pelas ruas? As pessoas costumam misturar o personagem e o ator?
Felton: Tenho que admitir que tenho muita sorte com isso quando estou vestido normalmente – espero que você acredite que eu não ando pelas ruas vestido assim. Tento ficar um pouco mais casual. Então geralmente tenho muita sorte pois não sou apontado ou reconhecido na rua. Já tive algumas experiências com crianças ao longo dos anos, crianças que são provavelmente muito novas para entender que eu não sou aquele que aparece na tela. Então elas costumam se esconder atrás das pernas dos pais. Isso é comum, mas também é normal que as crianças se assustem. Devo estar fazendo algo certo. Não devo estar indo tão mal.

Q: O que você está esperando ansiosamente para filmar que ainda não fez?
Felton: O jovem Daniel e eu temos uma bela batalha no banheiro que estou ansioso para ver. Soa um pouco estranho, né, mas garanto que é acima das expectativas. Isso sera legal, fazer um pouco de sequência de ação, para falar assim, e claro que a cena final na torre de astronomia. Estou muito ansioso por isso. Li a cena tantas vezes que já tenho em minha cabeça até como ela vai ficar. Então estou realmente excitado a respeito do que está sendo produzido.

Q: Qual a sua reação ao sétimo livro?
Felton: Eu realmente gostei. Honestamente, assim que saiu eu fui deseperado ver em que estaríamos potencialmente trabalhando nos próximos anos. Fui um fã tardio dos livros. Na primeira vez que fui aos testes, não estava familiarizado com os trabalhos. Lentamente, mas com segurança, virei um grande fã das histórias mais do que tudo. Então, eu realmente gostei do sétimo livro. Sei que algumas pessoas tiveram opiniões diversas, mas acho que a cena final com a grande batalha na escola, o bem e o mal – eu achei perfeita. Não foi como eu achei que seria, mas foi como eu gostaria que acabasse. Teve um monte de mortes e um pouco de choque, mas isso adiciona um toque final bacana. Você pode dizer que é o último livro pelo jeito que todos estão se acertando. Isso é apressado. Estou ansioso para isso.

Q: Você leu a última página antes do restante da história?
Felton: Oh não. Sou um homem paciente com essas coisas. Estava contente. Eu sabia que seria o ultimo livro e que dali pra frente não haveria mais aventuras futuras. Então quis ter certeza de ler relativamente devagar. Me programei a ler alguns capítulos por seman. Me programei para durar um mês ou dois diferente de meus amigos, que em geral leram em 48 horas e claro que ficaram desesperados para falar sobre tudo o que aconteceu. Eu evitei ouvir sobre isso.

Q: O que você acha do Rupert Grint ser o único do elenco que leu o final imediatamente?
Felton: Mesmo? Oh, eu tinha uma ideia melhor sobre ele. Realmente, eu tinha. Vou falar disso na próxima oportunidade. Estou desapontado com esse rapaz. Tenho certeza que ele fez isso com boas intenções.

Q: Draco tem momentos de avanço e de recuo nesse livro. O que você pode falar sobre isso?
Felton: Sim, foi meio divertido para mim. Lá pela metade eu estava pensando, “O que está havendo? Isso está meio enrolado, não é?” Então no final ele volta para seus antigos hábitos de “Não vou deixar você fazer o que quer, Harry”. Fico feliz que isso tenha sido no final e que tivemos uma chance de fazer. Pensei que haveria uma parte muito boa no final, as palavras finais do livro sobre Harry ver seu filho no trem e ver Draco colocar seu filho no mesmo trem. Acho que seria um final brilhante para concluir tudo.

Q: Seu filho chama Escórpio.
Felton: Sim. [risos] O que dizer? Não foi minha escolha.

Q: Se o epílogo for mantido, há alguém que você gostaria de ver interpretando o velho você, ou você mesmo gostaria de tentar?
Felton: Não sei, realmente. Nem pensei nisso. Tenho certeza que prestarão atenção nisso quando chegar a hora. Ficarei feliz em acrescentar alguns anos se puder fazer isso. Sim, certamente, mas se não, então Johnny Depp pode ficar à vontade. Provavelmente estou me adiantando, porque nem pensei nisso, para falar a verdade.

Q: Você acha que há alguma esperança de Draco se tornar uma pessoa melhor?
Felton: Eu realmente pensei que haveria, mas não. Geralmente, acho que está tão arraigado nele essa coisa de ser um cara interesseiro.

Q: Eu esperava que o sétimo livro trouxesse algo de bom. Acho que salvar Harry teria sido demais.
Felton: Bem, Harry o salva, não é? Duas vezes. Então eu achei que haveria um grande “Obrigado por tudo, desculpe por ter sido um idiota pelos últimos oito anos, ou algo assim”.

Q: Ele leva um soco na cara, em lugar disso.
Felton: Sim, eu tive o meu saipralá, eu acho. Na verdade, eu sou só um grande saco de pancadas, não sou?

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling Coming Soon divulga set report e conversa com Jessie Cave

HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE
Visita ao Set: Rupert Grint

Coming Soon ~ Heather Newgen
08 de julho, 2009
Tradução: Adriana Couto Pereira

Rupert Grint foi mais que generoso com seu tempo ao falar com ComingSoon.net e conversou sobre tudo, desde quanto o seu personagem cresceu em Harry Potter e o Príncipe Mestiço até sua banda favorita e os jogos que ele curte:

P: Que roupa incrível. Fale sobre ela.
Rupert Grint: Sim, é só um pedaço dela. É só uma parte do uniforme porque sou um apanhador e preciso desse body de couro compacto e tenho esse tipo de chapéu de Apanhador que parece um pouco um capacete. Eu sou do time de quadribol esse ano. Está sendo legal. É meio anticlimático porque isso é na verdade doloroso e muito desconfortável.

P: Como assim?
Grint: Porque eu fico sentado na vassoura e isso é muito desconfortável. E temos arreios e cabos para a vassoura se mover e isso machuca um pouco, mas é divertido e eu estou adorando.

P: Daniel disse que agora você entende por que ele não é tão louco por isso.
Grint: Entendo sim. É a primeira vez que vou jogar quadribol. Eu sempre fui meio desconfiado para tentar. Sim, ele sempre disse que era bem dolorido e que ele definitivamente não é muito confortável.

P: Então o que acontece no campo? Soubemos que será um pouco mais cômico do que costumava ser.
Grint: É sim. Dessa vez há bem mais grace que da última. Da última vez foi bem sinistro mas agora há tipo um pouco mais de luz. O quadribol é muito divertido porque para Ron há dois lados nisso tudo. Há um lado onde ele acha que é realmente bom porque ele pensa que tomou a poção e há o outro lado onde zombam dele e ele não é mesmo muito bom. Tenho que fazer um pouco de cada um.

P: Você também tem um pouco de romance nesse filme. Pode falar sobre isso?
Grint: Sim, claro. Ron arruma uma namorada agora. Jessie Cave, que interpreta Lilá, é muito legal. Ela é realmente divertida. Nós já filmamos a cena do beijo há algumas semanas. Foi na verdade um pouco embaraçoso. Eu não me senti muito desconfortável até que o dia chegou. A cena mesmo foi feita na sala communal cheia de gente torcendo e eu estava parado nesse pequeno tablado, esse palco, e foi até, um, me senti bem auto-consciente porque todo mundo estava olhando para nós. Estávamos ambos nervosas mas acho que foi tudo bem.

P: Foi sua primeira cena de amor ou de beijo?
Grint: Não, eu fiz uma outra em “Driving Lessons”, havia um pequeno beijo naquele filme. Mas tudo bem, porque eu estava na minha. Mas agora foi bem diferente. Mas logo ficou bom.

P: Quantas tomadas vocês fizeram? Acho que Daniel disse que ele teve que fazer algo como 30.
Grint: 30 mesmo. Não, o meu não foi assim. Acho que cerca de oito, proque ele sabia que estávamos muito desconfortáveis e foi uma cena muito enervante e tensa, então ele nos fez repetir umas oito vezes, acho que não foi tão ruim.

P: Você mascou um monte de chiclete ou balinhas antes?
Grint: Sim, definitivamente eu masquei.

P: É uma relação bem diferente entre Ron e Lilá do que costumamos ver nos livros. É a única cena que é puramente física, cheia de hormônios adolescentes. Isso foi difícil pra você?
Grint: Não, ´nós apenas fizemos um tipo de resumo disso, mas foi bem legal. Foi bom porque desde o início Ron nunca esteve muito confortável com toda aquela coisa e isso foi tipo seu primeiro relacionamento. Ela fica um tiquinho enlouquecida e possessive e tal e tipo o assusta um pouco e ele fica meio que estranhando. Foi bem legal. Ela é bem divertida, bem como Lilá.

P: No útimo filme Ron tem umas discussões com Harry e foi um pouco sinistro. Me fale sobre a jornada do personagem de Ron nesse filme e como isso é diferente.
Grint: Ele está um pouco mais convencido agora porque está no time de quadribol e tem uma namorada e está tipo achando que é especial. Foi algo bem novo de se fazer porque antes ele era um pouco tipo nerd e não se encaixava muito. Mas agora é bem legal de fazer todas essas coisas.

P: O que Hermione acha dele ter uma namorada nesse filme?
Grint: Acho que ela fica meio ciumenta e dá pra ver isso no filme porque há algumas cenas que sugerem que ela tipo gosta do Ron e isso meio que nos leva para o sétimo filme.

P: Quais suas expectativas sobre o sétimo chegando de um jeito ou de outro, mudou alguma coisa para você, que já estava aqui há tanto tempo agora que as coisas estão começando a se dirigir a um final?
Grint: Acho que sim. Eu amei o sétimo livro. Acho que foi realmente bom e eu gostei mesmo do meu final. Então sim, eu realmente estou ansioso para fazê-lo. Não estou pensando muito nisso porque estou fazendo este, mas é o primeiro filme que realmente sabemos para onde a história está indo. Antes, havia um livro que ainda não havia sido lançado ainda, então sim, vai ser muito legal.

P: O que você acha que foi a coisa mais desafiadora que fizeram até agora?
Grint: Quadribol é bem difícil. Fiquei surpreso com a demanda física disso, porque temos que fazer um pouco de treinamento em um trampolim que era bem assustador, porque ficávamos em um lugar bem alto. Eles nos erguem até lá com aquele cabo e temos que fazer cambalhotas e coisas assim, e eu realmente não fiquei à vontade fazendo aquilo.

P: Uma vez que JK Rowling revelou que Dumbledore era gay, Michael Gambon poderia tipo mudar algumas coisas. É verdade?
Grint: Não sei. Eu não fiz nenhuma cena com Michael Gambon ainda. Mas fiquei bem chocado e foi bem divertido. Quando você tipo para pra pensar sobre isso, faz sentido de várias formas. Eu achei legal.

P: Quando vemos vocês nos tapetes vermelhos ou nas festas, sempre perguntamos o que estão pensando sobre o fim e o que vai acontecer. O que aconteceu quando vocês terminaram de ler o livro? Vocês telefonaram uns aos outros, ou qual foi a reação?
Grint: Eu fiquei mesmo bem surpreso porque havia tanta onda sobre isso que eu estava esperando que um de nós não fizesse isso. Então eu fiquei bem surpreso porque achei que um de nós morreria. Eu fiquei feliz porque é um final bem legal e todos vivemos felizes para sempre, então foi legal. Tudo ficou bem.

P: Você está preparado para o final?
Grint: Não sei. Definitivamente posso senti-lo chegando e acho que será bem triste e eu vou sentir falta de tudo. Já passou tanto tempo, foram 9 anos e eu realmente curti. Então não sei. Vai ser muito estranho, mesmo.

P: Nós basicamente acompanhamos o crescimento de vocês pela tela. Isso foi estranho para você?
Grint: É, especialmente porque estou chegando aos 20 esse ano, então é bem esquisito. Especialmente porque estão passando os antigos filmes na TV recentemente, e eu me vejo neles e é bem esquisito, porque éramos tão diferentes!

P: Daniel disse que brincou com você por ter que fazer a cena do beiro, mas ele deu algum tipo de ajuda ou dicas antes ou ele só riu de você?
Grint: Sim, foi basicamente isso que ele fez. Não, ele não me deu nenhuma ajuda de verdade. Tudo aconteceu bem rápido, até. Foi bem rápido e bem embaraçoso e eu realmente não estava ansioso por isso. Mas tudo bem.

P: Jessie beija bem?
Grint: Não, sim, foi legal. Foi um beijo bem rápido e sim, foi legal mesmo.

P: Quando você estava lendo o sétimo livro, houve algo que te deixou ansioso para filmar?
Sim. Eu fiquei realmente interessado no fim, porque tem aquele epílogo que pula 19 anos no futuro e como eles vão fazer isso. Algum tipo de maquiagem ou algo assim.

P: Você leu o fim do livro quando colocou as mãos nele? Você teria pulado imediatamente para o final?
Grint: Sim, pulei. Eu não pude aguentar, eu tinha que saber.

P: Você teve medo de que Ron morrece, o que estava te deixando preocupado?
Grint: Seria divertido, eu acho que seria uma cena legal e foi o último livro,então eu não teria sentido falta de nada, então acho que seria legal. Mas acredito que o fim como aconteceu foi da melhor maneira mesmo.

P: Então você está pronto para a reunião especial de Harry Potter em 10 anos?
Grint: Ai Deus Não ainda, mas talvez no future. Mas possivelmente não tão cedo.

P: Ron teve que lidar com a morte de SPOILER no sétimo livro, então isso sera bem intenso também?
Grint: Sim, será. Vai ser muito ardiloso. Foi muito triste de ler, na verdade. Estou ansioso peo sétimo, vai ser muito legal.

P: Fale sobre a cena onde você toma uma poção do amor.
Grint: Sim, foi bem legal e divertido de fazer. Ron pega esses chocolates que estavam envenenados com essa poção do amor e Ron fica tipo meio bêbado, assim. Nossa, foi bem legal fazer isso. Foi uma das primeiras coisas que fizemos. Foi ótimo.

P: Quando estivemos na última visita ao set, todos diziam que você tem o melhor trailer. Ainda é verdade?
Grint: Sim, definitivamente, eu tenho um trailer muito bacana.

P: Você tem uma mesa de pingue-pongue…
Grint: De pingue-pongue, de futebol, sim, é bem legal. É o tipo de coisa que todo mundo vai lá e tenta me vencer no tênis de mesa.

P: Você é um jogador?
Grint: Sim, eu tenho um Wii. É legal.

P: E você é fã de air guitar?
Grint: Sim, eu já toquei assim. Eu até tenho uma aqui e gosto dela.

P: Você é bom nisso?
Grint: Não sou tão ruim, na verdade. Depende de qual é a música.

P: Qual o seu jogo favorite?
Grint: Meu jogo favorite? Atualmente estou jogando Tiger Woods no Wii. Sou um pouco fã de golfe, então é bem legal. Estou curtindo.

P: Você ainda tem a caminhonete de sorvete?
Grint: Eu ia sair com ela há pouco tempo, mas está quebrada. Precisa de um motor novo e de várias partes novas, e eu pretendo fazer uma nova pintura. Vai ficar bem legal.

P: Você mesmo pretende fazer?
Grint: Não, eu não sei nada sobre isso.

P: Ela tem um nome?
Grint: É Sr. Whippy.

P: Algum papel dos sonhos depois de Harry Potter?
Grint: Não tenho certeza. Não há nada em particular, na verdade. Acho que gostaria de fazer alguém que fosse um pouquinho mau. Acho que seria bem legal ou cruel, seria diferente, eu imagino.

P: Se você encontrasse o papel perfeito, o que faria por ele? Você rasparia a cabeça, ganharia peso, teria coragem de tingir o cabelo?
Grint: Sim, eu definitivamente mudo o cabelo. Acho que eu provavelmente farei algo assim, porque no filme “Thunder Pants” tive uma permanente, que foi uma coisa mesmo extrema.

P: Eles realmente fizeram permanente no seu cabelo?
Grint: Sim, eles fizeram uma permanente no meu cabelo.

P: Então você deixou crescer mais para poder fazer a permanente?
Grint: Já estava meio grande, então eles só fizeram e foi uma permanente mesmo. Por um bom tempo eu usei um capuz para todo lado. Foi bem ridículo.

P: Você é capaz de passear em Londres?
Grint: Sim, eu estou ganhando reconhecimento desde o último filme, mas está tudo bem. Nunca acontece muito. É legal.

P: Que tipo de coisa você gosta de fazer quando sai?
Grint: Eu costume ver algumas bandas.

P: Tipo quais?
Grint: Fui ao festival V ano passado e foi bem legal. Todas essas bandas diferentes. The Killers tocou e foi bem bacana.

P: Você tem alguma história de fã enlouquecida? Quando você anda pela rua, há alguém fazendo ou dizendo coisas inapropriadas?
Grint: Não, nada de loucuras ou coisas assim. Nada muito estranho. Nós ganhamos coisas únicas. Eu ganho pijamas o tempo todo.

P: Pijamas?
Grint: Sim, pijamas. Pijamas do Bob Esponja Calça Quadrada são um presente bem estranho.

P: Se você pudesse mudar algo no Ron, o que seria?
Grint: Eu sempre gostei do Ron. Ele sempre foi tipo o meu personagem favorito nos livros. Não sei, provavelmente nada. Eu sempre curti ele.

P: Ele é perfeito?
Grint: Sim.

P: No filme, acontece de quando o Harry e a Gina começam a ficar o Ron ter alguma reação a isso?
Grint: Sim, definitivamente, Ron é bem protetor com a Gina nesse filme. Há algumas cenas, porque ela também sai com o Dino Thomas e fica flertando com ele, e Ron não gosta mesmo daquilo e desaprova um pouco. Então foi algo bem legal de fazer.

P: Agora que você fez 20, é mais fácil se relacionar com seu personagem, agora que eles estão ficando mais velhos e namorando?
Grint: Sim, acho que é porque eu sempre estive alguns anos à frente de Ron e isso tipo ajuda porque eu já sei o que acontece. Especialmente com toda essa coisa de irmão protetor, porque eu tenho irmãs mais novas e também faço um pouco disso. É bom.

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling Coming Soon divulga set report e conversa com Jessie Cave

HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE
Visita ao Set: Bonnie Wright

Coming Soon ~ Heather Newgen
08 de julho, 2009
Tradução: Juliana Bonil

Bonnie Wright dá a sua visão sobre as cenas de amor entre sua personagem, Gina, e Harry Potter ao Comingsoon.net, quando nos sentamos com ela no set de Enigma do Príncipe.

Q: Desta vez você irá fazer uma cena romântica. Pode nos contar sobre isso?
Bonnie: Sim, bem, são duas. A segunda é obviamente mais romântica. O filme mudou bastante para mim e há mais evolução do que ela requer e do que ela tem de fazer. Eu gostei muito.

Q: Como foi gravar as cenas da sua personagem junto com Harry?
B: Foi muito legal. Foi estranho. Eu acho que depois que você conhece alguém por um bom tempo é estranho fazer isso, mas foi tranquilo. Não foi tão ruim. Foi melhor do que eu esperava, o que é bom.

Q: Você ficou entusiasmada com o final do livro 7?
B: Sim. Eu gostei muito do que acontece, o final meio incompleto que acontece, por assim dizer. Obviamente eles ficaram separados por um bom tempo. Na verdade, enquanto lia pensei que tinha sido algo rápido e que jamais voltaria a ser o que foi e então fiquei feliz quando isso aconteceu.

Q: Mais do que romance, você e Harry se tornam uma parte mais integrante da história. O que isso mudou na sua atuação?
B: Tive muito o que fazer nas gravações deste. Acho que havia muito mais coisas na personagem para eu saber e me inteirar. Há muito mais cenas que se desenvolvem em vários momentos, por exemplo, na relação com Harry. Elas se desenvolvem e se tornam mais especiais para os personagens. Acho que a evolução da personagem foi boa para mim, eu não acho que ela tenha tido chance de aparecer tanto nos filmes. Eu apareci mais no último e obviamente participei do segundo, mas acho que, definitivamente, mostrarei para o público neste filme que ela se desenvolveu.

Q: Quais você acha que são os principais atributos dela?
B:Acho que considerando que ela conhece o Harry desde quando era bem nova, ela o entende como amiga porque ele é como alguém da família. Ela obviamente entende o que ele está passando e ela não fica pensando se ele é mesmo o eleito ou quais são seus motivos. Acho que ela o ama pelo que ele é, do mesmo jeito familiar que a sra. Weasley.

Q: Quando eles ficam juntos nesse ponto você acha que ela sente que é amor verdadeiro, algo para a vida toda?
B:Não acho que ela seja do tipo de pessoa que se apega a algo ou pensa muito sobre alguma coisa e fica imaginando. Acho que ela espera para ver e é bem paciente. Por exemplo, nós sabemos que ela gosta do Harry desde quando era bem nova e ela foi paciente e esperou, se segurou e nunca se incomodou muito. Então não acho que nesse primeiro relacionamento ela pense que é algo que, como sabemos, se desenvolve no sétimo.

Q: Qual foi a coisa mais emocionante de se fazer neste filme até agora ou pelo que você mais anseia fazer?
B: Eu realmente gostei, bem, até agora, gostei muito de todas as cenas na casa dos Weasley. Foi muito divertido e meio cômico de se filmar e houve uma cena muito interessante que fizemos do lado de fora da casa, no meio das plantas, à noite. Foi emocionante porque tinha muita ação, sem ser cheio de ação do tipo mágica e coisas diferentes. Foi muito mais sério, quieto e assustador, claro, no meio da noite e estando rodeada de pessoas que não dá para ver direito. Estou ansiosa também para fazer a cena da festa de natal. Vai ser divertido se arrumar e todos vão estar nesta cena. Parece que filmamos um monte de coisas, mas ainda há muito por vir.

Q: O que você acha que faz o Harry ver, desta vez, algo diferente nela, considerando que ela gostava dele esse tempo todo?
B: Acho que é uma surpresa para ele começar a vê-la de uma perspectiva diferente e ele começa a pensar, “Opa! Espere aí. Não posso fazer isso porque ela é a irmãzinha do meu melhor amigo.” Esse tipo de sensação estranha e como deixar isso pra lá. Não sei. Acho que para ele notá-la, ela obviamente saiu mais de seu casulo e não é mais a pessoa tímida que vimos nos livros 1 e 2. Acho que simplesmente ela se mostrar mais fez com que ele percebesse alguém que ele sempre viu pela casa como uma irmã.

Q: Como ela lida com isso a princípio, quando percebe que Harry está gostando dela?
B: Acho que a princípio ela não dá muita importância, pensando que ele está sendo apenas legal e sendo como ele sempre foi. Acho que ela percebe e isso também reacende o que ela sentia por ele porque eu acho que ela deve ter tentado esquecer disso por um tempo.

Q: Já filmou as cenas de Quadribol?
B: Sim, fizemos algumas das cenas e ainda faltam umas. Fiz algumas das cenas de vôo, mas não presa ao chão.

Q: Como foi para você?
B: Foi divertido. Eu nunca tinha percebido como essas máquinas são poderosas, te fazem subir e descer e te giram muito. É uma ideia estranha. Lá estou eu sentada em uma vassoura e deve parecer que estou voando. É muito estranho.

Q: Rupert estava reclamando que é doloroso.
B: Machuca mesmo. Como eu disse você não percebe o quanto aquilo te sacode. Eu fiz uma em que estava girando completamente, na horizontal, 360 graus e pensei “isso dói”. Claro que você fica preso, mas ainda assim é uma experiência estranha.

Q: O que você mais anseia por filmar no próximo filme e como você se sente por esse ser o último filme da série?
B: Acho que será interessante no sétimo ver como eles farão o epílogo e aquelas partes da cena. Acho que há um momento no sétimo em que ele está em casa no natal, eles estão trocando presentes ou alguma coisa assim. Não sei pelo que mais anseio. Depende. Há tantas coisas no sétimo que será interessante ver como irão retratá-lo.

Q: Você tem um momento sensual com Harry nele também.
B: É, não sei como irão fazê-lo. Estou imaginando.

Q: Quando os Weasley estão todos juntos vocês se sentem como uma família no set?
B: Sim, eu acho. Há obviamente uma grande família aqui, com todos nós juntos na casa dos Weasley. E também, o cenário é fantástico, muito colorido e bem diferente dos outros que são bem mais escuros e meio vazios, como Hogwarts, é claro. É simplesmente divertido porque é muito legal estar com a Julie Walters que interpreta a sra. Weasley. Eu sempre sei que vou rir muito quando vamos fazer essas cenas. Nunca tive um dia chato na casa dos Weasley. É sempre engraçado.

Q: Você quer continuar atuando depois desses filmes?
B: Sim, com certeza. Eu gostei muito e nunca tinha feito isso antes de começar nesses filmes. Eu realmente gostei e isso me mostrou muitas coisas. Eu não sabia nada sobe a indústria cinematográfica, o que está envolvido. Há tantas coisas por trás, todos os cenários e figurinos. Você simplesmente não percebe e eu acho isso muito interessante também.

Q: Que tipo de filmes você acha que gostaria de fazer depois?
B: Bem, acho que depois de interpretar a mesma personagem por tanto tempo eu gostaria de fazer personagens bem diferentes. Depois de tanto tempo interpretando uma pessoa você fica preso ao mesmo personagem. Então, seria interessante fazer alguém que fosse drasticamente diferente. Estou muito interessada em personagens que você tem de, não de pesquisar para fazê-los, mas que são tão diferentes de você que você quase tem de olhar dentro deles, da mente deles.

Q: Que tipos de filmes você gosta de assistir?
B: Gosto de vários. Não gosto de uma coisa só. Gosto de ação, mas não do tipo suspense. Gosto de filmes mais independentes. Acho que Harry Potter é bem super produção, mas acho que tem aspectos de filmes mais únicos. Acho que o último com certeza, do jeito que o David Yates fez, foi mais tênue e mais centrado nos personagens. Gosto de coisas em que há desenvolvimento dos personagens.

Q: Qual foi a melhor dica de atuação que alguém te deu?
B: Bem, acho que muitas vezes enquanto se está atuando você pode ter tantas coisas na cabeça que pensa sobre o processo do que está fazendo. Na vida real você não pensa no que está fazendo, no seu dia-a-dia, no que você está sentindo, você simplesmente sente. Você não pensa sobre estar bravo. Você se sente bravo. Então, resumindo, estes dois opostos, não pense, mas sinta o que está pensando.

Q: Quem te disso isso?
B: Muitas pessoas me disseram isso. David Yates me ensinou muito.

Q: O que você aprendeu trabalhando com ele?
B: Ele me mostrou um tipo de ator/diretor que realmente conhece as ideias por trás do personagem. Ele está claramente pensando no todo e em todos os personagens, enquanto nós só estamos pensando sobre nós mesmos, nossos próprios personagens. Então isso te dá vontade de dar tudo que pode. David gosta de construir um relacionamento com você e de saber no que você acredita sobre o seu personagem. Como estou fazendo isso desde os nove anos, você tem a sensação de que sabe o que deve fazer em uma cena, como deve atuar. Então dar minhas próprias ideias foi algo que pude fazer.

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling Coming Soon divulga set report e conversa com Jessie Cave

HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE
Visita ao Set: Daniel Radcliffe

Coming Soon ~ Heather Newgen
08 de julho, 2009
Tradução: Renan Lazzarin e Renata Grando

Sempre que conversamos com Daniel Radcliffe, a jovem estrela está mais do que disposta a ter longas conversas sobre “Harry Potter” e desta vez não foi diferente. O ator carismático deixava seu entusiasmo transparecer o tempo todo enquanto contava ao ComingSoon.net as novidades sobre seu personagem e o que o público pode esperar de Harry Potter e o enigma do Príncipe:

P: Alguém disse que o filme era mais cômico, algo como sexo, drogas e rock n’ roll no mundo de Harry Potter. É verdade?

Daniel Radcliffe: É. Acho que esse filme tem um senso muito maior de comédia do que qualquer um dos outros e acho que posso dizer que tem um humor mais adulto. Mas você sabe, não é leve a ponto de ser como um passeio no parque. Este filme, quando ele é leve, é muito mais cômico do que jamais foi; mas quando é obscuro, é tão obscuro quanto ou mais do que fora no três ou no cinco.

P: E você tem mais romance neste filme?

Radcliffe: Sim. Sim, faço de tudo com Gina, o que é e tem sido muito divertido. São cenas boas e divertidas e espero que isso ultrapasse os limites da tela. Estávamos num bom momento. Mas é um pouco estranho, estar com Bonnie, porque quando a Katie Leung chegou para interpretar Cho, no quarto filme, todos sabíamos que ela seria meu interesse amoroso. Por outro lado, quando conheci Bonnie, ela era apenas outro personagem; ela tinha, acho, 10, 9 ou 10 anos naquela época, então é muito estranho. Cresci com Bonnie e agora, de repente, ter que fazer cenas de interesse amoroso com ela é muito… é meio que bizarro.

P: É como beijar sua irmã?

Radcliffe: Não beijar minha irmã, isso eu simplesmente não faria nunca. Mesmo se tivesse uma irmã. Mas é só um pouco estranho quando você vê alguém crescer e é meio que, meio que estranho, é.

P: E isso é parecido com a situação de Harry.

Radcliffe: É, suponho que sim. E também, acho que o grande problema que ele tem com tudo é que ele não pode, sabe, nem sonhar em ficar com ela. Bem, ou ele acha que não pode, obviamente por ser a irmã de Rony. E acima de tudo, ele nunca arriscaria o que ele tem com Rony, mesmo se tratando de Gina. Acho que não.

P: E essa dinâmica deu certo nas telas entre você e Rupert.

Radcliffe: Muitissíssimo obrigado. Na verdade, sim. Teve uma cena que gravamos bem no começo, na qual ambos estávamos deitados na cama – camas separadas – e Rony estava falando sobre como ele odiava o fato de que Dino Thomas estar saindo com Gina. E ele realmente está irritado com Dino, e fica dizendo ‘É uma questão de princípios. Você tem que odiar essa gente que sai com a sua irmã.’ E Harry está na outra cama pensando ‘Meu Deus, o que vou fazer?’ E, na verdade, acho que é uma cena muito, muito engraçada, então espero que haja mais coisas desse tipo.

P: Quando é que Harry percebe que agora é atraído por Gina?

Radcliffe: Acho que é no primeiro momento em que ele a revê nesse filme e quando ele volta à Toca e abraça Gina. Acho que no roteiro tem uma nota que dizia ‘a atmosfera está estranhamente carregada neste momento.’ Então acho que é provavelmente o primeiro momento, certamente o roteiro indica isso, e sabe, acho que está absolutamente certo.

P: Você pode falar sobre o tipo de jornada de Harry neste filme em oposição ao anterior, que era muito obscuro? O que acontece com Harry?

Radcliffe: O último meio que falou sobre o que ele vai fazer para derrotar Voldemort e lutar com ele. Não acho que ele já tenha feito algo nesse sentido. Como contraponto, nesse filme, você finalmente o vê… sabe, obviamente sob instruções de Dumbledore, mas ele começa a formular planos. Basicamente, ele está muito disposto a se tornar o soldado de Dumbledore neste filme. E, sabe, [ele] segue e tenta conseguir informações para Dumbledore com Slughorn e coisas assim. Acho que ele se torna muito mais dinâmico neste tipo de expedição para matar Voldemort.

P: E como foi esse novo desafio de interpretá-lo?

Radcliffe Eu não sei, na verdade. Você meio que o faz sem pensar. Você chega até ele como chega a qualquer outra cena. Se o personagem está fazendo algo diferente do que costuma fazer ou não, o personagem é o mesmo, então você ainda precisa chegar até ele com a mesma gama de necessidades fundamentais básicas que o seu personagem tem. Então, você simplesmente observa a situação e aplica o que sabe sobre o personagem na situação, imaginando o que ele teria querido fazer e como ele o teria feito.

P: No filme anterior, Harry estava realmente irritado e você tinha atingir esse tipo de raiva, frustração e cólera. Neste filme, parece que ele está numa missão e tem certeza sobre o que tem que fazer.

Radcliffe: Isso é algo que eu discuti zilhões e zilhões e zilhões de vezes, mas o que sempre me ajuda a entrar numa cena ou num momento é a música. E não importa se isso é para cenas um pouco irritadiças ou melancólicas; por alguma razão, para mim, elas fluem mais com a ajuda da música do que uma cena muito feliz ou alegre. Ainda não tive que adentrar tanto na música até agora. Isso só aconteceu uma vez nesse filme e é quase no final e é uma das cenas mais tristes do filme.

P: O que você ouve?

Radcliffe: No geral ou só para aquela cena? Para aquela cena…?

Quando SPOILER morre?

Radcliffe: Na verdade, não é nesse momento. Não direi qual é, mas é um momento perto do final do filme. É meio que mais nostálgico do que qualquer outra cena e ele está realmente triste. Estava escutando uma parte de uma música de… na verdade é uma canção da trilha sonora de “Desejo e Reparação”, e acho que o nome do compositor é Dario Marianelli. A música se chama “Elegy for Dunkirk, porque tem um hino que cresce gradativamente e é realmente incitante e… tem algo meio que belo quanto à música como um todo. Então, eu fiquei escutando isso antes. Foi legal, foi realmente útil escutá-la.

Há muito mais comédia acontecendo além da parte obscura. O que você

prefere?

Radcliffe: Bom, eu gosto muito mais de fazer a parte obscura do que a comédia. Eu ri bastante fazendo as cenas cômicas, eu posso dizer. É difícil definir, mas eu fico mais confortável fazendo as coisas obscuras. Eu meio que sei onde estou com elas, enquanto eu acho que fico nervoso quando estou fazendo comédia, porque eu fico nervoso que eu vá muito ao extremo. Eu não fui, porque eu não fiz muito disso, eu ainda estou descobrindo como fazer. E eu ainda tenho muito para aprender sobre como essas coisas funcionam. Eu tenho muito que aprender no geral, mas pensando mais

sobre a parte engraçada do filme.

Que filme você achou melhor de filmar até agora?

Radcliffe:Eu me diverti muito no quinto. Eu acho que o quinto foi provavelmente um dos meus, certamente meu filme preferido de assistir, e provavelmente foi meu preferido para gravar. Juntamente com o sexto, na verdade, porque no final acaba chegando ao fato de trabalhar com David Yates, e é isso que faz ou quebra a gravação para um ator, é com quem você está trabalhando, e porque eu tenho trabalhado com David, ele é um diretor maravilhoso e bom amigo, tem sido, sabe, muito bom. Então não, tem sido tudo ótimo nesses últimos dois em particular.

A revelação de que Dumbledore é gay saiu antes de você começar a gravar esse filme. Isso influenciou de alguma forma sua atuação fora e dentro do set?

Radcliffe: Fora do set, sim. Nós já estávamos filmando havia algumas semanas quando isso foi revelado, na verdade, mas nós estávamos filmando quase inteiramente com Michael (Gambon) e comigo, então quando isso saiu, ele amou. Ele pensou que era engraçadíssimo. E sabe, eu sei que não caiu bem em nenhum lugar ao alcance da imaginação, o que eu acho ainda mais engraçado. Eu acho que Michael começou a banalizar isso no set. Eu não acho que isso apareceu nas telas de maneira nenhuma, mas ele certamente estava banalizando isso pelo set quando falava com as pessoas.

Como?

Radcliffe: Apenas de forma geral. Ele fazia muitas piadas. Nenhuma que eu possa realmente dizer ou repetir, então eu não vou tentar de uma forma mais leve, porque não seria engraçado.

Mas e quanto a afetar a atuação ou a relação?

Radcliffe: Nada. Eu posso assegurar a todos os fãs do Dumbledore heterossexual que eles não verão um Dumbledore gay nesse filme. Agora, há uma fala que sempre esteve escrita no roteiro que nós todos achamos engraçado depois, pois havia uma fala no roteiro em que Dumbledore vira para Slughorn e pergunta se ele pode pegar uma revista emprestada. Ele diz “eu realmente amo os padrões do tricô”. E é simplesmente uma daquelas coisas em que você pensa: será que (Steve) Kloves sabia de alguma coisa? Será que na verdade falaram para ele colocar isso lá? Ou talvez ela tenha colocado no livro, não sei, eu não vi isso no livro, mas pode muito bem estar lá.

Há uma cena na qual você realmente corre pelo fofo?

Radcliffe: Bom, sim, mas não faça de mim um tipo (de ator de ação). Há um grande buraco no fogo por onde eu corro. Eu faço o máximo das cenas perigosas que posso. Teve uma coisa na TV uma vez um tempo atrás quando alguém disse – eu não vi isso, mas alguém me contou – alguém foi para Daniel Craig e disse “parece que você e Daniel Radcliffe fazem suas próprias cenas perigosas”. Agora, me desculpe. Eu faço o máximo das cenas que posso. Tenho certeza de que fui apresentado e, por um dos dublês, e eles disseram “Esse é o dublê de Daniel Craig”, então ele não pode fazer todas as cenas. É como se todo mundo fizesse distinção dos atores que faze suas próprias cenas de dublês, e a verdade é, por mais que possamos, há algumas coisas que nunca temos permissão para fazer por causa do seguro e tudo mais. Mas se você quiser dizer para as pessoas que sou uma estrela de ação, você está mais do que livre para fazê-lo. Você minha benção total.

Rupert tem seu primeiro Quadribol nesse filme então você se divertiu contando a ele, agora que você sabe como realmente é fazê-lo?

Radcliffe: Sim, mas a coisa é que ele é meio natural nisso. Quer dizer, para ser justo, ele nunca teve que lidar com – nós temos assentos novos. Nós vínhamos tendo assentos novos nos últimos dois anos, que são muito mais confortáveis, o que é ótimo. Mas nós tínhamos, antes ele nunca teve que lidar com os assentos antigos, que são simplesmente tipo, horríveis. Mas ele é brilhante nisso. Eu não o vi realmente, mas eu tenho falado com muitas pessoas que vêm trabalhando nisso, e eles dizem que ele realmente pegou os movimentos e fica totalmente confortável lá em cima, então é ótimo. Fico feliz. E eu fico tipo, o que é meio irônico, porque Rony deveria ser terrível em Quadribol. Mas não, ele está indo muito, muito bem.

Você pode falar sobre como é trabalhar com alguns dos membros novos que vocês tiveram no elenco desse filme?

Radcliffe: É incrível. Nós obviamente gostamos que pessoas como Jim Broadbent tenham entrado, e é fantástico trabalhar com ele. Foi um prazer trabalhar com ele, porque ele é um ótimo ator. Você aprende estando ao redor dessas pessoas. Mas o que foi realmente incrível para mim esse ano foi a qualidade das pessoas que vieram fazer papéis menores. Como por exemplo Georgina (Leonidas) que está fazendo Katie Bell nesse, e Freddie (Stroma) que está fazendo Cormac McLaggen. Eles são brilhantes e é geralmente muito difícil escolher esses papéis, porque você quer que as pessoas sejam boas, mas, da mesma forma, se ela forem muito, muito boas, elas podem não querer esses papéis. Eu acho que Freddie tem uns 21 anos, e Georgina, 17, e toda a maior parte do elenco atingiu a maioridade nesse filme, então eles têm sido excelentes. Eles também estão super focados, realmente profissionais, e é um prazer trabalhar com eles. Então dessa vez foi muito, foi ótimo para ser honesto. E nós fizemos uma grande cena no Salão Principal em um momento, e ela podia ter sido um pesadelo. Elas sempre costumavam ser, você tem 400 figurantes lá, e 30 atores do elenco, apenas umas 4 pessoas prestando atenção no que deveriam fazer, e eu não estou me incluindo nisso, então costumava ser um pesadelo. Mas esse ano, todos estavam bem focados, então foi incrível.

Você teve alguma cena com Jessie Cave?

Radcliffe:Jessie é outra pessoa nessa linha. Eu não sei quantos anos ela tem, mas Jessie é extraordinária. Ela é simplesmente brilhante. As falas dela como Lilá Brown poderiam, se você fizesse qualquer coisa menos que comprometer-se 100% a elas, elas seriam terríveis. E simplesmente porque soariam falsas. Enquanto o modo como Jessie as faz, ela absolutamente se joga nessas falas, é brilhante. Então acho que as pessoas vão amar o que ela fez com Lilá nesse filme.

E como você viu Evanna Lynch amadurecer como atriz?

Radcliffe:É engraçado, eu não vi, para ser honesto – Evanna só voltou nos últimos talvez dois dias. Ela esteve de volta por um tempo, mas em termos de cena nas quais eu trabalhei de perto com ela – eu acho que nós só tivemos nosso primeiro diálogo juntos no filme hoje. Então eu não tive tempo de ver como ela pode ter mudado desde o último filme.

Teve algum dia que você estava ou está ansioso para gravar

Radcliffe: Disseram para mim que em algum ponto eu vou fazer uma coisa chamada, um deslizamento de Cúmbria acho que é chamado. Eu posso ter entendido errado. Isso é, durante uma sequência de ação, você desce uma rampa, mas o que é na verdade, é um pedaço de material com muitas pessoas embaixo, que estão meio que empurrando suas mãos para cima e te empurrando para cima e para baixo e essas coisas, e eu estou meio ansioso para fazer isso, porque parece muito divertido. Então isso deve ser interessante. Mas além disso não consigo pensar em nada. E para ser honesto, minhas cenas preferidas têm sido todas trabalhando com Michael como Dumbledore. Nós nos divertimos tanto, e eu dou bastante risada e acho que nós fizemos muitas coisas boas também, então, sobre o fim do filme – eu estava falando com David outro dia, porque ele viu pedaços dele montado bem, bem a grosso modo, e ele disse que o fim parece bem, bem forte, na caverna e a sequência na caverna, então isso deve ser ótimo, espero.

O que você pode nos dizer sobre o sétimo filme?

Radcliffe:Você pode me dizer alguma coisa?

Eles disseram alguma coisa? Vão ser dois filmes?

Radcliffe:Não tenho ideia. Quer dizer, eu sei que tudo isso está sendo discutido, mas eu posso assegurar que está sendo discutido pelas pessoas que estão trabalhando aqui tanto quanto é discutido por vocês. Nós não sabemos muito no momento.

O que você gostaria que acontecesse?

Radcliffe:Eu acho que seria difícil – bem difícil – fazer em um só. Eu acho que é possível, mas significaria muitos, muitos cortes pesados do livro. E para mim, o livro não é como o quarto livro. No sétimo não há sub-tramas óbvias que você pode cortar para ter mais tempo. Como no quarto filme você poderia meio que se salvar com cortes, e eu sei que ninguém estava feliz com isso, mas eu acho que isso certamente – mas então de novo, o problema em fazer dois filmes é onde você encontra o ponto de corte no meio deles. A história se carrega, há tanto, e é difícil achar o ponto. Eu não sei se Steve Kloves está escrevendo-o, acho que está, mas se tem alguém capaz de fazer isso, será ele.

Há algum diretor de filmes anteriores que você gostaria de ver de volta, ou alguém…?

Radcliffe: Idealmente, David Yates. Para ser honesto. Ele é a pessoa que eu gostaria mais que fosse o diretor. Tomara que aconteça isso. Até onde eu sei, isso nem está sendo discutido ainda. Eu não acho que David realmente queira entrar na discussão – eu não sei, porque ele tem que terminar esse antes, e tem muito trabalho para ser feito nesse.

Você pode falar sobre como é ler o livro, e quando você leu o livro, você pulou diretamente para o fim?

Radcliffe: Não, de maneira nenhuma não. Não, não, não, não. Eu não faço isso. Minha avó faz isso, e eu acho nojento.

Rupert disse que fez isso.

Radcliffe:Rupert disse isso, bem. Eu vi Rupert fazer uma coisa brilhante hoje. Eu tenho que dividir isso com você na verdade. Ele fez a coisa mais preguiçosa que já vi um ser humano ser capaz de fazer. Eu só estou dizendo isso porque fiquei impressionado. Ele sentou no sofá da sala dele, e eu estava por lá pelo closet dele, e ele tem um taco de sinuca que estava atrás dele, ele abriu o aparelho de dvd, assim, tirou um dvd de dentro da caixa, colocou no taco, e o dvd escorregou para dentro do aparelho e fechou, e então ele passou pelo menu assim, o que eu pensei ser ótimo. Então não, eu não fui para o fim do livro. Eu não fui porque eu queria ler tudo, e eu acho, eu queria ser movido pelo livro. Não acho que você se dê uma chance de fazer isso se vai direto para o fim. Não que eu particularmente teria descoberto tanto assim, porque essa é a parte brilhante, o epílogo, que eu acho que é o motivo de ela ter colocado lá, que é que se você pudesse ir até o fim, você acharia que sabe do final, mas você não sabe. Essa é a coisa, porque você vê que alguns personagens ainda estão vivos, mas então, quando realmente lê, ainda irá se confundir, eu acho, pelo menos. Eu fui movido por ele, e eu fiquei, sabe, sim, eu pensei que era um livro maravilhoso e brilhantemente escrito. E como ela sempre sentou e começou a escrever esses livros com esse final em mente, é fenomenal. As amarras da história, a soma dos livros, é incrível.

Você pode falar sobre o momento quando ela lhe contou, quando J.K. Rowling disse que você teria uma cena de morte?

Radcliffe:Eu vou fazer parecer que tenho uma vida muito glamorosa agora. Nós estávamos nas heras, e ela havia ido ver Equus e me levou para jantar depois, e foram ela, seu marido, eu e meus pais. Então todos nós nos sentamos. Em algum ponto, um ex-político trabalhista muito, muito bêbado, veio até mim e começou a conversar comigo, e então foi embora. É por isso que me lembro disso. E então nós começamos a conversar e eventualmente foi um daqueles momentos fortuitos quando os times da conversa eram minha mão, meu pai e Neil, e então havia somente eu e Jo. E eu disse, “ah, agora é minha chance”. Então eu apenas disse, “por favor me diga, sabe, eu morro?”. Eu disse de forma mais delicada do que essa, acho, mas Harry morre? E ela apenas me disse – ela parou por um longo tempo, e então disse “você vai ter uma cena de morte”. E eu fiquei, “ah, você está me enrolando”. Okay, eu vou tentar desvendar isso. E é claro que tudo fez sentido, eu meio que adivinhei o que isso poderia significar. E eu adivinhei bem próximo, mas eu nunca esperaria o que acontece no livro.

Você ficou satisfeito?

Radcliffe:Sim, definitivamente. Totalmente.

O que você gosta no teatro?

Radcliffe:Eu acho que é a urgência dele. Esse fato, e também a quantidade de adrenalina. O absoluto medo que pulsa em suas veias antes de entrar no palco é incrível. Mas uma vez que você está lá, e, se, a melhor coisa é se você percebe que a audiência está te ouvindo e realmente está com você, não há, não há nenhum outro sentimento como esse. Particularmente uma peça como Equus. Essa é uma peça bem difícil e eles completamente seguem e vão com ela, por causa do que estamos fazendo. Esse é um sentimento muito bom.

Você tem alguma apreensão quanto à audiência americana?

Radcliffe:Eu acho que eles são mais generosos, mas eles também são mais

espertos de algumas formas, porque acho que há pessoas nas audiências americanas que, quando você vai para ver um show, eu sei que eles fazem coisas que meio – tipo pessoas algumas vezes recebem rodadas de aplauso quando entram. Coisas que eu realmente, meio que penso que pode acontecer, mas não quero que aconteça, porque meu lado inglês meio que me faz pensar “eu não fiz minha parte ainda, pode ser que eu seja um lixo, não aplaudam ainda”. Então também, então eu acho que eles são muito generosos por esse lado, e, mas eu também acho que eles são espertos pois algumas das pessoas que viriam ver Equus, veem talvez mais de 50 apresentações por ano, ou algo aterrorizante como isso, então isso é mais do que a maioria das pessoas. A maioria das pessoas em Londres que podem se dizer frequentadores de teatro, não acho que vejam 50 peças por anos. Eu acho que vai ser uma audiência difícil.