As Relíquias da Morte ︎◆ J. K. Rowling ︎◆ Livros

Transcrição da 1ª e resumo da 2ª parte de JKR no TLC

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling Transcrição da 1ª e resumo da 2ª parte de JKR no TLCPotterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling Transcrição da 1ª e resumo da 2ª parte de JKR no TLC

Como alguns já sabem, o site TLC teve a grande honra de contar com a presença de JK Rowling em seu podcast. A primeira parte dele foi divulgada semana passada, e a nossa equipe finalmente terminou de traduzí-la na íntegra para vocês!
Nós aconselhamos ouvir o áudio ao mesmo tempo que se lê a transcrição, pois assim é possível ter idéia dos tons de voz utilizados durante a conversa. Para ler a tradução, cliquem em notícia completa, e ouçam o podcast através de um dos links abaixo:

Ouvir pelo iTunes | Download (22MB) | Download (6MB)

Além disso, a segunda parte do podcast também foi divulgada recentemente, e enquanto a nossa equipe traduz a transcrição, trazemos a vocês a lista de assuntos abordados e as respostas dadas pela autora. Confiram alguns dos temas abaixo:

• Draco.
• O que há na Sala Impenetrável?
• O que exatamente Alan Rickman sabia, e quando?
• O Parque Temático Potter – ela está “muito, muito, muito envolvida”. “Particularmente, eu acho que será um dos melhores do mundo, tendo visto o que eu vi.”
• Varinhas como seres conscientes.
• Como aconteceu o documentário.

As duas listas podem ser encontradas no final de “notícia completa“.

E continuem ligados, pois em breve disponibilizaremos a tradução na íntegra dessa segunda parte da entrevista com a nossa querida Jo!

Este artigo contém spoilers!
Se mesmo assim deseja lê-lo integralmente, clique no link acima.
Para mais informações ou dúvidas, consulte nossa Política Anti-Spoilers.

JK ROWLING
Transcrição do podcast de número 130 do TLC

TLC ~ Melissa
27 de dezembro de 2007
Tradução: Renata Grando e Patricia Abreu

Siglas
JN = John Noe, diretor criativo do TLC
SU = Sue Upton, editora chefe do TLC
MA = Melissa Anelli, webmistress do TLC
JKR = JK Rowling, autora de Harry Potter

John Noe (JN): Sue, do que vamos falar essa semana, mesmo?

Sue Upton (SU): Oh, eu não sei. Mas sabe de uma coisa John? Eu ainda estou pensando sobre aquilo que você estava dizendo outro dia sobre os elfos-domésticos. Jo especificamente disse que eles eram (JN: Eu lembro disso.) o que?

JN: Eu lembro disso tanto quanto você.

SU: Não, ela disse que assim como Dumbledore deu refúgio ao Dobby, eles eram livres. Eles – a Helga também fez isso. Ela não os escravizou, ela não escravizou.

JN: Há essa grande e elaborada coisa com todos os elfos-domésticos aí com um mestre tipo Malfoy (SU: que?) que todos eles receberam meias de alguma pessoa tipo o Harry. (SU suspira). Esse é completamente um evento único com Dobby. (SU: Não!) Todas essas criaturas, (SU: eles poderiam…) elas provavelmente vieram em vagões para o castelo. (SU ri)

Melissa Anelli (MA): Okay, gente, gente, gente, gente, gente, gente. (JN: Oh, oi, Melvin). Ah meu… Oi! Como vocês estão?

SU: Oh, oi. Oi Melissa!

JN: Nós estávamos prestes a começar o show, eu acho.

MA: É eu sei, mas vocês simplesmente não começavam. Tem que haver um final em algum lugar nessa discussão.

JN: Isso é tudo muito óbvio agora. Ela confirmou isso para mim no Skype.

SU: O que? Ela não fez isso.

JN: O que? Ela fez. Nós conversamos o tempo todo, Noelover42, você é nova aqui?

SU: Eu não sou nova aqui. (MA ri) Mas, eu não acredito em você.

MA: Okay, gente, gente. Olhem, olhem. Nunca vai ter outro PotterCast de novo se nós não chegarmos ao fundo isso. Eu vou ligar pra alguém, ok?

JN: Oh, você tem um número agora, huh?

MA: É, é, eu tenho um número agora. (telefone toca)

JN: Certo, o que é tudo isso? (telefone chamando)

JN: Oh, está chamando, bom. (MA ri)

Operador de Telefone: Saudações. Obrigado por ligar ao Escritório de Ligações Trouxas de Hogwarts. (JN: o que?) (MA: É, gente). Se você sabe qual é a sua extensão, por favor a insira agora, em qualquer momento.

JN: De onde veio isso gente?

SU: (ri) Isso é o máximo.

MA: Só esperem.

Operador de Telefone: Se você é o pai ou guardião de uma criança atualmente atendendo Hogwarts, por favor pressione um agora. Se você está ligando a respeito do incidente da semana passada com a Lula Gigante, pressione dois. Se você está ligando para checar o status atual das suas entradas para as próximas partidas de Quadribol, (JN: Oh! Eu quero…) por favor pressione três agora. Para qualquer outra inquisição, por favor pressione o número quatro ou fique na linha e sua ligação será conectada a um elfo-doméstico na ordem em que foi recebida.

JN: Elfos-domésticos? (ri)

SU: Não! Pobres elfos-domésticos, não!

MA: Gente, o que foi isso? Shh, eu estou tentando entender.

Operador de telefone: Para o Diretório de Membros. (JN: Yay!) Por favor use o seu teclado para soletrar o sobrenome do funcionário que você deseja alcançar.

MA: Oh, eu sei o que fazer.

JN: Okay, entendi. Entendi. Entendi. (Ma: Você entendeu?) Entendi. (telefone toca)

MA: Okay.

Operador de telefone: Obrigado. Por favor permaneça na linha (telefone chama)

Alan Rickman: Boa tarde.

SU e Ma: Ah!

SU: Não pode ser! (JN ri)

MA: Vá embora! Vá embora! Pare!

SU: Hey, cara sexy!

MA: Desliguem! Desliguem! John! Sue! Desliguem, desliguem. (JN ri). John, por que você faria isso?

JN: Isso é muito engraçado.

Operador de telefone: Obrigado por ligar ao Departamento do Escritório Trouxa. Se você sabe sua extensão, por favor a insira agora, a qualquer momento.

MA: Okay, gente, sério, nós temos que colocar os números certos agora, okay? Esperem. (telefone toca)

Operador de telefone: Obrigado, código aceito. Por favor permaneça na linha.

JN: O que foi esse número?

MA: É só um número. (telefone chama)

Fiddy: Olá.

MA: Fiddy! Oh! Graças a Deus!

Fiddy: Oh, quem está falando?

SU: Olá!

MA: Gente, digam…

JN: Olá!

Fiddy!: Oh meu Deus. (ri) É a Melissa?

MA: É. Oi, como vai?

Fiddy: Oi Melissa. Parece que você tem John e Sue aí com você.

MA: Tenho. (JN: Como sempre.) Bom…

Fiddy: Como sempre. (ri)

SU: É.

MA: Eles estão naquela de novo, e nós simplesmente – Eu estou simplesmente ficando louca, ugh.

Fiddy: Oh, não. Não os elfos-domésticos e Hufflepuff de novo, é isso?

SU: Woo hoo! Sim!

MA: É.

Fiddy: Oh não. Bom, eu acho que nós devíamos diversificar. A melhor forma é provavelmente perguntando à expert.

MA: Eu acho que você está certo.

Fiddy: Bom, deixe-me ver se nós conseguimos falar com ela. Espere um pouco. (telefone chama)

JN: Oh, cara.

J.K. Rowling (JKR): É melhor que isso não seja sobre elfos-domésticos.

MA: Jo, é isso, desculpe!

SU: É isso! Hey, Jo! Olá!

JN: Hey Jo!

JKR: Oi! (ri) Bom, elfos-domésticos, vão em frente então.

MA: Ainda, ainda. Eles ainda estão discutindo sobre isso e eu estou cansada disso. E nós precisamos muito que você responda isso.

JN: O que eu estou dizendo à Sue é que se ela lembrasse de quando nós conversamos sobre isso em Nova Iorque, (JKR: Sim) Jo disse que Helga Hufflepuff era proprietária de uma plantação (SU: Não! Ela deu refúgio a eles! Refúgio! R-E-) com elfos-domésticos…

JKR: (ri) Refúgio!

SU: (sussurra) Refúgio. (MA: Oh, Jo.) Ela não os escravizou.

JKR: É. É um assunto complicado. Eu diria que Hufflepuff deu – Hufflepuff fez o que era a coisa moral a se fazer naquela época, e nós estamos falando de mil anos atrás. Então isso seria dar a eles boas condições de trabalho. Não havia nenhum tipo de ativismo naquela época, então ninguém ia falar: “Aqui está uma idéia. Vamos libertá-los. (Sue: É) Vamos pagar a eles”. Era somente, “Bom, vamos levá-los a um lugar onde eles possam trabalhar e não sofrer abusos”.

SU: Sim, mas – viu? Ela não saiu por aí com um chicote e disse, “Yah! Vocês devem trabalhar nas cozinhas!” (MA: Sue!) Certo?

JKR: Não, definitivamente não. Isso não seria – não. (SU: viu?) Definitivamente não John.

SU: Obrigada, Jo!

MA: (suspira) Okay, okay. Bom, vamos mais a fundo nisso. (SU ri) Jo, nós estamos prestes a começar a gravar aqui. Nós podemos falar disso por mais tempo se você quiser; Você gostaria de se juntar a nós para um programa?

JKR: (suspira) Bom, eu não tenho nada melhor para fazer. (JN ri)

JN: Certo, vocês a ouviram, gente. Leaky e PotterCast estão orgulhosos e felizes em trazer a você um entrevista muito especial com a uma e única J.K. Rowling.

Introdução do Pottercast

JKR: Bem vindos ao PotterCast, sua fonte número um de notícias, teorias, discussões, e entrevistas, com pessoas dos livros e filmes Potter. Eu mesma sei um pouco, tendo escrito os livros. Meu nome é J.K. Rowling. Eu fico feliz em introduzir seus apresentadores, Melissa, John e Sue.

SU: Yay, Jo! Okay. (Todos riem)

MA: Jo, nem posso te dizer o quanto nós brincamos, de uma maneira muito fora do espaço, sobre você fazendo essa introdução um dia.

JKR: Sabe qual foi minha parte favorita? Melissa, quando você postou o negócio sobre, “Alguém tem mais alguma pergunta? (MA: Eu sei!) Que fim solto você amarraria?” E o primeiro comentário foi, “É, essa é uma coisa estranha para nos perguntar Melissa. Quase como se alguém que pudesse responder essas perguntas estivesse vindo”. Eu realmente gostei daquilo.

MA: Estou feliz que você tenha falado nisso, porque eu tenho que me desculpar ao visitante do nosso site (SU: É) chamado nimbus xl, que na verdade disse que, e eu na verdade cheguei o mais perto de mentir (SU: É) que eu já fiz no Leaky, quando eu disse, “Calma, nós contaríamos a vocês se fosse a Jo, relaxa gente!” (MA e JN riem)

JKR: Melissa, sua grande, grande, mentirosa. (SU: É.) (JN ri) (MA: Essa sou eu.) Antigamente respeitada webmistress.

MA: (ri) É, sem mais, eu entreguei tudo, acabei. (JN ri) Oh, Deus, mas nós queríamos guardar a surpresa, e Jo isso é o que esperamos que seja, uma bela surpresa pré-Natal. (JKR: Legal.) para todo mundo, então – eu estou mais feliz do que qualquer coisa que John e Sue agora tenham a chance de pegar – e ouvir e falar.

SU: É.

JN: Nós vamos tentar. Eu estava incrivelmente bobo da última vez que a vi, eu mal conseguia falar alguma coisa. (JKR: Oh, você foi completamente adorável.) Mas eu não posso realmente vê-la agora, então…

JKR: Oh, você não está perdendo nada, eu posso dizer, eu não estou parecendo bem no momento. (JN e SU riem). (JN: Nós todos estamos usando nossos pijamas). Umas duas semanas de compras de natal e muito de uma vida agitada tem me esgotado.

SU: E você teve um dia bom (JN: Oh, meu Deus) já, com o leilão, também, e tudo. É simplesmente maravilhoso para o Sr. Beedle, o

JKR: Eu me sinto meio em choque no momento. Nós acabamos de assistir o leilão ao vivo – isso é sobre Beedle, o bardo, no caso de ninguém saber do que estamos falando – e sim, foi por 1,96 milhões de libras. E eu nem posso dizer o que isso significa, é inacreditável. Eu estou realmente chocada e estou tão animada. Vai simplesmente fazer uma grande diferença à caridade, e também significa trazer atenção à caridade, que foi no mínimo tão importante quanto o dinheiro, então esse trabalho está realmente feito. Deus, eu estou tão feliz, nem posso explicar.

SU: Bom, isso foi simplesmente brilhante. Mas nós estamos todos tão curioso Jo, não há nenhum pedacinho que você possa revelar agora?

JKR: O que, sobre Beedle, o Bardo? (SU: Mm-hm) As histórias? (SU Mm-hm). Bom eu posso dizer que eu – vamos pensar. O Mago e o Caldeirão Saltitante, é um tipo de – a moral, na verdade, é ensinar jovens bruxos e bruxas que eles deveriam usar sua mágica de modo altruísta. (SU: Oh, okay.) Depois, O Poço da Sorte, é o meu favorito. E é sobre as qualidades que você precisa para alcançar o desejo do seu coração, e a moral é que mágica, no final das contas, não é a melhor arma. O Coração peludo do Mago é na verdade, meio gótico, é um meio sombrio, e Voldemort teria feito bem em saber essa história (SU: É) antes de instalar sua campanha de terror. Babbity, a Coelha, e o Toco que Cacarejava é o título mais estúpido já escrito por um homem ou uma fera. (SU e JN riem) e com certeza quando eu o escrevi, eu nunca – eu não tinha, naquela época, quando dei a Rony esse título, eu não imaginei por um segundo que eu fosse de fato escrever a história. (SU: É) E eu tive uma pequena – houve esse pequeno período de tempo quando eu sabia que eu ia escrever Beedle, o Bardo e o livro ainda não havia sido publicado. Nós ainda estávamos editando, e eu poderia ter voltado atrás e mudado os títulos. E eu realmente gostava da idéia de manter aqueles títulos e então descobrir quais eram as histórias, mas Babbity, a Coelha, foi um desafio. (JKR e SU riem). Mas eu consegui chegar lá e a história é sobre vingança. Uma bruxa esperta meio se vinga da perseguição, da perseguição Trouxa. E aí vocês já conhecem o Conto dos Três Irmãos. (JN: Hm) (SU: É) Que é o último do livro, então eu acabei de dá-los a vocês na ordem em que eles aparecem no livro. Eu amei escrevê-los. Eu realmente, realmente, amei escrevê-los. Mas eu tenho que dizer que antes de ter a idéia de escrever os livros para dizer, “Obrigada” a essas pessoas chaves, eu (ri) imaginei que haveria uns trinta contos de Beedle, o Bardo, (SU: Oh, wow!) e depois de ter a idéia de escrevê-los a mão (SU ri) sete vezes, acabou que só existiam cinco.

SU: É. (SU e MA riem).

JN: E eu não posso agradecer o suficiente por aquela cópia, Jo. (SU: Oh!) Eu estive lendo para as meninas durante a semana, e…

JKR: Sim, você gostou? A versão com o diamante? (MA ri)

JN: Foi maravilhoso, e a capa é linda!

JKR: Você não acha que foi um pouco berrante demais? (SU ri)

JN: Bom não, eu já tenho muito dessas coisas na minha parede, (JKR: Uh-huh) então meio que combina perfeitamente. (JKR: John, foi um prazer para mim…) Então…

JKR: Obrigada pela inspiração. (MA e SU e JN riem)

JN: Foi um prazer lê-lo. Você sabe, eu fiz o que pude, então…

JKR: E você gostou da dedicatória? “Você esteve certo o tempo todo sobre Horcri”?

SU: Oh não! (MA: Ah! Jo!) Aí está essa palavra!

JN: Ninguém acreditaria em mim. (MA ri)

MA: Oh, ele nunca vai deixar isso parar!

JKR: Eu de fato escrevi uma carta para ele. E eu disse que na verdade Horcri é – eu pensei que seria um plural mais correto, mas eu já tinha Inferi e eu não queria ter muitas armas das Artes das Trevas terminadas em “ri”. Então foi uma coisa meio de estética, na verdade. Eu gosto de Horcruxes como um plural.

JN: Comigo também.

JKR: Como uma lingüista – (ri) oh, obrigada John! (Todos riem). Vejam, foi por isso que dei a ele uma cópia de Beedle, o Bardo. Ele é um homem generoso. (MA ri).

SU: (ri) Oh, é. (JN: Sim). Oh, mas Jo, essas Horcruxes, eu vou te dizer. Tem tanto para perguntar sobre elas. Okay, nós temos que saber. Quem criou a primeira Horcrux? Foi Grindelwald? Salazar? Quem foi?

JKR: Sabem de uma coisa? Eu tenho a sensação de que foi Herpo, (SU: Oh!) que é H-E-R-P-O. (SU: Herpo, o Sujo?) Eu acho que o chamei de Herpo, o Sujo. Exatamente, sim. Sim. Mas, sabe, bruxos tinham estado procurando formas para fazer exatamente o que Voldemort fez por anos. E uma das formas que eles tentariam teria matado-os. Então, eu imagino – bom, há enormes paralelos – separar um átomo seria um bom paralelo em nosso mundo. Algo que as pessoas acham que seja possível de ser feito, mas não conseguiam trazer a tona e então as pessoas começaram a fazer isso, com alguns efeitos catastróficos às vezes. Então é assim que eu vejo a Horcrux.

SU: Certo. Porque você disse que Tom Riddle disse que só havia – ou Dumbledore disse – alguém disse que só havia uma pessoa. (MA: Slughorn) E nós só estávamos pensando…

MA: Até onde Tom Riddle sabia.

JKR: É, mas eu realmente acredito que outras pessoas vão ter tentado. Eu acho que seria ingênuo não pensar que pessoas estavam tentando por um bom tempo, e eu acho que eles conseguiram, ou não, ou se mutilaram, ou se mataram na tentativa. É uma coisa tão perigosa de se fazer.

SU: Oh. Uma coisa má. Sabe, simplesmente…

JKR: É.

MA: Qual é o processo? Você – há um feitiço? Tem um – o que eles têm que fazer?

JKR: Eu vejo uma série de coisas que você teria que fazer. Então, você teria que fazer um feitiço. Mas você também teria – eu nem sei se quero dizer isso em voz alta. (SU: É) Eu sei que parece engraçado, mas eu realmente pensei sobre isso. Há duas coisas na verdade que eu acho que são horríveis demais para se entrar em detalhes (risos). Uma delas é como Pettigrew trouxe Voldemort de volta em um corpo rudimentar. (SU: É) Porque eu contei a minha editora o que eu pensei que aconteceu lá e ela pareceu como se fosse vomitar. (SU e JN riem) E então a outra coisa seria como fazer uma Horcrux. E eu nem gosto de – eu não sei. Isso vai estar na enciclopédia? Eu não sei se eu conseguiria – eu não sei.

SU: Oh, Jo! Você disse a palavra com “e”!

JKR: Oh, Deus, sim, eu disse. (MA ri). Nós deveríamos chamá-lo de alguma coisa como “O Livro Escocês”. (Todos riem)

JN: O Livro Escocês!

MA: Oh, Deus. Você não quer amaldiçoá-lo agora, Jo.

JKR: Ele não pode ser mencionado ao vivo no ar.

MA: (ri). É, exatamente. Nós mal podemos esperar por isso. Nós esperamos que você comece isso assim que se sentir confortável.

JKR: Sim. Tudo bem se isso for a dez anos? (SU tosse) (MA: Nós vamos estar por aqui). Ninguém riu. (Todos riem). Não, escutem, eu absolutamente pretendo fazer isso, mas eu não posso fingir que estou com pressa para fazer agora. Vai ser um monte de trabalho. Mas eu – eu guardei tudo e eu sei onde as coisas estão e sim, em algum ponto eu vou juntar tudo e fazer isso.

JN: Eu ia oferecer, no caso de você precisar de ajuda naquele capítulo em particular, (SU: John!) eu tenho várias fotos de bebê (JKR ri) e piadas infantis para o capítulo (SU: Oh, aqui vamos nós!) que podem ajudar a preencher alguma coisa.

JKR: Sabe de uma coisa? De novo, você está sempre lá quando preciso de você. (JN ri) Isso é ótimo, isso seria ótimo.

SU: Jo, ele idolatra um homem, um auror, que foi atacado por uma mulher velha usando um pássaro morto na cabeça. Você sabe, no chapéu dela. Agora, vamos! (ri) Sabe?

JN: Agora, elas não entendem isso Jo. Eu sei que nós já falamos disso, (JKR e SU riem) e elas não entendem que nessa noite, elas chamam isso de duelo, não foi um duelo. Pelo menos na minha cabeça. Eu acho que precisa de um pouco de explicação sobre como alguém tão habilidoso como Dawlish poderia (JKR: É, Sabe…) ter sido derrotado assim. E sinta-se livre para tirar todo o vento do meu barco. Tudo bem.

JKR: Escutem. (MA: John mantém que ela trapaceou) Sabem de uma coisa? (JN: É, ela trapaceou com um feitiço nele). Eu acho incrivelmente amável que você goste de Dawlish. (Todos riem). E é por isso que o nome dele é agora John Dawlish, como nós sabemos. (SU: Oh!), em tributo a você, e isso de fato vai ser uma nota na enciclopédia, (SU, Oh, meu Deus) ou o “Livro Escocês” como nós estamos chamando agora. (JN: Sim) (MA ri) Dawlish tinha que ser bom. Ele tinha que ser bom porque ele se tornou um auror. Não há dúvida nisso. Mas ele tem sua fraqueza e Dumbledore sabia como usar isso. (JN: Oh!) E vamos encarar, qualquer um indo até Dumbledore, já tendo tentando uma Horcrux, tendo mutilado a própria mão – qualquer um vai ter problemas contra Voldemort. Nem mesmo Voldemort quis tentar. Então não é nenhuma desonra para Dawlish.

JN: Bom, certamente. Dumbledore estava envolvido em – (JKR: enfraquecê-lo?) eles disseram que foi a Sra. Longbottom. (Todos riem).

JKR: Bom, isso foi depois – quando Augusta Longbottom o acertou, ele tinha sido – (JN: Oh, certo, certo) muitas pessoas tinham atacado Dawlish. (risadas). Eu acho que ele estava meio bêbado de pancadas naquele ponto. (Todos riem) Ele tinha se tornado um favorito na – o saco de pancadas favorito da Ordem da Fênix naquele ponto. Então, eu não acho que ele estivesse operando a todo vapor.

JKR: Eu não acho que ele estivesse operando a todo vapor, mas não, (JN ri) eu realmente vejo a Sra. Longbottom como uma bruxa poderosa. (SU: sim, sim!) Então, desculpe. (JN: Acho que sim.) Eu fui aos estúdios Leavesden recentemente e vi Michael Gambon com sua mão murcha. Isso foi bem excitante. Sim.

JN: Deus.

MA: Houve uma notícia engraçada sobre Michael Gambon, e nós temos certeza que ele estava brincando, (risos) sobre como ele ficou escandalizado em saber que uma de suas falas tinha vindo direto do livro (SU ri) e ele estava andando por lá amaldiçoando e arremessando coisas.

SU: Tipo, como eles ousam usar suas palavras, Jo. (risos)

JKR: Escutem, Michael tem um ótimo, ótimo e seco senso de humor. (SU: Mm-hm) E vocês deveriam realmente… Sim, ele é um cara engraçado. E vocês deveriam manter isso em mente, e não pegar as coisas como elas aparecem estampadas nas páginas.

SU: Sim.

MA: Sim. Falando em Dumbledore. (SU: Mm, sim). (JKR: abençoado seja o coraçãozinho dele) Nós queremos tanto falar de Dumbledore. Nós sabemos que você criou uma intriga mundial quando disse que ele era gay (JKR: Sim.) Mas eu queria perguntar sobre homossexualidade no mundo bruxo no geral. É um tabu?

JKR: Bom, aí está uma coisa sobre a qual nunca pensei. Eu pensaria que isso seria – seria exatamente como no mundo bruxo. Mas, o maior tabu no mundo bruxo é – bom, para alguns bruxos. Se nós estamos falando de preconceito entre as pessoas do mundo Bruxo, a coisa com a qual eles mais se importam é o status do sangue. Então eu acho que você poderia ser gay, sangue-puro e totalmente sem nenhuma crítica dos Lucios Malfoys pelo mundo. Eu não acho que seria algo que o interessaria. Mas, eu não posso responder por todos os bruxos e bruxas, porque eu acho que em assuntos do coração, seria diretamente paralelo a nosso mundo.

JN e SU: Hm.

MA: Sim. É inter- a reação foi tão astronômica para isso.

JKR: Bom eu disse para você, Melissa, antes, eu acho, que para mim é errado não responder uma pergunta honestamente. Eu simplesmente acho isso imoral. (MA: Certo). E uma jovem me fez essa pergunta que introduziu a pergunta dela com, “Esses livros me ajudaram a ser mais eu mesma”. Bom, essa á simplesmente uma das coisas mais maravilhosas que alguém já me disse sobre esses livros. E então ela me perguntou, “Dumbledore já esteve apaixonado?” Agora, eu – então eu fui absolutamente honesta sobre como eu via o personagem. Eu sempre imaginei que Dumbledore fosse gay. Quão relevante isso é para os livros? Bom, só é relevante se você considerar que os sentimentos dele por Grindelwald, como revelado no sétimo livro, foram uma paixão cega em vez de uma amizade. É assim que eu penso – na verdade, que eu sei – que alguns, talvez, adultos sensíveis já tenham visto isso. Eu não acho que veio como uma grande surpresa para alguns leitores adultos. Eu acho que uma criança veria uma amizade, e uma amizade muito devota. Mas essas coisas também acontecem. Então eu – quão relevante é isso? Bom, para mim foi somente tão relevante quanto Dumbledore, que sempre foi um grande defensor do amor, e que sinceramente acreditava que o amor era a maior e mais poderosa força do universo, tenha ele mesmo sido feito de bobo pelo amor. Isso, para mim, foi o ponto interessante. Que, em sua juventude, ele foi – ele ficou frustrado com um homem que foi quase seu gêmeo mau. Ele era brilhante. Ele era moralmente falido. E Dumbledore perdeu seu senso moral. Ele queria acreditar que Grindelwald era o que ele queria que fosse, o que eu acho que é particularmente o que uma pessoa jovem apaixonada tente a fazer. Nós preenchemos os espaços na personalidade da pessoa amada com virtudes que nós gostaríamos que ela tivesse. Então Dumbledore estava errado e seu julgamento foi inteiramente – foi muito suspeito naquela época. E claro, foi mais do que uma paixão tola. Grindelwald pareceu estar oferecendo uma solução a seu horrível dilema. Dumbledore não foi destinado, para sua vergonha, a ser alguém para ficar tomando conta de alguém com problemas. Ele foi destinado a ir ao palco do mundo e ser um homem brilhante. Ele sabe disso e está envergonhado por isso. Então é um assunto complicado, mas sim, é assim que eu sempre vi Dumbledore. Não era particularmente uma grande coisa para mim. E eu nunca tinha sido antes perguntada sobre a vida romântica de Dumbledore. Eu havia sido perguntada sobre outras coisas a respeito dele, mas eu tenho que dizer que até Relíquias ser publicada, as pessoas estavam mais interessadas no futuro do trio do que no passado de Dumbledore. Na verdade, eu me lembro, Melissa, quando você e Emerson me entrevistaram depois da publicação de Enigma do Príncipe. Nós estávamos falando sobre o que os fãs iriam perguntar, e eu disse a família de Dumbledore. Eu não quis dizer o passado de Dumbledore, mas a família de Dumbledore seria uma boa linha de inquisição, porque eu sempre soube que ele tinha uma história trágica do final de sua adolescência. Pronto. Essa foi uma resposta longa.

SU: Não, foi brilhante.

JKR: Mas foi uma resposta completa.

MA: Não, nós amamos respostas completas. (MA e JKR riem)

JN: Eu acho – oh, as pessoas vão gritar comigo. (JKR: Como se você ligasse. Vamos.) Okay, certo… (MA: Nós adoramos quando ele começa as frases desse jeito.) (risos). Só tentando salvar um rostinho. Eu sei que algumas pessoas estão se perguntando se Madame Hooch já esteve apaixonada.

JKR: (ri) Sabe de uma coisa? Madame Hooch realmente não teme nenhum tipo de história romântica. Bom, não de minha invenção. Nós vamos ter que ir e procurar as fanfics para isso.

MA: Eu tenho certeza que nós acharíamos, Jo.

JKR: É, aposto que sim. (risos)

JN: Eu acho que há categorias para isso, na verdade.

MA: É.

SU: Então, nós estávamos falando de ships. Podemos falar de romance?

JKR: Sim, nós podemos falar de romance.

MA: Não sei. Da última vez que fizemos isso, Jo, uma grande confusão aconteceu.

JKR: Sério?

MA: (risos) Você se lembra.

SU: Você sabe.

JN: Mas é divertido! É uma confusão divertida!

MA: É, é divertido.

JKR: É, okay.

MA: Antes que nós entremos no romance, eu queria esclarecer uma coisa.

JKR: Okay.

MA: Depois que nós voltamos do Carnegie Hall, nós trouxemos de volta sua mensagem de que “Harry é meio que não realmente uma horcrux”. (SU: Oh, sim). E eu não quero ficar muito tempo nas horcruxes. Mas eu adoraria ouvir você falando sobre como ele é, não é, ou não foi uma horcrux.

JKR: Bom, eu vou te dizer – sabe de uma coisa? Isso não vai terminar a discussão. (MA: É) (risos). Eu sei disso, eu vocês sabem disso, mas aqui está a coisa: por conveniência, eu fiz Dumbledore dizer a Harry: “Você foi a Horcrux que ele nunca quis criar”, mas eu acho que, por definição, uma Horcrux tem que ser feita intencionalmente. Então pelo fato de Voldemort nunca ter passado com Harry pelo processo grotesco que eu imagino para criar uma horcrux, (SU: Mm-hm) é só que ele tinha desestabilizado tanto a alma dele que ela se dividiu quando foi acertada pela maldição rebatida. Então essa parte sai voando e se prende à única coisa viva na sala. Uma parte voa para o estado de destruição bem perto da morte em que Voldemort se encontrava, e então sai. Eu acho que é bem perto de ser uma Horcrux, mas Harry não se torna um objeto mau. Ele não tem sob si maldições como as outras horcruxes tinham. Ele por si mesmo não foi contaminado por carregar esse pedaço de alma parasita. A única vez em que ele sentiu isso se mexendo foi em Ordem da Fênix, quando ele mesmo passa por um período sombrio. E há esse momento em que ele está olhando para Dumbledore e ele sente algo se erguer como uma cobra dentro dele, e claro, nessas horas, é porque o pedaço de alma dentro dele está alimentando suas emoções. Ele está passando por um período sombrio, e esse pedaço de alma está gostando disso, e fazendo sua presença ser sentida, mas ele não sabe o que está sentindo, é claro. Também, eu sempre imaginei o chapéu seletor detectando a presença desse pedaço de alma (JN: Sim!) quando Harry o põe pela primeira vez, porque o chapéu é fortemente tentado a colocar Harry na Sonserina. Então é assim que eu vejo isso. (JN: Wow.) Agora, eu sei que isso não vai terminar o debate, mas eu acho que a definição certa de “Horcrux”, uma vez escrito o Livro Escocês, vai ter que ser dada, (SU: É.) (JN: Sim.) e que essa definição vai ser que um receptor é preparado pela Arte das Trevas para se tornar um receptor de um pedaço de alma fragmentado, e que esse pedaço de alma foi deliberadamente desatado do mestre para agir como um futuro meio de segurança, ou uma âncora à vida, e uma segurança contra a morte. Então isso não esclarece realmente as coisas. Bom, eu acho que – (JN: esclarece bastante). Pelo menos diz o que eu acredito (MA ri) mas eu não acho que vá necessariamente convencer as pessoas que tem um sentimento forte para um lado ou para o outro sobre o assunto. Sabe de uma coisa? Esse tem sido o caso com a maior parte de Harry Potter. (JN ri) Eu dou minha explicação, e apenas abastece mais o debate.

JN: Okay, eu estava pesando, enquanto vocês estavam falando sobre isso há um segundo atrás, eu estava lendo a Pedra Filosofal. Há um capítulo em que Harry vai dormir pela primeira vez, e ele está no seu dormitório, e ele tem um sonho que você escreveu que ele nunca mais se lembra, e estava sendo tentado, “vá para a Sonserina”. Eu pensei que talvez nesse ponto, poderia também ter sido esse pedacinho da alma de Voldemort lá, derramando destruição nos sonhos dele já no começo.

JKR: Bom, claro que a dor que ele sente sempre que Voldemort está particularmente ativo é esse pedaço de alma tentando se reunir ao mestre da alma. Quando a cicatriz o machuca muito, não é o tecido da cicatriz o machucando. É esse pedaço de alma querendo sair pelo meio onde entrou. Ela quer na verdade – ela entrou no corpo do menino através de um ferimento, e ela quer se reunir ao mestre. Então quando Voldemort está perto dele, quando ele está particularmente ativo, essa conexão, (JN: OH, meu Deus!) sempre esteve lá. É isso que eu sempre imaginei que fosse a dor. Sim, então aqui está. Há um momento em que Dumbledore lança um feitiço, e você vê uma cobra de duas cabeças se repartindo. (SU: Sim!) Vocês se lembram disso?

JN: Sim!

MA e SU: “Dividido na essência”?

MA: É no escritório dele, certo? “Dividido na essência”?

JKR: Isso, é no escritório de Dumbledore, e ele de repente faz essas coisas estranhas – (MA: Hmm.) ele realiza esse trecho estranho de magia onde ele vê imagens, e elas são suas – E a cobra se dividindo, essa é a forma que ele vê a alma de Voldemort dividida. Então ele estava seguindo sua própria teoria sobre o que aconteceu, e sua teoria está, é claro, correta, que Voldemort é, como mostrou a cobra, dividido. Então Harry nunca entendeu o que a cobra de duas cabeças representava, mas era isso.

SU: Sabe, você acabou de responder uma pergunta que as pessoas faziam e comentavam, sobre “dividido na essência”, o que isso significou. Então, sim, obrigada, Jo.

JKR: “Dividido na essência”, exatamente, a “essência” sendo a alma. Então Dumbledore sabia o tempo todo que ele devia – bem, ele suspeitava até Câmara Secreta, e depois quando ele viu o que era claramente o restante de uma Horcrux, em outras palavras, o diário, ele pensou, “Ok. Aqui está você. E não apenas ele definitivamente fez isso, mas ele tem que ter mais de uma, porque ele tratou essa aqui muito casualmente”.

SU: Então, posso perguntar? É uma pergunta meio aleatória, mas se Harry tinha essa Horcrux nele, mais ou menos, ele teria realmente morrido, digamos, quando o dragão poderia tê-lo matado, ou quando ele estava caindo durante o Quadribol, ou qualquer coisa? Ele poderia ter realmente morrido?

JKR: Bem, você teria – se o corpo dele tivesse sido irreparavelmente destruído. (SU: É) Ele tinha que morrer para se livrar daquele pedaço de alma. Seu corpo tinha que estar irreparavelmente danificado. Então muita gente perguntou, e eu acho que tenho respondido isso desde então, mas muita gente imediatamente disse, ao acabar Relíquias, (arfada) “Mas então, isso significa que em Câmara Secreta, quando ele foi mordido pelo basilisco…” (SU: Ah, certo) mas não, não, não, não, ele não morreu! Ele não morreu. (JN: É) Isso foi acertado desde o começo com as Horcruxes, o receptáculo tem que destruído. O corpo dele não foi destruído! Ele foi um pouco envenenado, e depois ele recebeu o antídoto, imediatamente. Então isso não vai arrancar o pedaço de alma. Desculpem se eu pareço frustrada, mas às vezes…

JN e MA: Não!

SU: Não, não, não! (JN ri) Isso esclareceu tudo! É maravilhoso!

JN: É.

JKR: Sabem, às vezes, você sente um pouco de frustração. Pessoas, por favor, só leiam os livros, porque está lá. (MA ri) E depois perguntem algo que não está lá. Isso seria – muitas pessoas fazem isso, não me entendam mal. Mas nessa, eu senti – houve certa sensação de desgaste.

JN: Céus. Agora eu fiquei nervoso. (Todos riem)

JKR: Não, não, não, não, não, não, não. Não, não fique nervoso. Foi – é. Porque eu fui tão cuidadosa com essa parte e é – Eu não sei se vocês viram, no meu site, eu recentemente fiz umas poucas atualizações.

SU: Sim. Obrigada!

JKR: Uma dessas coisas foi – no fim, e como Harry sobreviveu lá no fim, quando ele não luta, e Voldemort usa a Maldição da Morte nele. Bem, isso foi importante para eu explicar no site, eu nunca vi isso – como no final, a desenredo, o momento em que Harry encara Voldemort, preparado para morrer, e ainda assim não morre – não é como uma equação cientifica. Harry – não é garantido. Tem que ter espaço para fazer Harry ser verdadeiramente heróico, por vontade própria. Tem que ser escolha dele. Tudo é escolha dele. Ele decide se sacrificar, assim como Lílian decidiu se sacrificar também. Ele decide se lançar de volta à vida. E isso é a sua própria vontade e coragem. Então, em última instância, essas coisas, todas elas eram mais importantes do que a magia.

JN: Nossa. Meu cérebro está atirando em tantas direções diferentes agora!

SU: Eu sei. Eu tenho, tipo, umas dez perguntas. (MA ri)

JN: Porque eu tenho, tipo, umas mil perguntas.

MA: E eu estou sentada aqui mordendo minha língua.

SU: Porque eu quero te perguntar sobre o seu site, e eu quero te perguntar sobre o amor. E é tipo…

JKR: E nós íamos falar sobre romance e depois desviamos do assunto.

MA: É, desculpem!

SU: Não sou nenhuma Ravenclaw, e eu leio esses livros só porque eu os amo e eu simplesmente fico encantada com o mundo que você criou. (JKR: Obrigada.) E se tem um personagem em que eu realmente me vejo é alguém, chamado Neville Longbottom.

JKR: Eu amo o Neville.

MA: Ah, Neville.

JKR: Eu amo tanto o Neville. Sempre amei o Neville. E eu sempre vi, eu sempre tive grandes planos para o Neville. E ele realmente era o garoto que poderia ter sido. Porque, como vocês sabem, (SU: É.) como eu deixei claro, ele nasceu horas antes de Harry. Ele nasceu no dia 30 de julho. Voldemort o identificou como a outra possibilidade. Mas a grande coisa sobre a história de Neville para mim, a incrível história sobre Neville, é que ele se prova como o garoto que poderia ter feito isso, também! É, Harry tinha a cicatriz, e é argumentável que Harry tinha um tanto mais de talento, porque Harry, ele tinha um instinto extraordinário para fazer a coisa certa. Ele simplesmente tinha o instinto certo e era isso que fazia dele, no percurso, um Auror fenomenal. Neville foi, eu acho, incrível na batalha final, (SU: Sim.) e se provou centenas de vezes digno de ser um grifinório, filho de seus pais, apesar da infância difícil que ele teve nas mãos de sua avó controladora. E eu sei que ela o ama e que ele a ama, mas ela não é uma pessoa por quem seja fácil ser criado. (JN: É.) Então é, isso, para mim, a grande coisa sobre Neville. Ele foi um – ele não é, na superfície – eu suponho que ele não seja tão maneiro, quando você se limita a isso. Embora, Harry, é claro, (SU: É.) se fez legal. Ele era um moleque pequeno e magricelo de óculos, (JN ri) e ele supera isso, e se torna o cara que todo mundo quer conhecer.

SU: É. Sabe, a cena – você escreveu tantas cenas brilhantes, mas eu pessoalmente acho que uma das mais poderosas (JKR: Obrigada) foi quando Neville está no St. Mungo’s, e eu entendi, quando ouvi aquela cena, que Neville provavelmente nunca teve o amor de sua mãe. E eu entendi isso, como os abraços. Tudo o que ele tinha eram essas embalagens.

JKR: É. Tudo o que ele tinha eram esses parentes mais velhos, (SU suspira) que só queriam que ele se encaixasse. “Por que você não está se encaixando?” O problema é, eu acho, que eles eram o tipo de pessoa que esquece como é ser jovem, e querem que ele seja – eles se imaginam como prodígios e esperam que ele se encaixasse realmente em um patamar impossível. Então eu senti muita pena de Neville desde a palavra “vai” mas eu sabia que ele teria uma jornada comparável a do Harry, e ele tem. E bizarramente, Matthew Lewis, que interpreta Neville, (SU: É.) teve uma transformação física enorme (MA:Sim!), maior do que a de qualquer outra pessoa que trabalhe nesses filmes, ao ponto de que, quando eu fui para a leitura de Enigma do Príncipe, eles estavam todos sentados nesse grande quadrado, eles colocaram todas as mesas do Salão Principal nesse grande quadrado para que todos estivessem olhando para dentro durante a leitura. (JN: Legal.) E de frente para mim estavam Dan, e Rupert, e Emma, e Evanna, e Bonnie, e os principais. E tinha esse cara grande e maneiro sentado ali, com o cabelo meio arrepiado, (SU: É.) usando um chapéu de lã, e uma jaqueta de couro, (JN ri) e eu não o reconheci, e meus olhos passaram por ele, e eu meio que pensei, “Deve ser o cara que vai interpretar o McLaggen.” (todos riem) E então eu pensei, “Onde está o Matthew?” (SU: Maravilhoso!) E eu olhei para e ele, e meu Deus, quando isso aconteceu? (todos riem) Então ele é realmente um cara muito bacana, e é. (MA: É.) Ele e Devon e Evanna e Bonnie todos vieram a minha recepção para Beedle, o Bardo segunda passada, e foi ótimo vê-los. É simplesmente ótimo.

SU: Podemos fazer uma pergunta meio triste agora? O que os Longbottom fizeram para merecerem aquela ira de Belatriz? Como, as três vezes deles, e as dos Potter, (JKR: Eles eram eficientes!) três vezes derrotando o Lorde das Trevas.

JKR: Eles eram eficientes. Era tudo o que eles precisavam ser para merecer a ira dela. Eles eram – Eles eram rodeados por Comensais da Morte. Eles eram Aurores muito bons. Eles sabiam o que estavam fazendo. Eles eram responsáveis por muitas capturas e prisões. E então era isso.

MA: E as três vezes, três vezes derrotando Voldemort?

JKR: De Tiago e Lílian?

MA: Dos pais de Neville. Bem, Tiago e Lílian também.

JKR: Bem, depende do que você entende por derrotar, não é? Se você conta, como eu, (JN ri) toda vez que você prendeu um de seus seguidores, toda vez que você escapou dele, toda vez que você frustra os planos dele. É isso que ele está procurando. (SU: É.) E os dois casais eram qualificados, porque os dois estavam lutando. Também Tiago e Lílian o recusaram. Isso fica claro em Pedra Filosofal. Ele os queria, (SU: Nossa.) e eles não foram com ele, então esse foi um golpe contra eles antes de eles saírem da adolescência.

SU: Maneiro. Isso é tão legal. Eu fiquei feliz de ouvir mais sobre eles, sobre a noite de seu assassinato em Relíquias da Morte, mas ainda há um pouco de confusão sobre aquelas vinte e quatro horas, Jo. (risos) Como Dumbledore descobriu o que tinha acontecido em Godric’s Hollow?

MA: E o que aconteceu? Tem essas vinte e quarto horas sobre as quais as pessoas estão fantasiando há anos.

JKR: É, eu sei. Eu tive um pouco de problema com isso também, porque toda vez que eu penso nisso eu volto e vejo as teorias dos fãs, e eu penso “é, talvez eles tenham um ponto”. Dumbledore – Bem, tem uma resposta simples para como Dumbledore poderia saber. Porque você pode – Ele? (risos) Você pode. Alguém pode.

MA: É. É. (SU ri)

JKR: Desculpem se eu falo como se tudo fosse real em alguns momentos. (limpa a garganta)

SU: É real! O que você quer dizer que não é?

JN: É o que todos nós sentimos.

JKR: Eu sei, exatamente! É como eu sinto também. É, então ok. Obviamente Dumbledore poderia lançar um feitiço em uma habitação que imediatamente o alertaria se alguma coisa acontecesse a ela. (SU: Oh.) Então ele poderia saber instantaneamente. Isso não é um problema. E depois ele poderia despachar Hagrid e tudo o mais. Eu acho que o Livro Escocês terá que responder essa pergunta. (SU, MA e JN riem) Eu realmente terei que voltar nessas anotações e ou admitir que eu perdi vinte e quarto horas ou, não sei, escrever apressadamente alguma história para preenchê-las. (SU ri) De qualquer jeito, ou vocês têm razão, ou vocês ganham mais história. Então vocês não podem reclamar.

MA: Não.

JN: Agora eu preciso perguntar, (JKR: Sim?) e ah. Eu não sei se é algo que – Você provavelmente nem decidiu isso ainda. Mas quando você realmente voltar e você, em dez anos, que seja, (JKR: Hmm.) fizer o Livro Escocês, você está pensando mais em uma linha de – Tipo vários eventos, ou mais para pequenas histórias?

JKR: Bem, para ser honesta, John, no momento, eu não vou dizer “não me prendam nisso”, mas sim “isso pode mudar”, mas eu imagino que metade dele, talvez nas páginas de uma direção, mas talvez seja difícil fazer só com o layout. Mas o ideal seria, vamos dizer, no lado da mão esquerda, você tem a página mostrando a história, detalhes extras das personagens, ou um artigo sobre varinhas, mostrando qual era a varinha de cada personagem, e todas essas coisas. (MA e JN: Hmm.) E eu acho que também seria interessante ter informações casuais sobre a escrita realmente, e o que eu descartei. Então de um lado seria como se o mundo inteiro fosse real, e lhes dando informações sobre esse mundo real, (SU: É.) (JN: Sim.) e do outro lado nós estamos admitindo que é mesmo ficção, e eu mostro tramas descartadas, personagens que não entraram, problemas com o enredo. Eu acho que os dois tipos de informação seriam interessantes, então seria legal uni-los.

JN: Realmente. Soa como um livro texto de estudantes. (JKR: É. É.) Onde dentro das margens há (MA ri) fatos e tabelas e outras coisas, e depois tem também pequenos trechos de histórias que eles resgataram, e depois –

JKR: Bem, exatamente, para ser honesta, eu acho que a única – A razão de fazer isso, se eu for mesmo fazer, é para fazer o absoluto, definitivo, guia de tudo para as pessoas. (SU: É.) Quero dizer, tudo. Eu poderia algum dia dar tudo? Mas tudo o que eu tiver, vamos colocar assim. É isso que eu pretendo fazer nesse momento. Pode ser, por razões práticas, que não seja possível fazer os dois tipos de informações desse jeito, mas eu gostaria. Seria o ideal.

JN: Eu acho que os fãs esperariam dez anos (MA: É.) por algo assim, para ser honesto.

JKR: Se for esse o caso, então eu fico satisfeita, porque eu não – sabe, o que eu realmente, porque eu não – O que eu realmente -. Eu não quero falar nisso, Deus sabe que eu não quero, não tão perto do Natal (SU: É.), falar sobre coisas legais (jurídicas). É deprimente demais. Mas eu acho que não há sentido em fazer isso a menos que seja incrível. E eu acho que não há sentido em escrever isso se não for tudo, e a última coisa que eu quero fazer é sentir que eu tenho que apressar alguma coisa porque – (SU: Certo.) Sabe o que eu quero dizer? Minha mão sendo forçada, ou eu tenho que correr com isso, porque tem uma demanda e outras pessoas vão preenchê-la primeiro. Eu acho, eu só quero fazer isso direito, ou não fazer de jeito nenhum. E eu realmente quero fazer direito.

SU: Bem eu vou esperar dez anos, se você me der um pouco da história de Hufflepuff, e depois eu serei uma pessoa feliz no acampamento.

JKR: É, bem, (JN ri) eu vou, definitivamente. (MA: (rindo) Ah Deus.) É, tudo isso, sim.

MA: Ah, Hufflepuff.

JN: Já foram cento e trinta e tantas semanas, e nós já conseguimos deixar vocês à mostra, então mais dez anos, que isso importa?

JKR: É, o que importa? É esse o espírito, John!

MA: Vocês estão sendo muito permissivos em relação a esses dez anos. (Risos) Eu não sei, cara. Não vamos expandir isso. Não, eu só estou brincando. Já que vocês mencionaram Hufflepuff, eu queria perguntar uma pergunta meio específica sobre Ana.

SU: Sim.

MA: Ana…

JKR: Ana Abbott?

SU: Sim, (MA: É.) sim.

JKR: Ah, eu gosto dela.

MA: Há um momento em Relíquias da Morte quando Harry (SU: É.) vê alguém que ele acha que pode ser um parente distante de Ana Abbott. Qual é a dela? Nascida trouxa? Ou ela é – Ela perdeu sua família?

JKR: Ah, você está falando do túmulo?

MA: É.

JKR: Não. Ela não nasceu-trouxa. Ela é – Não, eu tenho quase certeza que Ana tem sangue puro. Eu sei que a mãe dela morreu.

MA: Em um documentário velho, você mostrou uma imagem que tinha todas as relações familiares, e Ana aparecia como nascida trouxa lá (JKR: Ela era?) nessa imagem cuidadosamente construída pelos fãs.

JKR: Porque eu vou te dizer. Se for isso mesmo – Eu tenho esse caderno, e esse caderno é uma das minhas pedras fundamentais. Nesse caso, então eu estive lembrando algumas coisas errado, porque eu achava que ela tinha sangue puro. Hm, interessante.

MA: Hm.

JKR: Porque eu certamente (MA: Ok.) escrevi sobre ela, e pensei nela, por anos agora (MA: Hmm.) como sangue-puro, então é interessante. (risos) Também nós só dividimos a diferença e vamos chamá-la de mestiça. (MA e JN riem) É, é assim que as decisões são tomadas no mundo claramente aleatório de J.K. Rowling. (MA e JN riem)

SU: Eu não me importo, porque Ana vai se tornar a dona do Caldeirão Furado, meu pub favorito. E eu estava –

JKR: É claro que ela vai, e eu acho que isso é muito legal – Eu acho que (JN ri) que é uma carreira muito legal, e eu acho que isso torna Neville bem legal (JN: É.) já que ele se casou com ela, vocês não acham?

SU: Sim, faz. (palmas) Uhul.

MA: Ah sim.

JKR: Obrigada. (JN ri)

SU: Obrigada a você, Jo.

JKR: O prazer é meu.

SU: Eu amei isso. Sabe, eu amo o seu site. Você fez Hufflepuff, e quando você fez os (MA ri) quatro fundadores e você teve toda aquela coisa – Então nós realmente, realmente somos agradecidos por aprender todas essas coisas, então (JKR: Obrigada.) pode mandar.

JKR: Eu sei que o site tem estado muito quieto ultimamente. Eu disse na parte do diário, as pessoas ao meu redor continuam dizendo, “Ah, tudo deve estar realmente quieto agora”. Eles não fazem idéia. A segunda metade de (MA ri) 2007 têm sido insana e maníaca e estranha, (SU: Certo.) e cheia de coisas com as quais eu realmente preferia não ter que lidar. E eu fico com medo de dizer que o site é uma das coisas que acabou sendo apenas levada. Eu esperava (SU: ah.) quando comecei o site, o que eu gostei muito. Ele tem sido uma grande forma de me comunicar diretamente com os fãs e definitivamente a forma mais eficiente que eu pude encontrar. Eu estava tendo muita pressão, ou muitos pedidos para um fã clube. De pessoas (SU: Ah, é.) que queriam criar um, e pessoas que queriam ter um fã clube. E eu realmente não queria fazer um fã clube, porque eu acho que eles quase nunca são tão bons quanto prometem ser. (SU: Certo.) E eles nunca são gratuitos, e você tem que pagar, e depois muito material precisa ser feito. E então eu pensei em fazer um fã site, criando um, pelo menos seria de graça, e as pessoas poderiam sentir que estavam ganhando alguma coisa. Então se houvesse uma fase quieta, isso não importaria tanto. Eu realmente preciso atualizar, e eu vou. Eu vou.

SU: Sim, porque nós estamos morrendo por esses W.O.M.B.A.T.’s, você sabe.

JKR: Ah Deus! Escutem, (MA e SU riem) eu tenho que contra a vocês, os W.O.M.B.A.T.’s acabaram. Sinto muito.

SU: Oh.

JKR: Não há mais W.O.M.B.A.T.’s.

SU: Ok.

JKR: Sinto muito.

JKR: Eu fiz – Sabem eu realmente trabalhei duro nesses W.O.M.B.A.T.’s.

SU: Qual foi o propósito deles? Só por diversão? Só por fazer? Quer dizer, por que você – Nós sentimos tipo, “cara”!

JKR: Eu vou te dizer o que foi. E é meio triste. (SU: É.) Alguém me disse que não seria muito esperto colocar pequenas dicas sobre Relíquias no meu site, porque eu tive um problema enorme com isso em Enígma do Príncipe, porque eu tinha posto dicas sobre ele. E foi levado ao tribunal por pessoas que queria colocar o livro inteiro na internet, ou (SU: Oh!) pessoas da imprensa que tinham (MA ri) conseguido ver antes, e queriam divulgar mais cedo. E eles ficavam – Um argumento era “Bem, você pôs no seu site, então nós temos direito de publicar também”. Então me disseram que seria tolice colocar os nomes dos capítulos e coisas do gênero. Eu estava enfraquecendo o meu próprio caso contra as pessoas que queriam divulgar spoilers. Então eu comecei a procurar alguma coisa que eu pudesse dar aos fãs que não fosse um prenúncio. Se bem que, espero que vocês tenham notado – Desculpem, estou saindo ligeiramente pela tangente.

SU: É.

JKR: Eu ia dizer, para dar aos fãs algo que não fosse um prenúncio do livro sete. Mas de fato, se vocês estavam (MA: Hmm.) prestando atenção, o W.O.M.B.A.T. três tinha muita coisa tirada do livro sete. (risos) E ninguém sabia, (SU: É.) e ninguém percebeu (MA, SU e JN riem) incluindo os advogados. Eeeee! Então eu venci. (MA ri)

SU: Eeeee! E Jo venceu! Sim, você venceu. Vai nessa, garota! Isso é incrível.

JKR: Obrigada.

MA: Jo contra os advogados. Ah, isso é engraçado.

JKR: Na verdade tinha um monte de coisas no W.O.M.B.A.T. três que foram tiradas do sete. E as pessoas entenderam isso, ou parte disso. Eu tinha coisas lá sobre a espada de Gryffindor e mais algumas coisas. Então.

MA: Você vai divulgar as respostas para as pessoas poderem entender isso?

JKR: Sabe, eu poderia. Eu poderia divulgar. Vocês gostariam disso? Seria –

SU: Sim, por favor!

MA: Oh, nós amaríamos.

JKR: Isso seria divertido? (JN ri) Ok, isso seria legal. Mas realmente me alegrou. Eu não lembro, alguém deu – Esperem, esperem. Algum site fez um guia do que você devia colocar, e eu acho que as pessoas que seguiram o seu conselho não tiraram notas muito altas, então… (JN ri) De qualquer jeito, eles –

JN: Quero dizer, eu tirei um O em todos os meus. (SU: Ele não tirou! MA: Sei, John, tenho certeza que sim.) Então eu realmente não preciso das respostas.

JKR: Sério? Bem, o embaraçoso é que meu marido só tirou Aceitável, e ele estava na sala quando eu fiz as perguntas. (MA e SU riem) E estava me escutando dizer as respostas, então (SU: (rindo) Isso é ótimo.) o que isso representa sobre o quanto meu marido me escuta, eu tremo ao pensar.

JN: Isso soa muito como uma coisa Hermione-Rony.

JKR: É.

MA: É verdade.

JKR: Nós temos nossos momentos, acredite em mim. É. Então ele (JN ri) recebe um Aceitável, e depois fica desencorajado, e não fez outro. (risos)

SU: É.

JN: Ahm.

MA: Ah, isso é muito Rony.

JKR: É.

SU: Ah, (MA: Bem, fez…) falando em Rony e Hermione –

JKR: É, eles se graduaram em Hogwarts?

SU: É. Graduaram?

JKR: Harry e Rony não voltaram. Hermione sim.

SU: (arfada) Ooo!

MA: Ah meu –

JKR: Você apostou certo? Quer dizer, vamos lá, ninguém poderia pensar que Hermione não voltaria.

SU: Eu previ. É.

JKR: É claro que ela voltaria. Ela tinha que fazer os N.I.E.M.s dela. Rony realmente estava cheio da escola (risos). Eu acho que (SU: É.) seria tentador voltar à escola por um ano só para bagunçar por um ano e depois ter uma pausa, mas ele vai (JN: É.) para o Departamento de Aurores. Ele é necessário. Qualquer um que estivesse na batalha do lado certo. Kingsley iria querer que eles o ajudassem a limpar – Quer dizer, qualquer um que tivesse idade suficiente, que fosse maior de idade (JN: Hm.), mas Kinglsey teria querido Rony, Neville, Harry, e eles teriam todos ido, e eles todos teriam feito um bom trabalho. E eu acho que isso teria sido bom pra eles também, porque ter estado naquela batalha, e depois ser relegado para um canto, eu acho que eles sentiriam a necessidade de continuar, de terminar o trabalho. Então isso teria sido o bastante para rondar as pessoas corruptas que teriam dado uma de Lúcio Malfoy, e tentassem fingir que não estavam realmente envolvidas.

SU: Uau!

JN: Nossa. É, nós realmente estivemos pensando que talvez essas grandes e complicadas- Bem, nós sempre complicamos demais as coisas. Como (JKR: É, vocês fazem (risos) isso.), eles fazem tipo um curso a distância (JKR risos) onde (JKR: Feiticexpresso!) eles terminam a escola de casa (JKR: (rindo) É.). Isso, exatamente.

MA: Sim.

SU: E com Filch.

MA: Nós estávamos imaginando Hermione nas costas do dragão na edição Deluxe Inglesa fazendo seus N.I.E.M.s.

SU: Sim, nós estávamos!

MA: Sabe?

SU: Foi divertido.

JKR: Não, ela definitivamente, definitivamente voltaria. E ela gostaria de se graduar, e eu acho que ela estava- Quer dizer, eu amo a Hermione. Ela foi com Rony e Harry porque ela tem um coração realmente muito bom. Não tem a ver com o cérebro. Em última instância, ela tinha um coração maior do que o cérebro e isso significa alguma coisa no caso de Hermione. Mas ela tinha- Ela era naturalmente destinada à batalha? Não, não era. Ela não é uma Belatriz. Ela não é uma mulher que quer realmente machucar, lutar, matar. De jeito nenhum. Ela ficaria feliz de voltar à escola, ficaria feliz de voltar a estudar, e depois poderia se juntar ao Ministério.

JN: Agora, sabe o que está me deixando curioso agora? (SU: Hmm.) É que uma das coisas mais bem cuidadas sobre a tradição de Hogwarts é a cerimônia de entrada, toda aquela coisa com a viagem de barco até o castelo até a cerimônia de seleção. Que tipo de tradições há para graduação, e para deixar Hogwarts?

JKR: Sabe, John, eu estou muito feliz que você tenha me perguntado isso, porque eu senti uma tristeza enorme por não ter escrito uma cena de graduação.

JN: É.

JKR: É, eu fiquei mesmo. Eu sabia, quer dizer, eu sabia desde o começo que nós nunca os veríamos graduar. Eu sabia que ele iria, bem não ele, mas eles, todos os três não iriam- Nós não iríamos vê-los na escola durante aquele que deveria ser o seu último ano de educação, mas eu realmente, durante o livro final, fiquei pensando que seria- Foi triste que o livro não fosse terminar com uma cena de festival, com a cena de graduação, mas ele não poderia, simplesmente não poderia. Não era desse jeito que ele terminaria. Seria banal demais, e muita gente achou que o epílogo foi sentimental demais. Eu acho que para ter uma cena de graduação por cima de tudo o que tinha acabado de (SU: É.) acontecer seria um anticlímax (SU ri) (JN: Ahm.) absurdo.

JN: Você chegou a ter idéias para o tipo de tradições que eles teriam, como viajar de barco para fora de Hogwarts (JKR: Ah sim, definitivamente!) ou qualquer coisa? Porque eu sei que eu não sou tão bom para pensar nessas coisas.

JKR: Os barcos seriam a forma mais poética e bonita para eles irem embora, e simbólica já que- Harry teria visto os testrálios de novo. Sabe o que eu quero dizer? Seria um retorno à inocência realmente, e a passagem pela água é simbólica, na história da magia. Então, é (JN: É.), eu acho que isso seria ótimo.

MA: Jo, você acabou de presenciar em algo que acontece o tempo inteiro aqui no PotterCast. John diz- Ele diz alguma coisa sem noção que acabou de brotar na mente dele…

JKR: E ela se mostra preciso.

MA: E é a coisa perfeita, e ela se mostra preciso. Eu não conseguiria te dizer quanto ele acertou assim em Relíquias da Morte.

JKR: Eu acho isso bem interessante porque eu- Muitas vezes essas coisas que surgem assim como um raio estão certas. Às vezes você tem de trabalhar muito duro por alguma coisa, e finalmente alguma coisa aparece na sua mente, e você diz, “É! Sim, claro, é isso”, mas eu amo isso, e não há sensação melhor do que quando algo simplesmente aparece de lugar nenhum, e você pensa, “Ah perfeito! Obrigada”.

JN: Não se esqueçam de conectarem na semana que vem, pessoal, para a Parte Dois com J.K. Rowling.

Harry Potter: Nós perdemos!

John de Michigan: Dobby está livreeee!

Voldemort: Eu confesso que estou…desapontado.

Hermione Granger: Agora, se você não se importa, eu vou para a cama.

Lockhart: Ótimo whisky! Não é surpresa, olhe a hora! Estamos aqui há horas. É assustador como o tempo voa quando alguém está se divertido. Heh.

JN: Essa semana o PotterCast foi produzido pelo trio do PotterCast e por Stede Bonnet. Obrigado como sempre aos nossos incríveis Elfos Transcritores por transcrever esse e todos os episódios do PotterCast.com. Para mais informações sobre o programa e como nos contatar e saber sobre episódios futuros, visite PotterCast.com.

Começa a tocar a música “The Leaky Cauldron” de Draco and the Malfoys

Eww…there’s something leaking out of your cauldron.
(Eh… há algo vazando do seu caldeirão)
It’s getting all over my shoes.
(está cobrindo os meus sapatos)

This cauldron’s got a hole in it,
(esse caldeirão tem um buraco)
It’s where the news leaks out.
(é por onde as novidades vazam)
It’s got a really big whole,
(há um inteiro realmente grande)
Because there’s a lot of news!
(porque há muitas novidades)

The Leaky Cauldron!
(O Caldeirão Furado!)
The Leaky Cauldron!
(O Caldeirão Furado!)
Just go to the-leaky-cauldron.org!
(Simplesmente vá para o-caldeirão-furado.org)
The-leaky-cauldron.org!
(O-caldeirão-furado.org)
Or Leakynews.com!
(ou novidadesfuradas.com)

Or Google it if you can’t remember.
(ou procure no Google se você não conseguir lembrar)

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling Transcrição da 1ª e resumo da 2ª parte de JKR no TLC

JK ROWLING
Temas abordados no podcast de número 131 do TLC

TLC ~ Melissa
23 de dezembro de 2007
Tradução: Bruna Moreno

• Draco

• Cães em seu website

• O wallpaper

• Palavras grosseiras e besteiras

• Nova apresentação no Carnegie Hall

• O que há na Sala do Amor?

• O amor elevando pessoas às alturas do heroísmo absoluto, e à tolice

• Belatriz

• O que exatamente Alan Rickman sabia, e quando?

• Snape – será que ele deveria estar mesmo na Sonserina?

• O Parque Temático Potter – ela está “muito, muito, muito envolvida”

• “Particularmente, eu acho que será um dos melhores do mundo, tendo visto o que eu vi.”

• O que aconteceu com Florean Fortescue?

• A sabedoria de uma varinha

• Hagrid não criava testrálios

• Varinhas como seres conscientes

• Alvo Potter e o “Livro Que Disseram Que Jamais Existiria”

• Como aconteceu o documentário

• “Meu nome é Lílian Potter. Você achou que eu estava morta. Você estava errado.”

• “Meu nome é Edwiges…”

• Fred? “Tanto faz”, diz John.

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling Transcrição da 1ª e resumo da 2ª parte de JKR no TLC

JK ROWLING
Resumo das informações dadas no podcast número 131 do TLC

Accio Quote ~ roonwit
24 de dezembro de 2007
Tradução: Bruna Moreno

• Draco se casou com Astoria Greengrass, dois anos mais nova do que Draco e do que sua irmã Daphne.

• Jo detesta Pansy Parkinson, que representa todas as garotas que um dia a importunaram.

• Jo promete dar um nome às duas outras meninas da Grifinória do mesmo ano de Harry, apesar de elas não serem importantes.

• Muito do design de seu website reflete muito de sua vida real (como a bagunça em cima da escrivaninha e os latidos do cachorro), mas não o wallpaper.

• Ela amou o evento Carnegie Hall, com uma grande sensação de liberdade, pois agora ela pôde responder às perguntas e o público estava ótimo ali. Os livros fazem bastante parte de sua vida, porque estão ligados ao que estava acontecendo em sua vida no momento em que ela escrevia cada parte deles.

• A sala do amor é o lugar onde se estuda o que significa o amor. Provavelmente, ele tem uma fonte ou um poço com uma poção do amor muito poderosa, e as bruxas dali a coletam e estudam seus efeitos. Ela pode elevar as pessoas às alturas, como Lílian, ou levá-los a atos tolos ou mesmo maus, como Belatriz e Dumbledore (com Gellert).

• Bela estava romântica e loucamente apaixonada por Voldemort, e obsessiva por ele.

• Alan Rickman soube antecipadamente que Snape era apaixonado por Lílian, assim ele pôde compreender sua amargura em relação a Harry, o qual é a prova viva da preferência de Lílian por outro homem, mas ele foi o único a saber disso por muito tempo.

• Snape foi corretamente selecionado para a Sonserina, apesar de mudar e se desenvolver depois.

• Sonserinos não são todos maus. Eles têm um sentido de auto-preservação mais desenvolvido, mas Slughorn e outros sonserinos realmente voltaram para lutar na batalha final, tendo reforços antes.

• Warner Bros. (que possui os direitos do parque temático) envolveu Jo no parque temático, e ela pediu que o designer de produção dos filmes estivesse envolvido no design, pois o filme reflete como Jo imagina seu mundo. Ela espera que ele se torne maravilhoso.

• Florean Fortescue foi morto. Havia uma história paralela que o relacionava com a Varinha das Varinhas que não se encaixou nos livros.

• A única raça que Hagrid realmente criou foram os explosivins (não testrálios, que eram somente procriados em bando por ele em Hogwarts).

• Varinhas são semi-conscientes devido à mágica que elas carregam. A Varinha das Varinhas é a mais cruel e isenta de sentimentos porque somente considera a força e vai até o vencedor de acordo com onde está o poder. Outras varinhas desenvolvem afinidade e lealdade aos seus donos, mas uma varinha ganhada num duelo adulto sério vai, no mínimo, parcialmente mudar sua fidelidade para o vencedor, e por isso funcionará bem com seu novo dono. (em Clubes de Duelos não há significância real em se ganhar, por nenhum dos lados).

• Jo inventou muitas coisas sobre a nova geração; há muito mais disso no documentário que está por vir.