A Pedra Filosofal ︎◆ Filmes e peças

Pedra Filosofal é um dos “100 Maiores Filmes para a Família”

Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling Pedra Filosofal é um dos "100 Maiores Filmes para a Família"Potterish :: Harry Potter, o Ickabog, Animais Fantásticos e JK Rowling Pedra Filosofal é um dos "100 Maiores Filmes para a Família"

Há muito tempo que não noticiamos nada a respeito do filme Harry Potter e a Pedra Filosofal, mas hoje esse grande blockbuster recebeu uma honra especial. O Channel 4, canal de televisão do Reino Unido, divulgou a sua lista anual “100 Maiores Filmes para a Família”, e Pedra Filosofal está incluído!
O primeiro filme da série, que teve como diretor o Chris Columbus, apareceu na 15ª colocação, logo atrás de O Calhambeque Magico, de 1968.

A criação mágica de J.K Rowling é um fenômeno mundial, e o primeiro filme de Chris Columbus chegou exatamente no meio disso. Hogwarts, Beco Diagonal e Plataforma 9 e meia são visualizados em toda a sua glória.

O primeiro lugar ficou com E.T. – O Extraterrestre. Ainda apareceram na lista Shrek (2º), Piratas do Caribe – A Maldição do Pérola Negra (4º), Star Wars (9º) O Senhor dos Anéis – A Sociedade do Anel (11º), Jurassic Park (12º) e Procurando Nemo (13º). Confiram a crítica do filme feita pelo Channel 4 em notícia completa.

Thanks, The Portkey.

HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL
Channel 4
3 de dezembro de 2007

Adaptação completa da primeira parte da saga de fantasia imensamente popular de JK Rowling. Com algumas atuações descobertas e visual excelente, ela manterá as crianças extasiadas e os adultos entretidos.

Depois da publicação de um fenômeno vem a franquia de filmes. Mas é um bom filme? Sim, ele é, e ele irá satisfazer o clamor dos fãs, particularmente dos mais jovens. Mas o filme atravessa por alguns problemas que surgem, ironicamente, da lealmente ao livro de JK Rowling.

Dadas as vendas do livro, vocês terão lido-o por si mesmo, ou tomado conhecimento do básico por osmose. Completando 11 anos, o órfão maltratado Harry (Radcliffe) sabe de sua herança mágica quando ele é convidado a entrar na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Auxiliado pelo diferente Hagrid (Coltrane), ele é apresentado à comunidade mágica. Em Hogwarts, Harry cai em simpatia pela esperta Hermione (Watson) e o abobado Rony (Grint), desenvolve relacionamentos diferentes com a equipe de funcionários – dentre eles o gentil Dumbledore (Harris), a severa mas justa McGonagall (Smith) e o suspeito Snape (Rickman) – e mostra um talento natural com uma vassoura, rendendo-lhe uma vaga na equipe do esporte “quadribol” (“o mais jovem apanhador do século!”).

Com a densidade de detalhes em média de um romance, a adaptação às telas é sempre enganadora. Mas com uma fantasia, há sempre a facilidade de uma exposição necessária para apresentar a cultura alternativa. Este é o caso com Harry Potter e a Pedra Filosofal. O resultado dos estritos arranjos contratuais e proibições autorais de Rowling é um filme que segue o livro com completa fidelidade. O resultado vem em um ritmo que não se conforma à típica progressão de filmes, com o cenário sendo revelado lentamente, meticulosamente. De forma contraditória, os produtores espremeram muito das armadilhas mágicas do livro – o vasto castelo como uma escola, seu interior em forma de labirinto, a floresta negra adjacente; o negócio de classes, etc – e inúmeros personagens – funcionários e alunos igualmente – que o filme não teve tempo para se prolongar em nenhuma das fantásticas realizações de qualquer um desses. Graças a algumas locações ideais, estão sendo combinadas com efeitos especiais digitais eficazes, a visualização do mundo de Rowling (conhecido por Narnia nos dias de escola de Tom) é fabuloso, mas muitas imagens infelizmente estão na tela por apenas um momento.