A Ordem da Fênix

Entrevista traduzida de Emma na PARADE Magazine

borda2 - Entrevista traduzida de Emma na PARADE Magazineemm1 - Entrevista traduzida de Emma na PARADE Magazine
Conforme publicamos há alguns dias, a atriz Emma Watson apareceu na capa da PARADE Magazine norte-americana. Além de algumas fotos inéditas, que vocês podem conferir em nossa galeria clicando aqui, há também uma entrevista.

“Amei esse filme. É mais complexo. Parece mais maduro. Observando Dan [Radcliffe, como Harry Potter] e Rupert [Grint, como Rony Weasley], pensei, ‘Nossa, eles cresceram tanto!’”. De fato, as duas co-estrelas elaboraram um sistema de suporte inédito. “Não podemos realmente explicar como é essa experiência,” diz Watson. “Estou feliz que tenhamos uns aos outros. Teria sido tão solitário se fosse apenas sobre uma única criança.” Os três foram de crianças impetuosas a jovens que trabalham suas descobertas românticas tanto dentro quanto fora das telas. “Quando era mais nova, eles costumavam me provocar,” ela complementa. “E agora, são muito protetores.”

Leia a entrevista traduzida na íntegra em notícia completa!

EMMA WATSON
PARADE Magazine ~ Emily Listfiels
8 de julho de 2007
Tradução: Adriana

Em sua quinta premiere dos celebrados livros de Harry Potter, a jovem estrela Emma Watson afirma:
Nós crescemos tanto!

Emma Watson senta-se em um elegante hotel londrino, sua silhueta esguia encaixada em um jeans de cintura baixa. Ela é delicadamente bonita e espantosamente dotada para uma garota de 17 anos – mas para isso, praticou bastante. Watson é mundialmente famosa desde os 11 anos, quando começou a aparecer como a mandona e sabe-tudo Hermione Granger, companhia constante do jovem bruxo Harry Potter.

“Foi o primeiro teste que eu fiz,” ela diz, ainda um pouco supresa com o rumo que sua vida tomou. “Não tinha idéia da escala do filme – da fama – ou teria sido completamente soterrada.”

Os números são estonteantes. Até agora, os seis livros de J.K. Rowling sobre os bruxos de Hogwarts já venderam 325 milhões de cópias, e os quatro filmes já faturaram 3,5 bilhões de dólares. Com o lançamento dia 11 de julho de Harry Potter e a Ordem da Fênix (o quinto filme da série) e do tão esperado livro final no dia 21 de julho, esses números serão certamente impulsionados para o céu.

Com Hermione, Rowling criou um modelo de comportamento para garotas. “Há muitas garotas estúpidas na mídia,” Watson observa, com os olhos escuros brilhando. “Hermione não tem medo de ser inteligente. Acho que às vezes meninas verdadeiramente espertas se emburrecem um pouco, o que é ruim.” Watson admite que tem um tanto dela na sóbria personagem Hermione. “Eu sou um pouco feminista,” proclama. “Sou muito competitiva e adoro desafios.” Embora ressabiada no começo, Watson agora aprecia a ênfase dada ao cérebro de Hermione ao invés de sua aparência. “Quando tinha 9 ou 10 anos, fiquei realmente chateada quando tentaram me fazer paracer CDF, mas agora eu realmente adoro isso. Acho que existe tanta pressão para sermos bonitas. Hermione não liga para a aparência. Ela é uma garota completamente levada.”

Embora Watson esteja longe de ser uma CDF, é uma aluna séria. Ela agradece aos fortes laços familiares que a ajudaram a evitar as potenciais armadilhas que um sucesso tão prematuro pode trazer. “Tive uma rede de apoio muito segura, com a família e amigos,” ela diz. “Meus pais são ambos advogados, e não têm interesse em se tornar parte desta indústria.” Sua mãe e seu pai são divorciados, e Emma é a mais velha de sete irmãos entre as diversas combinações familiares. Ela vive com a mãe em Oxford, onde freqüenta uma escola só para garotas. “As pessoas não entendem por que não quero ser atriz em tempo integral,” disse, “mas a vida na escola me mantém em contato com meus amigos. Ela me conecta à realidade, e me faz sentir normal. Sejamos honestos: já tenho dinheiro suficiente para não trabalhar nunca mais, mas não quero isso para mim. Aprender me mantém motivada.”

Mesmo assim, seu balanço pessoal nem sempre é fácil. “É muito estranho tentar se encaixar nos dois ambientes,” afirma. “Na escola, devo ser uma criança; filmando, esperam que eu seja adulta. Sou uma adolescinte – devo ser despreocupada e rebelde – mas tenho um trabalho muito sério. Às vezes é difícil lidar com isso.” Essa dura reflexão levou Watson a hesitar antes de assinar os contratos para os últimos dois filmes de Harry Potter. Na época, especuladores da mídia alardearam que ela estava se fazendo de difícil para aumentar seu pagamento (que se supõe ser de aproximadamente 4 milhões de dólares por filme). Mas a verdade tem muito mais a ver com a natureza reflexiva de Watson.

“As pessoas subestimam o tamanho que essa decisão teve para mim,” afirma Watson. “São os próximos três ou quatro anos da minha vida. Estar sob os flashes e a falta de liberdade são exemplos de coisas que me fazem ficar incerta. As pessoas podem pensar que seja falta de gratidão, mas nunca saberão até o dia em que acontecer com elas. Eu amo isso tudo, e é por isso que voltei, mas tenho que fazer funcionar para mim.” No final, as vantagens superaram as desvantagens. “Tenho muitos amigos no set, e amo muito a Hermione,” garante Watson. “Acho que não poderia ver outra pessoa nesse papel. Isso me mataria. Há tanto de mim nela.”

Uma vez que as filmagens do novo filme recomeçaram, Watson recuperou rapidamente seu entusiasmo. “Eu lembrei de como tudo isso é legal”, ela diz. “Amei esse filme. É mais complexo. Parece mais maduro. Observando Dan [Radcliffe, como Harry Potter] e Rupert [Grint, como Rony Weasley], pensei, ‘Nossa, eles cresceram tanto!’”

De fato, as duas co-estrelas elaboraram um sistema de suporte inédito. “Não podemos realmente explicar como é essa experiência,” diz Watson. “Estou feliz que tenhamos uns aos outros. Teria sido tão solitário se fosse apenas sobre uma única criança.” Os três foram de crianças impetuosas a jovens que trabalham suas descobertas românticas tanto dentro quanto fora das telas. “Quando era mais nova, eles costumavam me provocar,” ela complementa. “E agora, são muito protetores.” Watson insiste que nunca houve nenhum encontro íntimo. Ela afirma estar saindo com o jovem jogador de rugby Tom Ducker, mas se recusa polidamente a discutir esse assunto. Esta é uma garota determinada a manter a fama em seus próprios termos.

Recentemente, Watson observou seus co-estrelas fazerem grandes esforços para se desvencilharem de seus papéis. Com mais destaque, Radcliffe apareceu nu em uma versão da peça Equus nos palcos de Londres. (Segura essa, Harry Potter!) Embora Watson diga que gostaria de tentar papéis diferentes, por enquanto essa não é sua maior prioridade. “Eu realmente não estou procurando nada,” admite, “porque entre as filmagens e meus estudos, tenho estado muito ocupada.” Eventualmente, ela gostaria de estrelar um drama de época ou cantar em um musical, mas esses projetos teriam que se adequar a seu período escolar.

Nesse meio tempo, enquanto o resto do mundo está imerso em uma febre de Harry Potter durante o verão, Watson terá merecidas férias antes do início das filmagens do próximo filme. Quando o último filme chegar aos cinemas, Watson terá 20 anos de idade – uma veterana que passou metade da vida na série cultural mais aclamada do mundo. Ela percebe que as chances são grandes de que algo assim nunca mais aconteça. “Não quero saber o que fazer comigo mesma quando isso tudo acabar. Será a coisa mais estranha do mundo!” exclama. Ela olha adiante, perdida em pensamentos sobre a estranheza disso tudo. Então, enquanto o crepúsculo avança sobre Londres, Watson escorrega seus pés desnudos para dentro dos macios mocassins de camurça e segue satisfeita para junto de sua família.