Animais Fantásticos

Alfonso Cuarón, de Prisioneiro de Azkaban, aceitaria dirigir Animais Fantásticos

O diretor Alfonso Cuarón, responsável por Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, contou que amaria retornar ao Mundo Bruxo de J. K. Rowling em entrevista durante o Festival Internacional de Cinema de Palm Springs enquanto promovia seu novo filme, Roma (Netflix).

“Digo, aquele universo, qualquer coisa que J. K. Rowling fizer, eu amaria participar.”
– Alfonso Cuarón, diretor

Apesar da declaração de Cuarón, o terceiro filme da franquia Animais Fantásticos provavelmente será dirigido por David Yates, que dirigiu todos os filmes da franquia desde Harry Potter e a Ordem da Fênix. Ele revelou que já está trabalhando no roteiro de Rowling, durante entrevista no tapete vermelho de Os Crimes de Grindelwald.

Em entrevista ao POTTERISH, o produtor dos filme do Mundo Bruxo, David Heyman, disse que “seria ótimo contar com David Yates em todos os cinco filmes [de Animais Fantásticos].

Leia também:

  • Animais Fantásticos | Quem dirigirá os próximos filmes da franquia?
  • Alfonso Cuarón dirigiu Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban (Foto: Warner Bros. Pictures/Reprodução)

    O mexicano Alfonso Cuarón assumiu a direção do terceiro Harry Potter depois do esgotamento físico e mental de Chris Columbus, que preferiu ser realocado ao cargo de produtor após dirigir A Pedra Filosofal e A Câmara Secreta. Pouco familiarizado com o mundo de J. K. Rowling, ele aceitou o trabalho por incentivo de seu amigo e colega de profissão Guillermo del Toro, ganhador do Oscar por A Forma da Água (2017).

    Encantado pelo viés político dos livros, Cuarón tomou decisões importantes para o desenrolar dos filmes seguintes. Com uma nova fotografia, trocando as cores quentes e alegres por tons frios e escuros de azul e cinza, a trama passou a ter um tom sombrio e de preocupação. Cuarón também adicionou um toque de realismo ao universo cinematográfico de Harry Potter, inclusive por meio da estética dos figurinos, e estabeleceu o castelo de Hogwarts como o cenário amplo e vívido que deveria ser.