Animais Fantásticos e Onde Habitam ︎◆ Artigos do Pottermore

Elenco de “Animais Fantásticos” fala sobre suas experiências em Nova Iorque

O elenco de “Animais Fantásticos e Onde Habitam” conversou com o Correspondente Pottermore sobre Nova Iorque, a cidade onde a estreia de J.K. Rowling como roteirista se passa, na década de 20.

“Há algo sobre a cidade de Nova Iorque. É diferente de qualquer outro lugar no mundo: corajosa, nervosa, progressiva, diversa, criativa e sempre acordada. As pessoas falam dela com uma reverência invejável, como se eles a amassem contra sua própria vontade. Como se fosse um vício.”


A matéria completa traduzida pela nossa equipe você confere na extensão deste post.

O que a cidade de Nova Iorque significa para o elenco de “Animais Fantásticos”
O Correspondente do Pottermore – 04 de outubro de 2016

Traduzido por Rodrigo Cavalheiro.
Revisado por Caroline Calzolari.

Eddie Redmayne, Carmen Ejogo e Dan Fogler têm algo a dizer sobre a cidade em que o filme se passa.

Há algo sobre a cidade de Nova Iorque. É diferente de qualquer outro lugar no mundo: corajosa, nervosa, progressiva, diversa, criativa e sempre acordada. As pessoas falam dela com uma reverência invejável, como se eles a amassem contra sua própria vontade. Como se fosse um vício.

Nova-iorquinos de verdade têm a cidade em seu sangue. É assim que Nova Iorque funciona: você a herda e então trabalha duro para manter seu lugar nela. Para o resto de nós, Nova Iorque é uma cidade feita de sonhos americanos – quebrados, resgatados e realizados. É onde filmes são gravados, mercados quebram, romances são escritos, estrelas são feitas na Broadway e as ruas são cheias de táxis amarelo-canário.

O perfil da cidade de Nova Iorque em 2016

Talvez seja por isso que J.K. Rowling escolheu que seu primeiro roteiro, “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, se passaria em Nova Iorque. Talvez seja sua riqueza cultural, tão irresistível como cenário, especialmente em um período como os anos 20. É a cidade que nenhum de nós consegue desviar o olhar.

E, por acaso, vários membros do elenco de “Animais Fantásticos” têm suas conexões pessoais com Nova Iorque. Katherine Waterston estudou atuação na lendária Tisch School of the Arts na Universidade de Nova Iorque e estrelou em, entre outras cosias, o sucesso da Off-Broadway, “Bachelorette”.

Dan Fogler encontrou seu sucesso na Broadway em “The 25th Annual Putnam County Spelling Bee”, um papel pelo qual ele ganhou um Tony. “Eu sou apenas um cara de Nova Iorque”, ele me diz pelo telefone, no Brooklyn. “Eu estou na minha pequena varanda de Nova Iorque bem agora.”

Alison Sudol conseguiu um dos seus primeiros papéis em “CSI: NY”, e Ezra Miller treinou como cantor de ópera na The Metropolitan Opera, ou o The Met.

Katherine, Dan, Alison e Ezra experimentaram o amor irrepressível por Nova Iorque e eles tiveram momentos significativos de suas carreiras lá. É um lugar especial.

Até o ator totalmente britânico Eddie Redmayne tem uma doce conexão com a cidade – uma que ela o ajudou a se preparar para o papel de Newt Scamander, o magizoologista que chega de barco em Nova Iorque, vindo da Inglaterra. “Minha avó foi de barco para Boston por Nova Iorque, alguns anos depois de Newt ter feito isso”, ele me conta. “Ela pôde me contar todos os detalhes de estar num desses barcos e foi maravilhoso”.

Outro britânico no elenco com uma conexão pessoal com Nova Iorque é Carmen Ejoho, que agora vive ali com sua família. Quando conversamos, ela está vestida como sua personagem, Seraphina Picquery, tendo acabado de sair do cenário do CMEUA. Na história, o CMEUA funciona no Woolworth Building em Nova Iorque, embora as filmagens tenham acontecido em Leavesden, na Inglaterra.

Deve ser estranho, eu digo, voar de Nova Iorque para a Inglaterra para atuar num filme que se passa em Nova Iorque.

“É tão bizarro ser uma atriz britânica que veio de Nova Iorque para interpretar uma americana em Londres… Tudo ao contrário!, ela diz, rindo. “Mas ainda bem que estou entre tantos americanos no cenário e os cenários são tão realísticos que parece minha casa longe de casa. Estou totalmente convencida de estar em casa [em Nova Iorque]”.

Nova Iorque não é especial para Carmen apenas porque é onde ela dorme. É especial para mesma razão pela qual ela é tão cativante para o resto de nós: tantos momentos icônicos do cinema aconteceram ali.

“Eu sempre fui fascinada por aquela cidade”, Carmen diz. “Eu cresci vendo a Nova Iorque dos filmes antes de chegar lá e eu tenho essa imagem de como ela se parece, especialmente nos anos 1920.”

“Eu amo o fato de que esse filme está reinterpretando Nova Iorque para outra geração e para todos nós, de algum jeito, e dando sua própria cara à cidade que tantos de nós amamos.”

E é precisamente o que acontece quando uma história de J.K. Rowling se desenrola numa cidade familiar. Com os filmes de Harry Potter, nós vimos uma reimaginação mágica do Reino Unido com pinceladas da “Londres Trouxa”. Desta vez, vamos ver Nova Iorque – a cidade que todos pensamos conhecer tão bem – de um jeito que nunca vimos antes.