Artigos

Criações trouxas que tornam o mundo bruxo (ainda mais) real

Fosse você de fato um bruxo (e eu suponho que seja, porque eu sou e tudo mais), teria à sua disposição uma série de objetos mágicos fascinantes, alguns muito acessíveis, outros nem tanto. Varinha mágica, capa da invisibilidade, vassoura de corrida… Tudo seria incorporado à sua realidade, com o perdão do trocadilho, num passe de mágica.

Nossa colunista Juliani Flyssak aproveita para nos brindar com uma nova visão sobre o assunto: as criações trouxas sobre os objetos mágicos retratados em Harry Potter. Várias empresas têm tentado recriar os itens que os bruxos da série usam de forma corriqueira. A coluna de hoje está simplesmente imperdível!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Como diria Arthur Weasley, “qual é a função de um patinho de borracha?”. Há bruxos interessados em criações trouxas, mas o contrário também existe.”

Por Juliani Flyssak

Como diria Arthur Weasley, “qual é a função de um patinho de borracha?”. Há bruxos interessados em criações trouxas, mas o contrário também existe. Muitas empresas piraram junto com os fãs de Harry Potter e querem, mesmo sendo trouxas, terem um pouco da magia que os bruxos têm. Inspirados nisso, a IBM, PlayStation, Nintendo, Terrafugia e outros cientistas ficam horas e horas tentando trazer essas maravilhas para o nosso mundo.

Vou começar pela varinha mágica. A Nintendo e a PlayStation criaram algo que é inspirado nisso e provavelmente você já deve ter visto: os controles Nintendo MotionPlus e o PlayStation Move. É legal? Sim. Mas não chega nem perto de um feitiço convocatório. Sentar no sofá e ver que esqueci o controle longe de mim vai continuar desagradável. Mas, é um começo.

Quem também está querendo entrar para esse rumo é a IBM. O projeto deles é ousado: tornar a penseira real. Funciona assim: é um assistente de memória que funciona com imagens, sons e gravações. Sabe aquela pessoa que chega e te pergunta “lembra de mim?” e você não faz ideia do nome da criatura? Então, a “penseira” ajudaria você. Como? Na hora que conhecemos alguém, tiramos uma foto dela e do cartão de visitas deles, por exemplo. No caso, o GPS daria uma ajudinha. Associando o local, hora e data, os dados seriam cruzados e bang! Você vai ter a resposta de quem era o indivíduo. No entanto, eu vejo um problema nisso tudo. Como assim, na hora que a gente quer reconhecer alguém temos que apontar a câmera? Assim, pessoa vai desconfiar que não estamos lembrados dela. E aí?

Outra coisa que estão tentando criar é o carro dos Weasleys. Bem, esse projeto já é conhecido há tempo. Os cientistas e engenheiros almejam isso desde sempre, o mais próximo é o avião, que cá entre nós, é ótimo. Mas um carro voador nunca chegou a ir para as ruas. A Terrafugia tenta trazer aquele azulzinho dos Weasleys para o mundo dos trouxas e chegou muito perto. Eles realmente fazem carros voadores. Quando visitei o site, fiquei boquiaberta. É muita loucura. Eu sonhando com um carro automático que estaciona sozinho e os caras fazendo esse tipo de coisa. Meu sonho mudou.

A mais desejada de todos os tempos: a capa da invisibilidade. Eu faria o que o Fry do Futurama diz “shut up and take my money“. Então, provavelmente eu diria isso se visse uma numa loja. Claro, se ela realmente funcionasse. Várias vezes vi notícias do gênero: “cientistas anunciam sucesso na criação da capa de invisibilidade”. Mas não consigo acreditar até eu provar uma belezinha dessas. Os cientistas a chamam de metamaterial. Esse material é feito de várias propriedades físicas que não são encontradas facilmente. O metamaterial caminharia junto como o espectro eletromagnético, luz infravermelha e o rádio. Ou seja, muito complexo. Imagina, você acha que está sozinho. Mas a sua mãe está no seu lado o tempo todo. Ui, troco por um carro voador ou por uma varinha mágica (mas não me venham com um controle de videogame, não vale). Um tanto quanto assustador, mas muito bacana. Qual desses objetos-desejos você escolheria?

Juliani Flyssak me contou que gostaria de usar a capa da invisibilidade para ver a reação de vocês ao ler esta coluna.