Artigos

O lado rosa-chiclete da vida

Em várias histórias do universo fantasioso é comum encontrarmos divisões de grupos. Por exemplo, na trilogia Divergente existem as facções, na trilogia de Jogos Vorazes existem os distritos, em Game of Thrones encontramos as casas…e por aí vai. Em Harry Potter, nos deparamos com casas que representarão, influenciarão e serão influenciadas por seus alunos em Hogwarts. Sendo assim, da mesma forma que nas outras fantasias (e até mesmo no mundo real) sempre há um grupo taxado de “fraco”, “pobre”, “careta”, em Harry Potter essa função é um tanto ocupada pela Lufa-lufa, quando a maioria da escola os definem como “panacas”.

Na coluna de hoje, convido todos a refletir e desmitificar esse  conceito a respeito dos lufanos, através de uma de suas grandes alunas. Aproveite a leitura e permita-se a um novo olhar!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por Débora Jacintho

“Todo mundo diz que Lufa-lufa só tem panacas…”, disse Hagrid. Porém, podemos considerar essa afirmação mais do que descabida. A casa de Helga Hufflepuff tem a fama de ter bruxos menos inteligentes mas, na verdade, são os bruxos que menos se gabam de seus feitos. A Lufa-lufa é uma casa com representantes extraordinários, e um dos melhores exemplos é Ninfadora Tonks (ou somente Tonks, como ela mesma prefere).

Tonks, ao sair de Hogwarts, ingressou no Ministério da Magia e se qualificou como Auror, sob orientação de Alastor Moody. Apesar de ter tido dificuldades em Vigilância e Rastreamento, passou com facilidade em Dissimulação e Distinção, por usar bem suas habilidades de metamorfomaga. Logo em seguida, juntou-se à Ordem da Fênix. É inteligente e corajosa, e sempre se esforça ao máximo para defender o que acredita. Além disso, é autêntica e leal, como uma verdadeira lufana. É uma bruxa brilhante, mas não deixa de ser engraçada, como metamorfomaga, gosta de mudar o formato do nariz e as cores do cabelo.

No Pottermore, J.K. Rowling fala sobre a utilização das cores e seus significados no universo mágico. Sobre a Tonks, ressalta sua preferência pelo rosa-chiclete como atitude rebelde, uma forma de se afirmar. Não tem vergonha de quem é e não nega as origens, com seu pai sendo trouxa.

Se apaixona por Remo Lupin, que num primeiro momento nega o relacionamento por se achar muito velho, pobre e perigoso. Tonks, por outro lado, não se importa com nada disso, e não desiste de seus sentimentos. Ela enxerga pessoas, não apenas status e aparências, e é assim que ama Lupin independentemente do que ele é.

Tonks é uma personagem extraordinária: é corajosa, engraçada e autêntica. Luta intensamente por tudo o que ama e acredita, e não desiste em nenhum momento diante de dificuldades. Se a Lufa-lufa só tem panacas? Acho que não. Tonks prova isso completamente, é uma grande bruxa e grande representante da Casa de Helga Hufflepuff. E não é à toa que se tornou minha personagem favorita!

Então talvez o rosa-chiclete não seja uma cor tão panaca assim!