Artigos

O elemento cristão em Harry Potter

O cristianismo é a religião da grande maioria dos brasileiros: estima-se que mais de 80% da nossa população seja composta por pessoa que professam essa fé, o que também ocorre na maior parte do Ocidente. É inevitável, pois, que pais, educadores e formadores de opinião busquem em Harry Potter elementos que remetam à profissão da religião cristã e de seus preceitos.

Nossa colunista Natallie Alcantara traz hoje um ensaio, tratando desse tema, que já foi alvo de muita polêmica enquanto os livros estavam sendo lançados e, mesmo hoje, segue alvo de acirrado debate dentro de algumas instituições religiosas. Você concorda com a nossa colunista? Não se esqueça de opinar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por Natallie Alcantara

A série Harry Potter faz parte do gênero da fantasia e, como toda grande obra literária, está cercada de críticas e controvérsias, sendo a maior delas: é uma série apropriada para crianças? Existem elementos cristãos nos livros, o que pode ser encorajador, mas segundo outros, também existem temas satânicos. Tons ocultos e lições morais estão presentes lado a lado. Vista sob diferentes luzes, a série exemplifica muitos aspectos de vários grupos culturais e religiosos.

Ao se olhar para Harry Potter com a mente aberta, pode-se encontrar vários elementos cristãos, como o amor que leva ao sacrifício. Este, aliás, é o tema central de toda a série. O calendário de Hogwarts, programado considerando-se os feriados cristãos do Natal e da Páscoa também é outro exemplo. Rowling narra as trocas de presentes na manhã de Natal, focando no “dar” e “receber”.

Mesmo assim, ainda há quem questione se há mesmo um tema cristão nos livros da série. Isso se deve, talvez, ao fato dos muitos nomes que tem relação com o ocultismo. Como exemplo, o título do primeiro livro faz uma relação à alquimia antiga (a pedra filosofal remonta a um objeto que pode transformar metal em ouro). O Espelho de Ojesed, que mostra o desejo mais profundo do seu coração, remonta a sétima regra satânica que diz: “Reconheça o poder da magia se você o empregar com sucesso para obter seu desejo”. No momento em que Harry se olhou no espelho e desejou pegar a pedra filosofal para protegê-la, ele a recebeu.

Muitos objetos usados pelos personagens também têm relação com o ocultismo: o Chapéu Seletor, que ao ser colocado na cabeça dos estudantes determina a que casa eles irão pertencer. Assim, o Chapéu se torna um símbolo daqueles que afirmam ter a habilidade de ler mentes. No entanto, a Bíblia diz que só Deus é onisciente e conhece o coração dos homens.

Apesar do que possa parecer, Harry Potter tem sim elementos religiosos, além de exemplificar as qualidades que um bom líder deve ter. O jovem bruxo se depara com várias escolhas, e que são elas que dizem quem ele é como pessoa. Aprendemos com Dumbledore a acreditar nas pessoas e que é válido dar uma segunda chance; aprendemos a nos importar com o outro e que nem sempre a melhor pessoa é perfeita.

Com tantos aspectos diferentes, é difícil dizer se a série é (in)apropriada para crianças. Alguns dizem sim, muitos outros dizem não e a discussão nunca termina. Minha opinião: leia! Mesmo que seja somente como fonte de diversão. Afinal, de acordo com Dumbledore, devemos nos divertir sempre que pudermos.

Natallie Alcantara me contou um segredo: reza todos os dias para que ela tenha tempo de analisar mais livros.