Artigos

Harry Potter e sua face divina

Menino ou herói? Você já deve ter ouvido esse questionamento sobre Harry Potter centenas de vezes, certo? E se o lado herói do nosso protagonista for, na verdade, uma face divina que tia Jo pretendeu lhe dar?

Luciana Barbosa aborda na coluna deste domingo esse suposto lado, e as formas como J.K. Rowling tomou para trazê-lo próximo à nossa realidade. Você pode ser, afinal, mais que um herói: pode tomar para si características muito desejáveis do próprio divino. Leia e não se esqueça de comentar se concorda!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por Luciana Barbosa

Ele é só metade gente como a gente. Harry Potter apanhou do primo grandalhão, sofreu com as provas escolares e sentiu aquele formigamento típico na região do baixo-ventre quando a puberdade se instalou. A parte humana do personagem, dividida entre aspectos positivos e negativos, nos aproxima e identifica com sua história, fazendo pensar que poderia ser um de nós a receber a carta de Hogwarts. Mas o que tornou Harry tão especial e o credenciou a marcar toda uma geração foi a combinação de sua parte humana com a sua parte do que acreditamos divino. A admiração que temos pelo personagem também passa pelas entregas abnegadas que este faz – e que os seres humanos
comuns não estão dispostos a fazer.

Enquanto a metade humana de Harry deseja encontrar-se com Voldemort e vingar a morte dos pais e de tantos outros, a metade divina só bate de frente com o vilão para pará-lo de praticar e espalhar o mal pelo mundo. Potter trascende a condição humana não só pela magia que possui ou pelos feitiços que pode realizar. Ele atinge níveis de virtude que os seres humanos comuns não alcançam. Humildade, perseverança, coragem e, sobretudo, autossacrifício. A trajetória heróica do menino bruxo está marcada pela entrega.

Retribuindo o sacrifício de Lílian, que lhe permitiu sobreviver ao ataque de Voldemort, ele dispõe de sua vida em favor dos que ama, quando se entrega para o vilão em “As Relíquias da Morte”. Ele deu a vida em favor do fim do mal, pelo bem de todos os outros – exceto o dele. Não há retribuição possível nisso. Ele não esperou nada em troca, não se entregou para sua própria glória, como um guerreiro poderia ter feito. Se entrega apenas em favor de outros. Em nossa cultura, podemos encarar esse ato como o gesto supremo de bondade. Esse nível de autossacrifício o eleva tanto na escala heróica que o deixa mais próximo da ideia de Deus no imaginário cristão.

J.K. Rowling reverte um pouco o quadro quando deixa para Harry uma vida tranquila e pacata no pós-Voldemort, com esposa, filhos e contas a pagar. A autora optou pela escolha de não criar ali um mártir, o que o distancia dos aspectos divinos e da figura de Cristo, equilibrando a balança. Sendo assim, o gesto supremo de bondade acabou por ser feito não por uma figura inteiramente divina, mas por uma pessoa com aspectos divinos e humanos. Se a autora constrói um personagem em parte tão humano quanto a gente, mas que ainda assim é capaz de sacrificar a própria vida por amor, no fundo ela quer destacar a capacidade de ser deus que há em cada um de nós.

Para escrever esta coluna genial, Luciana Barbosa só pode mesmo ter tido uma inspiração divina.