J. K. Rowling

J.K. Rowling fala sobre a Instituição Lumus ao “Daily Mail”

No dia 26 de Outubro, o jornal Daily Mail publicou uma matéria onde J.K. Rowling falou um pouco sobre a Instituição Lumos. Para acessar o bate-papo inteiro, clique aqui. E nós, do Potterish, traduzimos e separamos alguns dos trechos mais interessantes do bate-papo, confira:

J.K. ROWLING
J.K. Rowling ao Daily Mail
Matéria do Daily Mail.

26 de outubro de 2013
Tradução: Junior Campelo

J.K. Rowling está à beira das lágrimas. Ela se lembra de um menino com deficiência mental que ela conheceu, arrancado de sua família e jogado em uma instituição estatal fria e assustadora.
“Tudo o que eu conseguia pensar era… temos que tirá-lo de lá, e os outros como ele. Era mais uma prisão do que uma casa”, diz ela, sentada no escritório de seu agente, em Londres.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Eu sou uma pessoa emotiva. Eu luto muito contra esse tipo de situação. Havia um bebêzinho, uma menina, e eu estava de pé no berço e eu pensei: “Eu vou levá-la.”
“Foi totalmente irracional mas é a sua reação humana. Não havia nenhum modo que eu poderia levar esse bebê para casa, mas é a reação mais forte. Você pensa como uma mãe “Eu vou salvar esse bebê, este bebê.”

A autora mais famosa do mundo – e mãe de três filhos – estará durante uma quinzena no centro do palco da Warner Bros, em Hertfordshire, casa do Harry Potter Studio Tour, repetindo este grito de guerra. Ela vai apontar seu considerável poder de fogo na tentativa de acabar com os horrores que testemunhou quando ela relançou sua instituição de caridade Lumos.

Nove anos atrás, ela viu fotos de jornais de crianças acorrentadas em camas na Roménia e jurou acabar com esse sofrimento. Nos últimos anos, Rowling tem feito visitas secretas para ver o trabalho de sua instituição de caridade na Moldávia, República Checa, Ucrânia e Romênia. O que a transformou em uma defensora empenhada.

“Devemos trazer mudanças duradouras para tantas atrocidades não ocorrerem mais. A mentalidade ex-comunista – que o Estado deveria tomar crianças e colocá-las em uma caixa de lixo – deve ser feita uma coisa do passado”, diz ela.

Uma coisa é certa: Joanne Rowling não está sem propósito. Sua voz carrega influência global. Mesmo um sussurro seu sobre Harry Potter é imediatamente uma sensação nas mídias sociais.

Um parque temático de Harry Potter será inaugurado no Japão em breve e há compromissos intermináveis​​.

Ela cuida de três filhos com seu marido, Neil, que mantém os seus pés no chão, trabalhando como um “GP”.
Aos 47 anos, ela transpira confiança, carisma e foco. Seu alcance, com seus livros é global e ela quer sua instituição de caridade tenha um impacto similar.

A ONU estima que existam oito milhões de crianças em instituições, um milhão na Europa Central e Oriental.

Ela gostaria que todos encontrassem um lar com a sua biológica ou família adotiva.

E enquanto o mundo se concentrou em seus livros (450 milhões de unidades vendidas até agora), ela doou milhões de libras para fundar a Lumos, indo, vagarosamente, tirando milhares de crianças de prisões-que-são-chamadas-de-orfanatos e devolvendo-as para suas famílias.

A inspiração para sua instituição de caridade está diretamente relacionada a Harry Potter, uma criança privada de pais, amor e esperança que luta para sobreviver do bullying e do isolamento.
“Harry foi deixado em um ambiente muito hostil, por isso há paralelos claros”, explica ela.

“Ele é um garoto retirado de sua família pelo luto. A maioria das crianças que estamos a tratar, não são órfãs, mas estão lá por causa da pobreza de seus pais ou situações pessoais.”

Como todos os trouxas (não-bruxos, para os não-leitores de Harry Potter) sabem, ‘lumos’ é a luz na ponta de uma varinha, descrito pela primeira vez em Harry Potter e Câmara Secreta. Harry, então, tem o seu papel a desempenhar – “Temos chamado a instituição de caridade depois [como o] feitiço que dá vida em Harry Potter, e eu me sinto confortável com isso.”

Mas a sua determinação para enfrentar o terrível tratamento de crianças em todo o mundo é inspirada por sua própria – e muito real – história de vida.

“Na Grã-Bretanha não dizemos: Você não tem recursos para esta criança e eu estou levando seu filho para longe de você.” [Mas] Isso é o que as pessoas em alguns países do Leste Europeu dizem. “Eu não estou criticando essas mães que deixam as crianças irem. Elas pensam: Ela ou ele também terão fome se ficarem comigo mas serão alimentadas em uma instituição.”
“O que você não faria para manter seus filhos?”
Rowling reconhece a dor torturante e a esmorecente natureza da pobreza.