Artigos

Coluna conjunta: Doces ou travessuras?

Os colunistas do Potterish se reuniram para fazer uma coluna conjunta especial, sobre um dos dias mais importantes do mundo bruxo: o Halloween. Sinônimo de festa, de alegria, de muita comida boa e de surpresas, o dia das bruxas em Hogwarts sempre é muito aguardado.

Na coluna deste domingo, Bruno Contesini, Monique Calmon, Nilsen Silva e eu escrevemos juntos uma coluna especial para comemorar com você. Doces ou travessuras?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por Bruno Contesini

No último Halloween, lembro-me de ter ido atender a porta de casa algumas vezes com crianças munidas da famosa frase: “Gostosuras ou Travessuras”! Uma dessas vezes, o grupo que me encarava do lado de fora da minha casa chamou-me a atenção, eram crianças, jovens e adultos, de todas as idades, vestidos de forma impecável com o tradicional chapéu pontudo, e uma varinha em punho, daquelas que, certamente, Olivaras se lembra de ter vendido!

Não tive dúvidas, corri ao meu quarto, tomei o mapa do maroto, minha varinha, e alguns pedaços de pergaminho, abri a porta do guarda-roupas, vesti-me como um tradicional aluno de Corvinal e, assim, voltei à porta!
Dei os doces que me pediram, mas fiz questão de juntar-me ao grupo, sentir o prazer de um mundo que durante anos me trouxe alegria, transformar por um dia, ficção em realidade, e que fique claro, estávamos todos com nossas varinhas e mentes atentas, sempre existe a possibilidade de alguém deixar um trasgo entrar, não é mesmo?

Por Luiz Guilherme Boneto

Abóboras gigantes, comidas deliciosas, festa! Eis um resumo do Halloween em Hogwarts. Eu, que sempre fui propositalmente alheio a essa data por considerá-la pouco ligada à cultura brasileira, aprendi a admirá-la lendo Harry Potter. E tudo porque, no meu íntimo, eu adoraria participar dos festejos em Hogwarts.

O Halloween, tal como o Natal, se espalha pelos corredores da escola como uma aura diferente. Começa-se a especular o que haverá para comer, como será a festa e mesmo boatos acerca de um ou outro detalhe (lembram-se de Dumbledore, que estaria contratando para o Halloween do segundo ano de Harry uma trupe de esqueletos dançarinos?). Os alunos podem, além disso, acompanhar o cultivo das abóboras gigantes, das quais Hagrid cuida pessoalmente, bem ali nos jardins da escola. O clima de Halloween é palpável.

Como se tudo isso não bastasse, Hogwarts é um dos locais mais propícios nos quais se pode pensar para festejar uma data como o Halloween. É, primeiramente, um castelo milenar, cercado por um lago de águas obscuras e uma floresta repleta das mais misteriosas criaturas mágicas. Mesmo dentro do castelo, circulam fantasmas de todos os tipos e humores. E não posso deixar de mencionar, é claro, o detalhe pequeno de que todos dentro de Hogwarts são bruxos, o que torna o dia das bruxas ainda mais especial.

Nós potterheads, que também somos um pouco bruxos, teremos muito o que festejar na próxima quarta-feira. 31 de outubro será, para alguns, o dia de vestir-se de preto e pedir doces fora de casa, e para outros, será o momento mais propício para reclamar da americanização da nossa cultura. Para nós, resta relembrar, como sempre, o Halloween como parte indissociável de Harry Potter, que afinal de contas, é parte indissociável de nosso mundo.

Resta perguntar: doces ou travessuras?

Por Monique Calmon

Mal começara o dia e Severo Snape já corria para a biblioteca, sem nem ao menos tomar café. Era 31 de outubro, Dia das Bruxas, mas para ele só mais um dia normal de estudos, ou ao menos assim esperava que fosse.

Em seu caminho, do outro lado do corredor, ele avistava Lílian Evans. Seu coração palpitava ao perceber que a menina corria em sua direção, com seu cabelo acaju balançando encantadoramente com o movimento.

– Severo, que bom que eu te achei! Preciso muito da sua ajuda no dever de Feitiços. Você sabe me dizer se…

De repente, a frase é cortada por uma voz grave que se aproximava. Sonserino, cabelos e olhos pretos, pálido, e sem dúvidas um outro Severo Snape em aparência.

– Você queria ajuda com o que mesmo, Lílian? Nós poderíamos discutir isso tomando um suco de abóbora essa noite sob a luz do luar, o que você me diz?

A surpresa de Snape ao ver um clone seu o fez recuar e tropeçar em sua própria capa, caindo no chão e derrubando todos os seus livros. Lílian, espantada com a queda de um Snape e a presença de outro à sua frente, permanecia boquiaberta e sem ação. Logo se aproximava uma quarta figura, Remo Lupin, parecendo exausto e com olheiras sob os olhos.

– É só o Tiago… Poção Polissuco. – esclareceu Remo, carregando uma forte decepção com as escolhas de seu amigo em seu tom de voz.

– Poção Polissuco? – questionou ela – Impossível. Nós já estudamos sobre ela, demora um mês para ficar pronta, e um aluno não poderia prepará-la…

– Você falou que os trouxas se fantasiam de coisas assustadoras no Dia das Bruxas, Evans. Eu só quis comemorar do seu jeito! Você tem que concordar que nosso amigo Snape é o bruxo mais assustador por aqui… – disse Tiago, despenteando seu próprio cabelo como sempre fazia, mas não tendo bons resultados com o cabelo seboso de Snape.

O Snape original continuava no chão, mas agora com o rosto se contorcendo de ódio ao olhar para a figura tão semelhante a si mesmo. Lílian, indignada ao perceber pela mexida no cabelo que de fato se tratava de uma brincadeira de mal gosto de Tiago, perdeu a paciência:

– Eu não acredito nisso, Potter! Você realmente se esforçou dessa vez! Desperdiçando seu tempo e inteligência para ser tão desprezível!

– Ah, vai, pelo menos o nariz assusta…

– Sai de perto de mim!

E assim a grifinória seguia a passos largos para outro lado do corredor, bufando. Tiago, ainda não entendendo por que ela não havia gostado de seu disfarce, a seguia:

– Evans, volte aqui!! Vai sumir em pouco tempo, eu prometo! Eu vou voltar a ser bonito pra você!

Remo e Severo se entreolharam. O segundo se levantou, juntou seus livros, e sem trocarem uma palavra, cada um seguiu em direções opostas, ambos completamente insatisfeitos com o rumo que aquele dia prometia tomar.

Por Nilsen Silva

Todo mundo conhece o jeitinho J.K. Rowling de escrever; muitas vezes as respostas e dicas são sugestivas, estão nas entrelinhas, num lugar escondido onde apenas olhos atentos podem ver. Pode não parecer, mas o Halloween é, sem sombra de dúvidas, uma das datas mais importantes da saga Harry Potter. E não tinha como ser diferente, na minha opinião.

O Dia das Bruxas foi a noite em que Voldemort assassinou os pais de Harry. Também foi a noite em que o professor Quirrell deixou o trasgo entrar nas masmorras, em A Pedra Filosofal. No segundo livro, o primeiro ataque do basilisco foi na noite do Halloween – e a pobre madame Nor-r-ra foi a vítima. Já em O Prisioneiro de Azkaban, o Dia das Bruxas é a data da primeira visita a Hogsmeade aos alunos do terceiro ano – e também a noite em que Sirius ataca o quadro da Mulher Gorda na tentativa de entrar na Torre da Grifinória. E, no quarto livro, o nome de Harry sai do Cálice de Fogo.

Acho que apenas com esses eventos já deu para perceber o quão notável é o Dia das Bruxas na saga, né? Porque, em alguns deles, o plot do livro simplesmente não existiria sem os eventos dessa noite tão macabra. Infelizmente, esses incidentes foram deixados de lado a partir do quinto livro – mas por um motivo totalmente justo, já que a história foi ficando cada vez mais complexa. E menos inocente também.

E agora que tal erguer seu suco de abóbora ou cerveja amanteigada e brindar pela existência da magia? Por mais que você seja trouxa, não dá para negar que a noite de Halloween tem um ar mais especial. Mesmo que ela se resuma a assistir alguns filmes de terror e comer pipoca debaixo do cobertor!

Nossas fantasias de Halloween, com as quais vamos assustar os trouxas na próxima quarta, já estão preparadas.