Artigos

As mães de Hogwarts

Mãe é sempre um assunto sagrado. Justamente por isso, nossa colunista Gabriela Lutfi decidiu ir mais fundo nesse tema, e logicamente, inseriu-o em Harry Potter para trazê-lo à tona.

Na análise, deste domingo, nossa colunista nos traz uma reflexão sobre as mães que habitam a nossa série, além das já conhecidas Lilian Potter e Molly Weasley. Não deixe de ler e registrar seu comentário!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por Gabriela Lutfi

Tudo bem, eu sei que o dia das mães já foi e eu estou atrasada, mas acho que nunca é tarde pra falar desse tema.

Fora Molly Weasley e Lilian Potter, poucas mães de Hogwarts tiveram grande foco na saga. Por isso, essa coluna vai ser dedicada exclusivamente às mães pouco conhecidas, onde relembraremos suas vidas e seus feitos.

Vou começar falando da mãe de uma personagem que eu particularmente não sou muito fã. Nascida na casa Black, Andromeda Black é a irmã do meio de Belatriz Lestrange e Narcisa Malfoy. Como a grande maioria da família, ela foi acolhida pela Sonserina. Você imaginaria que uma descente dos Black e colocada na Sonserina seria farinha do mesmo saco que suas irmãs. No entanto, Andromeda estava longe disso.
Andromeda Black foi futuramente conhecida como Andromeda Tonks após se casar com Ted Tonks, filho de trouxas cuja casa permanece desconhecida, mas eu gosto de imaginar que ele seria da Lufa-Lufa. O casamento com um trouxa lhe rendeu a expulsão de sua família e sua imagem queimada da tapeçaria dos Black com a árvore genealógica gravada.

Acho que vocês já perceberam que Andromeda Tonks não é ninguém mais ninguém menos que a mãe da Ninfadora Tonks. A Andromeda teve pouco destaque na saga Harry Potter, sendo mencionada pouquíssimas vezes na série, como quando foi dito que ela havia emprestado sua casa como um dos quartéis da Ordem da Fênix. Ela e seu marido, Ted Tonks, nunca foram parte oficial da Ordem, apesar de auxiliá-los sempre que possível.

A vida de Andromeda foi extremamente conturbada. Seu marido foi morto na Segunda Grande Guerra Bruxa pelos caçadores de Voldemort (que tinham como especiais vítimas os filhos de trouxas), bem como seu genro, Remo Lupin. Ninfadora foi morta por ninguém menos que sua própria irmã, Bellatrix, e é conhecido que Andromeda sofreu feitiços de tortura por diversas vezes durante a Guerra, mas ela resistiu bravamente e não disse uma única palavra que pudesse comprometer a Ordem.

Se isso não é força, eu não sei o que é. Andromeda demonstrou toda a coragem do mundo, indo contra uma das famílias de mais puro sangue do mundo bruxo e ainda conseguindo sobreviver mesmo perdendo a maioria de seus entes queridos. Ao final da Guerra e nos anos subsequentes, Andromeda levou uma vida calma criando seu neto, Ted Remo Lupin, contando com o auxílio de Harry.

Além de Andromeda, outra mãe a qual eu admiro muito é Monica Wilkins. Monica nasceu trouxa, e nunca se tornou uma bruxa, mas sua filha sim, e esta ficou extremamente conhecida no mundo bruxo por suas excelentes notas e feitos na Segunda Grande Guerra. Confusos? Pra clarear a mente de vocês, Monica Wilkins era conhecida simplesmente como Sra. Granger antes de ter sua memória apagada por Hermione e designada uma nova identidade.

Tudo bem, a Sra. Granger não era uma bruxa, e teve poucas passagens no livro também, mas vamos analisar a situação dela por um momento. Um belo dia você acorda e algum louco aparece na sua porta com uma carta de aceitação de uma escola sobre a qual você nunca ouviu falar, dizendo-lhe que sua filha é uma bruxa e ela deve ir estudar na escola pela maior parte do tempo do ano. Eu não sei vocês, mas se fosse eu, eu teria fechado a porta na cara do sujeito com medo de minha filha ser raptada.

A Sra. Granger foi muito aberta ao aceitar a nova realidade de sua filha, e deu a ela todo o apoio que se espera de uma mãe carinhosa, levando-a para fazer as compras de materiais escolares sempre que possível e oferendo suporte e encorajamento em todos os momentos. Existe coisa melhor do que isso? É óbvio que a Sra. Granger amava muito sua filha, e não se importou com inseguranças e eventuais medos que surgiram ao longo dos anos. Por diversas vezes nos livros, podemos ver Hermione se lembrando de seus pais com carinho e afeição, o que demonstra tudo o que é necessário.

Durante a Segunda Grande Guerra, a Sra. e o Sr. Granger tiveram sua memória apagada por Hermione para que não sofressem possíveis torturas ou que tentassem procurá-la, mas logo após a Guerra, Hermione os encontrou em algum lugar da Austrália e devolveu-lhes a sua memória, colocando-os de volta no mundo mágico. Após o fim da Guerra, a Sra. Granger ganhou um ótimo genro e vários netos. Acho que ela fez bem em não bater a porta na cara do funcionário de Hogwarts.

Por fim, a última mãe sobre a qual vou falar nunca teve filhos, mas tenho certeza de que foi uma mãe para todos os alunos de Hogwarts, independente da casa a qual pertenciam.

Minerva McGonagall é filha de mãe bruxa e pai trouxa, sendo colocada na Grifinória durante seus anos de estudante. A vida de Minerva foi dura desde a infância. Sua mãe nunca contou ao seu pai que era bruxa, e o fato foi somente revelado quando Minerva revelou sinais de magia durante seus anos como bebê. Ainda jovem, Minerva se apaixonou por um trouxa chamado Dougal McGregor. Eles foram noivos por um curto espaço de tempo antes de Minerva perceber que estaria seguindo os passos de sua mãe ao se casar com ele, e o abandonou. McGonagall eventualmente se casou com Elphinstone Urquart, que trabalhava no Ministério da Magia, mas seu casamento de cinco anos rapidamente se desfez após Elphinstone morrer ao ser acidentalmente mordido por uma Venomous Tentacula.

Minerva foi parte de ambas as Ordens da Fênix, a primeira sendo montada durante a Primeira Guerra Bruxa, e auxiliou Dumbledore na tarefa de proteger todos os estudantes de Hogwarts. Após a morte de Dumbledore, Minerva se tornou a diretora de Hogwarts e ficou nessa posição até sua aposentadoria.

Infelizmente, Minerva nunca teve filhos, no entanto, é difícil não pensar em um jeito matrimonial observando sua educação severa porém dedicada aos alunos de Hogwarts, independente da casa a qual pertenciam. Considerando toda a história conturbada em seus anos jovens e a sobrevivência de duas Guerras, acredito que a ex-diretora de Hogwarts é uma das mulheres mais fortes da Saga.

Observando a Minerva agora, percebe-se que ela sempre colocou os outros antes de si própria, se importando com o bem estar das pessoas antes de começar a pensar em suas necessidades. Com certeza, Minerva é uma das personagens mais fortes e corajosas de toda a saga, e sei que ela seria uma ótima mãe se tivesse filhos.

Esta coluna é dedicada também a muitas outras mulheres do livro, inclusive as que nunca tiveram a oportunidade de se tornarem mães. Afinal, não é um filho que dita o que a mulher é. Mãe é mãe em qualquer situação!

Gabriela Lutfi sentiu um grande amor de mãe ao terminar esta coluna.