Artigos

Para além das trevas

Gerardo Grindelwald é um personagem pouco abordado na série, mas de grande importância no enredo, especialmente em “As Relíquias da Morte”. Sua amizade com Dumbledore, seu envolvimento com magia das trevas e seus feitos pouco ortodoxos são fatores que o fazem ser lembrado.

Em sua nova coluna, Bruno Contesini vai além das trevas e aborda um pouco mais da imagem desse bruxo tão poderoso e intrigante. Não deixe de ler e de responder ao questionamento de nosso colunista!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por Bruno Contesini

Durante longos anos, muitos fãs de Harry Potter esperaram respostas sobre a identidade de Gerardo Grindelwald. O antecessor de Voldemort a frente das forças do mal, no entanto, não teve tanto destaque nos seis livros iniciais, de modo que o último evidenciasse relevantes paralelismos com o mundo trouxa.

Está claro que Voldemort e Grindelwald têm semelhanças e diferenças que vão, sem dúvidas, para além das trevas! Mas, que paralelos seriam estes? O que torna Grindelwald, talvez, o personagem mais enigmático da série?
Primeiro, temos que ressaltar que o bruxo é um dos pilares usados pela autora, para romper com o preconceito homossexual, já que seu, uma vez melhor amigo, Dumbledore, foi apaixonado por ele! Sim! Isso para mim carrega certo tom de ironia, o personagem responsável por massacres e matança injustificada, é também uma das sustentações de uma lição moral da série.

Apesar disso, é também uma verdade que Gerardo quis impor seu modelo de pensamento e governo ao mundo ao qual pertencia, tudo justificado pela expressão “pelo bem maior”, a qual darei maior significância algumas linha abaixo.
Parece-me claro, entretanto, que Grindelwald foi capaz de criar vínculos com outras pessoas, embora nunca tenha dado indícios de retribuição à paixão de Dumbledore, os dois certamente mantinham uma relação de amizade, algo que Voldemort jamais considerou para a sua vida.

E aí então, tudo isso parece ficar claro, diferenças e semelhanças entre Tom e Gerardo são expostas no momento de encontro dos dois, na cela mais alta de Nurmengard, quando Gerardo entrega sua vida, recusando-se a revelar detalhes sobre o tanto que Voldemort desconhecia! Ali, o aluno expulso de Durmstrang mostra que um dia ansiou pelo poder, mas também foi capaz de aceitar a própria morte, esquecendo-se do bem maior que havia permeado sua adolescência. Pouca gente parece perceber, mas Gerardo é um nome de origem germânica que significa “nobre”, além disso, wald é uma referência a floresta, em alemão. Porque tanta proximidade do bruxo com este país europeu?

Aqui inicio uma segunda etapa de estudo, deixando por hora de avaliar Grindelwald em confronto com outros personagens da série, e passando a vê-lo inserido no mundo dos trouxas, com muita semelhança com o totalitário e opressor líder alemão Adolf Hitler.

Sem nenhuma intenção de criar qualquer conotação preconceituosa, ressalto uma publicação datada do ano de 2003, do biógrafo Lothar Machtan, que em seu livro “O segredo de Hitler”, põe em dúvida a orientação sexual do ditador. Claro que o biógrafo citado, não tem unanimidade de aprovação sobre o tema, mas, de todo modo, isso gera uma dúvida, muito semelhante com a de Grindelwald, que não se sabe se também fora apaixonado por Dumbledore. Mais uma vez, sinto a necessidade de reiterar, que a menção a uma suposta homossexualidade de tais personagens, NÃO tem conotação preconceituosa!

Indo um pouco além, podemos mostrar uma proximidade entre a cruz suástica e o símbolo das relíquias da morte. Apesar de Krum ter se referido ao símbolo das relíquias como sendo de Grindelwald, o bruxo jamais o pertencera, no entanto, tal como Hitler, que também não possuía nenhuma relação de posse com a simbologia da suástica, ambos usaram os antigos símbolos como marcas de suas ideologias.

Lembro aqui do momento em que Dumbledore afirma que os opressores sempre temem o povo que oprimem, ressalto então que Grindelwald jamais tentou estender o seu domínio para o Reino Unido, provavelmente com receio do encontro com Dumbledore. Os mais atentos ao curso da história, provavelmente já terão percebido que tal fato é muito semelhante ao pacto de não agressão, firmado entre a Alemanha e a antiga URSS nos tempos da Segunda Guerra Mundial.

Mas, e Nurmengard? A prisão construída por Grindelwald para prender seus opositores, não estaria carregada de semelhanças com os campos de concentração germânicos, talvez ainda mais com o de Auschwitz? Esta resposta eu deixo a cargo do leitor a reflexão e possível conclusão.

Bruno Contesini é sério candidato ao cargo de professor de Defesa Contra as Artes das Trevas.