Artigos

Coluna conjunta: A essência da Grifinória

A semana de homenagem à Grifinória nas redes sociais do Ish já passou, mas para o encerramento das quatro semanas, os colunistas prepararam uma coluna conjunta especial sobre as Casas de Hogwarts.

A Grifinória foi a primeira a ser homenageada e abre as quatro colunas especiais. Para essa Casa, os colunistas abordaram a ideia do que há por trás do tradicional desejo de ser da Grifinória. Não deixe de ler a coluna conjunta e registrar seu comentário!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por Amanda Guidorzi

No mundo em que vivemos, os valores parecem estar se perdendo.

A Casa Grifinória é mais do que uma simples modinha, mais do que simplesmente a casa dos nossos melhores amigos em Hogwarts. É a Casa que nos ensina a ter coragem de enfrentar barreiras, seguir nossos sonhos e correr atrás de quem queremos ser. Ela não é melhor que as outras Casas, nem pior que nenhuma delas.

Se você ainda não passou por uma situação em que alguém esperou o pior de você, que você fosse alguém sem honra e caráter, espere. Um dia você passará por isso. Aqueles que já passaram sabem do que se trata. Caráter e honra são características testadas em nosso mundo, coisas que muitos estão esquecendo, nas quais muitos fracassam. Temos em Harry Potter lições que levaremos para a vida inteira, intrínsecas em nossas personalidades, e as maiores lições são que devemos ter inteligência como os corvinos, sagacidade como os sonserinos, lealdade como os lufanos e coragem como os grifinórios. Todas essas virtudes em conjunto, nos fazem ter a melhor honra e caráter que podemos ter, e sempre poderemos usá-las como alicerce em nossas decisões.

Por Bruno Barros

O mais temido de todos os animais terrestres, o rei da floresta luta também por seu posto de mais corajoso em Hogwarts e por séculos vem alimentando uma grande rivalidade com a serpente. São tão semelhantes, as Casas, que a força de repulsão entre as duas é grande. Arrisco a dizer que toda criança, adolescente ou adulto que leu Harry Potter foi Grifinória durante um bom tempo, até descobrir a magia das outras Casas.

Ainda assim existem aqueles que descobriram a magia da casa vermelha e dourada de uma forma que poucos conseguiram e se identificaram com os ideais de tantos bruxos e bruxas famosos que fizeram da Grifinória a sua morada. Grifinórios são valentes e lutam por suas conquistas até o fim. Além da glória, o poder e as conquistas, encontramos amizade, compreensão e alegria por trás da máscara que, ás vezes, caracterizam os alunos da Grifinória, além de personalidades únicas de cada um. Lendas do quadribol nascem por esta casa.

Por Bruno Contesini

O que é pertencer à casa de Godric Gryffindor? Com certeza não é simplesmente integrar uma moda, mesmo porque, a moda é cíclica e, como disse a professora Minerva, as casas são como famílias, cujo elo é sempre o coração!

A característica predominante é justamente aquela que o chapéu seletor sempre ressaltou, a CORAGEM! Ter coragem é agir com o coração, agir por amor, apesar do medo! Todos têm medos, e eu o julgaria um tolo, caro leitor, se não os possuísse, principalmente porque não há sentido em ser corajoso sem medos! Não haveria o que enfrentar, haveria muito pouco então, para conquistar! Não foi por mero acaso que Aristóteles declarou: “A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras” e Mark Twain completou: “Coragem é a resistência ao medo, domínio do medo, e não a ausência do medo”.

Por Débora Jacintho

Grifinória sempre foi a casa mais popular de Hogwarts, a casa de Harry, Rony e Hermione, de Dumbledore, de Minerva, e muitos dos personagens da série. Por isso, é natural que muitos se identifiquem com a casa, e queiram ser parte dela. Mas não só de fama e glória vive a casa de Godric Griffindor. Temos sim muitas qualidades dos membros dessa casa. A principal (e mais clichê) é a coragem; para enfrentar os perigos, os traumas, as desavenças da vida, as aventuras. Na nossa vida trouxa, vemos essa característica em muitas pessoas – aquelas que persistem e seguem seus sonhos e determinações.

Além disso, temos também a honra e a fidelidade – também presente como característica marcante de diversas pessoas. São aquelas que sempre prezam pelo que é certo para a sociedade, ajudam uns aos outros, e mantém amizades duradouras e verdadeiras. São pessoas em que se pode contar para tudo.

Assim, muitas pessoas se identificam com a Casa não apenas pela fama e pelo modismo, mas pelas qualidades de seus membros. A bravura do leão levam muitos a admirá-la e se sentir parte de seu salão comunal. E essas pessoas são as verdadeiras grifinórias.

Por Luiz Guilherme Boneto

Há centenas, talvez milhares de fãs que executam o teste das Casas várias vezes no Potermore. Para isso, tem de criar perfis novos, já que o site admite que a mesma pessoa faça o teste apenas uma vez. A busca é uma só: entrar na Grifinória. Nenhuma outra Casa de Hogwarts é admissível. É preciso estar na mesma em que Harry Potter esteve. Não sei até onde isso é ruim, mas creio que um verdadeiro fã de Harry se encaixa bem em qualquer Casa.

A Grifinória é o supra-sumo dos livros. Inserida em Hogwarts, é a instituição na qual todos nós gostaríamos de estar, para a qual todos torcemos nos jogos de quadribol e no campeonato das Casas. Cair na Grifinória, de primeira, no Pottermore deve ser uma sensação incrível, a mesma que eu senti quando o site deu autenticidade aos outros testes que me indicavam para a Corvinal. Além de inteligentes, os grifinórios são corajosos e leais. O leão faz jus à Grifinória e aos seus membros.

De fato, a Grifinória é como qualquer outra Casa de Hogwarts. Não há característica que possa atribuir-lhe o título de “superior” às coirmãs. Se há defeitos na Corvinal, na Lufa-Lufa e na Sonserina, estes não faltam à Grifinória. Mas um fato é inegável: ser grifinório é tudo de bom.

Por Natallie Alcantara

A Grifinória talvez seja a casa “principal” da série Harry Potter. Por quê? Porque é a casa dos corajosos, dos que “dão a cara a tapa” sem se importar com as consequências (como dois gêmeos malucos que resolvem abandonar os estudos e virar comerciantes). Ou simplesmente porque o protagonista da série, o jovem Harry, e seus amigos mais próximos, são da Grifinória. Fundada por Godric Gryffindor, a casa tem como símbolo o leão, o rei dos animais, símbolo de coragem. Suas cores são o vermelho e o ouro, que representam o Fogo. Ambos, o leão e o fogo, são símbolos significantes de força e beleza.

Não nego. Como a maioria dos leitores de Harry Potter, eu quis sim fazer parte da Grifinória. Não que as outras casas me parecessem ruins, eu só queria por causa de Harry. E as aventuras que ele vivia, parecia que a ação toda, os acontecimentos mais significantes estavam todos concentrados nesta casa.

No entanto, à medida que se conhece mais sobre a casa, percebe-se que nem todos os seus integrantes partilhavam desse ideal de bravura. Um homem considerado amigo que trai seus antigos companheiros. Como sempre buscando o lado mais forte para proteger somente a si mesmo, sem pensar nas conseqüências de seus atos. Sem pensar em quantas vidas iria destruir, nos traumas que iria causar, nas vidas que iria afetar. É muito difícil e triste ver a casa ser despida de seu véu de coragem, ainda mais por um homem desse tipo. É como dizem, “quanto mais alto o vôo, pior é a queda”. Mas é assim quando se tem altas expectativas para alguma coisa. Por isso, tenha calma. Considere tudo, reveja suas escolhas. Esqueça a “modinha”.

A questão não é ser só bom ou mal, não é ser só corajoso ou covarde, leal ou traidor, solidário ou egoísta. Porque somos todos humanos, falíveis e fracos as tentações que os caminhos da vida nos oferecem. E são muitos. Portanto, nada de preconceito.

Por Nilsen Silva

Acho que não é exagero dizer que praticamente todo fã de Harry Potter tem um carinho especial pela Grifinória e gostaria de fazer parte da sala comunal mais aconchegante de todas. Afinal, como não se identificar com a “morada” de Harry, Rony e Hermione, além de tantos outros personagens queridos?

Aqueles que pertencem à Grifinória possuem corações indômitos, ousadia, sangue-frio e nobreza – características respeitáveis e almejadas por qualquer pessoa. A questão é que, ao ler os livros da série, principalmente o último, fica evidente que pertencer à Grifinória exige muito mais de uma pessoa do que se aparenta. E quando o perigo está diante de você e a necessidade de se salvar e ser salvo surge? A decisão que você tomar é que vai ditar aonde você pertence. E eu não acho que isso seja fácil.

Todo mundo gostaria de pertencer à casa dos seus personagens preferidos. Mas são poucos aqueles que realmente têm a bravura necessária para ser um Grifinório. Desde que li a série, sempre admirei muito a casa. Mas a ideia de pertencer a algum lugar só porque todo mundo está lá nunca me agradou.

Por Orlando Louzada

Eu me admiro bastante com o incrível número de pessoas que assiste aos filmes, ou mergulha nos livros, e depois passa a amar a Grifinória. Está certo que muitos não conhecem, de fato, a casa como algo grandioso, e glorioso, e só se intitulam assim para que se pareçam mais com os personagens principais. Até alguns meses atrás era assim que eu pensava. Tinha um certo preconceito por ouvir a frase “Sou grifinório com muito orgulho!”. Mas uma pessoa em especial me fez notar que a Grifinória é mais do que uma modinha, e sim algo repleto de dignidade. Algo real. E que nem todos os que se usam do vermelho e dourado só fazem isso da boca pra fora. Conheço alguém que me lembra muito uma dessas princesas dos filmes para crianças, mas uma princesa diferente. Você deve ter se perguntado onde é que entrou a coragem quando leu a palavra “princesa”. Mas é verdade! Esta não é como aquelas que ficam em seus aposentos reais, penteando as madeixas ou fazendo tricô. Esta é eximia arqueira, e passa as tardes cavalgando com seus cabelos vermelhos ao vento. Totalmente corajosa! Dizem que a palavra “ousadia” também confere algum sentido àqueles que veneram o leão, mas sei que à essa pessoa em especial tal palavra é tida como motivo de ódio.

Espero que todos conheçam a Grifinória como uma casa digna, assim como as outras três, e que dela tenham orgulho, de verdade. Que sejam corajosos e leais, de fato, ao invés de se usarem das qualidades de Harry só para serem comparados a ele.