Artigos

Animagos, dimons e patronos

Este é um domingo muito triste para todo o nosso país. A tragédia ocorrida em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, será uma eterna mácula na história do Brasil, uma tristeza guardada para sempre no coração de todos os brasileiros, e especialmente no coração dos familiares das vítimas e dos sobreviventes da tragédia. Fica aqui registrada a solidariedade de toda a nossa equipe com relação ao desastre.

—–

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Harry Potter é uma fonte de inspiração para vários autores, e certas vezes são encontradas coincidências e pontos em comum entre a história do nosso bruxo e outras com as quais nos deparamos.

Na coluna de hoje, nossa colunista Natallie Alcantara aborda um pouco dessa temática. Leia e comente!

Por Natallie Alcantara

J.K. Rowling e Philip Pullman, à primeira vista, não parecem partilhar muito em comum, a despeito de seus livros serem, cada um ao seu tempo, obras-primas da literatura fantástica. No entanto, uma reflexão aprofundada sobre alguns de seus personagens mostra que ambos os autores podem ter partilhado algumas fontes de inspiração.

Em um chat realizado em 30 de julho de 2007, J.K. Rowling respondeu a várias perguntas de fãs. Um deles questionou se era coincidência o patrono de Lílian Potter se transformar na corça, fêmea do cervo, animal cuja forma o Patrono de seu marido Tiago Potter assumia. Rowling respondeu que o Patrono geralmente assumia a imagem de que/quem a pessoa mais ama na vida, pois geralmente era a lembrança desta pessoa amada que gerava o pensamento feliz necessário para o surgimento do Patrono. Porém, em Tiago Potter existem duas “transformações” em cervo: o seu Patrono e como animago.

Na série “Fronteiras do Universo”, de Philip Pullman, Lyra e todos os personagens são mostrados na companhia de um animal, um dimon, uma criatura na forma de animal. Enquanto os dimons das crianças assumem várias formas animais, os dimons dos adultos apresentam uma forma constante e imutável.

Animagos, Dimons e Patronos.

O Animago é uma criação de J.K. Rowling, cujo nome vem da união das palavras animal e magus (bruxo), que denomina o bruxo capaz de se transformar em um animal mantendo seus poderes mágicos. A autora afirmou que a personalidade de cada pessoa determina a forma animal que ela assumirá.
O Dimon é um espírito-animal, é a alma da pessoa que se encontra fora do corpo na forma de um animal. A relação entre o humano e seu dimon vai além do mutualismo (um não pode viver sem o outro); existe uma conexão entre seus sentimentos. A forma do dimon é alterável durante a infância, mas na adolescência e idade adulta assume forma constante.
O Patrono é um guardião criado por um feitiço com o intuito de proteger o bruxo que o conjurou. Este guardião é composto de energia positiva e, quando conjurado corretamente, assume a forma de um animal prateado. Tal aspecto é único para cada bruxo, pois está ligado aos gostos e sentimentos individuais.

A transformação humano-animal

De acordo com a história cultural da humanidade, a mudança de forma (de humana para animal) é uma idéia muito difundida na literatura, o que demonstra seu apelo e poder de inspiração. Algumas teorias mostram que existe uma forte conexão entre o poder desta idéia e a repressão de instintos animais. A conexão entre crenças religiosas e o desejo de ser mais do que humano levanta a questão sobre o que a mudança da forma humana para a animal (uma forma considerada sub-humana) implica.
Esta transformação também tem uma forte relação com um estado repressivo, o qual, sendo mental, acarreta psicoses e neuroses. No entanto, a capacidade de se transformar em um animal também é vista como uma espécie de poder. É neste ponto que reside uma das maiores semelhanças entre as obras de Rowling e Pullman.

Semelhanças entre animagos, dimons e patronos

Os animagos, dimons e patronos são, de diferentes maneiras, casos de mudanças de forma (shape-shifiting), transformações de humanos em animais. Nos três casos, a personalidade do humano exerce um papel fundamental. É a personalidade que determina a forma do animago e a forma (futuramente imutável) do dimon. No entanto, não é o único fator.
O momento em que a personalidade humana começa a realmente ditar suas ações também é a época de sua vida em que ele se apaixona pela primeira vez. E é essa primeira explosão de sentimentos que também determinará a forma inalterável do dimon. Percebe-se, então, que não são dois momentos distintos, é um único. Pois as questões da mente e do coração estão intimamente relacionadas.
Também é o amor que poderá alterar a forma imutável do patrono. Um espírito-animal como o dimon, o patrono está intimamente ligado ao mais profundo âmago do ser humano. A alteração provocada pela explosão do amor verdadeiro pode provocar uma mudança na forma que o patrono irá assumir.

O poder da transformação humano-animal nas obras de Rowling e Pullman

A capacidade de mudar de forma dá ao bruxo um aspecto “super-humano”, é um atributo de poder digno de respeito, como no caso de Minerva McGonagall e Sirius Black (neste caso, isso ocorre depois que seu papel na história é totalmente explicado). Tiago Potter também é, neste sentido, poderoso, pois é ele e por ele que o herói, Harry, sempre reverenciou e esperou.
Nos livros de Pullman, o conceito de poder é reverso: os poderosos são aqueles que visam acabar com a capacidade/existência da transformação humano-animal, têm como objetivo acabar com os espíritos-animais. Isso sugere uma semelhança com a maioria das crenças religiosas que contêm algum tipo de recusa em admitir qualquer espécie de “comportamento animal”.
Assim, pode-se perceber algumas das várias formas de apelo que este tema tem na literatura: ele simboliza a personalidade do personagem ou a vinda a tona do seu “animal interior”; dá poder para que o personagem se torne super-humano; tira o poder para que ele se torne sub-humano e busque o aprimoramento espiritual por outros caminhos. O fato é que esta idéia toca o leitor, simbolicamente ou através de uma identificação pessoal e por isso tem tanto apelo inspiracional. É um tema que não deve ser subestimando e sim explorado em sua total complexidade.

Para saber mais:
“O mundo mágico de Harry Potter”, de David Colbert, é um excelente guia ao estilo de perguntas e respostas que oferece um ótimo panorama da mitologia presente nas obras de J.K. Rowling.
O artigo “The animal within”, de Emmer Granqvist, aborda a questão da perspectiva psicoanalítica sobre a mudança de forma (ou shape-shifting).
A trilogia de Philip Pullman, “Fronteiras do Universo”, é uma excelente história de fantasia centrada em uma Oxford paralela onde humanos e várias criaturas míticas lutam para reconquistar o Paraíso há muito perdido.

Natallie Alcantara é de fato uma devoradora de livros.