J. K. Rowling ︎◆ Livros ︎◆ Morte Súbita

Entrevistada pela SPIEGEL, J.K. Rowling admite que ficou feliz em matar Belatriz Lestrange

A revista alemã semanal SPIEGEL publicou no dia do lançamento de “The Casual Vacancy”, 27 de setembro, a entrevista concedida por J.K. Rowling, na qual a escritora fala sobre seu novo livro, os temas abordados na obra e a série “Harry Potter”.

Na entrevista Rowling também admitiu que o único personagem que gostou de matar foi Belatriz Lestrange em “Harry Potter e as Relíquias da Morte”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

SPIEGEL: Você já desfrutou de matar um personagem?
J.K. Rowling: Não, nunca. Embora isso não seja bem verdade. Houve uma exceção. O único personagem que eu fiquei feliz em matar foi Belatriz Lestrange no último volume de “Harry Potter”. Ser capaz de matá-la foi um prazer.

Também foi dito pela autora que ela já recusou um convite de uma organização estadunidense para ser nomeada a empreendedora do ano, pois para ela o dinheiro e fama ganha foi sorte e contou que nunca escreveu um livro pensando no dinheiro, mas sim porque era bom.

Além disso, outros assuntos foram tratados na entrevista, focando no novo livro de Jo e assuntos relacionados ao romance, como a hipocrisia da classe média e os julgamentos precipitados feitos pelas pessoas atualmente. A inglesa também falou sobre sua escrita e suas outras obras.

Para ler uma prévia traduzida e sem spoilers da entrevista clique em notícia completa.

E lembre-se que em breve toda a tradução da matéria será publicada no Potterish, portanto, fique atento ao site!

J.K. ROWLING
Entrevista SPIEGEL com J.K. Rowling

SPIEGEL
27 de setembro de 2012
Tradução: Gabriel Guimarães

SPIEGEL: Depois do último volume de “Harry Potter”, você pensou alguma vez em parar de escrever?
J.K. Rowling: Não, eu nem ao menos considerei. Eu venho escrevendo minha vida inteira, e eu sempre escreverei. Mas às vezes eu tinha que dizer para mim mesmo que eu não precisava publicar nada mais. O sucesso de “Harry Potter” me deu muita liberdade. Eu posso pagar minhas contas, e eu não tenho que provar nada para ninguém.

SPIEGEL: Mas toda essa liberdade não pode também levá-la a ter um bloqueio de escrita?
J.K. Rowling: Eu gosto de escrever muito por isso. Mais um problema é que “Harry Potter” veio com tantos negócios relacionados com as responsabilidades que eu escrevo com menos frequência do que eu gostaria. Além disso, eu tenho três filhos, embora eu esteja acostumada a trabalhar em torno de meus filhos. Ontem, por exemplo, eu tive um dia de escrita maravilhoso. Eu preparo as crianças para a escola, e uma vez que meu marido estava fora com eles, fiz café da manhã para mim na cozinha. Ainda em meus pijamas, eu levei meu café-da-manhã para a cama comigo, peguei meu laptop e passei quatro horas trabalhando na cama. Delicioso.

SPIEGEL: Por que você decidiu escrever um livro para adultos após “Harry Potter”?
J.K. Rowling: Eu não penso sobre qual é o público para meus livros. Eu simplesmente tive a ideia de escrever um romance sobre uma eleição política em uma cidade pequena, porque eu acredito que ele o permite dizer muito sobre a sociedade e as diferentes classes sociais. Eu estava pensando sobre romances ingleses do século 19 na época.

SPIEGEL: A hipocrisia da classe média é um tema importante do livro. O que você acha interessante sobre isso?
J.K. Rowling: Uma tendência desagradável na interação humana é que vemos o outro cada vez com menos empatia. Em vez disso, nós julgamos a quem nós realmente não deveríamos julgar, porque nós os conhecemos muito pouco. A sensação de que não podemos cair tão baixo como um vizinho ou uma pessoa de quem nós sentimos superiores infla nosso autoestima. Acredito que a falta de empatia está por trás de muitos problemas, e eu acredito que ela está perturbando nossa sociedade. Na Grã-Bretanha, há um declínio constante na vontade de ser verdadeiramente generoso, e com isso eu não me refiro a generosidade monetária, mas a amizade e simpatia com os outros.