Livros ︎◆ Produtos

Venda dos e-books de Harry Potter podem ter danificado a Kindle Store e podem revolucionar mundo dos e-books

Depois de revolucionar o mundo do mercado literário, quebrando vários recordes e lotando livrarias, Harry Potter foi lançado em e-book nesta quinta-feira podendo revolucionar também o mundo dos e-books, além de lotar livrarias virtuais.

De acordo com o site Tom’s Guide, quando a Amazon disponibilizou os livros na Kindle Store pela tarde, o número de usuários que acessaram o site foi maior do que o esperado, resultando em vários problemas no sistema do site. Todos os produtos ficaram sem opção de compra por um longo tempo, causando transtornos para a empresa. Apesar de a Amazon não se pronunciar sobre o caso, é muito provável que o “culpado” pelo ocorrido tenha sido de fato Harry Potter, visto que o livro Harry Potter e a Pedra Filosofal já alcançou o primeiro lugar na lista de produtos mais populares do site em poucos dias, e os outros 4 livros seguintes ocupam um lugar entre os 10+. Coincidência?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os livros virtuais de J.K. Rowling chegaram ao mercado de forma mais “livre” do que o comum. Isso porque eles não são bloquados por criptografia, permitindo que seus donos transfiram os arquivos de um dispositivo para outro com total liberdade, diferente do que acontece com quase todos os e-books disponíveis no mercado.

Charles Redmayne, CEO do Pottermore, disse em uma reportagem para a abc:

Os livros de Harry Potter já devem ser os mais pirateados no mundo, mesmo porque, ou melhor, porque não haviam versão legais eletrônicas até agora. Os fãs escanearam ou mesmo digitaram os livros para torná-los disponíveis de forma eletrônica.

Acreditamos que as pessoas devem ter o direito, uma vez que elas compraram o livro, de lê-lo em qualquer dispositivo que escolheram

Se a loja do Pottermore se provar um sucesso, é provável que logo vejamos outros autores se espelhando no negócio de Jo Rowling, já que ter uma loja própria para vender seus livros aumenta muito os lucros do autor, podendo diminuir o poder que a Amazon atualmente exerce no mundo dos e-boos, onde atualmente é a pioneira. Além disso, Redmayne diz querer manter uma relação com o cliente, ao invés de direcioná-lo para comprar com terceiros.

É algo muito valioso para nós possuir um relacionamento com o cliente. Isso nos dá uma tremenda oportunidade para criar novos produtos em torno da marca Harry Potter que poderemos vender para os consumidores.

É interessante notar que a Amazon redireciona seus clientes para a loja do Pottermore no momento da compra dos e-books, uma vez que não receberia pela venda. Por isso optou por entrar no jogo para obter obter taxas de referência.

Não deixe de conferir a loja do Pottermore para adquirir os livros.