As Relíquias da Morte ︎◆ Filmes e peças ︎◆ Parte 2

“Muito, muito bom”, diz Tim Burke sobre 3D de RdM – II

Com o dia 15 de julho cada vez mais próximo, está sendo publicada no LA Times uma série de entrevistas com pessoas que fizeram parte da franquia Potter. Ontem foi a vez de Tim Burke, que tem trabalhado como supervisor de efeitos visuais desde Harry Potter e a Câmara Secreta, que falou, dentre outras coisas, sobre sobre a qualidade do 3D no último longa:

“Eu acho que está bom, na verdade. Acho que as pessoas vão ficar muito satisfeitas. Sei que todo mundo está um pouco nervoso e cético em relação ao 3-D nos dias de hoje, mas o trabalho tem sido feito muito, muito bem.[…]Acho que todo mundo vai ficar realmente impressionado com ele, na verdade”, disse Tim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando questionado sobre o final da série, Tim Burke diz:

“Isso está começando a ficar um pouco estranho.[…] Nós estamos, basicamente, embalando todos os equipamentos e está tudo voltando para a Warner Bros.”

Você pode conferir a entrevista original [em inglês] clicando aqui. Em breve estaremos publicando a tradução completa do artigo. Fiquem ligados!

ATUALIZADO: Você já pode conferir a tradução completa através desse link

TIM BURKE
O Último Feitiço

Hero Complex ~ Noelene Clark
28 de junho de 2011
Tradução: Eduardo Ferreira, Gleidson Gurgel e Júnior Colares

O ÚLTIMO FEITIÇO: “Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2” fecha uma década de Hogwarts em Hollywood. Hero Complex está em contagem regressiva para lançamento do último filme da franquia mágica com entrevistas e fotos exclusivas. Hoje: Noelene Clark conversa com o supervisor de efeitos visuais Tim Burke. Spoiller a frente para aqueles que não leram os livros.

NC: Você tem trabalhado nesses filmes desde “Harry Potter e a Câmara Secreta”. E seu trabalho ainda estava em pleno andamento muito tempo depois do elenco de esquerda [atores]. Como é a sensação de estar no final de tudo isso?
TB: Isso está começando a ficar um pouco estranho. Nós terminamos de filmar no verão passado, e isso foi quando a maioria do elenco de esquerda começa o final da produção. Então vê-los partir foi muito triste. Mas estávamos tão ocupados com o acabamento da “Parte 1”, e tínhamos logo em seguida a “Parte 2” que só agora eu estou sentado em uma sala cheia de caixas de papelão. Nós estamos, basicamente, embalando todos os equipamentos e está tudo voltando para a Warner Bros., e você sabe que, dentro de alguns dias, aquilo vai ser isso. Está começando a surgir lentamente em mim o sentimento de que esse é o fim de uma era.

NC: Então você estava trabalhando até o último momento.
TB: Nós estávamos até depois do último momento, na verdade. Nós realmente levamos isso pelo caminho certo até qualquer possível final, como foi esse. Bem como tivemos a grande conversão para 3D, e isso adiciona uma grande complicação. Então, sim, usamos cada segundo que podíamos.

NC: Como é o 3D?
TB: Eu acho que está bom, na verdade. Acho que as pessoas vão ficar muito satisfeitas. Sei que todo mundo está um pouco nervoso e cético em relação ao 3D nos dias de hoje, mas o trabalho tem sido feito muito, muito bem. Nós fizemos mais de 200 shots em 3D e nos efeitos especiais, porque muito disse é CG [Computação Gráfica], por isso os resultados são muito, muito bons. Acho que todo mundo vai ficar realmente impressionado com ele, na verdade.

NC: Há alguma sequência da qual você esteja mais orgulhoso?
TB: Há tanto trabalho. Eu acho, espero, que tudo esteja bom. Há algumas coisas, muito no começo, com dragões em Gringotes. Há uma grande diversão nisso. As sequências de batalhas são épicas e apenas contínuas. É uma sequência em ritmio como um quadro-a-quadro, tudo funciona. Então isso não se destaca como sendo uma cena. Nós fizemos muitos design para a própria escola. E a escola foi totalmente reconstruída como um modelo CG. Nos filmes anteriores sempre utilizamos modelos em miniatura para fazer essa parte do trabalho. Mas, para nos dar uma grande flexibilidade e abrangência com a sequência de batalha propriamente dita, decidimos reconstruir tudo como um modelo CG. E o tipo de paisagem escocês ao redor, modelos para que pudéssemos colocar a câmera onde queríamos. E porque tudo isso são diferentes sequências de ações acontecendo em espaço aberto, e em partes da escola, nós precisávamos ser capazes de liga-las e algumas delas estavam em sets reais. … Nós fomos capazes de construir esse ambiente, basicamente, todo no computador e então ligar todas essas coisas juntas em CG nesse tipo de mundo virtual. De modo que se tornou um grande empreendimento. Assim que voltar para Hogwarts e a batalha começar, cada tomada é uma parte interior ou exterior de Hogwarts em que tivemos alguma coisa a fazer. É uma quantidade enorme de trabalho, e o cenário funciona, com a animação no topo disso tudo. Isso realmente funcionou como uma parte inteira. Não apenas uma coisa individual. É uma quantidade surpreendente de trabalho.

NC: Isso soa muito desafiador.
TB: Bem, a logística foi desafiadora porque nós estávamos dividindo muito trabalho com diferentes companhias ao redor do mundo. Uma das coisas mais desafiadoras foi dividir as tarefas entre as diferentes companhias e ter certeza de que todos podiam trabalhar juntos. Tínhamos uma companhia criando cenários e ambientações e outra companhia criando animações para serem colocadas nesses cenários, e, além disso, tínhamos que fazer tudo em 3-D stereo, então foi exigida uma complexa gestão logística para fazer tudo dar certo. Tecnicamente, houve alguns grandes desafios ao longo do filme. Há uma sequência chamada Sala Precisa onde nós tivemos que fazer uma quantidade enorme de pirotecnia, e nós tivemos que criar criaturas de fogo. Isso foi bastante complexo e consumiu muito tempo. Mas, no geral, você diria que apenas o enorme volume e diversidade do trabalho que foram as maiores complexidades nesse filme.

NC: Houve alguma surpresa pelo caminho?
TB: O que nós fazemos é tentar planejar tão bem quanto podemos. Nós ainda estávamos trabalhando em “O Príncipe Mestiço” — no começo de 2009 — e tínhamos começado a fazer o que chamamos de animações “pre-viz”, onde nós fazemos animações e animatics simples, e começamos a desenhar toda a sequência da batalha final. Gastamos nove meses fazendo trechos e cenas. O material todo tem por volta de 30min, mas valeu a pena pois o mesmo nos permitiu, permitiu a [diretor] David Yates e a todos entender o que estava acontecendo. Porque o problema, como eu meio que mencionei, é que nenhum desses lugares existiu. Você está lidando com uma grande cena de ação onde vocênão pode ir ao lugar para filmá-la. Então você tem que entender como todas essas peças de quebra-cabeças se encaixam. Nós estamos meio que ajudando todo mundo a não ficar surpreendido, se você entende o que eu digo, ilustrando para todos como tudo funciona e se encaixa. Então, felizmente, nós conseguimos dar a todos uma clara imagem de como as coisas funcionavam, e não houve muitas surpresas quando chegou às filmagens, porque a preparação foi satisfatória. Mas eu suponho que surpresas sempre vem na forma de novas cenas. Bem no final do processo, redesenhamos como Voldemort morreria, o que foi como um interessante desafio. Isso foi algo que tivemos que ter quase no fim do jogo. Foi um grande desafio.

NC: Não é preciso fazer alterações de última hora para cena final, quando as crianças estão um pouco crescidas?
TB: Oh, sim, eles tiveram mesmo que refilmar isso. Eu até já esqueci isso. Porque eles estavam refilmando isso, não podiam ir à King’s Cross, onde eles estavam alocados. Então filmaram com um fundo verde e tivemos que coloca-los em King’s Cross. O que foi uma surpresa. Eu esqueci completamente. E ainda fizeram a maquiagem pela idade deles. Mas então ao final, depois do test-screen, nos pediram para repensar sobre a maquiagem para fazer os garotos parecerem mais velhos. E foi outra suspresa. Veja, você simplesmente esquece essas coisas! Acho que é como uma terapia. Você testa, testa e limpa eles.

NC: Você mencionou que esse é o fim de uma era. Você acha que isso mudou o filme?
TB: De um lado, os efeitos visuais até aqui são um pano de fundo do crescimento de uma indústria. Eu tenho trabalhado por 24 anos nesse negócio. Nós realmente não tínhamos uma indústria de efeitos visuais em meados dos anos 90. Eu estava em uma das primeiras companhias. E “Harry Potter” apareceu em 2000. Pelo trabalho que as instalações do Reino Unido tem produzido nos últimos 10 anos, tem havido um reconhecimento de que o Reino Unido é um líder mundial em efeitos visuais agora. E tem sido baseado em “Harry Potter” ao ponto de os grandes estúdios dos Estados Unidos estarem trazendo todos os seus trabalhos para fazê-los em Londres. Que foi uma grande conquista para Londres em particular. Além disso, é um mercado global. Nós estamos trabalhando com empresas de quatro continentes diferentes nesses filmes e descobrimos uma maneira de trabalhar onde a distância não é um problema. Eu posso trabalha com a Austrália no período da manhã, em Londres durante o dia e na América à noite. Você pode literalmente trabalhar no mundo inteiro e a distância não se torna um problema. Isso realmente foi um desenvolvimento fascinante na nossa indústria. Isso realmente tem ajudado a todas as empresas daqui a desenvolver um trabalho de nível muito elevado.

NC: Seus outros trabalhos incluem fantasias e outros projetos do gênero, incluindo “A Knight ‘s Tale”, “Gladiator” e “Merlin”. Será que seu próximo projeto será na mesma linha?
TB: É apenas a forma como aconteceu. É engraçado. Eu não sei qual seria o próximo, para ser honesto. Vou ficar algum tempo por fora. Eu estive me prometendo isso, então eu definitivamente vou ficar algum tempo por fora. E então, você sabe, procurando por um próximo filme, seja lá o que for. Tem um par de coisas que estou falando com as pessoas sobre, mas é muito cedo. É um tempo perfeito. Ficar o verão fora, ter algum tempo de férias e então talvez começar a trabalhar em alguma coisa no outono.