As Relíquias da Morte ︎◆ Filmes e peças ︎◆ Parte 2

“Cena amaldiçoada” e corpo de Harry em relato de HP7.2

O Telegraph australiano divulgou um relato contando o que viu em suavisita aos sets de Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2 no Leavesden Studios. O texto descreve os lugares destruídos e objetos dispostos em cada ambiente, e traz uma conversa com Daniel Radcliffe enquanto o jornalista assistia às filmagens.

Não necessário no set, o próprio Harry Potter sai na chuva e se aproxima de Hit. Dando as costas para a ação, Daniel Radcliffe sorri e diz: “Eu já conheço isso tudo. Não preciso ver isso outra vez.” Essa cena foi repetida o dia todo, a equipe apanhando as tomadas que conseguiam entre pancadas de chuva. Mas Radcliffe pensa mais alto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essa cena deve estar amaldiçoada, ou algo assim. Nós filmamos essa cena por um período de mais ou menos oito meses, indo e voltando e voltando e voltando sob os mais diversos climas – neve, chuva, sol. Toda vez que voltamos a ela tem sempre um impedimento em algum momento. Mais vai ser uma cena ótima.

O texto também traz uma breve menção ao corpo de Harry morto, obviamente um boneco criado para uma das cenas do longa, e a reação do ator a ele.

É bom ver Radcliffe de perto e, er, respirando – mais cedo, num outro canto de Leavesden, nós passamos por ele… num saco de cadáver. Pode ter sido um boneco do Harry feito de pele de silicone, mas estava fantasmagoricamente realista. Radcliffe balança a cabeça concordando solenemente.

O fato deles guardarem naquela sacola torna tudo muito pior. Eu vi isso e eu estava tipo, ‘Oh, uau, eu pareço realmente bem’. É um pouco estranho, eu acho, mas é uma daquelas coisas que você fica cada vez mais acostumado e menos surpreso quando vê.

Confira a tradução do relato em notícia completa!

 

HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE: PARTE 2
Por trás das cenas com Harry Potter

The Telegraph
09 de junho de 2011
Tradução: Pedro Emanuel Maia

Em seus dias de glória, Hogwarts foi entupida pela conversa de 350 estudantes – hoje, jaz em ruínas.

Pedregulhos espalhados pela entrada. Do lado de dentro, montes mais altos de pedra preenchem o Salão.

Agora, ao invés de um lugar para alimentar crianças, o Salão se tornou um abrigo para as vítimas da grande batalha entre o bem – Harry Potter e seus companheiros estudantes – e o mal – Voldemort e seu exército.

Alguém que os cinéfilos tem amado na última década vai morrer nessa sala.

Uma vez centro do universo Potter, o Salão Principal na verdade ficou inativo por um ano enquanto Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1 estava sendo filmado.

Quando a Parte 2 começou a ser gravada, ele foi destruído e preenchido com destroços falsos. Então, por conta de disponibilidade de atores, a equipe teve que reconstruí-lo. E então eles destruíram tudo novamente.

Nos últimos dias de filmagem de Harry Potter, há suspiros por toda Leavesden, o estúdio a uma hora de carro de Londres que a franquia épica chamou de lar por mais de dez anos. A última vez que Hit esteve aqui, demos uma xeretada dentro do dormitório de Harry e Rony na Grifinória. O dormitório não existe mais, foi substituído por uma arena de dragão. Logo no caminho estava o escritório de Dumbledore, cheio de quadros, livros e poções… Tudo que sobrou agora é a “penseira” dele – aquele guardador de memórias parecido com uma banheira de pássaro.

Vire a esquina, passe pelo retrato mágico da irmã de Dumbledore, e há mais um sinal de problemas. A Sala Precisa agora virou um esconderijo – é aqui que as crianças de Hogwarts se trancavam enquanto Harry, Rony e Hermione viajavam pela estrada em Relíquias da Morte: Parte 1.

Há cortinas no chão, redes penduradas no teto, um quadro negro cheio de planos, e tudo desde um gravador até escovas de cabelo e sapatos espalhados pela sala.

Se você não soubesse antes que a história de Harry Potter estava para acabar, uma olhada em Leavesden nesse estado faria isso ficar muito claro.

Do lado de fora, nos arrastamos através da lama para achar o pátio de Astronomia, queimado e parcialmente destruído. Esse lugar será uma peça fundamental no que vai ser o último filme, Relíquias da Morte: Parte 2. É aqui que a batalha começa.

De um lado, Maggie Smith é apoiada por um mar de estudantes de uniforme. No outro, a equipe variada de Voldemort.

O elenco – Emma Watson, Bonnie Wright, Matt Lewis, Evanna Lynch, Warwick Davis – chegam para se unir aos 35 adultos extras, 120 jovens e 20 substitutos já no set. (Nota: Uma boa percentagem desses atores extras é ruiva. Harry Potter tem sido um bom negócio para aqueles de cabeça vermelha!)

Um dos substitutos representa as falas do ausente Ralph Fiennes, incitando o lado do bem. “Harry Potter não é um herói“, ele berra. “A partir de hoje vocês depositarão sua fé em mim!“.

Voldemort chama Draco Malfoy (representado por Tom Felton) para atravessar para seu lado.

Não necessário no set, o próprio Harry Potter sai na chuva e se aproxima de Hit. Dando as costas para a ação, Daniel Radcliffe sorri e diz: “Eu já conheço isso tudo. Não preciso ver isso outra vez.”

Essa cena foi repetida o dia todo, a equipe apanhando as tomadas que conseguiam entre pancadas de chuva. Mas Radcliffe pensa mais alto.

“Essa cena deve estar amaldiçoada, ou algo assim”, ele diz, balançando a cabeça. “Nós filmamos essa cena por um período de mais ou menos oito meses, indo e voltando e voltando e voltando sob os mais diversos climas – neve, chuva, sol.”

“Toda vez que voltamos a ela tem sempre um impedimento em algum momento. Mais vai ser uma cena ótima.”

O que Radcliffe está sentindo agora, apenas a algumas semanas de deixar Leavesden e Potter para sempre?

“É meio que um furacão. Tá um pouco agitado por aqui, seria como eu descreveria o estado da minha mente nesse momento. Eu não posso acreditar que está acabando. É bizarro.”

O diretor David Yates chama o elenco e a equipe de volta à ação. Radcliffe abaixa a voz e sussura, como David Attenborough espiando perto da morada de leões: “Vamos assistir”.

Quando Yates faz o corte, Radcliffe, sempre atencioso, explica à Hit o que está acontecendo.

“Nesse pedaço, Voldemort chama os lutadores e oferece um pouco de perdão. Ele diz, ‘Alguém que quiser trocar de lado, agora é a sua hora’. Então é um chamado para todo mundo do lado de lá,” e ele aponta para a esquerda, “que está lutando por Hogwarts juntar-se a ele.”

É bom ver Radcliffe de perto e, er, respirando – mais cedo, num outro canto de Leavesden, nós passamos por ele… num saco de cadáver. Pode ter sido um boneco do Harry feito de pele de silicone, mas estava fantasmagoricamente realista. Radcliffe balança a cabeça concordando solenemente.

“O fato deles guardarem naquela sacola torna tudo muito pior. Eu vi isso e eu estava tipo, ‘Oh, uau, eu pareço realmente bem’. É um pouco estranho, eu acho, mas é uma daquelas coisas que você fica cada vez mais acostumado e menos surpreso quando vê.”

A essa hora, Yates estava mudando a filmagem para a próxima parte da cena, onde Lewis, como o nerd Neville Longbottom, revela sua bravura desconhecida indo à frente levantando-se contra Voldemort e defendendo a honra de Harry. Ele desencadeia uma corrente de eventos que levam ao que Radcliffe chama de “batalha de 20 minutos”.

O lado dos estudantes se vira e volta para dentro de Hogwarts, possivelmente pela última vez.

O fim de Harry Potter é como Radcliffe imaginou?

“É bastante como eu imaginei do roteiro, certamente”, diz ele mais do que saudoso. “Uma vez que o roteiro está pronto, eu não volto muito aos livros. Mas sim, é tão épico e assustador quanto precisa ser.”

Veja Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2 que estreia com sessões na meia noite de 13 de Julho. Ingressos à venda na maioria das redes de cinema.