As Relíquias da Morte ︎◆ Filmes e peças ︎◆ Parte 2

Empire libera entrevista com os gêmeos Phelps

Para promover a sua edição comemorativa da série Harry Potter, a Empire Magazine divulgou online as entrevistas com os atores James e Oliver Phelps, conhecidos por interpretarem os gêmeos Fred e Jorge Weasley nos filmes da saga.

Os irmãos falam sobre como era trabalhar com atores tão conceituados, a atuação mais séria da dupla nesse oitavo filme, a oportunidade de trazer um lado diferente de seus personagens, a amizade dentro do elenco, os projetos que ambos farão separadamente e muito mais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Confiram a tradução de ambas as entrevistas em notícia completa, e trechos em vídeo da entrevista, respectivamente, aqui e aqui!

HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE
James Phelps

Empire Magazine ~ Debi Berry
28 de maio de 2011
Tradução: Sylvia Souza

Então, olhando para trás, como tem sido?
James Phelps: É incrível! Você está numa sala com Julie Walters, Mark Williams, Maggie Smith e Alan Rickman: não é o pior lugar para se estar! Mesmo quando estávamos filmando cenas para este último filme… eu estava lá com o Sir Michael Gambon, e estava me preparando para fazer algo com a Manchester Orchestra, narrando ‘Pedro e o Lobo’. Nunca fiz nada como isso antes em minha vida e estava um pouco nervoso. Ele perguntou o que eu estava fazendo e eu expliquei e então, mesmo ele tendo uma grande cena a seguir, ele disse “Ah, eu li isso há alguns anos”, e se deu ao trabalho de ler tudo comigo. Foi muito legal.

Havia alguém por quem você estivesse realmente fascinado?
Você meio que acaba se acostumando. Acredito que você está sempre assim de alguma forma, quando está atuando com alguém que viu por anos e anos, então quando você os conhece tudo se acelera.

Você achou, enquanto os livros iam sendo lançados e os filmes iam sendo feitos, que você os leria para saber onde seu personagem iria?
Bem, o quarto livro tinha saído há pouco tempo quando fomos para nosso primeiro teste, e foi o maior lançamento de livro até aquele dia. Não vou dizer que éramos fãs ávidos dos livros, mas gostávamos de lê-los, então sabemos tudo sobre eles. Eu lembro de estar no Japão quando o último livro saiu, e eu estava no trem-bala lendo-o e procurando pelo que acontecia comigo. Eu literalmente tinha acabado de ler o parágrafo onde acontece e tinha esse cara japonês tentando pegar minha passagem…

Você sempre teve bastante alívio cômico, mas na última parte há uma mudança para coisas bem mais sérias.
Foi meio que fácil: porque interpretamos os personagens por tanto tempo, os vemos mais do que como aqueles que dizem apenas uma fala. Então foi bastante divertido interpretar os mesmos personagens com aquele elemento engraçado mas com um lado sério, porque eles se tornaram empresários e isso e aquilo. É bom tentar superar isso.

Como irmãos, este relacionamento deve ser bem real quando estão interpretando estas cenas.
Sim, eu acho. É estranho.

Vocês vão trabalhar mais separados agora que terminaram ‘Potter’?
Na verdade fomos para os Estados Unidos no começo do ano para fazer reuniões e tudo mais, e muitos caras lá quiseram que fizéssemos coisas individuais, mas tínhamos um ótimo roteiro para gêmeos. Acho que sempre temos essa coisa para interpretar. Enquanto crescemos, podemos ser um pouco diferentes, mas sempre podemos fazer essa nossa coisa própria, o que é muito empolgante.

É óbvio que todo o elenco ficou amigo.
É, é sim, na verdade. Muitas pessoas pensam que estamos velhos para dizermos que somos amigos, mas na verdade, nós somos. Houve tempos em que todos saímos para comer quando estávamos filmando no Soho ou algo assim, e para nós é apenas um bando de colegas se encontrando, mas todos os outros nos olhariam e perguntariam “Isso é de verdade?”.

Você deve ter muito orgulho de fazer parte destes filmes.
Ah, sim, completamente. É uma daquelas coisas em que, por sermos muito próximos a tudo, não apreciamos de verdade a grandeza. Pelo que é, estamos muito orgulhosos. Eu não diria que nenhum de nós, se estivéssemos em um bar e ouvíssemos alguém falar sobre Harry Potter, diria “Eu estava lá!”. Mas muitos de nossos amigos são assim! Estamos muito orgulhosos do que fizemos. Mas então não pudemos filmar ontem porque fomos a Great Ormond Street para andar pelas alas de lá e isso me afetou mais do que qualquer outra coisa que eu já tenha feito. Tinha um rapaz que não tinha saído do hospital por 7 meses, e ele disse “Tenho assistido Harry Potter o tempo todo.” Sabe, é quando você se dá conta de que fez algo bom, se isso faz as pessoas suportarem esse tipo de coisa. São coisas assim que mais gostamos de fazer, mais do que os elogios que vêm ao fazer o filme. É o melhor modo de descrever tudo, eu acho.

HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE
Oliver Phelps

Empire Magazine ~ Debi Berry
28 de maio de 2011
Tradução: Daniel Mählmann

Como foi o seu último dia de filmagem?
Oliver Phelps: Acho que foi quando estávamos fazendo as refilmagens, e foi uma cena na sequência da muralha. Era uma cena adicional, na verdade, onde James (Phelps, Fred Weasley) e eu estávamos em pé sobre as torrinhas do castelo, onde tinha uma tela verde e tudo, e era apenas para improvisar por cerca de um minuto. Foi muito legal, mas era difícil. Foi uma sensação estranha quando eles gritaram “Terminou!”.

Você se pegava lendo os livros durante sua publicação de olho no que o seu personagem estava fazendo?
Definitivamente. Eu sempre passei por isso intensamente de uma maneira muito egoísta, tipo “Onde eu estou? Onde eu estou? Onde eu estou?” Os gêmeos se saíram bem, considerando de onde eles vieram. A família era muito pobre e agora eles foram para um nível diferente. Quando você tira tudo isso, acho que a união inteira da família realmente se sobressai. Apesar de que se você olhar para os Malfoy, que têm toda a riqueza mas não tem união familiar, é basicamente cada um por si.

Seus personagens podem não ser estudiosos, mas nos livros eles certamente fazem fortuna.
Sim, eu sei que isso realmente não aparece nos filmes, mas nos livros Jorge e Fred reprovam em todos os seus exames, eles não vão muito bem academicamente, mas se saem melhor fora da escola. Há pessoas que eu conheço que acabaram a escola sem muitas qualificações e, no entanto, assim que mergulha em algo que gosta de fazer, quando você acredita em si, pode muito bem ter sucesso onde quiser.

Seus personagens sempre acrescentam um toque mais leve, mas nesse filme há algumas partes mais pesadas.
Bem, sim, no capítulo final não há nenhuma risada de Fred e Jorge. Na verdade, a cena refilmada que nós fizemos foi, creio eu, a primeira vez que você os vê assustados. É ótimo poder interpretar o mesmo personagem, mas mostrar um lado totalmente diferente, um que o público nunca viu antes, ou mesmo algo que eles não esperavam.

A maneira que Rowling escreveu a batalha final o leva a não saber muito bem o que vai acontecer e parece que haverá surpresas para todos ali.
Especialmente quando tudo segue pelo caminho errado! Quando os bons estão morrendo e quando você vê que o quadro em si parece muito cruel. Há alguns elementos legais ali, como quando você vê Matthew Lewis na batalha. Isso é muito engraçado porque, novamente, você vê um lado totalmente diferente de seu personagem (Neville Longbottom). Acho que você vê todos os personagens sob uma perspectiva diferente, o que é ótimo.

Quando estávamos fotografando alguns de vocês hoje, ficou claro que há uma verdadeira amizade entre todos vocês.
Há sim! Estivemos juntos por 10 anos, então formamos esses laços com as pessoas. Especialmente porque vocês estão todos juntos, você está crescendo e descobrindo quem é, descobre que tem interesses em comum, como com Rupert Grint, especialmente. É exatamente como você vê nos filmes, na verdade; nós todos brincamos uns com os outros e saímos juntos. O mesmo com Matt Lewis e Tom Felton: com Matt, fomos ver “The Doves” pouco antes do Natal e foi uma noite muito boa. E nós jogamos golfe com Tom. Há uma mistura legal de pessoas que ainda conversam e se veem fora das filmagens.

Você está em busca de trabalhos só para você, sem o seu irmão, agora que Potter acabou?
Sim, nós sempre soubemos que isso ia acontecer, e temos estilos muito distintos. Quando estamos em casa, temos interesses que são muito diferentes, mesmo com coisas como torcer por times de futebol rivais. Obviamente há algumas coisas que são iguais, mas o estilo de roupa é totalmente diferente. Eu sou o arrumadinho; James é completamente bagunçado. Eu sou o organizado, tenho armários cheios com todas as minhas coisas; James só tem uma gaveta com tudo. Então, sim, somos muito diferentes em todas essas coisas. Portanto fazer meus próprios papeis no trabalho vai ser emocionante.