As Relíquias da Morte ︎◆ Filmes e peças ︎◆ Parte 1

Roteiro HP7.1 Parte 12: Tradução das cenas 144 ~ 156

Trazemos hoje a nossa décima segunda – e penúltima – parte do periódico que visa publicar todos os sábados 13 cenas traduzidas para o português do roteiro oficial e original do filme Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1.

As cenas de hoje começam com Harry e Rony voltando ao acampamento, onde encontram uma Hermione perplexa e, em seguida, furiosa, cuja única reação é atacar fisicamente o ruivo. Rony explica como os encontrou, conta a história sobre a bolinha de luz, mas nada que aplaque a raiva de Mione.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dentro da barraca, Rony entrega ao Harry a varinha de um sequestrador e depois Mione aparece, mostra o símbolo das Relíquias numa assinatura de Dumbledore e revela sua vontade de visitar o Xenofílio Lovegood. Após uma votação armada por Rony, eles decidem partir.

O trio bate à porta do editor d’O Pasquim, que aparece com um pijama imundo. Eles entram e o questionam sobre o símbolo, segue-se então a leitura feita por Hermione d’O Conto dos Três Irmãos, com a animação figurando toda a história. Quando termina, Lovegood enfim desenha o símbolo, terminando sua explicação para o Harry e desce para pegar mais chá.

Harry questiona sobre qual Relíquia eles prefeririam e depois tentam ir embora, mas são impedidos por Xenofílio, que fala “Voldemort” e assim atrai a presença dos Comensais da Morte. O trio logo dá as mãos e desaparata no exato momento em que uma chaleira vai de encontro ao chifre de erumpente e a casa dos Lovegood é destruída por uma explosão.

Os três aparecem na margem de um rio cercados por sequestradores. Há uma sequência agitada durante a qual vemos os três fugindo, mas parando em uma clareira. As cenas de hoje terminam com Hermione lançando um feitiço no rosto do Harry, desfigurando-o.

Vocês podem conferir a tradução dessas cenas na extensão – onde se encontram links das traduções anteriores -, ou fazer o seu download em pdf clicando aqui!

HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE: PARTE 1
Roteiro original ~ Cenas 144 à 156
Warner Brothers
Tradução: Isadora Moraes
Revisão: Juliana Torres

Tradução das cenas 1 ~ 13
Tradução das cenas 14 ~ 26
Tradução das cenas 27 ~ 39
Tradução das cenas 40 ~ 52
Tradução das cenas 53 ~ 65
Tradução das cenas 66 ~ 78
Tradução das cenas 79 ~ 91
Tradução das cenas 92 ~ 104
Tradução das cenas 105 ~ 117
Tradução das cenas 118 ~ 130
Tradução das cenas 131 ~ 143

144. INT. BARRACA (FLORESTA DO DEÃO) – AMANHECER (MAIS TARDE)

As chamas na tigela agitam-se timidamente agora; Hermione ainda está sonolenta.

HARRY (FORA DE QUADRO)
Hermione!

Ela se mexe, senta. Tirando o cabelo do rosto, espia pela abertura da barraca.

145. EXT. BARRACA (FLORESTA DO DEÃO) – AÇÃO CONTÍNUA – AMANHECER

Harry finca a espada no solo. No momento em que emerge da barraca, Hermione pisca os olhos devido à claridade do sol matutino.

HERMIONE
Está tudo bem?

HARRY
Tudo. Na verdade… mais do que bem.

Ele se afasta para o lado e Hermione vê Rony, de pé no limite do acampamento. Ela o encara, muda, e então anda, passando por Harry e pelas cinzas da fogueira, até parar bem na frente de Rony. Ele ergue uma mão, sorri timidamente.

RONY
Oi.

E então… Hermione começa a BATER NELE.

RONY
Opa – ei – ai!

HERMIONE
(a cada soco)
Seu – completo – imbecil – Ronald – Weasley!
Você volta aqui depois de todas essas semanas
e só o que tem a dizer é ‘Oi’?
(virando-se para Harry)
Onde está minha varinha? Harry, cadê
minha varinha!

Harry coloca a mão por sobre o bolso.

HARRY
Er… não sei?

HERMIONE
Harry Potter, me dê minha varinha!

RONY
Por que ele está com a sua varinha?

HERMIONE
Não importa por que ele está com a minha varinha –
(parando)
O que é isso?

Ela encara o medalhão enegrecido pendendo da mão de Rony.

HERMIONE
Você o destruiu?

Hermione olha de relance para Harry, que faz sinal na direção de Rony, e ela o encara novamente. Ele assente. Ela vai começar a falar quando seu olhar muda de direção, vê a espada fincada no solo.

HERMIONE
E como exatamente vocês conseguiram
a espada de Gryffindor?

HARRY
É uma longa história.

Hermione pondera a resposta, perplexa, e então volta a encarar Rony.

HERMIONE
Não pense que isso muda alguma coisa.

RONY
Não, imagina. Eu só destruí uma porcaria de uma
Horcrux! Por que isso mudaria alguma coisa!
Sabe como me senti ouvindo você dizer aquelas
coisas! Vendo você fazer aquelas coisas –-

Rony pára.

HERMIONE
Fazendo que coisas?

Rony pisca, mortificado. Hermione se dirige a Harry.

HERMIONE
O que aconteceu lá?

HARRY
(sem saber o que dizer, então)
É uma longa história.

RONY
Olha, eu quis voltar assim que fui embora.
Mas eu simplesmente… não sabia como achar vocês.

HARRY
Exatamente como você nos achou?

RONY
Com isto.

Rony procura em seu bolso, tira o desiluminador.

RONY
Não serve só para apagar luzes. Não sei bem
como funciona, mas na manhã de Natal eu -–
eu estava dormindo –- num pequeno pub -–
havia escapado de uns sequestradores na
noite anterior, por ser um traidor de
sangue e tudo mais -– em todo caso,
estava dormindo quando ouvi isso…

HARRY
Isso o quê?

RONY
Uma voz.

Ele se volta para Hermione, ergue o desiluminador.

RONY
Sua voz, Hermione. Saindo disto.

HERMIONE
E o que foi que eu disse, posso saber?

RONY
Meu nome. Só o meu nome. Como um sussurro.

Hermione permanece parada… e cora.

RONY
Então eu o peguei e cliquei e apareceu uma
pequena bola de luz. E eu soube.

HARRY
Soube o quê?

RONY
Simplesmente soube. Por causa da voz de
Hermione. E, por certo, ela flutuou na minha
direção, a bola de luz, direto no meu peito
e então –- atravessou –- bem aqui.

Rony toca um lugar perto de seu coração.

RONY
Consegui senti-la dentro de mim. Era quente,
como o primeiro gole de uma boa xícara de
chá. E eu soube que ela me levaria onde eu
precisava ir.
Então eu desaparatei e vim parar nesta colina.
Estava escuro. Não fazia ideia de onde estava.
Simplesmente tive esperanças de que um de vocês
fosse se mostrar para mim. E você o fez.

146. INT. BARRACA (FLORESTA DO DEÃO) – NOITE

Harry está deitado em seu beliche ao passo que Rony está sentado de pernas cruzadas, esquentando suas mãos em uma tigela com CHAMAS.

RONY
Sempre gostei dessas chamas que a
Hermione faz.

Ele espia o pote, depois para além da abertura da barraca, vê Hermione sentada logo ali fora, mantendo vigia.

RONY
Por quanto tempo você acha que ela
ficará brava comigo?

HARRY
Continue falando sobre a bolinha de luz que
tocou seu coração –- ela vai te perdoar.

RONY
É verdade. Cada palavra.
(um segundo)
Você vai achar que sou doido, mas penso que foi
por isso que Dumbledore o deixou para mim -– o
desiluminador. Acho que ele sabia que, uma hora
ou outra, eu… precisaria achar o caminho de volta.
E que ela me guiaria.

Harry observa Rony, considerando o que o amigo disse. Então, de repente, Rony dá um pulo, agarra sua própria mochila e começa a procurar algo dentro dela.

RONY
Caramba. Acabei de me lembrar. Você
precisa de uma varinha, não é?

HARRY
Preciso…

RONY
Bom, eu tenho uma. Aqui está. Ameixeira, 25 centímetros,
nada especial, mas acho que vai servir. Eu a roubei de
um sequestrador umas semanas atrás.
(sussurrando)
Não conte à Hermione, mas eles são meio
tapados, esses sequestradores. Aquele era
definitivamente meio trasgo. O cheiro dele…

Harry aponta a varinha para as chamas.

HARRY
Engorgio.

As chamas FULGURAM MASSIVAMENTE e Rony se joga para trás.

RONY
Opa.

HARRY
Reducto!

No que as chamas diminuem, Rony tenta apagar uma pequena faísca na lona.

HERMIONE
O que está acontecendo aí?

HARRY/RONY
Nada.

RONY
(para Harry)
Acho que precisa de um pouco mais de prática.

HERMIONE
Precisamos conversar.

Rony se vira, vê Hermione de pé na entrada da barraca, A Vida e as Mentiras em mãos, olhando para Harry.

RONY
Tudo bem.

HERMIONE
(ignorando-o)
Quero visitar Xenofílio Lovegood.

HARRY
Desculpe?

HERMIONE
Está vendo isso? É uma carta que Dumbledore
escreveu para Grindelwald. Veja a assinatura.
É aquela marca de novo.

Hermione vira o livro na direção de Harry. Dumbledore substituiu o ‘A’ de Alvo pelo OLHO TRIANGULAR.

HERMIONE
Continua aparecendo. Aqui. Em Beedle, o Bardo.
No cemitério em Godric’s Hollow –- o que foi?

Hermione olha para Harry, que encara o livro seriamente. De repente, estamos…

147. INT. RUA DO VILAREJO – AMANHECER

… NOS MOVENDO pelas ruas do vilarejo novamente, PASSANDO por vultos encapuzados, descendo o beco estreito que vai dar na loja de varinhas de Gregorovitch e… PARAMOS no SÍMBOLO TRIANGULAR rabiscado grosseiramente na parede …

148. INT. BARRACA (FLORESTA DO DEÃO) – MESMA HORA – NOITE

Harry pisca.

HARRY
Meu Deus. Estava lá também.

HERMIONE
Onde?

HARRY
Do lado de fora da loja de varinhas de
Gregorovitch, no muro do beco…

RONY
Mas o que significa?

Os três olham para o símbolo gravado no livro, na letra bem feita de Dumbledore.

HERMIONE
Harry, você não faz ideia de onde está a
próxima Horcrux, e nem eu. Mas isto, isto
significa algo. Tenho certeza.

RONY
Acho que Hermione está certa. Acho que
devemos visitar Lovegood. Que tal fazermos
uma votação? Os que são a favor…

Rony levanta rapidamente a mão. Harry olha para ele, acusativo. Hermione revira os olhos, mas levanta a mão também.

RONY
Desculpa, Harry. Parece que Hermione e eu
ganhamos desta vez.

149. EXT. COLINA – FIM DE TARDE

O sol vai desaparecendo pela encosta gloriosamente livre de neve. Rony lidera o caminho, bem à frente de Harry e Hermione.

HARRY
Não está mais brava com ele, está?

HERMIONE
Estou sempre brava com ele.

Enquanto nós SUBIMOS, uma CASA ESQUISITA aparece à distância, contrastando com o céu como um grande cilindro preto. Ao avistá-la, Rony se vira, SORRINDO ao chamar.

RONY
Luna?

Harry e Hermione dão uma olhada.

HARRY/HERMIONE
Luna.

150. EXT. CASA DOS LOVEGOOD – PORTA DA FRENTE – FIM DE TARDE

Uma PLACA está pregada em uma porta cravada de pregos: “O PASQUIM. EDITOR: X. LOVEGOOD.” Hermione bate três vezes.

RONY
Não se aproxime das ameixas dirigíveis.

Hermione se vira, lança a ele um olhar estranho. Rony aponta para o LETREIRO: “NÃO SE APROXIME DAS AMEIXAS DIRIGÍVEIS.” Nesse momento a porta é aberta e Xenofílio Lovegood aparece, descalço e usando uma camisa de pijama imunda.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
(para Hermione)
O que é isto?
(para Rony)
Quem são vocês?
(para Harry)
O que querem –-

Ao ver Harry, a boca do Sr. Lovegood se abre em choque.

HARRY
Olá, Sr. Lovegood. Sou Harry Potter.
Nós nos conhecemos uns meses atrás?

Os olhos de Lovegood correm para a cicatriz de Harry.

HARRY
Podemos entrar? Não vamos demorar,
senhor. Eu prometo.

151. INT. CASA DOS LOVEGOOD – CÔMODO DE IMPRESSÃO – FIM DE TARDE

Enormes torres empilhadas precariamente com edições antigas d’O Pasquim se elevam até o teto enquanto uma antiga PRENSA TIPOGRÁFICA DE MADEIRA chape no centro do aposento, cuspindo novas edições do jornal.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Com licença.

Enquanto Lovegood se aproxima da prensa barulhenta, o trio olha de relance para as edições antigas d’O PASQUIM espalhadas pelo local: SOBE NÚMERO DE ASSASSINATOS TROUXAS, DÚZIAS MORREM EM ATAQUES DE COMENSAIS DA MORTE, HARRY ÀS ESCONDIDAS, ONDE ESTÁ O ELEITO?, VOCÊ-SABE-QUEM CLAMA NOVA VÍTIMA: COPA MUNDIAL DE QUADRIBOL CANCELADA EM MEIO À AMEAÇAS DE MORTE. Abruptamente, a prensa é silenciada e Lovegood se vira.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Então, o que o traz aqui, Sr. Potter?

HARRY
Bom, senhor, precisamos de ajuda.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Ah. Ajuda. Entendo. Sim, bom, o problema
é que ajudar Harry Potter é algo um tanto
perigoso nos dias de hoje…

O trio troca olhares.

RONY
Não é você que está sempre dizendo para
todos que sua primeira obrigação é ajudar
Harry?

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Eu expressei esse ponto de vista, sim. No
passado. Poderiam me dar licença um
momento. Voltarei em breve e, hãn,
tentarei ajudá-los…

Lovegood sai apressadamente do aposento.

HARRY
O que está acontecendo?

RONY
Ele é biruta. Temos que admitir. A Luna
é uma boa pessoa, mas também é doida
de pedra.

Nesse momento, Hermione ARFA, aponta para um ENORME CHIFRE EM ESPIRAL pendurado na parede.

HERMIONE
Estão vendo aquilo?

RONY
Bem, sim, é claro. É enorme, não é?

HERMIONE
Não! Não chegue perto!

Harry pára.

HERMIONE
É um chifre de erumpente. É um Material
Comerciável Classe B.

Harry e Rony trocam um olhar estilo “ela é doida”.

RONY
Certo, tudo bem…

Neste momento, Lovegood retorna carregando precariamente uma BANDEJA com XÍCARAS.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Posso oferecer-lhes uma infusão de raiz-de-cuia?
Nós mesmos a cultivamos.

HERMIONE
Senhor, onde está Luna?

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Luna? Ah, er, ela virá em breve. Agora, como
posso ajudá-lo, Sr. Potter?

HARRY
Bom, senhor, é sobre algo que estava usando
no pescoço no casamento. Um símbolo…

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Refere-se a isto?

Lovegood procura em sua camisa de dormir e puxa pra fora a corrente com o OLHO TRIANGULAR.

HARRY
Sim! Exatamente. Estávamos nos perguntando,
senhor, bem, o que é isto?

XENOFÍLIO LOVEGOOD
O que é isto? Ora, é o símbolo das Relíquias da
Morte, é claro.

HARRY/RONY/HERMIONE
Do quê?

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Das Relíquias da Morte. Suponho que estejam
familiarizados com o “Conto dos Três Irmãos”?

HERMIONE/RONY
Sim.
HARRY
Não.

Harry olha para os outros dois, então Hermione procura em sua bolsa de contas e retira Os Contos de Beedle, O Bardo.

HERMIONE
Está aqui.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Bom, não há motivo para continuar a não
ser que se conheça o conto. Poderia ler
em voz alta, Senhorita…?

HERMIONE
Granger. Bom… tudo bem.
(abrindo o livro)
Era uma vez três irmãos que viajavam por uma
estrada deserta e tortuosa ao anoitecer –

RONY
À meia noite. Minha mãe sempre dizia
meia noite.
(ao ver o olhar ameaçador de Hermione)
Mas anoitecer está ótimo. Na verdade, é até melhor.

HERMIONE
Depois de algum tempo, os irmãos chegaram
a um rio fundo demais para vadear…

Enquanto Hermione continua, Lovegood olha pela janela. Um CORVO ENTRA circulando EM CENA e, enquanto nós o SEGUIMOS, o céu ESCURECE…

152. HISTÓRIA – EXT. RIO/PONTE – ANOITECER

… e enquanto o corvo passa por um rio são reveladas TRÊS SILHUETAS.

HERMIONE (NARRAÇÃO EM OFF)
Mas, sendo versados em magia, os três irmãos
simplesmente agitaram suas varinhas e fizeram
aparecer uma ponte. Já estavam na metade da
travessia quando viram o caminho bloqueado
por um vulto encapuzado.

Uma PONTE APARECE MAGICAMENTE e as três silhuetas começam a atravessá-la, quando o VULTO ENCAPUZADO aparece.

HERMIONE (NARRAÇÃO EM OFF)
Era a Morte, e ela se sentiu enganada, já que
viajantes geralmente se afogavam no rio. Mas
a Morte foi astuta. Ela concedeu aos três irmãos
um prêmio por sua inteligência. O mais velho, que
era um homem combativo, pediu a varinha mais
poderosa que existisse. Então a Morte fabricou
uma de uma árvore de sabugueiro na margem
do rio.

Tudo isso é dramatizado em silhuetas surreais.

HERMIONE (NARRAÇÃO EM OFF)
O segundo irmão, que era um homem arrogante,
pediu o poder de trazer de volta aqueles que morreram…
Então a Morte apanhou uma pedra do rio. Finalmente
ela se dirigiu ao terceiro irmão. Um homem humilde,
ele pediu por algo que o fizesse desaparecer. E foi
então que a Morte lhe entregou sua própria Capa da
Invisibilidade. Ela então se afastou para um lado e os
três irmãos seguiram, cada um, seu caminho…

Vemos os irmãos atravessarem a ponte e se separarem.

HERMIONE (NARRAÇÃO EM OFF)
O primeiro irmão viajou para uma aldeia distante
onde, com a Varinha das Varinhas em mãos,
matou um bruxo com quem tinha tido uma
briga. Dirigindo-se, em seguida, para uma
estalagem, ele se gabou de sua invencibilidade.
Mas naquela mesma noite…

Vemos as sombras de um bruxo entrando sorrateiramente em um quarto, FACA em mãos.

HERMIONE (NARRAÇÃO EM OFF)
… um outro bruxo esgueirou-se em seu quarto
enquanto ele dormia. O bruxo levou a Varinha
das Varinhas… e, para se garantir, cortou a
garganta do irmão. Assim, a Morte levou o
primeiro irmão.

Vemos o segundo irmão aproximando-se de um chalé.

HERMIONE (NARRAÇÃO EM OFF)
Enquanto isso, o segundo irmão viajou para sua
própria casa, onde tomou a pedra e girou-a
três vezes na mão. Para sua alegria, a moça
com quem tivera esperança de desposar antes
de sua morte precoce surgiu instantaneamente
diante dele. Contudo, ela logo se tornou triste
e fria, pois não pertencia ao mundo dos mortais.
Enlouquecido pelo desesperado desejo, o segundo
irmão matou-se para poder se unir a ela. E então
a Morte levou o segundo irmão…

Vemos a Morte no topo de uma colina desoladora.

HERMIONE (NARRAÇÃO EM OFF)
Quanto ao terceiro irmão, embora a Morte
o procurasse por muitos anos, ela nunca foi
capaz de encontrá-lo. Somente quando atingiu
uma idade avançada foi que o irmão mais novo
despiu a Capa da Invisibilidade e deu-a de presente
ao filho. Ele então cumprimentou a Morte como
uma velha amiga e acompanhou-a de bom grado,
e deixaram essa vida como iguais…

Enquanto a Morte e o terceiro irmão desaparecem, o corvo retorna, batendo no céu, que CLAREIA, e nós NOS AFASTAMOS…

153. INT. CASA DOS LOVEGOOD – CÔMODO DE IMPRESSÃO – CREPÚSCULO

… para encontrar Xenofílio Lovegood encarando para fora da janela. O sol já quase desapareceu da orla da encosta.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Bom, aí está. Estas são as Relíquias da Morte.

HARRY
Desculpa… ainda não entendi completamente.

Lovegood se vira e, pegando pena e pergaminho, desenha uma LINHA RETA VERTICAL…

XENOFÍLIO LOVEGOOD
A Varinha das Varinhas…

… então adiciona um CÍRCULO no topo da linha…

XENOFÍLIO LOVEGOOD
A Pedra da Ressurreição…

… e por fim cerca a linha e o círculo com um TRIÂNGULO.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
A Capa da Invisibilidade.
Juntas… elas formam as Relíquias da
Morte. Juntas… elas tornam seu dono
o senhor da Morte.

O trio encara o símbolo.

HERMIONE
Sr. Lovegood, a família Peverell tem
algo a ver com as Relíquias da Morte?
(para Harry e Rony)
Era o nome escrito no túmulo que tinha
a marca, em Godric’s Hollow. Ignoto
Peverell.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Ignoto e seus irmãos Cadmo e Antíoco são
considerados os donos originais das Relíquias
e, portanto, a inspiração para a história.

O olhar de Lovegood vacila, há tristeza em seus olhos; ele, então, pisca, olha para a chaleira.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Ah, o chá esfriou. Com licença, voltarei logo.

RONY
(quando Lovegood sai)
Vamos sair daqui assim que ele voltar. Não
vou beber mais dessa coisa, fria ou quente.

HARRY
(perdido em pensamentos)
Qual vocês escolheriam, se pudessem? Das
Relíquias da Morte?

HERMIONE
É óbvio, não é?

Os três falam ao mesmo tempo:

RONY
A Varinha.
HERMIONE
A Capa.

HARRY
A Pedra.

Eles se entreolham, divertidos.

RONY
Supostamente você deve escolher a
Capa, mas quem quer passar o dia sendo
invisível. Chato pra dedéu se quiser minha
opinião. Mas uma varinha invencível!

HERMIONE
Seu dono ficou embevecido com o poder
e foi assassinado.

RONY
É, mas imagine que vida curta e maneira
você viveria.

HERMIONE
(rolando os olhos)
Por que a Pedra, Harry?

HARRY
Bom, daria para trazer de volta os mortos,
não é mesmo? Olho-Tonto. Dumbledore.
Sirius. Qualquer um.

HERMIONE
(gentil)
Mas, de acordo com a história, eles não
querem realmente voltar. É tudo besteira,
em todo caso. As Relíquias da Morte não
existem.

HARRY
Mas eu tenho uma. A Capa da Invisibilidade
que meu pai me deixou.

HERMIONE
Capas sempre existiram -–

RONY
Não como a do Harry. Já vi algumas. Papai
costumava trazer para casa as que o Ministério
confiscava de ladrõezinhos e gente do tipo.
Elas sempre tinham buracos ou rasgados. A
do Harry é diferente. É perfeita.

HARRY
E acho que já tive a Pedra da Ressurreição em
mãos, naquela noite no escritório de Dumbledore
em que ele me mostrou o anel que havia destruído,
a horcrux. Tinha um símbolo gravado nela. Agora
acho que é o símbolo das Relíquias.

O trio estava silencioso quando Lovegood retornou.

HERMIONE
Sr. Lovegood, muito obrigada, senhor -–

RONY
Você se esqueceu da água.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Da água?

RONY
Para o chá.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Esqueci mesmo. Que tolice a minha.

HERMIONE
Não importa, senhor. Nós temos que ir –-

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Não, não devem –-

HARRY
Senhor?

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Vocês são minha única esperança. Eles
estavam bravos com o que eu vinha
escrevendo, entende, então eles a
levaram. Levaram minha Luna…
(seus olhos encontram os de Harry)
Mas é você quem eles querem, na
verdade…

HARRY
Quem a levou, senhor?

Hermione olha para a prensa tipográfica. Uma cópia d’O Pasquim encontra-se presa debaixo de um rolo. Ela a alcança e a liberta, a TINTA ESPALHANDO-SE pela capa, pelo ROSTO DE HARRY e pela ENORME MANCHETE: INDESEJÁVEL NÚMERO 1.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Ele. Certamente você o chama de Você-
Sabe-Quem. Mas seu nome verdadeiro,
é claro, é… Voldemort.

RONY
Nããããããããão!

Instantaneamente, de fora da janela, VULTOS em VASSOURAS aparecem no céu, voando rapidamente em direção a casa. Enquanto Harry, Rony e Hermione se jogam no chão, RAJADAS de LUZ ricocheteiam pelo batente da janela. A prensa tipográfica EXPLODE, fazendo chover O Pasquim para todos os lados, como uma revoada de pombas ardendo em chamas. Lovegood acena loucamente pela janela.

XENOFÍLIO LOVEGOOD
Parem! Ele está aqui comigo -–

Lovegood é jogado ao chão por um Feitiço Estuporante tão poderoso que a corrente em seu pescoço é arrancada e atravessa o cômodo voando, indo parar aos pés de Harry. O garoto olha de relance para baixo, observa o símbolo das Relíquias da Morte se dissolver como mercúrio, então olha para cima, vê Lovegood sair correndo pela porta.

HERMIONE
Rony! Harry! Segurem a minha mão!

Harry e Rony começam a rastejar em direção a Hermione quando outra sequência de feitiços ricocheteia pelo cômodo e – ping! – atingem a chaleira com a infusão de raiz-de-cuia. Enquanto Hermione a observa, ela voa pelo ar, indo pouco a pouco na direção do chifre de erumpente. A mão de Harry se fecha na dela, Rony os alcança e…

… a chaleira atinge o chifre de erumpente.

154. EXT. CASA DOS LOVEGOOD – AÇÃO CONTÍNUA – CREPÚSCULO

Acontece uma EXPLOSÃO COLOSSAL. O segundo andar do cilindro preto se rompe. Edições de O Pasquim são regurgitadas no ar como confete enquanto Lovegood escapa por um triz e os Comensais da Morte são engolfados e Harry, Rony e Hermione…

155. EXT. MARGEM DO RIO – CREPÚSCULO

… quedam EM CENA, meio desequilibrados e quase invisíveis na escuridão.

RONY
Aquele parasita traiçoeiro! Será que não
podemos confiar em ninguém!

HARRY
(suavemente)
Luna foi sequestrada porque ele estava
me apoiando. Ele só estava desesperado.

Rony não diz nada, então COSPE, limpando a sujeira de seus dentes, e espreita o rio. Diferentemente da última vez, quando suas águas estavam furiosas, agora não passava de um fio de água. As árvores estão assustadoramente silenciosas.

RONY
Eu cuido dos encantamentos.

Rony pega sua varinha… mas então Hermione levanta sua mão, parando-o. Seu olhar se eleva. Ela perde a respiração. Rony e Harry olham. Agarrados aos galhos das árvores acima, quase que como parte das próprias árvores, estão…

SEQUESTRADORES.

Uma varinha RESPLANDECE de cima, iluminando o rosto de Scabior. O cachecol vermelho de Hermione, agora desbotado e imundo, pende de seu pescoço. Ele o pressiona contra seu nariz encardido, inspira e SORRI.

SCABIOR
Olá, belezinha.

156. EXT. FLORESTA – CREPÚSCULO (MOMENTOS DEPOIS)

Harry, Rony e Hermione SE ARREMESSAM pelas árvores. Enquanto eles se separam, nós CORTAMOS PARA FRENTE E PARA TRÁS ENTRE OS TRÊS:

Hermione, veloz como o vento, meneia pelas árvores enquanto Scabior a persegue.

Harry corta pelo rio, olha para cima e vê um sequestrador saltar pela divisão entre uma árvore e outra.

Rony esmaga as densas moitas, passa por uma árvore caída.

A floresta se torna mais densa, as sombras aumentam. Feitiços voam pelas árvores, rajadas de luz arrematam a noite.

Hermione tropeça, volta ao pique, percebe estar em uma clareira. Outro vulto corre aos tropeços em sua direção: Harry.

Eles congelam brevemente, então a clareira explode com luz à medida que feitiços ricocheteiam. Eles caem no chão. Escutam os sequestradores se aproximando. Harry olha para Hermione. A PONTA da VARINHA dela BRILHA e seu rosto resplandece na escuridão, parecendo levemente demoníaco. Ela o alcança, ARRANCA OS ÓCULOS DE SEU ROSTO, e aponta sua varinha… para ele. Um ESTOURO de LUZ BRANCA o atinge nos olhos. Enquanto a varinha dela escurece…