As Relíquias da Morte

Bonnie Wright concede entrevista para a TFI

A edição de novembro da revista Total Film Indonesia trouxe uma entrevista com Bonnie Wright na qual ela falou sobre seu papel em Relíquias da Morte Parte:2 e sobre o processo de testes para encontrar as crianças que aparecerão no Epílogo.

[meio-2]Você filmou o Epílogo. Você passou por um processo de envelhecimento?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sim, foi uma coisa muito bizarra de se fazer, na verdade, poder ter essa chance de ser transformada de repente para ter a aparência de trinta e poucos anos. Foi um dia emocionante, mas bizarro. Obviamente para mim foi quase como um ciclo de verdade, porque eu comecei naquela mesma plataforma, com a mesma idade de Lílian Potter, a filha mais nova de Gina e Harry, então é quase como se literalmente eu tivesse voltado no tempo.

Confira a entrevista na íntegra em notícia completa. Para mais informações continue ligado no Ish.

Bonnie Wright

Bonnie e linda

Novembro de 2010 – Total Film Indonesia

Tradução: Luiza Reis

O herói consegue a garota. Essa garota é Gina Weasley – corajosa, leal e habilidosa. A atriz que a interpreta é tão especial quanto sua personagem.

Bonnie Wright só completará 20 anos no dia 19 de fevereiro do próximo ano, mas ela definitivamente atraiu muita atenção. A garota que interpreta a futura senhora Harry Potter nas telas é estonteantemente linda. Como se toda a publicidade que Potter trouxe para ela não fosse o suficiente, ela está criando outra sensação ao namorar um dos novos atores de Potter, que também trabalhou em Crepúsculo, Jamie Campbell Bower. E os paparazzi estão certamente caindo em cima do relacionamento dos dois. Além disso, essa atriz alta e magra acaba de assinar um contrato de modelo no último mês de outubro com a Next Models, que vai garantir que ela tenha uma carreira pós-Potter.

Mas antes que ela comece a mergulhar na carreira de modelo, a TFI está curiosa sobre suas experiências como uma das guerreiras de Hogwarts e pergunta a ela sobre seus interesses por trás das câmeras.

Então, Gina, Luna e Neville estão liderando a resistência contra a tirania dos comensais da morte em Hogwarts. Como foi interpretar isso?

Obviamente requer coragem. Foi para isso que esses três personagens tomaram uma atitude no quinto filme, com o Ministério da Magia e a Armada de Dumbledore, e eles realmente trazem para si a responsabilidade. Eles são os únicos que sobraram que continuam com a resistência. Obviamente Hogwarts se torna um lugar completamente diferente, se torna incrivelmente assustadora e representa tudo que não representava antes, assim como segurança e tudo que tínhamos lá sumiu por completo. Porque nós temos novos diretores e várias regras novas.

Eles vão ter sucesso?

Tem uma cena incrível na segunda parte, onde obviamente Harry, Rony e Hermione retornam para Hogwarts, e os outros três fizeram um tipo de esconderijo e abrigo, continuando a Armada de Dumbledore do próprio jeito deles. Eu acho que a dedicação deles é bem incrível ao dar continuação a isso, e eu acho que é por isso que as pessoas amam esses três personagens, na verdade.

Você filmou o Epílogo. Você passou por um processo de envelhecimento?

Sim, foi uma coisa muito bizarra de se fazer, na verdade, poder ter essa chance de ser transformada de repente para ter a aparência de trinta e poucos anos. Foi um dia emocionante, mas bizarro. Obviamente para mim foi quase como um ciclo de verdade, porque eu comecei naquela mesma plataforma, com a mesma idade de Lilian Potter, a filha mais nova de Gina e Harry, então é quase como se literalmente eu tivesse voltado no tempo.

Como você se sente em ter três filhos?

As três crianças que interpretaram meus filhos eram simplesmente…eles simplesmente sintetizaram todos nós, quando nós tínhamos aquela idade, então foi adorável poder voltar no tempo. Eles estavam tão animados no dia, foi um grande sonho que se tornou realidade, e eles tinham passado por um grande processo de testes. Eu acho que foi provavelmente o máximo de testes que qualquer pessoa já fez para conseguir um papel em um filme. No processo de testes, Dan e eu nos sentamos com crianças diferentes e conversamos com elas, porque obviamente a dinâmica é incrivelmente importante para tentar passar a idéia de que eles são uma família unida, que eles passaram cada momento de suas vidas juntos, desde que eles eram bebês em nossos braços até como eles estão agora. Foi desafiador conseguir esse afeto com alguém que você mal conhece e algumas crianças não querem se aproximar demais de alguém que não conhecem. Mas eles entenderam que isso era incrivelmente importante para fazer a cena funcionar, então eles se entregaram bastante à situação.

A estrutura dos dois últimos filmes é diferente. Qual foi a maior diferença para você ao filmar?

Foi estranho quando ouvimos pela primeira vez a idéia de que seriam duas partes. Eu fiquei muito interessada em ver como isso seria feito, mas obviamente, porque ainda é um livro, não é como se estivéssemos filmando dois livros ao mesmo tempo. Continuou sendo um livro na minha cabeça, portanto a história verdadeira se conecta, e sempre estivemos acostumados em filmar tudo em toda parte, como acontece com qualquer filme. Nesse ponto de vista não foi muito difícil diferenciar a primeira parte da segunda parte.

No decorrer do seu relacionamento com Jamie, você viu o fenômeno Crepúsculo. Você acha que Harry Potter é melhor?

Eu acho que são dois tipos de histórias completamente diferentes, na verdade. Eu acho que a forma como Jo Rowling escreveu é incrível e pessoalmente, para mim, é muito mais rica do que as histórias de Crepúsculo, porque se baseia em um elemento muito mais mitológico e histórico e é um pouco mais profundo e eu acho que eles possuem elementos diferentes.

Você já leu Crepúsculo?

Não, eu não li.

Qual o seu livro favorito além de Harry Potter?

Ah, centenas! Eu estudei Literatura inglesa no nível mais alto, então eu sempre fui uma grande leitora. Eu amo Dubliners de James Joyce e F Scott Fitzgerald. Eu li Harry Potter e eu amo a história tanto quanto qualquer outro fã. Eu sempre lia assim que saía, mas na verdade eu provavelmente não li nenhum outro livro de fantasia além de Harry Potter.

Tudo vai acabar no ano que vem. Como você se sente a respeito disso?

Eu me lembro de começar a filmar em 2009 e pensar, “Deus, essa é a última vez que nós vamos começar a fazer um Harry Potter.” Sempre esteve no fundo da minha cabeça, que embora eu não quisesse pensar muito sobre isso, eu sabia que aquele fim ia chegar e tinha uma sensação de que estava chegando. Isso na verdade me fez pensar um pouco, “Certo, eu tenho que aproveitar tudo, fazer cada dia incrível” e simplesmente absorver tudo porque saber que nunca voltaríamos a fazer aquilo foi meio bizarro. Você nunca pensa que esse dia vai chegar, e aí chega, e você fica um pouco…nossa, eu não sei, é bizarro. Mas eu acho que felizmente, com coisas como filme, fica gravado, então se você quiser assistir daqui a dez anos, você pode voltar no tempo e refletir sobre. Mas nós não terminamos ainda, você sabe, nós ainda temos que passar os filmes para o público, então será somente no meio do ano que vem que finalmente terá terminado.

Você não estudou produção para TV e filmes?

Sim, bem, eu sempre quis continuar estudando. Eu sempre amei estar na escola e todo lado criativo de filmes, mas para mim esse curso é basicamente um modo interessante de ver diferentes elementos que fazem parte da atuação. Eu comecei a respeitar completamente todo tempo e todo momento do ofício que faz parte dos filmes – estudo, roteiro, direção, edição…não é realmente técnico o meu curso – é em uma escola de artes, então tem um tipo de base muito criativo de belas artes. Mas meu verdadeiro amor está em atuar então o curso me deu uma perspectiva completamente diferente. Enriqueceu isso de uma forma diferente da qual uma escola de teatro teria feito.