As Relíquias da Morte ︎◆ Parte 1

Entrevista de Daniel Radcliffe à Accion Cine-Video

O ator Daniel Radcliffe, que interpreta o protagonista na franquia Harry Potter, prestou entrevista à revista Accion Cine-Video, dedicada aos lançamentos cinematográficos. O ator comenta mais alguns momentos nos sets e o aspecto final de Relíquias da Morte: Parte 1.

[meio-2]Destacamos, para essa entrevista, a notícia de que Daniel teve a oportunidade de influenciar na escolha dos atores para os três filhos de seu personagenm.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Confira a tradução em notícia completa.

DANIEL RADCLIFFE
Daniel Radcliffe em nova entrevista

Accion Cine-Video ~ 2010
Tradução por: Keber Amaral

O próximo filme de Harry Potter parece ser muito mais sangrento e violento.
Dan:
Foi muito bom, incrível. Eu sempre amei cenas com sangue, lama, essas coisas. Eu sempre apreciei esses momentos nos filmes. Eu os acho, creio eu, muito intensos e divertidos. É o que me faz continuar quando estamos na comoção da batalha. Eu realmente me divirto muito.

Você passou metade de sua vida interpretando esse personagem. Agora está quase no fim. Como você se sente? Você está pronto pra segir em frente? Vai fazer falta?
Dan:
É difícil dizer. É muito estranho e muito triste. Eu sei que definitivamente vou sentir saudades, sim, claro. Sentirei falta das pessoas com quem trabalho, chegar no set todos os dias e ver  os rostos de todas aquelas pessoas com quem passei tanto tempo, e, claro, os amigos que fiz, então definitivamente sentirei falta.

Ao mesmo tempo,  haverá essa sensação de… o vejo como ficando livre pra tocar outros projetos que quero agora que terei mais tempo. No passado, se eles me ofereciam um papel bom, um ótimo roteiro, eu teria que dizer, “Desculpe, mas não estarei disponível por mais um ano e meio,” o que é uma coisa ótima ter trabalho todo o tempo, mas é bom ter essa espécie de liberdade pra escolher o que se vai fazer em seguida. É relamente excitante.

Como foi o seu último dia?
Dan:
Nós estávamos todos dilacerados, e devo dizer que nunca vi Rupert chorar em toda minha vida. Foi um dia muito emotivo, e quando vi Rupert chorando, só me fez chorar ainda mais. Foi muito estranho. Foi como que o fim de minha infância, à qual eu disse adeus, e aquele menininho se foi.

Você tem trabalhado com Emma e Rupert por dez anos. Qual é a maior diferença de quando você os encontrou pela primeira vez pra agora?

Dan: Bem, a coleção de carros de Rupert é muito maior agora do que quando começamos. (Risos) Obviamente, acho que todos percebemos que mudamos um bocado durante os filmes, porque no começo, especialmente no começo de tudo, Rupert era muito, muito tagarela e parecia que você não conseguia fazê-lo parar. Ele se tornou mais reservado, enquanto a série progredia, embora quando você o conhece e conversa com ele, ele é uma pessoa muito simpática, mas ele foi se tornando mais calado durante esse tempo.  É possível que ele tenha se tornado mais calado enquanto eu me tornei mais barulhento. (Risos)

É possível que isso é o que tenha acontecido, mas sim, fisicamente Rupert e eu mudamos completamente, enquanto Emma parece quanse que exatamente a mesma de quando começamos,  perceptível através de seu rosto. É quase o mesmo rosto. Essas seriam as mudanças principais, mas além delas, é difícil ver como nós mudamos, além do fato de que crescemos e passamos por mudanças que qualquer um que vá dos 11 anos, em meu caso, até os 21, que é o que tenho agora. Então mudei bastante, demais pra listar tudo, creio eu.

Que conselho você daria a si próprio se você encontrasse o seu ‘eu’ aos 11 anos?
Dan:
Não tenho certeza se daria ao meu ‘eu’ mais jovem qualquer conselho.Acho que fiz as coisas direito. Acho que passei por elas, me diverti com elas, as curti, e não daria qualquer conselho a mim mesmo que mudasse a forma como fiz as coisas durante os últimos nove, dez anos.

Não acho que tenha mudado muito. Em relação ao que mudou, sobre o qual você perguntou antes, acho que uma das coisas que mudou foi a nossa atitude com relação ao trabalho, o fazemos com muito mais seriedade do que costumávamos fazer. Costumávamos chegar ao set e tudo era uma grande diversão, o meio era cheio de risadas, mas nós não o víamos realmente como trabalho. Agora, nós todos o fazemos seriamente porque queremos fazer carreira nisso, e sabemos que será  árduo, então acho que essa seria uma mudança grande.

Harry Potter é um fenômeno internacional. O que você pensa acerca do impacto que os filmes tiveram?
Dan:
Quando você fala desse tipo de fenômeno global, parece que todo mundo pensa em Star Wars.  Pra mim, e a diferença é interessante, Star Wars tem essa base de fãs que cresceram em volta da saga, que é baseada nos filmes, enquanto que a base de fãs que cresce em volta de Harry Potter não é baseada somente em um par de filmes, mas também em uma grande quantidade de muito, muito boa literatura, e, de fato, que gera, porque é baseada nos livros, um tipo diferente de fã, se você quer vê-lo dessa forma, que não somente é fanaticamente obcecado e ama detalhe, mas que também  tem uma forma bem literária e articulada de falar acerca dos filmes entre eles mesmo ou comigo.

É algo que não é necessariamente alcançado com um fenômeno global porque, creio eu, que isso criou uma geração de jovens muito inteligentes e ‘bem-lidos’ porque não acho que Harry Potter foi um fim em si mesmo no mundo da literatura. Acho que foi uma pedra inicial pra que muita gente   chegasse em livros para um público mais adulto. Então acho que ele criou uma espécie de geração de fãs muito inteligentes e iluminados, o que é algo maravilhoso.

Na história você se torna um pai. Você interpretou esse papel, a versão adulta de si próprio?
Sim, claro, e foi muito divertido porque nós fizemos um teste de maquiagem não há tanto tempo e tudo mais, e foi simplesmente o máximo. E o comparei com uma foto do meu pai, Alan Radcliffe, quando ele tinha 37 anos, e a semelhança é bem perceptível, não intencionalmente, não fizemos isso de propósito, mas eu certamente não parecia muito diferente dele.

E você escolheu seus próprios filhos ?
Dan:
Sim, escolhi meus próprios filhos, é fantástico! Todo pai gostaria de fazer isso, não é verdade? (Risos)

Do que você gosta além de atuar?

Dan: Ler e escrever. E eu adoro assistir o Discovery Channel, e sou fascinado por arqueologia. E adoro ir às partidas de críquete ou a um pub. Normalmente você recebe mais atenção, mas é bem fugaz.

E quanto à sua sorte com as garotas?
Dan:
Fama não significa que você é atraente para as mulheres. As pessoas pensam que quando você é famoso você vai ser legal. Eu não sou. O tipo de garota com quem eu gostaria de estar não é o tipo de garota que gostaria de estar com alguém como eu, por causa da fama. Mesmo que, sim, é verdade que eu normalmente mantenho um relacionamento. Não agora. Agora estou solteiro, então veremos o que acontece.

Continue ligado no Ish!