As Relíquias da Morte ︎◆ Filmes e peças ︎◆ Parte 1

Total Film: Relíquias da Morte e entrevista com atores

A edição de novembro da revista britânica Total Film traz uma matéria falando sobre Harry Potter e as Relíquias da Morte, últimos filmes da franquia, e sobre a saga em geral, com comentários dos atores e equipe técnica. Também traz uma pequena entrevista com Daniel, Rupert, Emma e Tom Felton, comentando sobre o fim da série e sobre suas carreiras pós-Potter.

“Harry Potter está em guerra. Roupas rasgadas, rosto machucado e sangrando, o menino bruxo é a visão do inferno. “Eu apenas os acumulo”, sorri Daniel Radcliffe quando a Total Film o pergunta sobre os seus ferimentos. “Durante o esses filmes, eu vou me tornando cada vez mais ensanguentado…”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Você pode conferir a tradução da entrevista na extensão da notícia. Continue ligado no Ish para mais notícias!

HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE
O problema com Harry

Total Film Magazine
Outubro de 2010
Tradução: Thais Tardivo, Bruna Coden e Marina Anderi

Harry abandona Hogwarts, pega a estrada e vai ao perigo. Total Film vai ao set de filmagens Relíquias da Morte para encontrar a franquia em território desconhecido.

Harry Potter está em guerra. Roupas rasgadas, rosto machucado e sangrando, o menino bruxo é a visão do inferno. “Eu apenas os acumulo”, sorri Daniel Radcliffe quando a Total Film o pergunta sobre os seus ferimentos. “Durante esses filmes, eu vou me tornando cada vez mais ensanguentado…”

Por “esses filmes”, é claro, ele quer dizer Harry Potter e as Relíquias da Morte – o final épico de Potter, dividido em duas partes, terminando a série com um estrondo. É janeiro de 2010, e a Total Film enfrentou corajosamente condições quase congelantes para visitar o Leavesden Studios – o antigo aeroporto da II Guerra Mundial que, pelos últimos 10 anos, foi o lar do mundo mágico de Harry Potter. Hoje é o Dia 195 da filmagem principal, e as comprometidas equipes de apoio e elenco não estão deixando um pouquinho de neve acabar com o entusiasmo de seus espíritos. Bem, a maioria deles, pelo menos… “Eu acho que está mais frio dentro do Leavesden Studios do que fora dele”, ri Emma Watson, também conhecida como a bruxinha Hermione Granger, “o que é muito deprimente!”.

Enquanto os jovens sofrem por sua arte, a Total Film foi levada em um tour pelos sets do filme, muitos dos quais estão aqui desde que foram construídos no começo de tudo. É algo assombroso: estantes altas de livros empoeirados rodeiam o escritório do novo Diretor de Hogwarts, o Professor Snape (Alan Rickman); enormes lareiras verdes enfileiradas no Átrio cavernoso do Ministério da Magia; poeira e entulho espalhados pelo Salão Principal de Hogwarts, devastado pela batalha… Todos são complexamente detalhados, habilmente elaborados e em escala monumental.

Apesar dos sets parecerem familiares, o diretor David Yates – o homem que comanda a franquia desde A Ordem da Fênix, de 2007 – está entusiasmado ao apontar que Relíquias da Morte: Parte 1 (filmado juntamente com a Parte 2, com estréia para o próximo inverno) é um animal muito diferente. “É um filme de estrada”, diz o nortista de fala leve durante uma rápida pausa. “É sobre essas crianças lidando com o mundo real. Eles foram botados para fora de Hogwarts, eles estão nesse lugar perigoso e eles precisam amadurecer rápido”.

Espera, sem Hogwarts? “Até o final da Parte 2, não estamos mesmo em Hogwarts”, confirma Radcliffe. Então, foram-se o Quadribol, os banquetes e as cervejas amanteigadas das instalações anteriores… “Isso dá ao filme uma sensação totalmente diferente, porque as pessoas estão acostumadas com essas histórias acontecendo dentro da geografia de um certo lugar”, ele adiciona. “Pode ser preciso uma pequena adaptação para que as pessoas entendam a ideia de que não verão o Salão Principal pelos próximos oito meses!”.

TEMPOS DIFÍCEIS À FRENTE…
Harry pode estar fugindo da escola este ano, mas ele tem seus motivos justos de circunstâncias extenuantes… Lord Voldemort (Ralph Fiennes) se infiltrou no Ministério da Magia e tomou conta de Hogwarts. Forçados a se esconderem ao serem caçados pelos Comensais da Morte, Harry, Hermione e Rony (Rupert Grint) embarcam na busca iniciada pelo Professor Dumbledore em O Enigma do Príncipe – isto é, encontrar e destruir o resto das sete horcruxes que constituem a alma fragmentada de Voldemort e detê-lo de uma vez por todas.

“Eles estão longe de casa, estão isolados, estão catando seus pedaços,” explica Watson sobre a situação difícil do grupo, que coloca uma nova tensão na amizade do trio. “Harry é quase como um imperador Romano em seus últimos dias, onde toda a sua corte parece estar se voltando contra ele,” diz Radcliffe. “Ele não faz a mínima idéia de como encontrar as Horcruxes, ou de como ele irá destruí-las. Ele está se tornando completamente paranóico sobre o que Hermione e Rony dizem pelas suas costas. Ele acha que os dois estão duvidando da sua liderança – o que é verdade.”

De acordo com Yates, exílio e discórdia não são os únicos desafios que o grupo enfrentará dessa vez. “Eu canso de dizer isso o tempo inteiro, mas [esse filme] é muito mais maduro do que qualquer coisa que já tenhamos feito,” diz o diretor. “É, na verdade, bem intenso, e há um monte de mortes…”

Apesar das lágrimas e da confusão, a filmagem de Relíquias tem testado os atores física e emocionalmente. “Há muitas cenas de perseguição, então nós estivemos correndo muito,” Grint ri. “Tem sido divertido, mas eu não pratico exercício algum, então isso me pegou bem desprevenido”. Parece que ele não é o único. “Eu reclamei sobre a quantidade de músculos que ficaram doídos, mas na verdade foi muito legal estar na floresta e correr por aí,” se entusiasma Watson, que apreciou ter saído de Hogwarts. “Torna tudo muito mais real. Eu acho que terá uma sensação muito diferente de todos os outros filmes que já vieram antes desse.”

Relíquias parte 1 não irá apenas fugir do modelo que foi imposto por seus precedentes, mas Yates conta que também se destacará na sequência do ano seguinte. “Esse filme é tipo um documentário, com câmeras de mão” o diretor explica. “E então vem a Parte 2, que é uma grande película de ação, com uma resolução bastante emocionante.” Então, por que a decisão de separar os dois filmes? “Quando Alfonso [Cuáron] chegou a bordo para o terceiro filme [Prisioneiro de Askaban], nós mudamos nossa abordagem das histórias e elas começaram a ser contadas pelo ponto de vista do Harry.” diz o produtor David Heyman, que vem produzindo a série desde A Pedra Filosofal. “As coisas que não se relacionavam com isso começaram a ser descartadas, porque enquanto os livros ficaram maiores isso deu-nos uma linha contínua. Mas no livro sete, tudo é relacionado a Harry. Então decidimos fazer dois.” Não é apenas uma chance para encher o porquinho mais uma vez, então? Uma dupla porção um pouco astuciosa? “Ouça, não há dúvidas que se não tivesse senso econômico o estúdio não teria apoiado,” Heyman admite. “Mas a motivação foi puramente criativa.”

ALGO MALÍGNO ESTÁ A CAMINHO…
Logo, está na hora de explorar um dos novos sets de Relíquias – a gótica Mansão Malfoy, casa do chefe dos Comensais da Morte Lúcio Malfoy (o retorno de Jason Isaacs) e sede improvisada da operação de Voldemort. “Eu estava tão ansioso para ver minha casa! Eu estava tipo ‘Onde está meu quarto?’” ri Tom Felton, reprisando seu papel como o inimigo de Potter, Draco Malfoy. “O set é magnífico demais. Como despejados, estamos vivendo razoavelmente bem. Tem até um piano – para você ver como somos elegantes!”

No meio da cavernosa sala de jantar dos Malfoy, nós tropeçamos em um dos efeitos das novas criações do grupo macabro – uma estranha natural animatrônica bruxa, suspensa no ar, contorcendo-se e torcendo-se de uma maneira terrível. Isso é, fomos informados, a infeliz professora de Hogwarts Caridade Burbage, que é torturada por Voldemort no início da Parte 1. Esse será nosso primeiro vislumbre no vilão com cara de cobra de Ralph Fiennes desde A Ordem da Fênix, ele estará mais desagradável que nunca…

“Ralph tem a extraordinária habilidade de te arrepiar,” promete Yates. “Mas há muita complexidade em Voldemort – algo bastante assombroso e surpreendentemente venerável. Ele tem que ser assustador, porque é uma espécie de psicopata, mas o que queríamos alcançar era que você meio que entrasse na cabeça dele de alguma forma e entendesse de onde vem toda a sua dor e raiva e violência. Ele é uma figura bem trágica, na verdade.” Heyman, entretanto, é mais sucinto quando questionado sobre o super-vilão de Relíquias: “Ralph nos últimos dois filmes? Hm, delícia…”

Não são apenas os atores trazendo suas melhores performances – a equipe publicitária e as pessoas do FX estão dando seu máximo para ter certeza de que a última aparição de Potter será um espetáculo. “A ação será muito extraordinária.” Delira Radcliffe, incitando-nos a prestar atenção na sequência dos ‘sete Harrys’ – um primeiro pedaço que mostra Rony, Hermione e outros membros da Ordem da Fênix se disfarçando de Harry a fim de confundir a emboscada dos Comensais da Morte. “Vi uma versão primária e está fantástica. Fizemos noventa e seis tomadas no total, porque tínhamos que fazer a mesma cena sete vezes comigo ficando em diferentes lugares. No fim disso estávamos prontos para abrir uma veia! Então vimos uma parte do que fizemos e isso fez tudo valer a pena, porque parecia fantástico. É a primeira parte realmente legal de mágica no filme.”

Aumentar o nível de Relíquias veio a um trágico preço, porém. Em janeiro de 2009, antes das filmagens, o dublê de Radcliffe, David Holmes, sofreu um sério ferimento na espinha durante um teste de movimento, deixando-o paralítico. “Ele estava testando um tipo de cabo de tração que já tínhamos feito centenas de vezes e deu errado.” explica Heyman, visivelmente chateado ainda que surpreendentemente sincero sobre o ocorrido. “É terrível de muitas formas, mas David é maravilhoso – ele permanece, apesar de sua situação, tão otimista e determinado. E ele pode achar seu caminho de volta para a indústria de alguma forma. Ele ama Harry Potter – ele ainda visita o set e quer vir a premiére. Ele será da nossa família para sempre.”

Daniel Radcliffe

DISCURSO DE FORMATURA
Daniel Radcliffe terá um futuro cor-de-rosa?

Você fez Equus no palco e outros filmes – havia um grande plano para garantir uma carreira pós-Potter?
Nós sabíamos que era importante começar o processo de separação enquanto os filmes Potter estavam sendo filmados, ao invés de sair por aí quando acabasse e esperar que as pessoas vejam-me como algo a mais.

Você está trabalhando em The Woman in Black agora – há qualquer outra coisa que você goste de fazer?
Eu não me vejo na sequência de The Expendables ou algo assim! Mas depois de The Woman in Black todo o meu foco está na Broadway, porque farei How To Succeed In Business Without Really Trying ano que vem. Também estou ligado em All Quiet On The Western Front que poderia ser realizada em 2012.

E se as pessoas continuarem pedindo por autógrafos Potter ao longo de sua carreira?
Harry Potter é responsável por cada oportunidade que terei no futuro e serei eternamente grato. Posso ser ocasionalmente incomodado por um bêbado gritando “Harry!” para mim na rua, mas em geral não será um problema. E faz parte do trabalho – é o que me inscrevi para.

Emma Watson

DISCURSO DE FORMATURA
O que o futuro reserva para Emma?

Você se sente pressionada em fazer sucesso pós-Potter?
Sim. Estive fazendo isso por dez anos agora e trabalhei com alguns dos melhores atores do mundo, então esperançosamente tirarei proveito disso. Aprendi um bocado de coisa.

Então você está orgulhosa do que alcançou até agora?
Sim, mas estou ansiosa para ver a resposta desses dois últimos filmes. Eles estão simplesmente num patamar totalmente diferente daqueles que vieram antes. Acho que as pessoas ficarão estupefatas.

Você sentirá falta da personagem?
Amo Hermione com todo o meu coração. Acho que nunca mais interpretarei uma personagem com quem me identifico tanto. Ela é maravilhosa – inteligente, corajosa, determinada e leal. Ela é apenas ela.

Qual sua memória mais amável de Harry Potter?
Ah, tantas… jogar tênis de mesa com Dan e Rupert, conhecer meu gato pela primeira vez. Estar nos bastidores em Radio City quando havia mil pessoas esperando por nós, sair e ver os flashes disparando. A primeira vez em que assinei um autógrafo… há centenas de memórias…

Rupert Grint

DISCURSO DE FORMATURA
O que está no horizonte de Rupert Grint?

Você se sente sob alguma pressão em construir uma carreira pós-Potter?
Suponho que sim. Não estou pensando muito sobre isso – estou apenas aproveitando um pouco de liberdade no momento! Mas sim, há um plano para afastar-se disso e estabilizar uma carreira.

Você está vinculado a estrelar em um filme biográfico de Eddie the Eagle…
Ainda é muito cedo. Será bom se acontecer, mas veremos. Estou ansioso para o desafio, porque ele é uma personagem tão grande. Nunca esquiei em minha vida, então suponho que talvez isso seja um problema… mas tenho certeza que vou atrás do papel!

Há alguns diretores com quem você gostaria de trabalhar?
Sempre fui um fã de Tarantino, e de David Lynch também. Gosto de filmes surreais, então seria legal trabalhar com ele (David).

Então se eles te convidassem você já estaria tomando o avião…
Sim, definitivamente!

Tom Felton

O Talento
Sangue Fresco: O cavalo negro de Potter

Malfoy saiu de Hogwarts, mas não espere que ele desapareça. “Os próximos dois anos são um ótimo tempo para usar aquilo que aprendi”, disse Tom Felton. “Serei realmente esplêndido nisso!”

Como se sente agora que finalmente não há mais Harry Potter?
Um pouco bizarro. Eu percebi como era bom. Nós tivemos momentos incríveis.

Você está no The Apparition e está filmando Rise Of The Apes…
Eu tive duas semanas de folga no meio de Relíquias da Morte e meu agente americano disse, “Venha para cá e faça algumas reuniões”. Algumas semanas mais tarde, eu estava filmando The Apparition. Em Rise Of The Apes, eu interpreto um cavalheiro chamado Dodge com um sotaque americano. Ele é outro personagem não tão agradável.

Você está cogitando um filme de golf?
Nada foi assinado, mas eu estava pensando em jogar uma partida depois dessa entrevista para pesquisar!