As Relíquias da Morte ︎◆ Filmes e peças

Daniel e Emma concedem entrevista a Scholastic

Os astros da série Harry Potter, Daniel Radcliffe e Emma Watson, foram entrevistados pela Scholastic, editora americana dos livros, sobre Harry Potter e as Relíquias da Morte. Os atores falam de diversos temas, relacionados aos filmes e a suas evoluções com o passar dos anos.

No que você estava pensando no último dia de filmagem?
Emma: Oh meu Deus. Não posso acreditar. Não posso acreditar que esse dia finalmente chegou. Eu apenas pensei que nunca acabaria, sabe? Achei que nunca acabaria. Só pareceu realmente estranho, então tive que me beliscar. Foi muito estranho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Olhando para trás, qual filme em particular você gostaria de refazer?
Daniel: Se eu fosse jovem o suficiente, provavelmente voltaria e faria os dois primeiros de novo, porque ainda acho ambos muito embaraçosos para assistir. Para ser honesto, eu realmente não assisto muito os filmes anteriores, porque eu me sentaria e provavelmente ficaria, “Há muito do que fiz que quero mudar”.

Confira a tradução da entrevista na íntegra em notícia completa e continue ligado no Ish para mais novidades.

DANIEL RADCLIFFE E EMMA WATSON
Emma e Daniel falam sobre Relíquias da Morte

MTV ~ Shawn Adler
23 de outubro de 2010
Tradução: Marina Anderi

Harry Potter e as Relíquias da Morte Parte 1 chega aos cinemas em 19 de novembro, e prometi a vocês entrevistas com Daniel Radcliffe (que interpreta Harry) e Emma Watson (que interpreta Hermione), então aqui está! Mantenham em mente que eles já terminaram de filmar a Parte 2, então algumas de suas respostas referem-se a ambos os filmes. Infelizmente, nós teremos de esperar até 2011 para ver a Parte 2, e tudo o que podemos fazer agora é imaginá-los na cena final quando estão todos mais velhos…

Pergunta: Meus amigos apelidaram o sétimo livro de Harry Potter e o Acampamento Prolongado por causa do ritmo desigual especialmente no início. O que você acha da divisão do livro em dois filmes?
Daniel: Você está certo, a primeira parte é bem diferente da segunda. A primeira parte é uma exploração das personagens e de como essas personagens reagem uns aos outros. Eles estão em um ambiente totalmente diferente. Quando Jô Rowling estava escrevendo o sétimo livro, ela escreveu para mim, e se referiu a ele, “Estou escrevendo Relíquias da Morte e no momento está como uma viagem bem estranha,” e assim é como fomos vendo o livro. E na segunda parte inicia-se como um filme policial e depois se transforma em um filme de guerra, então há diversas fases diferentes no livro. Acho, na verdade, que isso é exatamente o que torna o filme emocionante e o que o faz tão diferente dos outros filmes.

P: Em Relíquias da Morte, o que estar nessa fuga faz para a amizade de Hermione, Rony e Harry? Você utiliza suas experiências pessoais para atuar?
Emma: Definitivamente penso que o tipo de pressão em que os três estão sob por estarem em uma fuga, e o medo e a ansiedade têm um efeito na amizade deles. Rony particularmente torna-se bastante irritável, e Harry e Rony na realidade acabam tendo uma grande briga, então Hermione está tentando manter todo mundo calmo e unido. Portanto, Hermione é muito importante nisso tudo, mas isso definitivamente pesa na amizade deles.
Sim, eu uso minha experiência de vida e minha experiência com amigos e amizades na minha atuação. Definitivamente. Definitivamente. Quando estou atuando com Harry, sempre finjo que ele é meu irmão mais novo Alex, que tem dezessete anos, porque sinto que Hermione tem esse tipo de relação fraternal ou maternal com Harry.

P: Há algum momento embaraçoso do set que você possa compartilhar?
Emma: Eu tive que beijar dois garotos que considero meus irmãos. Digo, isso foi bem ruim. Eu definitivamente contaria isso como um momento embaraçoso, estranho. Nenhum dos dois beija mal. Esse não é o ponto, mas foi definitivamente muito estranho.

P: Descreva a jornada emocional de Harry nesse filme, e também sua própria jornada emocional dado ao fato de que está envolvido.
Daniel: Dumbledore deixa essa missão a Harry com quase nenhuma informação além das três heranças secretas em seu testamento para Harry, Rony e Hermione, que não fazem sentido na hora, mas gradualmente com o decorrer do filme, vão fazendo mais e mais sentido. E Harry está ouvindo todas essas coisas sobre Dumbledore constantemente, coisas que ele não sabia antes que o fazem duvidar da integridade do homem, algo que ele nunca sequer questionou anteriormente, e – é sempre perigoso fazer comparações religiosas – é como um tipo de entrevista de emprego de fé e o quão longe ela pode ser pressionada até Harry desistir. Ultimamente, toda vez que Harry encontra-se num momento sombrio onde pensa que essa é uma jornada inútil e nem sabe por que está fazendo isso, acontece alguma coisa que lhe permite continuar. Ao longo de sua relação com Rony e Hermione, eles percebem que Harry não tem ideia do que fazer. Ele não tem um plano – está apenas improvisando, e assim enquanto eles perdem confiança nele, ele começa a ficar mais paranoico e isolado, e suponho que mais bravo, mas é demonstrado como desespero.
Em termos de minhas próprias emoções, foi um filme muito, muito longo. Foi muito emocionante. Às vezes o trabalho era bem pesado, mas é por isso que o fazemos e é por isso que o amamos. Eu não tive nenhuma das emoções traumáticas que Harry teve, mas obviamente foi muito, muito emocional. Nós todos choramos muito. E desde então, tem sido bem esquisito. O primeiro mês longe foi estranho, mas felizmente, há muitas vezes onde vejo pessoas com quem trabalhei nos filmes. Conhecerei essas pessoas pelo resto de minha vida, não importa aonde eu vá ou o que aconteça. Então, é, há alguma tristeza em deixar isso, mas também agora, cheguei ao ponto em que estou animado sobre o futuro e também muito animado para ver os filmes. Sabe, a jornada ainda não acabou no sentido de que as pessoas ainda têm que ver esses filmes e formar suas próprias opiniões, e estou animado para ver o que elas acharão.

P: No que você estava pensando no último dia de filmagem?
Emma: Oh meu Deus. Não posso acreditar. Não posso acreditar que esse dia finalmente chegou. Eu apenas pensei que nunca acabaria, sabe? Achei que nunca acabaria. Só pareceu realmente estranho, então tive que me beliscar. Foi muito estranho.

P: Em todos os filmes, houve algumas maravilhosas sequências de ação. Qual foi a mais assustadora que você teve que fazer?
Emma: Há uma cena em que estamos [presos] no Banco Gringotes e Hermione tem essa ideia maluca de pular nas costas do dragão. Ela está no balcão do segundo andar e pula do balcão para as costas do dragão e fazer aquela cena foi aterrorizante, porque eu essencialmente tinha que pular – foi um tapete que me pegou -, mas apenas fazer o salto e tudo o mais foi muito assustador.

P: Daniel, qual foi a cena mais difícil para você?
Daniel: Para ser honesto, esqueci-me completamente de muitas cenas, porque quando você filma algo por dezoito meses, e se há algo no trailer do primeiro mês de filmagem, é tipo “Oh meu Deus. Esqueci-me totalmente desta cena.” Eu suponho que ser espancado por Ralph Fiennes [que interpreta Voldemort] na segunda parte foi bastante exigente fisicamente. O que amo sobre essa cena é que é o momento pelo qual esperei por anos para acontecer. Sempre quis um momento em que a magia não é suficiente e ele apenas tenta matar Harry fisicamente por bater nele. Essa foi uma cena desafiante, mas, digo, há muito material fisicamente desafiante no filme, mas eu amo essa cena. Amo correr para cima e para baixo e cair e ser atingido por aí. Amo tudo isso.
No início da primeira parte comigo e Rupert [que interpreta Rony] onde nós brigamos e odiamos um ao outro, isso foi emocionalmente desafiante, porque é muito difícil odiar Rupert Grint, mesmo atuando.

P: Quem é sua personagem favorita no filme, sem ser Hermione?
Emma: Eu amo a Belatriz. Acho que vocês vão amar Helena Bonham Carter [que interpreta Belatriz], mas apenas porque ela é tão assustadora e louca e má e exatamente o contrário de Hermione.

P: Há muito mistério sobre como a maquiagem fica para as versões mais velhas de vocês. Você pode nos contar sobre o que se passou para parecer mais velha?
Emma: Foi um processo muito lento. Acho que durou por volta de duas horas. Mas foi bem sutil. Eles tinham esse filme fino que eles colocavam nos nossos rostos, que entrou nas nossas rugas para fazer tudo isso acontecer. Detalhes realmente sutis fizeram uma grande diferença. Eu usei dentes falsos e uma peruca, mas tudo pareceu tão real, então foi legal.
Daniel: Obviamente, eu estava preocupado com a cena do envelhecimento e preocupado sobre como nós iríamos fazer isso e tudo mais, mas te digo que a maquiagem está fantástica. Particularmente, odeio dizer isso, mas estou muito satisfeito com a maquiagem. Harry envelhece muito mais agradavelmente do que Rony. Acho que assim que apresentaram Rupert ao enchimento que ele teria que usar na barriga, ele estava tipo, “Faça-o maior”. Nós nos divertimos fazendo essa cena e eu acho que ela ficou muito boa.

P: Emma, você disse que era exatamente como Hermione quando você tinha nove anos. De que formas você acha que se afastou da personagem desde então?
Emma: Espero que eu seja um pouco menos séria que Hermione. Sou um pouco mais maliciosa.

P: Com o que você vai embora depois de dez anos, como ator e como pessoa, nessa experiência?
Daniel: Como você disse, dez anos, são tudo. Eu nunca serei capaz de assistir uma cena de algum desses filmes sem associá-la com a memória daquele dia no set ou com a memória do que estava acontecendo na minha vida. Vou embora com uma rica experiência que atores matariam para obter, tenho sido capaz de trabalhar e assistir e aprender, e tenho o mais maravilhoso grupos de amigo que alguém poderia desejar, e não estou falando apenas do elenco. Muitos dos meus melhores amigos são da equipe, e essas são pessoas que reconhecerei para sempre. Sinto-me muito, muito sortudo.

P: Olhando para trás, qual filme em particular você gostaria de refazer?
Daniel: Se eu fosse jovem o suficiente, provavelmente voltaria e faria os dois primeiros de novo, porque ainda acho ambos muito embaraçosos para assistir. Para ser honesto, eu realmente não assisto muito aos filmes anteriores, porque eu me sentaria e provavelmente ficaria, “Há muito do que fiz que quero mudar.”

P: Você tem alguma memória de destaque de filmar esses filmes?
Daniel: Não é necessariamente minha memória favorita, porque isso seria muito difícil de escolher, mas um desses momentos que tive onde andei um passo para trás e pensei, “Não importa por quanto tempo você atue, você provavelmente nunca conseguirá fazer algo assim de novo,” foi quando comecei a sair da água no sexto filme cercado por um anel de fogo. Acho que por anos eu fui permitido ao fato de interpretar o herói de ação e é bem raro quando atores conseguem fazer isso e é muito divertido, então vou sentir falta isso com certeza.

P: Emma não foi capaz de mudar o penteado por dez anos por causa dos filmes, então ela cortou todo o seu cabelo depois do fim das filmagens. Houve alguma coisa que você não foi capaz de fazer porque conflitaria com sua personagem?
Daniel: Não particularmente. Eu sequer cortei meu cabelo desde que terminamos de filmar, para ser honesto. Vem crescendo e crescendo. Eu sempre fui… Eu era muito menos restrito do que Emma provavelmente foi nesse aspecto. Emma meio que indicou que faria isso, então eu não estava surpreso como talvez o resto do mundo estivesse, mas acho que ela está fantástica. É um corte muito, muito legal. Mas para ser honesto, a garota poderia ficar bonita até com uma sacola de plástico em sua cabeça, sabe. Digo, ela é uma garota linda, então qualquer corte de cabelo ficaria maravilhoso.

P: Emma, você deu uma festa para todo o elenco no último dia. Você pode nos falar sobre as festividades?
Emma:
Eu dei um jantar. Acabei de comprar um novo apartamento em Londres. Eu tentei fazê-lo ficar muito bom. Comprei toneladas de flores. Acendi velas em todo lugar e todo mundo tinha lugar marcado e eu fiz comida para todo mundo vir e comer e também jantar… Eu fiz um tipo de livro para todos e tinha perguntas bobas tipo quem foi sua primeira paixão no set? Qual foi sua melhor lembrança? Qual foi sua pior lembrança? Quem foi seu diretor favorito?… Coisas assim, que são apenas realmente divertidas. E todo mundo tinha um pedaço de papel para escrever tudo, mas todos nós discutimos nossas respostas e ouvimos as histórias das pessoas e o que elas lembravam. Foi apenas uma noite realmente nostálgica basicamente, só nós compartilhando histórias. Foi uma noite muita boa e o tempo estava quente, então sentamos lá fora também, e eu comprei câmeras descartáveis para as mesas para que todos pudessem usá-las, e era só diversão. Era só relaxar.
Daniel: Foi amável. Foi fantástico. Emma cozinhou e foi muito impressionante. Ela estava muitíssima a dona de casa. Nunca estive um jantar comemorativo em minha vida – a ideia me aterroriza, então eu estaria intimidado por isso, mas é, ela deu conta do elenco jovem e nós todos demos uma volta em sua casa e foi muito bom. Foi muito, muito legal, cheio de nostalgia, todos relembrando sobre os primeiros dias e sobre como novos e fofos e inocentes nós éramos. Sim, foi uma noite muito, muito boa e todos ficamos muito gratos. Porque para ser honesto com você, se você conversasse comigo ou com Rupert, nenhum de nós teria os recursos para organizar um jantar comemorativo, então o fato de que ela o fez foi muito apreciado.

P: Vocês pegaram algumas lembrancinhas do set?
Emma: Sim, eu peguei minha varinha, meu vira-tempo, e peguei uma capa, e foi só isso, sério.
Daniel: A única coisa que eu queria eram os óculos. Eu não queria a varinha; eu definitivamente não queria a vassoura. No final terminei pegando dois pares de óculos. Peguei um – sem lentes – porque geralmente os óculos que usamos no set são sem lentes por causa dos reflexos da câmera e eles são os que usamos uma grande parte do tempo, então eu queria os do sétimo filme, mas também peguei as versões com lentes que tínhamos do primeiríssimo filme. Eu nem sabia que eles os tinham ainda. Então peguei dois pares de óculos, um par do primeiro e um par do último, e estou muito feliz e orgulhoso com ambos.

P: O Mundo Mágico de Harry Potter acabou de abrir e vocês tiveram a chance de visitá-lo. Quais foram suas atrações favoritas?
Daniel:
O desafio do dragão. Essa foi a melhor parte. Eu fui cinco vezes. Foi maravilhoso. Estava convencido de que não começaria a ficar enjoado e então eu realmente, realmente fiquei, mas foi a coisa mais legal. Eu fui à frente; eu fui atrás; eu fui de noite. Foi maravilhoso. Os gêmeos Phelps (que interpretam Fred e Jorge) estavam no outro dragão e nós vimos nossos rostos meio que fumegando um contra o outro a sessenta quilômetros por hora e, em seguida, quase batendo, desviando bruscamente no último minuto. Foi muito bom.
Emma: Só de pisar lá dentro, eles fizeram isso em pequena escala, então o nível de detalhes é simplesmente fantástico e parece muito autêntico, o que me deixou impressionada e aliviada. Eu amei a loja de doces, porque sou muito ligada em doces (sweets), oh desculpe-me, doces (candy) (em inglês britânico a palavra “doce” é “sweet” e em inglês americano é “candy”). A montanha russa do dragão era maravilhosa – foi tão bom. Fui nela algo como umas quatro vezes seguidas. E também o passeio temático; eu na verdade fiquei bem emotiva. Fora de tudo que eu estava esperando sentir, eu não esperava ficar emotiva, mas fiquei bem chocada porque há um holograma de nós três que faz parecer que estamos realmente lá falando com você, o que é bastante bizarro. O passeio inteiro é uma grande visita às melhores partes de todos os filmes então me trouxe de volta tantas memórias, foi legal.

P: Emma, como você descreveria Daniel e Rupert quando você os conheceu e no final da série?
Emma: É engraçado. Começou que Dan e eu éramos os tímidos e Rupert o falante, e então parecemos trocas. Rupert dificilmente fala. Você é sortudo de tirar algo dele nesses dias, e então Dan e eu falamos bem mais. Dan é realmente inteligente e fofo, e Rupert simplesmente tem um senso de humor malicioso e ele é muito excêntrico e muito único na forma que faz as coisas. Ele é como um crianção. Sinto que ele nunca vai crescer, o que adoro.

P: Algum fã criança pensou que você realmente sabia fazer magia?
Emma: Sim, houve crianças com medo de mim, porque acho que eles achavam que eu ia fazer algo, o que é meio fofo, o que amo. É tão, tão triste quando as crianças perdem sua imaginação.

P: Você namoraria uma fã de Harry Potter?
Daniel: Eu não namoraria alguém porque ela é fã de Harry Potter. Isso seria, eu acho, a altura da mania do ego. Mas sim, absolutamente, se a pessoa em questão seria capaz de me ver como outra coisa além de Harry Potter, então eu não veria razão, mas a verdade é que a maioria das pessoas são fãs de Harry Potter. É difícil ignorá-las. Já saí com garotas que no passado gostaram dos filmes e amaram os livros, mas esse certamente nunca foi o foco da relação.

P: Se J.K. Rowling chamasse vocês amanhã e dissesse, “Estou escrevendo outro livro. Decidi sair da aposentadoria e escrever mais Harry Potter, vocês gostariam de estrelar o próximo filme?
Emma:
Oh meu Deus. Não, não gostaria. O que fizemos parece tão completo. Seria simplesmente estranho. Não. De jeito nenhum. Apenas seria realmente estranho.
Daniel:
Não, provavelmente “não” é a resposta, porque dez anos são suficientes. Acho que os filmes atingiram uma conclusão bastante perfeita e maravilhosa, e tenho garantias de Rowling que ela não fará isso.