fbpx
Artigos

Futebol… ops, Quadribol!

No último mês de julho, o mundo inteiro parou de respirar para contemplar as maravilhas (ou horrores, há quem diga também) da Copa do Mundo. E se aqui é o futebol que causa esse efeito entorpecente nos trouxas, lá é o quadribol que enfeitiça os bruxos.
[meio-2]Na nova coluna de Débora Jacintho, você poderá conferir as semelhanças e as diferenças entre esses dois esportes tão famosos. Compre suas entradas para ler esta partida acirrada e não esqueça de gritar “gol!” bem alto no seu comentário!

Por Débora Jacintho

Quando um Wood, soluçante, passou a taça a Harry e este a ergueu no ar, o garoto sentiu que seria capaz de produzir o melhor Patrono do mundo. (“Prisioneiro de Azkaban”, pág. 253)

O quadribol é o esporte mais popular do mundo dos bruxos, e também, por que não dizer, bastante popular no mundo trouxa dos fãs de Harry Potter. J.K. Rowling realmente criou um mundo esportivo em seus livros. Quem, quando criança, não pegou uma vassoura de casa e saiu “voando” pelo quintal? E quem já se viu explicando as complicadas regras do quadribol para pessoas leigas? O quadribol também foi internalizado por nós, trouxas e fãs da obra de J.K. Rowling.

J.K. uma vez falou que os valores presentes na obra são reflexos dos valores do nosso mundo. Assim seria nos esportes. J.K. criou uma sociedade contemporânea, e as sociedades contemporâneas têm o seu “lado esportivo”. O nosso mundo trouxa é fascinado pelo futebol, e o mundo realmente para durante eventos esportivos grandes, e o exemplo mais claro é a Copa do Mundo. Neste ano tivemos o mais importante evento da FIFA, e as pessoas desde bem antes já começaram a comentar. O mês de junho foi (como em outras Copas) um mês atípico, em que as pessoas de diversos países e culturas diferentes respiraram um só ar, e falaram uma mesma língua: o futebol.

Podemos perceber algumas semelhanças entre a trajetória do quadribol, criada por J.K., com a trajetória do futebol, que é considerado o esporte mais popular do mundo dos trouxas (Dino Thomas que o diga…).

J.K. realmente cria uma complexa história do quadribol, descrita no livro “Quadribol Através dos Séculos”. Neste livro, a autora mostra que a prática do quadribol foi evoluindo através dos séculos, desde os primeiros relatos feitos por Trude Keddle (datados de meados do século XI). Na Idade Média, vários esportes envolvendo vassouras eram praticados, alguns perdurando até hoje, como a Corrida Anual de Vassouras (Annual Broom Race), e outros extintos ou proibidos, como o “Rachacrânio” (Creaothceann – foi proibido em 1762 devido ao grande número de acidentes e mortes). Mas nenhum deles ganhou a complexidade e a popularidade adquiridas pelo quadribol. As regras foram se modificando e se adaptando conforme os anos passavam, e pode-se dizer que hoje o esporte é bem diferente daquele “jogo do Beco” observado por Keddle. Ganhou caráter oficial e atualmente conta com diversos clubes e seleções profissionais.

Sobre o futebol, é difícil afirmar com precisão sobre suas origens, mas historiadores apontam a presença de esportes parecidos em algumas civilizações antigas. Assim como no quadribol, o futebol também foi evoluindo através dos anos. No século XIX, na Inglaterra, o esporte começou a ganhar regras mais definidas, marcando assim o início do “futebol moderno”. Times foram surgindo a partir de então, e também competições oficiais e organizações especializadas. Temos campeonatos nacionais e internacionais de clubes, e também campeonatos inter-seleções (a Copa do Mundo da FIFA é o exemplo de mais destaque).

No mundo dos bruxos, cada país tem um departamento do Ministério dedicado aos esportes bruxos, e há também uma Confederação Internacional de Quadribol. Temos também a Copa do Mundo de Quadribol, igualmente acontecendo de quatro em quatro anos, cada vez em um país diferente. A primeira Copa aconteceu em 1473, e no “Cálice de Fogo” pudemos conferir a final da Copa de 1994, sediada na Grã-Bretanha.

Emoção de um estádio lotado
As “pequenas” partidas de quadribol de Hogwarts já fazem com que toda a escola lote o campo de quadribol nos sábados de manhã… Na Copa Mundial, bruxos e bruxas de todas as nacionalidades pegam chaves de portal para estarem presentes nos jogos (principalmente na final do campeonato). O futebol, assim como o quadribol, é um esporte de massas. Quem imagina uma partida de Corinthians x Palmeiras, Internacional x Grêmio, Flamengo x Botafogo com o estádio vazio? Ou um Brasil x Argentina? A paixão pelo esporte faz com que diferentes pessoas se reúnam no mesmo lugar para gritar “GOL!”, assim como diferentes pessoas se reúnam para vibrar com uma “Finta de Wronski” ou com uma bela marcação do artilheiro do seu time.

Enfim, é indescritível a emoção que tanto o futebol quanto o quadribol provocam em seus torcedores. No futebol, há um envolvimento muito grande por parte das pessoas que acompanham seus times, vibrando com as vitórias, e sofrendo com as derrotas. Cada início de temporada é um novo começo, e cada jogo, uma batalha. No quadribol, J.K. criou um sentimento pelo esporte que faz com que o leitor também se emocione, junto com os personagens, a cada partida descrita. A conquista de um jogo nos dá energia e motivação, e a ilustração mais clara é o sentimento que Harry exprime ao vencer a final do campeonato (em “O Prisioneiro de Azkaban”): felicidade extrema, que faria com que ele produzisse o melhor patrono do mundo.

Débora Jacintho marcou um gol belíssimo com seu texto.