As Relíquias da Morte

Comic-Con: Tom Felton fala sobre RdM, Draco e mais

O Snitch Seeker liberou o áudio completo de entrevistas feitas com Tom Felton, o Draco Malfoy dos filmes Harry Potter, no qual o mesmo fala sobre sua trajetória em HP, a emoção de estar na pele do Malfoy pela última vez em RdM, dentre outros. A entrevista foi feita durante o Comic-Con de San Diego.

Sobre o esforço da equipe em fazer um bom filme, Tom relata:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Todo mundo, dos atores à equipe, todo mundo queria mesmo colocar tudo de si nesse filme. Eles queriam que essa fosse a sua obra de arte, pode-se dizer assim, e isso não é só para os produtores e o diretor, mas também para o elenco. Os dublês que estiveram por lá durante oito anos, eles todos queriam dar o máximo de si.”

E se os fãs ficarão felizes com o resultado final, ele diz:

“Sim, certamente. Uma das vantagens, e a maior coisa com a qual estamos ansiosos, é que nós não íamos tentar juntar todas as coisas legais em apenas um filme. A não ser que quisessem que fosse um filme de seis horas, isso não iria acontecer. Então, até onde eu sei, até onde filmamos, ficou completamente fiel às páginas, o que nos deixou bem felizes. Eu tenho certeza de que os fãs ficarão felizes também.”

Confira a tradução na íntegra da entrevista em notícia completa. Continue no Ish para mais novidades!

TOM FELTON
San Diego Comic-Con, Felton fala sobre Rdm e mais.

25 de julho de 2010
Tradução: Eduardo Paiva e Letícia Vitória

Então essa é sua primeira experiência na Comic-Com, e há umas 7 mil pessoas aqui.

Tom: Eu ainda estou entendendo tudo. Eu estou meio sem palavras no momento. Vocês não fazem as coisas medindo pela metade, geralmente falando. Temos algumas coisas parecidas no Reino Unido, mas nenhum pouco perto dessa escala. Alguém me disse que tudo começou uns quatro anos atrás com 60 pessoas, e agora tem tipo, 120 mil. Incrível. É ótimo ter tanto apoio aos fãs mais fanáticos e verdadeiros. Pessoas que são realmente apaixonadas por filmes e quadrinhos e todas as outras coisas divertidas. É muito legal.

Aquela foi a primeira vez que você viu os clipes do Relíquias da Morte?

Tom: Oh, eles conseguem fazer bem aqueles trailers, não é? Você realmente sente algo por dentro. Foi muito legal ver e muito emocionante também. Especialmente sendo que é o último trailer. É uma daquelas coisas que facilmente trazem uma lágrima. Eu gostei. Eu achei brilhante.

Porque é o fim agora, existem grandes expectativas. Você pode falar sobre isso? É tipo a última chance de vocês.

Tom: Todo mundo, dos atores à equipe, todo mundo queria mesmo colocar tudo de si nesse filme. Eles queriam que essa fosse a sua obra de arte, pode-se dizer assim, e isso não é só para os produtores e o diretor, mas também para o elenco. Os dublês que estiveram por lá durante oito anos, eles todos queriam dar o máximo de si.

Foi uma verdadeira oportunidade para que as pessoas fossem à um nível superior porque tinham tantas batalhas e profundidade sabe, uma parte forte da história. Realmente deu para todo mundo uma grande chance de mostrar o que são capazes mesmo, um pouco. Estamos todos muito ansiosos e todos temos certeza de que será o melhor de todos.

O quão parecido é do que você lembra de ter filmado e o que você acabou de ver na tela?

Tom: Eles têm uma habilidade incrível de fazer com que até as ações de um minuto pareçam incrivelmente elaboradas. É meio estranho quando você olha para trás e pensa: “Eu não me lembro de ter feito isso ou aquilo.” Mas, sim, eles têm uma grande habilidade para fazer isso. É bem emocionante. Eles fazem muito bem esses trailers, cara. O que eu posso dizer? É um trailer muito bom.

Você e o Dan Radcliffe falaram sobre fazer algum outro projeto juntos?

Tom: Nós brincamos e falamos que no nosso próximo trabalho, ele será o vilão e eu serei o bonzinho. A não ser que de alguma forma isso se apresente, eu realmente não sei. Mas nós nos divertimos muito nos últimos anos, então, dedos cruzados.

Novos atores foram contratados para o Relíquias da Morte. Com quem você conseguiu trabalhar e como foi?

Tom: Essa foi a primeira vez que eu pude trabalhar com alguns dos adultos. Eu nunca tinha trabalhado com o Ralph, que faz o Voldemort. Para uma das cenas da Mansão Malfoy nós tínhamos todos os personagens do lado escuro em uma única sala. Foi meio assustador. Novos artistas… estou tentando pensar em um nome que apareça na minha cabeça.

Você trabalhou com a Emma Watson na cena em que a Bellatrix tortura Hermione?

Tom: Sim, foi brutal. Na verdade, foi o mesmo com o Dan no final, quando ele tem o seu fim, ou seu suposto fim. É muito difícil não ver a realidade. Eles são atores muito bons e eles realmente vendem aquilo. Sim, quando eles ligavam o botão, você ficava de olho para ter certeza de que nada estava acontecendo – crédito para suas performances. Vai realmente fazer as platéias fazerem caretas em seus assentos.

O Draco tem um curva interessante na história. Ele não entrega Harry imediatamente.

Tom: Eu acredito que muito tenha sido deixado para nossa interpretação, na verdade, de como queremos perceber tudo aquilo. Nunca explicam as ações de Draco – porque e como ele está fazendo aquilo. Foi muito legal fazer aquilo. David Yates teve uma idéia muito inteligente, mas mesmo assim ele filmou umas versões diferentes para ver depois qual ele preferia. Eu acho que basicamente eles foram pela linha de que ele queria ajudar, ele não sabe que quer ajudar, ele só tem a vontade de tentar fazer alguma coisa.

Obviamente as influências de seus pais não poderiam ser piores, especialmente na Mansão Malfoy. O risco que ele está tomando por não entregar Harry é muito grande. Eles meio que salvam a vida um do outro algumas vezes. Não tem um abraço entre Harry e Draco no fim, mas tem uma troca de olhares legal na plataforma 9 e ¾ no final quando eles estão mais velhos. Tem um momento muito bonito onde nós meio que dizemos… dizemos o que não foi dito, com um olhar. Foi um momento muito legal.

Qual foi a última coisa que você filmou?

Tom: Foi isso. Foi essa cena com todo mundo junto. Eu fiz outra cena com a segunda unidade sozinho umas semanas depois, mas nos últimos dias de filmagens, de fotografia principal, foi a cena na Estação de Kings’ Cross quando temos 36 anos ou algo assim.

Você acha que os fãs ficarão felizes com como você atuou? Foi fiel ao livro?

Tom: Sim, certamente. Uma das vantagens, e a maior coisa com a qual estamos ansiosos, é que nós não íamos tentar juntar todas as coisas legais em apenas um filme. A não ser que quisessem que fosse um filme de seis horas, isso não iria acontecer. Então, até onde eu sei, até onde filmamos, ficou completamente fiel às páginas, o que nos deixou bem felizes. Eu tenho certeza de que os fãs ficarão felizes também.

O que você achou da sua aparência no epílogo?

Tom: Não achei bom. Os anos não foram legais comigo. Uma das melhores coisas no fim do dia era tirar tudo e ver que ‘’Sim! Estou jovem de novo!”

A Jade ficou ótima como sua esposa.

Tom: Sim, Deus te abençoe. Foi legal. Fomos uma pequena família por um dia. Tivemos o meu filho. Foi um pouco estranho, um pouco fora deste mundo. Eu só fingi que eu era o Jason Isaacs por um dia e peguei o papel de pai dele. Foi divertido. A imagem é que doeu um pouquinho.

Eles tiraram um retrato familiar?

Tom: Sim. O fotógrafo do set, eu tenho quase certeza de que ele tiraria. Tenho que conseguir uma daquelas. Se eles queriam que parecesse que, se passaram 19 anos, nós queremos realmente poder ver o quão realista ficou. Eu espero que os anos me deixem melhor do que aquilo, mas vamos ver.

Foi difícil atuar como um Draco mais velho oposto ao jovem?

Tom: É divertido, nós na verdade tivemos um treinamento – treinamento de envelhecimento – porque aparentemente pessoas de 35 anos andam de um jeito diferente. Bem, eu realmente não enxergo isso. A vida foi sugada deles. Tudo é pesado. Pra mim, foi realmente assistir… Eu conheço o Jason Isaacs muito bem, e a presença de pai dele é meio pavão, com o peito pra cima, bem orgulhoso de seu filho, e sendo um Malfoy, eu acho, o que é meio de segunda natureza para mim. Não foi nada fora do normal.

Em que tipo de filme você gostaria de trabalhar com o Dan de novo?

Tom: Algo tipo Brokeback Mountain onde eu e ele… estou brincando. Não faço idéia. Não pensamos sobre isso. Poderíamos fazer um filme sobre críquete. Somos muito fã de críquete – esse poderia ser um. É, eu não tenho certeza, realmente. Apenas algo onde não nos odiássemos, seria legal.

Você teve recentemente um jogo de críquete com Sonserina contra a Grifinória – e a Sonserina ganhou!

Tom: Obrigado, eu fico feliz que você falou disso. Nós não ganhamos na verdade, nós acabamos com eles. Para aqueles de vocês que não sabem disso, nós fazemos um jogo de críquete Sonserina x Grifinória todo ano, e no ano passado meu time perdeu. O Dan leva muito a sério – muito, muito a sério. Então esse ano eu pensei, “Eu vou me vingar dele.” E nós literalmente acabamos com o time dele. Então sim, eu estou muito feliz com isso. Até o ano que vem.

Qual foi a sua cena favorita que você filmou para o Relíquias da Morte?

Tom: A da Plataforma 9 e ¾, estávamos muito ansiosos para aquela, obviamente. Porque a) era a nossa última cena e b) nós estaríamos com uma aparência bem, bem diferente. Mas, provavelmente as cenas da Mansão Malfoy, na verdade, assim como as da Sala Precisa. Nós fizemos umas coisas legais colocando fogo naquele lugar e correndo por lá. Foi muito, muito legal.

Qual foi a sua cena favorita de todos os filmes?

Tom: Sim, provavelmente essas últimas. A da Mansão Malfoy foi ótima porque eu era o único jovem na sala. Eu estava realmente na profundidade de minha maldade assim como no meu melhor de atuação. Muitos dos meus heróis estão naquela sala, então eu estava realmente honrado e feliz por estar ali. Foi ótimo.

Você faria algo parecido com a peça Equus no teatro?

Tom: Sim, claro. Não é algo para o qual eu diria não. Você quer dizer mostrar a minha varinha ou quer dizer só subir em um palco?

Subir em um palco.

Tom: Sim, e muito feliz. Isso era o que eu fazia antes de trabalhar em filmes, então sim, eu adoraria voltar. West End sempre foi um sonho meu, então, um dia.

Foi o aniversário do Dan Radcliffe ontem, você fez alguma coisa para ele?

Tom: Eu acho que ele está fora do país, mas nós fizemos um vídeo para ele. Sua querida namorada juntou umas gravações e fez um vídeo de – melhor, sua amiga – comentários, de seus amigos, aquelas coisas divertidas. Então sim, acho que ele ficou feliz.

Você tem feito muita coisa ultimamente, falando dos filmes e do parque e tudo mais. Você ficou associado com os filmes como o rosto para Harry Potter. Como é isso para você?

Tom: Isso aqui [Comic Con] foi jogado para mim, eu te digo. Me falaram que todos os produtores estariam aqui. XY e Z vão encontrar com você lá. Foi meio que de última hora, “É, você vai sozinho. Vá e se divirta. Represente. Segure a bandeira.”

Quero dizer que estou realmente honrado de ser o cara que faz isso, especialmente agora que estamos no final, eu me considero muito privilegiado de ter a oportunidade de mostrar as filmagens. Mas também eu acredito que devo agradecer as pessoas que nos manteram continuando nos últimos dez anos, e essas pessoas aqui resumem aquele pessoal. Então é ótimo saber que agora nós temos a oportunidade de agradecer.

Nós perguntamos no twitter do Snitch Seeker se alguém tinha alguma pergunta para você.

Tom: Ah Cristo, o que você tem aí? (ri)

Warwick Davis mandou uma.

Tom: Warwick Davis? Brilhante. Certo, vamos lá, por ele.

Você prefere biscuits McVities de chocolate ou de leite?

Tom: Nós tivemos essa discussão, sim. No livro dele, ele é um grande fã de… vocês não têm digestivos de chocolate? É tipo uma sobremesa baseada em biscoitos – chocolate de um lado. Espera aí, biscuit significa uma coisa completamente diferente aqui, né? Algo como um bolinho? Não é isso. Pensem em algo como um biscoito com chocolate (= cookies). Mas, prefiro de chocolate, sem nem pensar. Ele é um grande fã, eu não soube até recentemente. Nós dois somos fãs dos biscuits McVities. Façam com que ele saiba disso.

O que você acha que o Draco pensaria do parque temático e quais passeios, se algum, ele faria?

Tom: Bom, ele é do tipo bem infeliz, então provavelmente ele não iria em nada. Mas, é muito difícil não ficar ansioso para ir naquele lugar. Quero dizer, eu amo parques temáticos então eu estava no meu lugar. Ele provavelmente iria onde tem os Dragões, eu acho. Você já foi lá ou viu algo? É incrível. Eles fizeram um trabalho incrível com os passeios e as lojas e todas aquelas coisas. Então sim, eu acho que ele acabaria cedendo um sorriso.

Qual foi a cena mais difícil de filmar no Relíquias da Morte?

Tom: Tem muito trabalho físico na Sala Precisa. Quando eles começaram a queimar o lugar, ficou muito, muito quente, e nós estávamos subindo em umas montanhas de cadeiras e mesas e caixas. Então isso demandou muita força física. Eu nunca estive com tanto medo em toda a minha vida. Mas vai ficar bem legal.

Se a J.K Rowling escrevesse outro livro sobre Harry Potter, o que você gostaria de ver acontecer com o seu personagem?

Tom: Ele mudaria, bastante. Ir para a Grifinória e ficar lá. Estou brincando, estou brincando. Não faço idéia. Talvez o Draco se separaria da família e começar a sua. Não tenho certeza. Eu não pensei sobre isso. Boa idéia, na verdade. Eu talvez comece a escrever agora.

Que pós-produção do filme você mais espera ver? Sets, música, CGI? O que você está ansioso para ver?

Tom: Bem, o CGI é obviamente uma incrível parte de tudo isso. Todo ano fica melhor e nós temos uma equipe incrível. A Warnes Bros tem um time incrível de pessoas que ficam lá no dia, e obviamente, ficam meses e meses depois garantindo que tudo fique fantástico. Então sim, isso sempre é algo que eu espero ver.

A trilha, a música, eles sempre acertam em cheio. Você se arrepia todo, mesmo quando eles começam com os jingles de xilofone. Sim, isso também é legal. Acho que tudo como um pacote, na verdade. Porque filmamos tudo como um grande filme. Não teve uma brecha no meio, então estou intrigado em ver como os filmes vão ficar como duas unidades separadas. Isso vai ser muito legal, também.

O que você acha de 3-D, especialmente em relação a Harry Potter? Você acha que funciona para Harry Potter?

Tom: Bem, me falaram seis meses atrás que eles iriam fazer isso, eles iriam fazer o filme em 3-D. O que é uma nova tecnologia, eu acho. Antes, eles tinham que filmar em 3-D para fazer isso. Então, sim, estou bem ansioso também para ver isso. Eu sou um daquelas fãs de Avatar que acabaram indo ver o filme 4 ou cinco vezes. Eu amei. Primeiro, para mim, o efeito do 3-D foi um pouco inútil, muito efeitinho, fora a sutileza de realmente criar um novo tipo de definição.

Como o super HD, ou seja lá o que eles chamam aquilo, como no Avatar onde as coisas não estão pulando na sua cara, é só sutilmente colocado em camadas. Então, sim, estou ansioso para ver isso. Eu nunca me vi em 3-D então isso será bem legal.

Nós ouvimos que você teria um acordo para gravar…

Tom: Sim, mas não é bem verdade. Six Strings é uma companhia com a qual eu tenho conversado, mas eu realmente não tenho planos para lançar um novo álbum ou algo parecido. Uma das coisas que nós dissemos foi que teríamos um acordo para ir ao estúdio e gravar algumas das músicas que nós já escrevemos para escutarmos depois como ficam. Então, é possível que depois desse ano eu possa resgatar uma faixa e enviar para que vocês possam escutá-la.

Toda essa história de gravar um novo álbum nunca aconteceu. É um pouco fora de proporção. Six Strings é uma companhia na qual eu tenho trabalhado. É um grupo de caras muito legais. Os altos e baixos disso é que são um grupo que disseram: “Nós não iremos colocar vocês dentro de nada, não iremos gravar um álbum com vocês. Nós só gostamos de música e vamos nos reunir para fazer alguns arranjos e, agora, com a oportunidade de gravar com seus amigos.”.

Eu tenho quatro amigos que conheço há muito tempo. Eles estão muito animados para gravar algo assim. Eu mesmo estou. Igualmente, eu não pretendo fazer disto uma carreira. Funcionaria como uma segunda alternativa que insinuei que queria fazer alguma coisa além da carreira popular. Definitivamente não é o caso. Continua sendo algo que eu faço para me divertir. Se eu tiver a chance de gravar algumas das minhas próprias músicas farei isso muito alegremente.

Você tentou levar alguma coisa do set, depois de tudo que foi dito e feito? Você guardou algo como lembrança?

Tom:Não, nada. Nós tínhamos muitas coisas. Eu não peguei nada, era tudo muito monitorado. Eu tenho uma gravata, da Sonserina, para relembrar o dia em que ganhei. Eles não queriam que eu levasse uma Nimbus. Não queriam me dar. Eles foram bastante grosseiros, para ser justo. Eu pedi. Pedi por minha varinha, minha capa, mas não deram. Para que houvesse justiça, comprei a minha varinha em Orlando. E tudo o mais. Foi legal. Então tenho tudo guardado em casa.

Você pegou a varinha de Draco Malfoy?

Tom: Sim, eu peguei tudo! Ele, obviamente, estava despreparado, o cara, mas sim. Ele me deu a varinha do Harry e disse que não estava muito certo, depois me deu a de Gina e também não. Depois me deu verdadeiramente a minha. Foi divertido.

E quanto a Grace and Danger e In Between the Waves? Ainda planeja fazer estes projetos?

Tom: Definitivamente não. In Between the Waves, 100% que não. Não tenho nada positive para dizer pelo projeto ou pelas pessoas envolvidas nele. É tudo que posso dizer sobre isso, para ser justo.

Existem muitos bons projetos. Gravei um filme chamado The Apparition seis meses atrás com Todd Lincon que está em algum lugar bem maldoso. Vou tentar achá-lo depois. Estou animado com isso. Também é com Ashley Green e Sebastian Stan. E acabei de ter minha primeira gravação na última noite para Caesar Rise of the Alpes, com James Franco e Frieda Pinto. Estou ansioso.

Seu personagem é um macaco ou um homem?

Tom: Não quero revelar muito. Sim, eu posso revelar. Não, não vou ser um macaco, mas estou muito, muito animado com isso.

Está sendo filmado no Canadá?

Tom: Sim, está. A maior parte, eu acho.

E, agora com LEGO Harry Potter. Como é ver você próprio como um lego?

Tom: Muito legal. Existem muitas coisas que eu curti como criança nessa viagem. As peças de LEGO é uma delas, sua própria figura, o parque temático, vídeo-games, pequenas coisas assim, como uma criança, você nunca pode imaginar como é. Eu e meus amigos nos divertimos bastante jogando um contra o outro, como Harry e Draco. Na verdade, eu não sou bom. Eu passei por algo horrível na EA Games, aonde fazem os jogos. Freddie Stoma, que atua como Cormaco, chutou meu traseiro quatro vezes. Foi vergonhoso. Eu não deveria ter dito isso para você. Vou me vingar qualquer dia.

Se você pudesse reviver um momento desses dez últimos anos no set, qual você escolheria?

Tom: Você não sabe qual é e como é a sensação. Eu não sei. Não foi profundo o que fizemos. Quero dizer, estamos muito orgulhosos pelo que fizemos. Muito tristes por ver que está acabando. As memórias estão distantes. É difícil escolher um momento de nossas vidas nestes dez últimos anos. Jamais esquecerei a equipe, trabalhar com Chris Columbus muito cedo. Foi muito divertido. Ele é um grande homem o qual eu tenho muito o que agradecer por ter me colocado nesses filmes, jamais esquecerei isso.

Houve algo nesses dois últimos filmes que foi bastante desafiador?

Tom: Bem, fisicamente como mencionei, você sabe, não estou bem em forma. Não corro maratonas ou nada parecido, então fico bastante exausto quando corro muito. Esse tipo de coisa. Como um ator inteligente, essas coisas ficam entre mim e Daniel. Existe um pouco na Mansão Malfoy, nós ficamos cara a cara. Nós estávamos caímos. E ficava um ponto: “Vocês vão se beijar?”, foi muito engraçado, sinceramente. Esse é o único problema que temos, foi divertido.

Qual foi a coisa mais engraçada que aconteceu nos sets de Relíquias da Morte?

Tom: É outra coisa que, para chegar a resposta, é muito, muito complicado. Acho que foi com Alan Rickman em pé com sua capa. Acho que foi o filme antes desse. Não tenho certeza, está um pouco borrado agora, Ele estava com aquela longa capa e foi bem claro: “Não pise na minha capa!” e, naturalmente, o diretor foi pedindo para ficar mais perto, e mais perto. Então eu andava e ficava olhando para baixo, prestando atenção e… Sorte que ele estava com relativo bom humor naquele dia.

A premiere de 13 Hours acontece próximo mês. Você estará lá?

Tom: Infelizmente, não. Já tem planos para estar em algum lugar nesta data.

Durante a batalha final, que emoções você tentou retratar em Draco?

Tom: Foi excelente. Foi uma mistura. Sou o único personagem que vai e volta. Ele quer ser do lado bom, mas realmente pertence ao mal. Há um bom momento no final num estilo ocidental de disputa entre bem e mal, e eu sobrepus o bem sobre o mal. Existe um sentimento de vergonha em sua cabeça. É um momento ruim para ele. Uma verdadeira mistura, eu acho. Está chateado por não poder fazer mais nada, envergonhado de seu pai. Foi bom.