As Relíquias da Morte

Rupert Grint fala sobre RdM, Wild Target e Cherrybomb

O ator Rupert Grint foi recentemente entrevista pela NO., uma revista da Nova Zelândia, acerca de seus trabalhos últimos no ramo cinematográfico, como Harry Potter e as Relíquias da Morte, Cherry Bomb e Wild Target.

“É um pensamento estranho que depois desse, nós vamos ter terminado a série. Eu realmente nunca pensei que terminaria, porque tem sido grande parte da minha vida há tanto tempo. Vai ser como sair da escola e se formar.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A tradução parcial entrevista poder ser conferida em notícia completa. Além disso, algumas fotos novas do ator, que foram publicadas na mesma revista, podem ser conferidas em nossa galeria através deste link.

A tradução completa da matéria será disponibilizada em breve.

RUPERT GRINT
Rupert Grint fala sobre Relíquias da Morte, Wild Target e Cherrybomb

No. Magazine
11 de março de 2010
Tradução: Daniel Mählmann

Seriedade no trabalho

“Quero dizer, nunca me ocorreu que era um trabalho quando comecei. Era apenas algo divertido que eu estava fazendo no momento. Mas suponho que foi alguns filmes depois, lá pelo terceiro ou quarto, quando o processo se tornou claro e pareceu que a brincadeira tinha acabado, que aquilo realmente era um trabalho pesado. Acho que foi então que eu realmente soube que queria continuar fazendo isso, eu amei, tava tendo momentos tão maravilhosos.”

Trio

“Nós somos muito diferentes e todos temos nossas agendas do que queremos fazer, mas temos tido bastante contato um com o outro. Tem sido um longo tempo e é um processo completamente íntimo, filmar juntos por muito tempo, porque você vê uns aos outros durante o dia todo todos os dias, então você cria vínculos estreitos. Nós definitivamente vamos manter contato quando tudo acabar, mas realmente não nos vemos fora das filmagens.”

Fim de HP

“É um pensamento estranho que depois desse, nós vamos ter terminado a série. Eu realmente nunca pensei que terminaria, porque tem sido grande parte da minha vida há tanto tempo. Vai ser como sair da escola e se formar. Mas estou feliz por ter tido um gostinho de como é estar em filmes de verdade, porque acho que nunca mais estarei em outro filme como Harry Potter. É simplesmente único. Eu tive muita sorte. É bastante assustador pensar o que eu teria feito com a minha vida até agora se não tivesse enviado minha inscrição.”

Sobre fazer Cherrybomb logo depois de EdP

“Não foi realmente consciente, na verdade. Simplesmente aconteceu. O roteiro surgiu quando nós tínhamos acabado de terminar o sexto filme e ele apenas se encaixou nesse espaço. Foi muito diferente também, uma espécie de papel bastante adulto. Então, sim, ele funcionou bem. Mas foi legal interpretar um personagem com um pouco mais de profundidade, que era um pouco mais real.”
“Foi bastante assustador, na verdade. Mas conforme os filmes de Harry Potter eram feitos, havia mais coisas neles e o meu personagem tinha mais desenvolvimento. Mas, até recentemente, era apenas eu interpretando esse cara assustado, com as estranhas falas leves. Eu nunca cheguei a me esforçar, então fiquei bastante preocupado em fazer Cherrybomb, porque há muita coisa acontecendo com esse personagem, foi um verdadeiro desafio. O sotaque também, porque é um sotaque da Irlanda do Norte, então foi bastante preocupante… especialmente porque a equipe toda era de Belfast.”