As Relíquias da Morte ︎◆ Filmes e peças ︎◆ Parte 2

Matthew filmará Batalha de Hogwarts na próxima semana!

Hoje foi realizada uma conferência de imprensa sobre a inauguração da exposição de Harry Potter em Boston no dia 25 de outubro, à qual o ator Matthew Lewis, que interpreta o Neville Longbottom na série, esteve presente e concedeu entrevistas aos jornalistas.Segundo o TLC, o jovem revelou que vai começar a filmar suas cenas na Batalha de Hogwarts para Relíquias da Morte já na próxima semana, e declarou que não precisará mais usar enchimentos para interpretar Neville porque ele terá uma aparência mais magra nessa película, tendo em vista que a personagem perdeu um pouco de peso devido às condições da guerra.

Eu tenho o roteiro – o quarto rascunho – da Parte 2 e não tenho ideia de como vamos filmá-lo. A escala dele é enorme. Temos algumas cenas incríveis para gravar. Eu começo na próxima semana. Neville é um líder sangrento e maltratado da resistência – um veterano endurecido pela batalha. É meio que extremamente empoltante.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já o Snitch Seeker reportou que o ator esteve presente no set na semana passada para alguns testes de efeitos especiais, mas não estará de volta oficialmente para as filmagens da Parte 2 até a próxima semana. Matthew também contou que ainda não conheceu ninguém do novo elenco, e acredita que as filmagens terminem entre maio e junho de 2010.

Graças ao TLC, vocês podem ouvir o áudio (em inglês) da entrevista com Lewis clicando aqui, e nesse link a entrevista conduzida com a equipe da exposição. Continuem ligados, pois em breve nós estaremos trazendo a transcrição traduzida e mais informações a vocês!

Atualizado: Acrescentamos no final de notícia completa a tradução de um relato sobre a exposição publicado pelo TLC!

HARRY POTTER: A EXPOSIÇÃO
Entrevista com Matthew Lewis na conferência de imprensa

Snitch Seeker e MuggleNet
22 de outubro de 2009
Tradução: Daniel Mählmann

Alguns detalhes interessantes:

● Foram necessários 16 caminhões articulados para levar a exposição de Chicago a Boston.

● O museu de Boston montou os displays em tempo recorde – três semanas ao invés das habituais cinco semanas – a fim de montar a exposição em tempo para o Halloween.

● Os produtores dos filmes têm visto elementos e planos para a exposição, mas isso ainda não foi visto em sua forma final.

● Daniel Radcliffe era alérgico ao seu primeiro par de óculos que teve que experimentar para Pedra Filosofal, por isso o material teve de ser alterado.

● Matthew Lewis disse que seu objeto favorito na exposição relacionado ao Neville eram as mandrágoras, e o não relacionado à personagem era a ambientação da Floresta Proibida coberta por névoa com os centauros e Voldemort.

● O material utilizado para as cortinas para as camas do dormitório masculino da Grifinória possui signos astrológicos, porque foi isso que o cenógrafo original tinha imaginado primeiramente.

● O livro de Defesa Contra as Artes das Trevas de Umbridge em Ordem da Fênix foi modelado depois dos livros infantis britânicos de 1930, 40 e 50.

Matthew expôs a sua opinião sobre a grandiosidade da exposição:

Fiquei espantado. Eu tinha ouvido falar sobre a exposição em Chicago, mas não tinha ideia sobre o tamanho e a escala. Foi incrível e ela é realmente completa e parecida com um labirinto. Você vira uma esquina e não sabe o que esperar. Levou-me de volta a Leavesden, quando eu tinha 11 anos e andei pelo Salão Principal ou a Câmara Secreta – me fez lembrar disso. Quando a porta abrir pela primeira vez no Expresso de Hogwarts aqui – as crianças vão amar! O que eu espero é que elas experienciem um pouco o que nós fazemos lá (no set).”

Ele disse que seus sapatos de dança na exposição o fizeram lembrar de uma cena que foi cortada das filmagens de Cálice de Fogo:

Eu não sei dançar. Eles me disseram que Neville é um bom dançarino. Minha parceira era a Bonnie, Gina Weasley, e nós aprendemos a valsa. O que não foi muito difícil, eu fui bem com a valsa. Você dá um passo para trás, para o lado, para trás, e para o lado. Isso é fácil, eu posso fazer isso. Então nós tivemos que aprender tango. Agora você vê os outros caras, como Dan e Rupert, eles se saíram bem porque foram informados que deveriam ser um lixo. Já se esperava parecer desconfortável. Com o Neville, entretanto, esperavam que ele parecesse o Fred Astaire. E então nós fizemos esse tango, e passamos meses nesse tango e, você sabe, eu tenho dois pés esquerdos. Foi totalmente embaraçoso e Bonnie provavelmente estava se encolhendo, mas ela era muito boa. E então nós nunca filmamos isso, nem mesmo fizemos isso. Nós nunca nem mesmo chegamos perto de filmá-lo. Por isso se lembram de mim com os sapatos de dança.

HARRY POTTER: A EXPOSIÇÃO
Relato da exposição

The Leaky Cauldron
22 de outubro de 2009
Tradução: Larissa e Matheus Lisboa

A razão mais importante para ver a exibição de Harry Potter viajando pelo país (atualmente em Boston) é esta: é a única oportunidade que muitas pessoas terão de enfocar o plano real para ver o detalhe minúsculo que foi entrelaçado na estrutura dos filmes de Harry Potter.

Ainda que as pessoas que viram os filmes nunca verão o pequeno número da matrícula nas últimas observações do Ministério da Magia, ou as assinaturas na camisa do Chudley Cannons de Rony Weasley (tudo escrito por ele, expresso em termos e dedicações típicos de um admirador de esportes – “Continue Apanhando!” – Lê-se em uma). Ninguém nunca verá a forma que as vestes de Voldemort parecem capturar o verde e o prata de uma vez só e quando move-se fluindo como líquido entre as duas, ou os 100.000 galeões de recompensa que o Profeta Diário ofereceu pela cabeça de Belatriz Lestrange.

Mais do que a atmosfera, que é artisticamente criada, mais do que o nevoeiro sobre a Floresta Proibida ou a impressionante aparência do Expresso de Hogwarts na plataforma – é ser possível chegar próximo e ver o que era tão minuciosamente, cuidadosamente criado para um filme que, propositadamente, ignora isso com o objetivo de uma maior coesão.

Leitores do Leaky lembrarão da descrição anterior da Exposição HP em Chicago – a mesma exposição foi transferida para Boston. A exposição foi construída para levar o visitante a partir de uma “entrada” para o mundo de Hogwarts, através dos salões comunais e salas de aula, e para fora através dos jardins do castelo, atentamente em torno dos limites da Floresta Proibida e dos armazéns de Artes das Trevas, e até ao brilho dourado do Salão Principal.

Guias de áudio expoem falas de cineastas e criadores, e muda ao serem apontados e revelam coisas (a varinha de Dumbledore foi escolhida a partir de seis variedades, propositadamente feitas para se destacar do resto; os tecidos usados nas vestes de Umbridge foram escolhidos para se oporem à personalidade da personagem) ligeiramente desconhecidas (as escolhas para a veste de Snape é apenas chamada de “perfeita” para ele sem nenhuma explicação, tudo que é dito sobre o Ovo Dourado de CdF é que as crianças devem descobrir como interagir com ele).

A exposição é sobre o complexo modo de usar da varinha de Snape, as diversas dobraduras do Mapa do Maroto, a cuidadosa colocação da vestimenta de Parvati com o conjunto de Adivinhação, o boato de que as vassouras são feitas com materiais de aeronaves, a manchete do Profeta Diário sobre o desaparecimento de Olivaras (“Onde compraremos nossas varinhas agora?”, os pôsteres de PROCURADO de Amico e Aleto Carrow. É sobre a forma do pergaminho de Fleur para o Cálice de Fogo, parece que foi desenhado por fadas, e os trajes de Victor, como se fosse feito do couro de um gnu que ele matou numa floresta búlgara naquela manhã. Essas são as coisas que nunca serão vistas em nenhum dos filmes, mas que foram criadas tão cuidadosamente, minuciosamente e carinhosamente, que quase imploraram por uma exposição para que finalmente pudessem ser mostradas ao público.