As Relíquias da Morte ︎◆ Filmes e peças ︎◆ O Enigma do Príncipe

Nova entrevista com Bonnie Wright para site americano

A atriz Bonnie Wright (Gina Weasley) ganhou muito destaque nesse último filme da série potteriana, Harry Potter e o Enigma do Príncipe, a estrear aqui nesta quarta, 15. É sobre esse destaque e outros que a atriz fala em mais uma entrevista sua em solo americano.
Fugindo um pouco dos padrões de apenas perguntar sobre como foi a experiência nesse novo filme, o site TeenHollywood fez uma entrevista a atriz onde Bonnie fala de sua amizade com Daniel e até um pouco sobre o que a motivou em ser Gina Weasley:

“Ele [meu irmão] leu os primeiros livros e gostava muito deles. Ele meio que disse como “Oh, você me faz lembrar muito da Gina” e eu disse “Ok”, sem saber realmente o que ele estava insinuando, porque nós tínhamos ouvido que estavam fazendo audições. Foi basicamente por conta disso que eu participei de uma delas. Eu sinceramente devo muito a ele.”

Além disso, a atriz também conta o que pretende seguir na universidade (que é Cinema) e também podemos conferir duas novas fotos retiradas na entrevista. Indo na extensão você confere a tradução completa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

ENTREVISTA BONNIE WRIGHT
TeenHollywood ~ Lynn Barker
13 de julho de 2009
Tradução: Ricardo Olissil e Sumaya Ghaffar

Desde sempre ela foi uma garotinha de cabelos castanhos, a bonita atriz Bonnie Wright, 18, interpreta a irmã mais nova de Rony Weasley nos filmes de Harry Potter, Gina Weasley. Desde cedo ela foi uma garota viva e bonita que estave nos bastidores para depois, como se fosse vítima de uma magia negra ou do olhar tímido de Harry, ela começou a desenvolver uma sombra de atrações que chamaram a dupla ao momento clímax de beijo no auge da sua juventude.

Agora no sexto filme potteriano, Harry Potter e o Enigma do Príncipe, Gina se tornou a campeã de tudo o que Harry pode dar a sua verdadeira companheira enquanto o casal nos provoca com um presságio de um amor arrebatador e amor para a vida toda que se tornarão nos dois filmes de “Relíquias da Morte”.

Encontramos com Bonnie dentro do famoso cartão-postão de Nova Iorque o Hotel Waldorf-Astoria. TeenHollywood teve o prazer de entender o tanto que a jovem atriz ficou feliz ao interpretar Gina, maquinando assim o desejo de um dia dirigir, escrever e produzir filmes. Depois de se desligar totalmente dos filmes de Harry Potter, Bonnie pretende estudar Cinema em Londres. Mas, hoje, olhando o tanto que ela cresceu e seu elegante cabelo ruivo, ela está sentada conosco para discutir o tão aguardado beijo, seu desenvolvimento íntimo com Radcliffe bem como as cenas românticas feitas com esse, suas advertências aos candidatos à pretendentes a ela e também seu irmão mais velho que, ao ler o primeiro livro de Harry Potter, disse a ela que ela o lembrava Gina.

TEENHOLLYWOOD (TH): Você tem um irmão mais velho. Seu relacionamento com ele é como o de Gina e Rony nos filmes?
BONNIE WRIGHT (BW): Sim, eu acho que é definitivamente maravilhoso ter conhecido esse tipo de relação na vida real. Eu pude pegar algumas coisas dessa nossa relação para o meu papel. Eu acho que, com um irmão mais velho, bem, não há todo um sentimento de proteção a sua volta. Eles te ajudam e deixam você fazer o que quiser , embora eles tenham uma espécie de proteção oculta. Obviamente a realação entre Gina e Rony é claramente essa. Ele é muito protetor com ela e, neste filme, vocês perceberão isso quando ele vê ela com (seu namorado) Dino Thomas no começo do filme.

TH: Você acha que seu irmão achou que você seria boa sendo Gina e por isso tentou fazer você se candidatar ao papel?
BW:
Isso é verdade. Ele leu os primeiros livros e gostava muito deles. Ele meio que disse como “Oh, você me faz lembrar muito da Gina” e eu disse “Ok”, sem saber realmente o que ele estava insinuando, porque nós tinhamos ouvido que estavam fazendo audições. Foi basicamente por conta disso que eu participei de uma delas. Eu sinceramente devo muito a ele.

TH: Estes filmes têm sido um grande pedaço de sua vida, você sente que perdeu alguma coisa fazendo os filmes ano após ano?
BW:
Eu acho que perdi toda a dinâmica da sala de aula de quando se aprende em uma junto a outros. Minha educação foi bastante individualizada, o que é interessante também, já que você receber mais informações em uma hora do que ocorreria em uma escola, onde eu poderia ser interrompida.

TH: Vocês todos foram escolarizados nos sets ao mesmo tempo?
BW:
Sim, quando éramos mais jovens todos fazíamos matérias semelhantes, havia mais de nós na classe. Mas, tal como se tornou mais específica no que estávamos fazendo, o estudo foi se tornando individualizado. Mas, para ser honesta, acho que ao olhar para trás, a partir de agora, vejo que definitivamente a minha infância foi enriquecida de forma singular do que geralmente acontece com as pessoas. Acho que ao trabalhar com todos no set havia todo um ar favorável e que muito me motivava em fazer aquilo que foi como uma inspiração. Suas éticas de trabalho é algo que foi apagada de todos nós.

TH: Quão feliz você ficou ao ver que Gina tem uma participação maior neste filme e nos que dois que ainda virão?
BW:
Eu realmente estava esprando por isso quando li o livro. É difícil porque você nunca sabe o que será adaptado no roteiro, então você não pode ficar animada antes. Mas eu lembro que quando li o roteiro eu acabei ficando realmente animada. Eu acho que quando o personagem aparece gradualmente ao longo de qualquer filme, e não apenas no início e no final, você pode trabalhar em prol dl desenvolvimento de seu personagem e isto foi algo que foi definitivamente mais emocionante para mim como uma atriz, por ser realmente capaz de pegar com unhas e dentes a parte que tinha mais substância. Sem contar que foi ótimo trabalhar com (o diretor) David Yates e Dan quando estávamos olhando para o relacionamento e como ele seria construído. Mesmo se você nao for capaz de explorar todas essas emoções quando estamos filmando, no minimo você faz esta fundação e parecia que havia mais por trás dos bastidores do personagem.

TH: Qual foi o primeiro indício que fez você descobrir que Harry e Gina estariam formando um casal?
BW:
Quando eu li o livro. Pessoas ficavam me dizendo “Oh, você leu a página 400-alguma coisa?” “Não! Não me diga!”

TH: Então, conte-nos mais sobre o encontro entre você e Dan antes das filmagens das cenas do beijo.
BW:
A maioria das coisas foi a gente conversando com David Yates sobre a forma de fazer um relacionamento sutíl crescer. Se acabar por acontecer tudo de repente, não iria dá muita longevidade a ideia de que, no final, eles acabam juntos. Acho que Dan e eu vimos como eles foram atraídos um pelo outro e isso se torna, não um choque para eles, mas eles percebem isso um no outro

TH: Ela parecia sempre dando investidas em Harry mas ele não parecia retribuir isso.
BW:
O personagem de Harry nunca teve sentimentos por ela e ela já tinha tido aqueles sentimento mas meio que tinha os esquecido, e então Harry começa a perceber algo que ele acha que não foi nele. Acho que era nisso que estávamos focando. Contudo, estes momentos de tensão que cresce entre eles são sempre separados por uma coisa que está acontecendo ou por alguma interrupção de Rony.

TH: Ou por ele mesmo se esquivar de você.
BW:
(risos) Sim.

TH: O que um garoto nunca deve fazer se ele não quer deixá-la irritada?
BW:
Oh! Eu não gosto de caras que amam demais a si mesmos. Isso não é nada modesto. Tem que haver um sentimento igual. Então eu acho que nós começamos meio que reconhecendo pelo que nós fazemos, eu acho que quando as pessoas tratam você de forma diferente, nesse sentido, não está certo. Ou eles agem de maneira diferente. Sejam vocês mesmo.

TH: Vamos para o beijo de Harry/Gina. Foi estranho no set ficar próximo daquele jeito com tantas pessoas e membros do elenco olhando?
BW:
Foi estranho. Eles fizeram disso uma coisa mais fechada, mas ainda tiveram muitas pessoas envolvidas e esse é o mais estranho, não só por conhecer Dan por tanto tempo, mas todo o elenco também, então é aquela coisa de “Oh, eles vão fazer AQUELA cena hoje”. Eles sabem que é difícil, mas eu acho que eles também estavam muito assustados para zombarem de nós sobre isso.

TH: Então qual é o seu segredo para não deixar isso tudo te incomodar?
BW:
Você esquece de todo mundo em volta de você. Você tem que esquecer. Especialmente nessa cena quando Gina e Harry ficam juntos. Há apenas os dois nessa sala é é quase um momento íntimo, e há esse elemento de segredo, então você tem que esquecer todo mundo que está ali e fazer disso um momento mágico entre eles. Você faz essa bolha apenas para vocês dois.

TH: O quanto você é pessoalmente parecida com a Gina ou diferente?
BW:
A Gina vem dessa família colossal, realmente grande. Eu só tenho um irmão e ele tem o quê? Seis anos. Ter um irmão é uma boa conexão que eu posso usar da vida real e apenas ser uma garota crescendo na escola e passando pelas coisas que adolescentes passam, você consegue desenhar paralelas. Eu não acho que a Gina é necessáriamente sem medo, mas ela está lá para o Harry e há momentos em que os Comensais da Morte atacam a Toca e ela está correndo no meio do foge, através de tudo na ordem de salvá-lo e esse tipo de falta de medo e bravura é provavelmente algo que eu admiro nela. Espero ser assim.

TH: Há a graça e a comédia do uso de poções de amor no filme. Se você realmente gostasse de um garoto, você usaria uma poção do amor nele se isso fosse possível e você soubesse que iria funcionar?
BW:
Deus, Claro! – risos – Bem, você poderia… mas isso desapareceria ou teria um tempo de vida? Ah, eu poderia. É um pouco de trapaça, mas eu não vejo por que não usar. Daria uma chance.

TH: Como você acha que as garotas devem lidar com o primeiro amor?
BW:
Depende se os sentimentos são divididos. É bem difícil, acho que isso é mostrado muito bem no filme, no lace de Lilá Brown e Rony, essa idéia de que um deles pode estar muito mais obcecado que o outro. É difícil nessa idade quando você está descobrindo diferentes tipos de sentimentos e você está interessada em garotos e eles parecem tão imaturos. Eu acho que as garotas amadurecem mais rápido. Se o garoto mostra interesse, chegue perto deles e eles poderão entender. E obviamente, seja você mesma. Tantas garotas são pressionadas para parecerem diferentes fisicamente, ou usarem uma personalidade diferente. Não seja outra pessoa.

TH: Excelente conselho. Qual tipo de música você anda ouvindo agora? Kings of Leon ou Killers nós ouvimos no passado.
BW:
É, esse é o tipo de música que eu amava. Eu não acho que há muitas coisas modernas que eu goste. Durante minha infância eu ouvia Bob Dylan e Johnny Cash ou Velvet Underground. Eu realmente gosto de coisas que você pode ver o músico nelas, o artista trazendo um som, uma mensagem e isso é pessoal. Eu particularmente não gosto de muita música popular, para ser honesta. E também, para minhas provas, quando estou estudando, eu tiro todas as músicas clássicas das caixas e ouço apenas aquilo para me concentrar.

TH: O que você gostaria que seus fãs soubessem que jamais te perguntaram?
BW:
Eu gostaria que eles soubessem que eu não estou interessada apenas na parte de atuar no filme, eu ando interessada no quadro maior. Fui inspirada por tudo o que eu assisti enquanto filmava, Ando interessada no cinema em si, na direção…

TH: Você gostaria de escrever e dirigir um dia, então ?
BW:
Sim, definitivamente. Eu vou em Setembro para a faculdade de cinema. Eu realmente gosto e quero continuar atuando, mas olhando pro quadro geral. Tem sido muito inspirador assistir a tantos excelentes diretores e editores e cineastas.

TH: Onde você irá fazer faculdade de Cinema?
BW:
Universidade de Artes de Londres, a principal. Até agora eu tenho sido capaz de equilibrar a educação com uma carreira. Eu adoraria continuar atuando enquanto estudo cinema, mas se eu não puder, então eu focarei apenas em aprender. Eu adoraria aprender por três anos e depois, quando eu tiver férias de verão, fazer diferentes coisas e projetos.

Acompanhe Bonnie enquanto sua relação com o personagem Harry cresce nos filmes de “Relíquias da Morte”!