Não categorizado

Emma Watson fala à Paste Magazine

Em entrevista à Paste Magazine, na semana passada, a atriz Emma Watson falou sobre os estudos, a carreira e, claro, a vida após a série cinematográfica que ocupou grande parte da sua vida. Comentou também sobre seu desejo de voltar a atuar.
Ela também falou sobre a sua proximidade com a autora da série, JK Rowling, e a fabulosa atriz Helena Bonham Carter, que dá vida à sádica Belatriz Lestrange:

Paste: Você ficou bem próxima de JK Rowling.

Watson: E de Helena Bonham Carter também. Eu admiro ambas como mentoras em suas áreas. É legal falar com – e ouvir – uma mulher mais velha que passou pelo que você está passando, e ter sua opinião. E é sempre opinião. Elas nunca te largam com milhares de conselhos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A entrevista completa, traduzida pela nossa equipe, você já confere na extensão!

EMMA WATSON
Paste Magazine
14 de julho de 2009
Tradução: Raisa Garcia

Paste: Você está filmando os dois últimos filmes da franquia Harry Potter atualmente.
Emma Watson: Sim. Harry Potter e as Relíquias da Morte é um livro tão longo que eles resolveram dividir em duas partes, e serão dois filmes que finalizarão a história de Harry Potter de uma vez.

Paste: Completamente?
Watson: Acho que sim. Eu conversei muito com JK Rowling, e eu não acho que ela queira levar isso pra frente, e que esse realmente será o fim, após doze anos e tudo o mais. Alguém me perguntou outro dia se eu voltaria se ela mudasse de idéia e trouxesse Harry de volta como um homem maduro, uns 20 anos depois, e eu tive que pensar muito sobre a idéia. Isso realmente dependeria do que eu estaria fazendo da minha vida, quais seriam as circunstâncias. Então a resposta, eu acho, tem que ser “nunca diga ‘nunca’’, mas eu acho que é bem improvável, se você quer a verdade. Eu acho que, até lá, eu teria mudado consideravelmente.

Paste: Você entra na Universidade no outono.
Watson: Sim – em Brown, que é uma instituição da Ivy League, nos Estados Unidos. Tenho uma vaga lá para ler literatura.

Paste: Essa decisão em relação à carreira foi deliberada?
Watson: Ah sim, definitivamente. Eu espero ir bem com meus A Levels (ela está sendo modesta – ela conseguiu A em todas as matérias escolhidas por ela, literatura inglesa, artes e geografia, assim como sete A e três A* no GCSE level) e eles me aceitaram provisoriamente, então estou pronta para estudar.

Paste: E essa foi uma decisão igualmente deliberada, de sair dos holofotes por um tempo?
Watson: Não é bem assim, não, eu não estou tentando me esconder ou qualquer coisa do tipo. Parece muito nerd, mas eu realmente gosto de estudar e ler, e se eu não estou trabalhando em Harry Potter, então meu melhor relaxamento é pegar um livro. É assim que escapo do stress – com literatura. Eu sempre estou lendo vários livros a qualquer momento, então nem adianta você perguntar “qual está na sua mesa de cabeceira agora, Emma?”, porque geralmente eu mal consigo ver a mesa! Eu acho que toda essa leitura é minha única semelhança com Hermione, se você me perguntar.

Paste: Será um ambiente completamente diferente.
Watson: Sim, e é isso que torna tudo tão excitante. Eu ficarei triste em deixar toda minha família e amigos para trás, mas ei, são só algumas horas de vôo, então…

Paste: Mesmo assim, é um caminho longo para trazer roupa suja para a mamãe lavar.
Watson: (Ri) Verdade. Mas é isso que os garotos fazem, não é? Mulheres apenas aceitam e lidam com isso elas mesmas.

Paste: Ainda assim, alguns dos seus colegas te reconhecerão.
Watson: Suponho que isso seja inevitável, alguns devem ter visto os filmes nesses anos. Mas eu espero que não demore muito para que eu seja conhecida como “Emma Watson, a estudante do Reino Unido” e não “Emma Watson, que estrelou aqueles filmes do Harry Potter”.

Paste: E estudar significa que uma carreira cinematográfica é posta em segundo plano por um tempo?
Watson: Não é bem assim, não, há algumas férias no fim de períodos letivos em que eu poderia fazer algo se alguém me convidasse e eu gostasse da idéia. É tudo relativo, não é? Atuar e estudar não são coisas mutuamente exclusivas, são? Freqüentar a faculdade significará um pouco de “normalidade” por um tempo. Certamente não significa que eu nunca mais irei atuar, isso não é verdade. Tem havido muita confusão sobre isso na mídia, e a maioria é mal informada – acho que tenho lidado bem com isso até agora! E também não esqueça que eu me interesso muito por moda e em modelar, o que eu gosto. Eu gosto de sessões de fotos, porque lá parece que o fotógrafo (ou fotógrafa) me vê de outra forma.

Paste: Você é o novo “rosto” da…
Watson: Burberry. Foi uma grande honra ser convidada para representar uma marca tão icônico. Muito tradicional, muito britânica – e uma que admiro muito. Eu estou realmente ansiosa por trabalhar com eles e ver como se desenvolve um conceito.

Paste: Você sente que perdeu alguma coisa na última década?
Watson: Não, porque dizer isso seria tão ingrato – eu me diverti muito, e eu aprendi muita coisa. Eu acho que ganhei muito mais do que “perdi”. Provavelmente eu tive que crescer mais rápido que a maioria das crianças, mas isso também aconteceu com todo o elenco mais jovem. Nós tivemos que agir mais responsavelmente, e, basicamente, eu tenho trabalhado desde que eu tinha dez anos de idade. Mas tudo tem sido incrível, único e inacreditável. Eu sou profundamente grata. Eu só tenho dezenove anos, então eu quero fazer o que alguém da minha idade faz. Eu quero ser uma adolescente por mais alguns meses!

Paste: Então qual a pior coisa de ser um adolescente hoje em dia?
Watson: Não está acontecendo agora, mas eu acho que a parte mais agonizante é quando você está no começo da adolescência, e você está gostando de alguém e isso não é recíproco. Isso pode ser tão devastador. O engraçado é que, na série Harry Potter, nós todos fazemos personagens que são um ano mais novos do que nós na vida real, então tem sido interessante ver o que eles fazem, e pensar sobre como nós teríamos lidado com coisas do tipo na vida real. De fato, nós podemos aplicar nossas experiências pessoais aos personagens.

Paste: Já houve algum tipo de envolvimento romântico entre os atores mais jovens?
Watson: Que eu saiba, nunca, em dez anos. Não há relações namorado-namorada – porque nós todos trabalhamos muito. Não há a oportunidade. E Dan Radcliffe e Rupert Grint são para mim como dois irmãos carinhosos.

Paste: Muito aconteceu com você em dez anos. As coisas mudaram muito no set de filmagens durante esse tempo?
Watson: Pessoalmente, sim, muito. Você tem que se lembrar que eu nunca tinha atuado em um filme antes, e lá estava eu, com dez anos de idade, estrelando em uma grande produção. Algo que ajudou muito (e foi muito legal) foi que Chris Columbus, que dirigiu o primeiro filme, tirou o som do set, e nós dublamos nossas falas depois. Dessa forma, ele podia nos dar instruções diretas sobre o que fazer, e onde os efeitos especiais seriam adicionados. Isso deixou o planejamento mais apertado, mas foi tão generoso da parte dele. Consequentemente, ele conseguiu atuações mais descontraídas.

Paste: Você mencionou que ler é algo que funciona para liberar o stress… mais alguma coisa?
Watson: Eu descobri que uma atuação muito física – atingir alguém como parte da ação, quanto o roteiro pede – também ajuda! É muito satisfatório.

Paste: Você ficou bem próxima de JK Rowling.
Watson: E de Helena Bonham Carter também. Eu admiro ambas como mentoras em suas áreas. É legal falar com – e ouvir – uma mulher mais velha que passou pelo que você está passando, e ter sua opinião. E é sempre opinião. Elas nunca te largam com milhares de conselhos.

Paste: Já guardou alguma lembrança do set?
Watson: Nunca. Tudo é contado e tudo tem que ficar no lugar – a menos que vá para alguma exposição. Você não pode levar nada com você. Eles ficariam furiosos se você o fizesse!

Paste: Você sentirá falta de Harry Potter quando tudo acabar?
Emma Watson: Sem sombra de dúvidas. Absolutamente. Nós todos nos tornamos parte de um time imenso, e nós somos uma grande família, isso é inquestionável. É também totalmente modesta, o que é incrível. Mas eu não acho que Harry Potter vá desaparecer um dia. Novas gerações continuarão descobrindo. Eles são, espero, clássicos, e se há uma coisa que fizeram, foi introduzir jovens à leitura e aos filmes. Eles têm longevidade, eu acredito nisso piamente.