As Relíquias da Morte ︎◆ O Enigma do Príncipe

[TRADUZIDO] Sci-Fi e SFX divulgam informações de EdP!

Parece que a imprensa escrita mundial realmente está apostando em informações sobre Harry Potter e o Enigma do Príncipe para atrair seus leitores. Agora chegou a vez das revistas especializadas em cinema Sci-Fi e SFX darem a sua opinião sobre o sexto filme da série.
Graças ao DanRadcliffe.com nós podemos conferir os scans de matérias especiais dessas duas revistas, respectivamente, aqui e aqui, em nossa galeria. Nelas podemos conferir entrevistas com o elenco e produtores e algumas imagens do filme, além de entender um pouco mais do que esta nova película mostra para os fãs da série mais rentável dos últimos anos.

Na SFX o foco é o lado “Sexo, Poções e Rock’n’Roll” desta nova trama, que está deixando muitos fãs curiosos em saber como um filme tão obscuro pode ser tão divertido e, por que não, alegre. Além disso, valiosas informações de Relíquias da Morte foram divulgadas em uma entrevista realizada com os produtores David Heyman e David Barron:

“Eu não acho que Jo irá escrever uma outra história de Harry, Rony e Hermione em Hogwarts. Ela passou 17 anos perfeccionando a estrutura desta peculiar história que é muito difícil imaginar que ela arranje outro modo de entrar nela [..] Além disso, eu nunca a vi tão cheia de vida como agora.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já a reportagem da Sci-Fi é bem mais técnica. Nela nós podemos ver um perfeito set-report, com comentários dos cenógrafos e figurinistas, por exemplo.

A equipe Potterish já está trabalhando na tradução desses scans que vocês irão conferir logo mais aqui. Fiquem ligados!

Atualizado: Em mais um dia de trabalho árduo, a nossa equipe traz a tradução de ambas as matérias, que revelam novos detalhes e curiosidades das gravações e decisões relacionadas ao sexto filme. Confiram tudo em notícia completa!

HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE
Os perigos de Potter

Sci Fi
29 de maio de 2009
Tradução: Ricardo Olissil, Sumaya Abdul, Thaís Tardivo, Sylvia Souza e Fabianne de Freitas

A vida nunca é simples para Harry Potter. Agora em seu sexto ano em Hogwarts, ele deve lidar com o novato professor Horácio Slughorn, sua nova posição como capitão do time de quadribol, as suspeitas atividades de seu inimigo Draco Malfoy, uma alarmante nova namorada para seu parceiro Rony Weasley e seus sentimentos pela irmã de Rony aflorarem. No topo disto tudo, Harry começa a ter lições particulares com Professor Dumbledore, que revelam segredos do passado do próprio diretor como também dos medos de Lord Voldemort.

Felizmente, a luz no fim do túnel para Harry é usar um livro de poções, com anotações de seu antigo possuidor, que se autodenomina “Príncipe Mestiço”. Usando as anotações manuscritas pelo príncipe nas margens do livro, Harry não apenas se torna a estrela nas aulas de poções de Slughorn, mas também aprende alguns truques e, em alguns casos, novos e perigosos feitiços.

Isso é mais que a essência de Harry Potter e o Enigma do Príncipe, a sexta adaptação cinematográfica do sucesso de vendas dentre os livros de fantasia de JK Rowling. Estrelando Daniel Radcliffe como o jovem bruxo, o novo episódio traz de volta o diretor David Yates, que assinou o filme anterior, Harry Potter e a Ordem da Fênix, e já tem sua vaga garantida na adaptação das duas últimas partes da franquia em Harry Potter e as Relíquias da Morte, marcadas para 2010 e 2011.

Mas essa é uma história para outro dia. Em uma manhã de inverno como esta, no coração dos Estúdios Leavesden, Radcliffe estava revivendo uma cena envolvendo Harry, Hermione Granger (Emma Watson), Rony (Rupert Grint) e sua namorada não mencionada anteriormente Lilá Brown (interpretada pela novata Jessie Cave), como também um grupo de estudantes figurantes de Hogwarts.

Nesta sequência, Harry, Ron e Hermione estão discutindo os fins do misterioso armário – como os leitores dos livros sabem, se tornará a peça chave da trama mais tarde – enquanto uma passional Lilá de repente aparece, lançando beijos e se aproximando sorrateiramente para surpresa e repúdio de um envergonhado Rony. “Quieto, por favor!”, diz o assistente do diretor. “Nós estamos gravando um diálogo neste exato minuto, senhoras e senhores!”

Yates chama pela ação e as câmeras gravam os três atores caminhando por um longo corredor apunhado de estudantes figurantes, cada qual posicionados metricamente pela cena. Radcliffe e Watson se esforçam para conseguir terminar boa parte do diálogo, enquanto Grint faz seu melhor para parecer surpreso enquanto Cave intercepta ele como um foguete carregado de hormônios. O diretor pede mais 8 diferentes tomadas antes de chegar à cena que lhe agradasse mais, fazendo seus jovens atores se esforçarem mais e mais até chegarem na perfeição do diretor.

Para alguém confiado a uma das maiores franquias de filmes da história cinematográfica, Yates aparece para ser notadamente contrastante. “Eu acho que fazer algo que você já tinha feito se torna algo bastante fácil,” ele explica, “porque você está mais familiar com o mundo, e as personagens sentem-se mais próximas de você, então isto é uma verdadeira vantagem. Este filme não é tão grande em efeitos como seus filmes anteriores, e é uma tonalidade bem diferente também. O primeiro filme que eu fiz foi um pouco intenso e emocional, e foi tudo sobre uma gama de experiências emotivas que Harry estava passando. Já nesse outro é muito mais sexo, poções e ‘rock and roll’. É muito mais sobre o lado fanfarrão de ser um adolescente. Eu adorei fazer este último filme, ainda mais porque eu nunca tinha mexido tanto em um filme com vários efeitos visuais antes, mas foi tão divertido como o anterior também.

Embora Yates estivesse a meio caminho para o fim das filmagens de Enigma do Príncipe, ele já tinha posto um número de várias proezas nos sets de filmagens: “Eu acho que o melhor de todos foi, sem erro, a sequência onde os Comensais da Morte invadem A Toca, onde moram os Weasley. Nós criamos uma casa com grandes camas de dorséis, e haviam uma série de tomadas a noite com o tempo contra nós, então bem difícil e desafiador.

“Este será um filme com boas performances; e tudo por conta das nuances do relacionamento em que Rony fica caidinho por Lilá, e Hermione se sente magoada com isto, então há todo tipo de complexidade a qual nós estamos explorando, o que tem sido bem divertido.”

Estando a equipe técnica preparada para a “cobertura” da cena (ângulos individuais em específicos personagens), Vanessa Davies, a publicitária do filme, ofereceu um tour para várias pessoas pelos sets. Uma das razões para criar uma base nos Estúdios Leavesden foi que a produção pôde construir ambientes incrivelmente bem elaborados que pudessem ficar em pé por várias gravações durante a série, para assim abaixarem os custos. Mas permanecendo no meio daqueles sets é simplesmente impossível descrever os detalhes que os cinéfilos nunca viram.

Daniel Radcliffe
Falando com a estrela…

Refletindo em seu papel no filme atual, o ator Daniel Radcliffe tem visto algumas grandes mudanças em seu alterego do cinema desde a última participação em Harry Potter. “Eu acho que o que é interessante sobre a diferença do personagem e da estória inteira do quinto filme para esse é que o quinto filme foi muito centrado no Harry. Todos são de algum modo, mas esse filme é muito mais sobre o trio de Harry, Rony e Hermione do que sobre a mente de Harry e o que ele estava fazendo”.

“Em termos de reais diferenças no meu personagem, ele está provavelmente mais confiante nesse filme em termos de como ele é com as pessoas. Eu também acho que ele está muito mais… menos ambicioso, mas ligeiramente mais esperto nesse filme. Há momentos em que ele realmente precisa explorar todas as tragédias do seu passado, como quando ele está tentando extrair informação de alguém”.

“Eu acho que o Harry está agora muito mais ciente do que está em jogo em termos do que Dumbledore está tentando alcançar na batalha contra Voldemort nesse filme, e isso o conduz a fazer coisas que ele não faria antes. Em um ponto desse filme, ele de certo modo usa a morte de sua mãe e a relação que ela tinha com Slughorn para extrair informação, o que é uma coisa um pouco malévola de se fazer, e muito dissimulada. Então eu suponho que isso seria uma das principais diferenças”.

Caso em questão: o interior da casa dos Weasley, que apresenta itens que a câmera não captura. Na cozinha, por exemplo, as prateleiras são cheias de caixas de cereais como “Fofas Fadas Mordentes” e “Cerujas” (Cereja + Corujas), enquando a lista de compras inclui suco de abóbora, ‘cacho de chifres’ e ‘descurainia’. Um incomum relógio contém diferentes mãos, que possuem cada uma o nome de um diferente membro da família e aponta diferentes destinos, como “Quadribol”, “A Caminho” e “Perigo Mortal”. Devido ao uso do set ter sido a apenas dois dias atrás, uma das janelas ainda está coberta com pequenas plantas enquanto a outra está cheia de frutas e vegetais, as primeiras vivas, o resto artificial.

A mesma atenção aos detalhes também pode ser observada em todos os lugares no set da Sala Comunal da Grifinória, onde um quadro de recados contém avisos de Filch, o zelador da escola, sobre bombas de bosta assim como recados à mão falando sobre o ‘Clube de Corrida de Camundongos’ ‘Achado: uma barba de Merlin perdida, muito usada mas em boas condições’ ‘Metade do preço em todos as Gemialidades Weasley’ e ‘Então você quer ser um bom bruxo? Então pegue um bom professor!’

Enquanto a maioria desses detalhes vai escapar na telona, eles são certamente emblemáticos de um tom claro neste filme. De acordo com o produtor David Heyman: ‘Eu acho que tudo foi realmente tirado do livro, como sempre foi. O livro é o nosso ponto de partida.’

‘Mas isso realmente ajuda’ argumenta o produtor David Barron, ‘porque enquanto cada um dos livros dos anos passados na vida de Harry e seus amigos, todos se tornaram bem diferentes. Este último, com um tema central romântico, é diferente do quinto, então esses itens presentes nos levam num tom diferente e fazem parecer diferente, o que realmente ajuda.’

‘Eu acho que são os detalhes que mantém todos aqui renovados. – diz Heyman – Este é o meu sexto filme, o quarto do David, o segundo do Yates e o sexto de Dan, Rupert e Emma. É o sexto para boa parte do elenco, e o que é excitante para nós é que cada filme nos coloca novos desafios e trata de coisas levemente diferentes. Anos diferentes têm sentimentos diferentes, mas isso nasce de todos os livros.

Uma entrevista com Rupert Grint
O astro fala sobre como alívio cômico deu vez para o romance.

Rony Weasley – símbolo sexual? Isso parece inevitável, baseado no fato que toda nova entrevista com o ator Rupert Grint começa com um beijo. Mais especificamente, o primeiro beijo de Rony com a sua mais nova namorada Lilá Brown feito com um realismo com Jessie Cave. ‘A cena foi meio embaraçosa – admite Grint, que já tem sido taxado de bem-nascido comparado ao ator Daniel Radcliffe “Tinha muita gente lá, então eu estava meio envergonhado, mas depois dos primeiros ficou tudo bem, e a Jessie é uma garota legal, então estava tudo bem. É a primeira relação propriamente dita de Rony, então ele não sabe o que fazer. Lilá é muito intensa e um pouco louca, então ele se sente um pouco desconfortável, e sim, é tudo um pouco novo para ele.”

Enquanto Grint pode parecer envergonhado ao novo status de símbolo sexual de Rony, é possível que essa mortificação toda seja apenas por mostrar. Conforme isso começou, o ator foi realmente chamado para ajudar na audição das candidatas a Lilá antes que a decisão fosse tomada. ‘Eu fui em algumas das audições finais para conhecer algumas Lilás, então foi legal estar envolvido um pouco nisso também. Eu não disse nada, de qualquer forma, era só para que eu estivesse ali, mas tinham garotas realmente boas. Nós não beijamos, muito menos falamos sobre o beijo até o dia que nós filmamos, então foi meio estressante no dia.”

Uma entrevista com Emma Watson
Hermione Granger fala com a SciFiNow sobre o sexto filme.

Para Emma Watson, o mais recente filme de Harry Potter marca um tempo de despertar emocional para sua personagem, Hermione Granger. “Eu acho que, pela primeira vez, ela está se tornando muito mais ciente de si mesma,” afirma Watson, “e de como se sente, particularmente sobre Rony, então eu acho que isso está realmente começando a despertar dentro dela. Ela está sentindo todas essas emoções que nunca sentiu antes, mas eu acho que ela não gosta delas e tenta afastá-las, então faz ciúmes em Rony ao ir à festa de Slughorn com Córmaco e acaba beijando-o também, embora o deteste, então isso mostra o quão longe ela está disposta a ir.”

Tendo passado agora seis filmes na pele de Hermione, Watson tem ideias bem claras sobre a personalidade da personagem, ao ponto em que trabalha junto ao figurinista dos filmes para decidir o que a jovem bruxa deveria vestir. “No início, eu achava muito difícil entender que, quando as pessoas estão assistindo aos filmes, eles estão vendo Hermione e não a mim. Eu tinha apenas nove anos na época, e é muito difícil explicar para uma criança dessa idade que, ‘Não é você, é outra pessoa!’

“Eu costumava ficar muito chateada com as roupas que tinha que vestir e a imagem que estava sendo projetada de mim, porque estava apavorada com a possibilidade de alguém achar que eu era daquele jeito na vida real, então eu tentava começar qualquer entrevista tentando enfatizar o máximo que podia que, ‘Eu não sou como ela, e eu realmente não sou assim, então por favor não me julgue!’

“É por isso que Jo Rowling tem sido tão esperta, na verdade,” concorda Barron. “Tudo parece novo e fresco o tempo todo, porque ela põe uma virada ou um tom minimamente diferentes em cada um. Para nossa sorte, porque facilita nosso trabalho.”

Enquanto a maioria do elenco e da equipe continua de fato de um pra outro filme, sempre há uma boa dose de ansiedade entre os seguidores de Harry Potter diretamente ligada às novas chegadas em cada filme. Em Harry Potter e o Enigma do Príncipe, a lista de recém-chegados (ver boxout) inclui a Lilá Brown de Cave, Jim Broadbent como o professor de Poções Horácio Slughorn, Helen McCrory como Narcisa Malfoy, e Hero Fiennes-Tiffin (sobrinho de Ralph Fiennes’ na vida real) assumindo o papel do futuro Voldemort, Tom Riddle.

A ansiedade em trabalhar com uma nova leva de personagens também se aplica à equipe de design do filme. “Eu realmente amei Umbridge ano passado,” aponta a figurinista Jany Temime, que trabalha na franquia desde Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, “e este ano, eu me apaixonei por Slughorn, porque ele é um personagem tão maravilhoso. Todos os nossos professores têm sido muito intelectuais, então realmente não se preocupavam em como se vestiam, mas Slughorn se preocupa muito com sua aparência e isso faz uma grande diferença, porque ele tem muitas atividades sociais diferentes nesse filme.”

Nem todos os novos personagens em Enigma do Príncipe são necessariamente humanos. Apenas pergunte ao mago da maquiagem/efeitos Nick Dudman, cuja equipe forneceu uma grande variedade de monstros mágicos para todos os seis filmes. A oficina de Dudman é um sonho realizado para qualquer fã Potteriano mais fiel, principalmente porque está lotada com todos aqueles personagens, desde ratos muito reais e corujas até um dragão e um hipogrifo em tamanho real.

Neste dia em particular, membros da oficina das criaturas estão envolvidos com uma numerosa lista de tarefas, incluindo um chapéu de leão de aparência boba para ser usado por Luna Lovegood, um dente grande de aranha de urethane, um modelo natural da gata do Filch, Madame Nora, e uma série de horrendas esculturas ou maquetes em tamanho real dos Inferi, que são os cadáveres em decomposição que emergem de um lago para atacar Harry e Dumbledore em uma das sequências mais memoráveis do filme.

Embora as maquetes dos Inferi sejam feitas para serem realistas, a forma das criaturas significa que eles não podem ser interpretados por atores reais. Ao invés disso, as peças terminadas serão escaneadas para o computador pelo departamento de artes visuais para serem usadas como modelos digitais. Como Dudman explica, “Eles não podem ser feitos de maquiagem ou pessoas com fantasias ou algo parecido, e isso foi nossa ideia desde o início, mas pode ficar muito complicado quando você atinge personagens míticos como dragões, zumbis ou lobisomens. Eles foram todos feitos tantas vezes que a parte mais difícil do trabalho não é desenhar uma criatura com um visual legal; é desenhar algo que não foi feito antes, e uma grande parte disso é jogar coisas fora mais do que encontrar coisas novas.”

Outro exemplo dessas limitações é o personagem de Fenrir Greyback, um dos Comensais da Morte de Voldemort que também é um lobisomem. Depois de explorar inúmeros conceitos, o departamento de efeitos de criaturas finalmente surgiu com uma elaborada maquiagem protética que, se os desenhos conceituais significam alguma coisa, será diferente de qualquer personagem lobisomem já visto em filmes antes.
“Na verdade ainda o estamos desenvolvendo,” afirma Dudman, “porque maquiagem como esta é muito difícil de convencer um diretor até que você a tenha feito de fato. Até que você tenha todo o cabelo e as lentes e os dentes, você realmente não sabe como vai parecer e você não pode descrever para ele, e um desenho não exprime direito, então nós temos que passar por todo o processo para então…

Uma entrevista com Jessie Cave
A atriz que deu vida à Lilá Brown

Se Jessie Cave fizer o trabalho dela direito, é inteiramente possível que o personagem dela, a apaixonada Lilá Brown, pode se tornar o personagem mais irritante de toda a série. “Eu tenho certeza que ela é”, concorda Cave, um novo rosto na franquia e, relativamente, uma novata nesta indústria. “A Lilá é uma espécie de paródia. Ela é muito engraçada, ou muito humor pode ser tirado dela, mas por dentro ela é muito sentimental, e é bem reconfortante como ela realmente se magoa com o Rony, porque claramente ele gosta e sempre gostou da Hermione. De certa forma, é bem maldoso o que acontece com ela, porque o Rony a usa como forma de fazer a Hermione sentir ciúmes e não sei se é consciente e se ele percebe que está usando a menina, mas ela desempenha um papel no romance dos dois.”

Para interpretar o seu papel corretamente, Cave recorreu à fonte: “Não estou tentando fazer dela agradável; só estou tentando atuar da forma como eu a vejo. Eu acho que se existem realmente fãs assíduos, eles devem gostar da Lilá, porque ela não fica com o Rony no final, e ela se magoa mesmo, então se eles a odeiam ou não gostam dela, é um pouco maldoso. Ela é uma piada, é para se rir dela e não para desgostar dela”.

As reuniões onde as pessoas podem dizer, ‘Isso pode ser maior ou será que aquilo pode ser mais sombrio ou mais leve, ou podemos mudar isso?’ até o momento em que eu digo, ‘Não, não há dinheiro nem tempo!’ e é quando começamos a filmar. Nós vamos filmar com esse personagem em um mês, o que é bem próximo pelo que eu sei!”

De volta a Hogwarts, Yates terminou de filmar as cenas do corredor e a equipe começa a desmontar o equipamento para levá-lo para outro set. Radcliffe e os atores mais velhos retornam aos seus respectivos trailers para uma pausa enquanto os mais jovens são dispensados para as aulas particulares.

Mas a maior criança de todas deve ser Yates, que está claramente aproveitando cada segundo do seu tempo. Aproveita tanto que, na verdade, ele já confirmou sua presença na direção dos dois últimos filmes da série. Essa notícia não será divulgada até algumas semanas após a visita, mas é impossível para o diretor conter o entusiasmo. “Eu amo o último livro!”, ele exalta. “É um épico grandioso e divertido e será diferente do quinto e do sexto filme, mas agora, eu só estou concentrado no número seis, então é onde está a minha mente e o meu tempo”.

“É engraçado, ontem nós estávamos fazendo uma cena no dormitório onde o Dan, o Rupert e a Emma sentaram-se juntos e conversando e os três começaram a rir, e é muito engraçado quando isso acontece. Eles são ótimas companhias. Eles não se levam muito a sério, são pessoas ótimas e são muito calmos, e é uma satisfaça trabalhar com eles. A razão principal pela qual eu volto é porque eu amo o sexto livro, mas eu também posso trabalhar com Dan, Rupert, Emma, Devon, Evanna… São jovens incríveis e é muito bom estar com eles, e você se diverte vindo trabalhar”.

Uma entrevista com Bonnie Wright
O interesse amoroso de Harry Potter fala sobre a experiência dela em Enigma do Príncipe.

Um dos personagens que teve a maior evolução na série Harry Potter é Gina Weasley, que deixou de ser a irmãzinha quieta de Rony e se tornou a escolhida de Harry e uma bruxa poderosa com o seu próprio esforço. Segundo a atriz Bonnie Wright, “é um desenvolvimento para o personagem e um lado bem diferente dela que começamos a ver, mas eu acho que faz sentido o motivo dela estar fazendo isso pelo modo como estamos interpretando e o tipo de personagem que está aparecendo”.

“Eu acho que se todos os livros tivessem sido lançados antes de termos começado a gravar esse filme, a apreensão seria mais acentuada, pois eu esperaria o momento em que o personagem se desenvolveria, mas no último, porque nós seis fomos ao Ministério da Magia, eu gostei muito daquilo, então eu não pensava muito no que acontecia. Têm sido uma construção gradativa”.

Wright crê que Gina é um bom par para Harry: “Antes eles eram apenas amigos, mas ela o observou desde que ele era mais novo, então acho que ela entende o quão normal ele é. Ela não se importa se ele é o Eleito, e é isso que faz o relacionamento funcionar”.

Quem é quem em Enigma do Príncipe

Horácio Slughorn: novo professor de Poções de Hogwarts. Um amante de boas comidas e bebidas, Slughorn também aprecia reunir-se com alunos promissores em suas festas do Clube do Slugue.

Narcissa Malfoy: esposa do prisioneiro Lúcio Malfoy e irmã de Bellatriz Lestrange. Em um esforço para proteger seu filho Draco, ela convence o Prof. Snape a fazer um Voto Perpétuo para ajudá-lo.

Lilá Brown: a primeira namorada de Rony Weasley em Hogwarts, o relacionamento rapidamente perde o interesse pois ela se torna possessiva e grudenta com o seu amada Uon-Uon.

Tom Riddle: o futuro Lord Voldemort, primeiramente visto como uma criança cruel, porém, inteligente, cujos talentos consideráveis em magia – e tendência para o mal – se desenvolvem rapidamente em Hogwarts.

Fenrir Greyback: um dos Comensais da Morte mais perigosos, um lobisomem dedicado à infectar inúmeras vítimas e à criar um exército lupino.

Córmaco McLaggen: rapaz convencido que tem um pequeno interesse amoroso por Hermione. Um bem-relacionado favorito de Slughorn, ele também se candidata para o time de Quadribol da Grifinória, e substitui o Rony como goleiro por um breve período.

Romilda Vane: aluna do quarto ano da Grifinória que desenvolve uma paixão por Harry. Quando ela tenta fazer com que ele coma alguns doces recheados com uma Poção do Amor, o plano acaba perigosamente mal.

Blásio Zabini: aluno arrogante da Sonserina cuja mãe rica já enterrou vários maridos por mortes misteriosas. Outro membro escolhido a dedo do Clube do Slugue.

Marcos Belby: estudante da Corvinal cujo tio criou a Poção do Acônito. Considerado brevemente como membro do Clube do Slugue.

Régulo Black: irmão de Sirius Black, o padrinho de Harry, que rouba o medalhão de Slytherin da caverna de Voldemort. Um ex-Comensal da Morte, seu verdadeiro propósito e o seu destino são revelados mais tarde na história.

HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRÍNCIPE
É tudo poções de sexo

SFX ~ Leah Holmes
29 de maio de 2009
Tradução: Daniel Mählmann, Luiz E. C. F. e Dérick Moreira

O sexto filme Harry Potter está previsto para ser diferente de qualquer um dos seus antecessores. Leah Holmes vai ao set para descobrir o porquê.

O bruxo de cicatriz em raio de JK Rowling pode vir conquistando as telas de cinema há oito anos agora, mas ainda há um número impressionante de “primeiros” acompanhando a sua última aventura, Harry Potter e o Enigma do Príncipe. Nos bastidores, é o primeiro filme Potter a ser feito com o conhecimento de como tudo termina, a série de livros chegou ao seu final apenas duas semanas após o lançamento do filme Ordem da Fênix. E o filme em si vê a angústia adolescente dos últimos filmes ficando de lado para dar lugar aos primeiros elementos reais de romance na série – depois de anos sendo informados que cada novo filme Potter seria “o mais obscuro até então”, agora ouvimos que esse será o mais engraçado até o momento. E trazer o humor e o brilho de volta a Harry Potter é algo que o diretor veterano David Yates considera muito importante.

“Eu realmente gostei de fazer Ordem da Fênix, mas era uma experiência emocional muito intensa, e eu senti que era o momento errado para incluir qualquer coisa relativa aos personagens. Com esse filme, senti que era mais importante capturar a diversão e o espírito dos relacionamentos entre os três personagens principais, e trazer de volta um pouco daquele humor relacionado aos personagens e do caráter lúdico. Enigma do Príncpe é sobre as políticas sexual e emocional, que são muito engraçadas. Tem a primeira namorada de Rony, Lilá Brown, e há a amizade entre Harry e Hermione, e o desenvolvimento do relacionamento entre Harry e Gina. É engraçado, divertido e agradável. Acho que ele vai parecer muito diferente do que fizemos na última vez, e isso é algo bom. Isso não quer dizer que ele não fica obscuro e intenso próximo ao final, porque os livros às vezes o levam a um território muito intenso e sombrio, mas eu descreveria Enigma do Príncipe como ‘sexo, drogas e rock’n’roll’ – embora talvez seja mais sexo, poções e rock’n’roll!”

Para acompanhar esse novo tema agradável do filme temos um novo agradável set – a casa dos Weasley, que foi recentemente construída no estúdio para Enigma do Príncipe. Existe um distinto esquema de cores acontecendo ali, com tudo em tons de verde, laranja e marrom, e a cozinha caótica da Molly Weasley dá ao set a sensação de ser verdadeiramente um lar. E também é um lugar estranhamente mágico – nos contaram que não valia a pena ver nada mais além do térreo da casa, mas enquanto subíamos os muitos lances de escada, descobríamos que ela é completamente decorada por quase todo o caminho com malas, desenhos de crianças e brinquedos. No topo há uma varanda vazia que oferece uma vista do resto da enorme estrutura parecida com um hangar a prova de som, que abriga locais como o Salão Principal, o escritório de Dumbledore, o salão comunal da Grifinória e outro novo set enorme – a torre de astronomia, onde a cena clímax do filme terá lugar. O contexto pode ser mais leve neste filme, mas ele não ficará sem a sua obscuridade – há a morte do Dumbledore, a destruição da Ponte Millennium pelas mãos dos Comensais da Morte (“Ela vai oscilar um pouco mais dessa vez!”, satiriza Yates), e um papel maior do bad boy Draco, que culmina em uma batalha quase mortal entre ele e Harry.

Apesar destas grandes cenas, os produtores David Heyman e David Barron também dizem que não as consideram ser o coração do filme, e citam os relacionamentos entre os personagens como o condutor principal. “O núcleo central são as disputas de amor adolescente”, diz Barron, com Heyman acrescentando, “Eu acho que o outro elemento é a relação de pai e filho entre Dumbledore e Harry, e essa idéia da responsabilidade ser passada adiante.” “Você acabou de fazer uma boa representação do livro”, disse Barron.

FIM DO JOGO PARA HARRY
Daniel Radcliffe

O que, para você, é o cerne da história de Enigma do Príncipe?
Paranóia, eu acho. É um tema muito forte nesse filme, porque é tudo sobre a crescente paranóia de Harry sobre Draco se tornar um membro dos Comensais da Morte. E a morte está ficando cada vez mais próxima nesse filme, porque Dumbledore sabe que está morrendo, mas continua mesmo assim, ele luta até o último minuto para tentar deixar em seu lugar tudo que é necessário para eventualmente levar à perdição de Voldemort. Acho que essas são as duas coisas em seu cerne.

Suas perspectivas nas filmagens foram alteradas sabendo desde o começo como a história iria terminar?
Acho que poderia ter alterado, mas eu tentava constantemente ter certeza de que isso não afetaria. Harry não sabe o que vai acontecer com ele, então pensei que não deveria interpretar qualquer conhecimento prévio dentro do filme, porque isso simplesmente seria errado. Se, por um momento, soubesse que não me contariam o final dos livros de maneira alguma, eu provavelmente não o teria lido e esperaria até que nós estivessemos fazendo o filme para lê-lo.

Como foi ver a performance do Tom Felton agora que ele está atuando um pouco mais do que antes?
O papel do Tom havia sido bastante calmo durante os últimos filmes, então eu estava realmente muito nervoso por ele, pensando como ele estaria se sentindo em voltar ao set após uma longa pausa e ter de fazer coisas grandes e dar o seu melhor desempenho. Eu não poderia ter desejado alguém à altura desse desafio melhor do que o que o Tom fez. Ele é fantástico, e acho que ele é uma das melhores coisas neste filme.

QUASE NO FIM
Então saber como os livros terminam teve algum impacto na abordagem da equipe para fazer esse filme? A resposta, surpreendentemente, é “na verdade não”. “Logo que o sétimo livro saiu, nós todos o lemos freneticamente para ter certeza de que não estávamos cometendo nenhum erro”, disse Yates. “O maior era o significado da varinha de Dumbledore, por isso rearranjamos a cena final, mas realmente não teve um impacto tão grande”. Barron elabora: “Steve Kloves havia escrito algo para o fim deste filme, que eu tinha aceitado como sendo o fim do livro. Foi só quando eu estava lendo o sétimo livro, e tinha haver com a varinha do Dumbledore e para onde ela tinha ido no final do sexto livro antes de reaparecer no sétimo. O que nós tínhamos no roteiro acabou se tornando logicamente impossível – tínhamos o Harry apanhando-a e levando-a como uma lembrança. Quando eu estava lendo o sétimo livro e a Hermione quebrou a varinha do Harry, eu estava pensando, ‘use a varinha do Dumbledore, seu idiota!’. Foi apenas quando eu estava bem no final que percebi que nós tínhamos inventado isso.

Claro, houve uma outra grande revelação no mundo de Harry Potter que pode ter impacto nos filmes feitos – o anúncio de JK Rowling de que Dumbledore é, na verdade, gay. “Jo estava lá quando nós fizemos a nossa primeira leitura”, disse Yates. “Nós fizemos uma leitura e estávamos todos muito animados, pensávamos ‘wow, isso soou ótimo!’, e ela se inclinou para mim e disse ‘sabe, você vai ter que mudar algumas coisas, porque o Dumbledore é gay’. O meu primeiro pensamento foi, ‘Deus, eu não vou contar ao Michael! Isso vai liberá-lo completamente!’ Mas, sim, nós mudamos algumas coisas. Embora, na verdade, exista uma fala onde ele está olhando para esse cartaz de uma garota muito bonita, e diz algo como ‘Lembro-me de uma garota trouxa; ela tinha cabelos lisos como seda’. Nós tivemos um longo debate sobre se deveríamos ou não perder essa fala, mas no final a mantivemos. Um homem gay ainda pode apreciar mulheres e qualidades femininas, por isso nós a deixamos.” E nada foi adicionado ao roteiro para expor a sexualidade de Dumbledore? “Não, isso não é realmente importante nessa história. O fato é, a sua sexualidade é apenas uma parte de sua personalidade, e existem muitas outras coisas que são igualmente empolgantes e interessantes a respeito dele. Ele é sagaz, engraçado, poderoso, gracioso, excêntrico…oh, e ele é gay. Esta é apenas uma parte de uma longa lista de qualidades.”

HERMIONE PERFEITA
Emma Watson

O quão confiante você estava quando começou trabalhar em Potter de que poderia lidar com a atuação e a fama que veio com o papel?
O engraçado é que eu nunca percebi que ia ficar famosa. Estava apenas sendo audicionada para um papel e só estava preocupada em interpretar a Hermione. Eu simplesmente amava tanto a personalidade dela e senti que sabia como interpretá-la, portanto nessa parte eu estava bastante confiante, mas honestamente a coisa da fama realmente nunca bateu à porta. São nesses momentos surreais como uma premiere ou alguém vindo até mim estando incrivelmente animado que eu percebo que sou famosa. Na maior parte do tempo, eu esqueço!

Será que os fãs do livro vão achar que o filme é uma adaptação fiel?
Espero que sim! Acho que nos mantivemos o mais próximo do livro quanto possível sem fazer um filme de dez horas. Nós nunca tivemos essa queixa antes, na verdade, e eu sou uma grande fã dos livros – li cada um deles três ou quatro vezes e os conheço de trás para frente – então acho que isso é um grande foco para nós.

Qual é a sensação de estar agora tão perto do fim da série?
Acho que será triste, e acho que vai ser duro. Mas já se passou uma década desde que assumimos esses papéis, e os filmes foram muito intensos, então acho que todos nós estamos prontos para deixá-lo ir. Mas vai ser difícil, definitivamente.

Quais são seus planos para seu futuro uma vez que Harry Potter tenha terminado?
Eu vou para a universidade em setembro, de modo que no momento estou simplesmente muito animada sobre isso. Eu sou jovem, então nada é realmente impossível. Estou mantendo minhas opções em aberto.

DA DOO RON RON
Rupert Grint

Como você diria que Rony evoluiu no decorrer dos filmes?
Todos nós crescemos no decorrer dos filmes, e eu acho que Rony cresceu muito neste filme porque ele arranja uma namorada, e faz muitas “coisas de irmão” em Enigma do Príncipe, pois começa a suspeitar dos relacionamentos de Gina.

Você mencionou que filmar as cenas românticas foi um pouco desconfortável – como é rever estas cenas?
É pior, na verdade, eu acho! Foi muito estranho, pois nós nos conhecíamos há apenas dois dias e uma das primeiras coisas que fizemos foi o beijo, e o set estava cheio de gente. Aquilo foi bem embaraçoso! Mas nós superamos isto no final.

De que você mais se lembrará da filmagem de Enigma do Príncipe?
De tirar molde da minha bunda. Eles estavam fazendo um assento para as vassoura para que ficasse mais confortável, e eu tive que vestir essas calças apertadas e sentar nesta coisa gelatinosa para que pudessem fazer um molde exato da minha bunda, e daí eles transformaram isso em um assento para a vassoura. O que ajudou muito, eu realmente me senti bem confortável.

Como é estar agora muito perto do fim de Harry Potter?
Será estranho. Ainda não caiu a ficha que Relíquias da Morte é o último e nós nunca mais voltaremos a fazer isto. Será bem triste – eu sentirei muita falta, porque eu realmente gostei muito disso tudo. Será legal ter liberdade, pois eles realmente tomam a maioria do seu ano- eu estou ansioso para ter uma pausa! Mas foi uma grande experiência.

Quando nós falamos com Yates, ele estava, na verdade, dando uma pausa durante a filmagem de uma cena em uma cabine de trem, onde um Harry invisível escutava a conversa de Draco antes de lançar uma magia negra na cabine levando o local à escuridão. A cabine é construída em um local cercado por telas verdes gigantes, e enquanto a equipe de filmagem traça o movimento do feitiço para que ele possa ser adicionado na pós-produção, os atores se divertem lá dentro lendo ou jogando cartas. São efeitos visuais como estes que Yates, que é um entusiasta, como sempre, em relação a trabalhar no filme, diz gostar em particular. “Eu nunca havia dirigido um filme com efeitos visuais antes de A Ordem da Fênix”, ele diz. ” Eu os escolhi bem rápido pois sempre fui um fã de filmes de efeitos especiais – eu cresci com Contatos Imediatos de Terceiro Grau e Star Wars – então eu era uma criança muito interessada neste assunto. O que me intriga agora é como deixar aquilo um pouco mais envolvente com os recursos que nós temos e com as empresas de efeitos especiais com as quais trabalhamos. É como nós melhoramos as coisas, como nós usamos o que aquelas coisas podem fazer a favor da nossa história. E eu estou muito ansioso para derrubar a ponte Millennium – não é todo dia que você derruba uma ponte.

CENAS NOVAS
Esta cena nova representa uma coisa que é peculiar em Enigma do Príncipe – enquanto algumas cenas foram inevitavelmente cortadas da história original, algumas novas foram acrescentadas. “Nós fazemos essas coisas com o consentimento de Jo”, diz Heyman. “Quando você está fazendo uma adaptação, algumas vezes você tem de fazer coisas de modo diferente. Por exemplo, Há uma cena em que os Comensais da Morte aparecem na Toca para atacar Harry, e isso nasceu de uma necessidade de manter a ameaça que está do lado de fora viva. Jo vai apimentando este sentimento no decorrer do livro, mas nós não tínhamos tempo para isto, e parece mais tangível se estas coisas afetam seus personagens principais, ao invés deles somente lerem sobre elas no jornal.”

Com o fim da série de filmes agora em vista, não é surpreendente que haja alguma tristeza entre a equipe por fechar as portas de Hogwarts para sempre em alguns anos. No entando, é algo que eles estão animados em fazer. “Há tanta coisa que eu estou ansioso por fazer”, diz Heymam. ” Estou ansioso pelos vários Harrys no começo, a fuga da mansão Malfoy, o enterro de Dobby- foi muito emocionante. E a cena final, onde todas as pessoas do passado de Harry que estão mortas juntam-se a ele em sua caminhada rumo a Voldemort. “É muito mítico, mas não somente por isso.” Ambos os produtores possuem outros projetos encaminhados para quando o final da série chegar, mas partilham de uma melancolia ao pensar no final de Harry no cinema. “Semana passada foi a primeira vez em que a luz no fim do túnel realmente brilhou intensamente, e foi a primeira vez em que eu realmente fiquei triste,” diz Heyman. “Sei que quando acabar haverá uma mistura de sentimentos sobre o que está por vir, mas isto é especial e eu realmente quero aproveitar os últimos anos da minha vida Potter. Estamos trabalhando de um jeito único, onde temos um público que quer o sucesso dos nossos filmes, e um estúdio que nos deixa a vontade para trabalhar. E é como uma família em vários aspectos; nós todos crescemos juntos aqui.” Este sentimento de amadurecimento é algo que Yates, que também assinou para dirigir ambas as partes de Relíquias da Morte, percebe também entre os membros mais jovens do elenco em particular. “Todos eles estão melhorando”, diz ele. “Tom Felton como Malfoy, será revelador nesse filme. Ele possui um personagem de verdade para interpretar dessa vez- é um assassino juvenil, e está realmente lutando com essa missão que lhe foi dada, e se sente orgulhoso por ter sido requisitado por Voldemort para tirar a vida de Dumbledore. Mas ao mesmo tempo, isso o está devorando por dentro. Portanto Tom possui todas essas camadas para explorar e está fazendo um trabalho muito bom, muito emocionante. Ele nunca teve a oportunidade de fazer isso antes, porque Malfoy sempre foi meio que um vilão 2D. Agora, possui um desenvolvimento emocional maior. E Dan – no último filme foi tudo muito emocional, era como se ele estivesse de punhos fechados o tempo todo porque era isso que precisávamos explorar. Agora ele está experimentando um pouco mais de comédia. Ele ganhou alguma experiência nos palcos com Equus, e o outro trabalho que tem feito, então está aprendendo a explorar várias emoções, o que é ótimo – você o vê de repente, mais suave.”

Então Relíquias da Morte é mesmo o fim de Harry Potter? “Eu não acho que Jô escreverá outra história envolvendo Harry, Rony e Hermione em Hogwarts,” Heyman responde, com Barron complementando, “Ela passou os últimos 17 anos aperfeiçoando a estrutura para essa história em particular, então é difícil imaginar que ela retorne a ela.”

“Ela me contou, quando acabou, foi como a pior separação que ela já teve,” Heyman continua, “Mas agora ela está muito feliz. Eu nunca a vi tão espirituosa e cheia de vida.”

Aqui existe Draco*
Tom Felton

Draco possui um papel maior nesse filme- o que você acha do desenvolvimento de seu personagem?
Nos últimos 5 filmes ele era um pouco bidimensional, mas nesse filme você vê alguns lados dele que você nunca viu antes. Ele está desesperado para assumir a glória de ser o escolhido, mas lá no fundo ele sabe que nunca será capaz de fazer isso. Ele está sempre se confrontando, o que é muito legal de interpretar.

Qual o seu maior desafio nesse papel?
Gosto de pensar que um dos objetivos do meu trabalho é fazer com que o público sinta empatia por Draco, então no começo do filme eles o odeiam, mas no final eles quase pensam “pobre garoto”. Como eu faço isso já é outra história! É o caso de tentar mostrar todas essas emoções conflitantes usando toda a minha habilidade, eu acho.

Ter lido o último livro interferiu na sua aproximação com a personagem?
Eu sempre tento me referir mais ao roteiro do que ao livro, pois Draco obviamente não sabe o que está por vir nos próximos anos. Igualmente, porém, eu li todos os livros diversas vezes- não conseguia largar do sétimo livro uma vez que o pegara!

Foi difícil crescer em um set de cinema?
Sou privilegiado, no sentido em que comecei Harry Potter com uma idade onde havia tido a chance de crescer ao redor de crianças antes de ser exposto ao mundo do trabalho. Por mais que eu tenha gostado de crescer com adultos, sempre tive bons amigos desde antes do primeiro filme, que nunca mudaram e nunca me trataram de forma diferente.

Harry Potter e o Enigma do Príncipe será lançado na quarta-feira, 15 de julho.

* Esse título faz referência a famosa frase here be dragons(aqui existem dragões, em tradução livre) geralmente usada para denotar territórios inexplorados ou perigosos, imitando a freqüente prática medieval de posicionar serpentes marinhas e outras criaturas mitológicas nas áreas em branco do mapa.