Sem categoria

Alan Rickman fala sobre projetos futuros

O renomado ator Alan Rickman, que na série Harry Potter dá vida ao personagem Severo Snape, deu uma entrevista ao site The Boston Globe para promover o seu novo filme “Nobel Son”. O ator nos conta sobre a versatilidade de sua carreira e também revela o engajamento em projetos futuros.
Ao ser perguntado se as crianças o reconheciam como snape, o ator responde:

“Não realmente, porque eu geralmente não saio por aí usando uma peruca negra.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E quando perguntado se faria alguma outra franquia de grande porte, Alan responde com um ar meio cômico.

“Somente se eu estivesse guarnecido de uma cadeira de rodas e um tanque de oxigênio.”

ALAN RICKMAN
De interesse amoroso a mestre das artes obscuras

Jason Matloff ~ Good Prattle
30 de novembro de 2008
Tradução: Dérick Moreira

Nova Iorque – Quando se tratou da escalação do personagem principal Eli Michaelson para a dark-comic de thriller criminal “Nobel Son,” os criadores do filme não possuíam um plano B. Alan Rickman era sua primeira e única escolha para interpretar o ganhador do Prêmio Nobel (e imbecil pomposo) cujo filho é seqüestrado e mantido cativo esperando o resgate.

“Nós tivemos um sonho no qual Alan iria interpretar Eli,” disse a escritora e produtora Jody Savin, cujo marido, Randall Miller, foi diretor, escritor e produtor do filme. “Nós tivemos muita sorte.”

Realmente eles tiveram. Desde a estréia de Rickman no cinema no filme “Duro de matar” de 1988, o ator tem realizado aclamadas atuações em filmes como “Razão e sensibilidade”, “Heróis fora de órbita”, a série Harry Potter, “Simplesmente amor”, e “Perfume – A história de um assassino.” Depois de terminar “Nobel Son,” que estréia localmente na sexta-feira, Rickman estrelou a realização seguinte de Miller e Davin, “Bottle Shock,” uma comédia independente que foi lançada antes, em agosto.

Em uma fria manhã de novembro, o londrino se sentou para discutir seu papel como Eli Michaelson, a vida após Harry Potter, e por que é importante olhar atentamente sua filmografia antes de fazer suposições sobre sua carreira.

Q. Qual foi sua reação inicial ao roteiro de “Nobel Son”?
A. Eu pensei “Quem diabos escreveu isso?” E então eu falei com Ran e Jody pelo telefone, e novamente eu pensei, “Quem são essas pessoas?” Mas é isso que eu adoro neles, não há um jeito fácil de rotular seu trabalho.

Q. Eli parece fácil de se rotular: Que tal “miserável”?
A. Ele sabe o que quer. Ele é feliz. [ri]

Q. Foi agradável incorporar tal pessoa?
A. É muito divertido, realmente. Porque por um lado ele é um adulto, e por outro, ele tem aproximadamente 11 anos.

Q. Você alegou no passado que seu personagem em “Um certo olhar” [Rickman interpreta um ex-presidiário que forja uma amizade com um adulto autista] era o mais parecido com você do que qualquer outro que você já interpretou. Quanto de você está em Eli?
A. Bem, você tem que puxar isso de algum lugar. Eu acho que há um idiota egoísta dentro de cada homem.

Q. Eli ganhou o Prêmio Nobel de Química. Você tirou a poeira dos seus velhos livros escolares, para fazer uma pesquisa?
A. Isso teria sido uma perda de tempo, porque eu era um imprestável em tudo ligado a ciência na escola.

Q. Falando de prêmios, seu personagem em “Duro de matar”, Hans Gruber, foi eleito pelo American Film Institute (Instituto de cinema norte-americano) como o 46º melhor vilão de todos os tempos. Isso te deixa orgulhoso?
A. Novamente, eu não sei sobre rótulos, mas se ao dizer isso, eles querem dizer que eu realizei uma boa atuação em um bom filme, então ótimo, obrigado.

Q. Durante os anos, muitos jornalistas o categorizaram como um ator que freqüentemente interpreta papeis mais pesados. Isso fica cansativo?
A. Olhe para cima e para baixo no meu [currículo], e provavelmente lá estarão seis papeis desse tipo.

Q. É por isso que no passado, você não ficava tão entusiasmado ao falar sobre “Duro de matar”?
A. Eu tenho muito orgulho daquele filme, mas, novamente, apenas olhe para cima e para baixo no meu currículo.

Q. Se alguém olhar, encontrará uma mistura de filmes de estúdio com um grande orçamento [“Sweeney Todd,” os filmes Harry Potter] e independentes [“Um certo olhar,” “Bottle Schock”]. Você tem uma preferência?
A. Eu suponho que no geral, eu sou mais atraído por projetos independentes. Mas isso não quer dizer que eu não faria algo mais grandioso se ele tivesse energia e visão.

Q. Você é mais reconhecido por qual de seus filmes?
A. “Razão e sensibilidade,” “Truly Madly Deeply.” Os adolescentes adoram “Dogma.”

Q. As crianças reconhecem você como o Severo Snape de Harry Potter?
A. Não realmente, porque eu geralmente não saio por aí usando uma peruca negra.

Q. “Harry Potter e o Enigma do Príncipe” estréia em julho, e mais tarde nesse ano, você começará a filmar o último capítulo da série, “Harry Potter e as Relíquias da Morte.” Como você se sente sabendo que o final está à vista?
A. Isso significa que eu serei capaz de fazer mais teatro como um ator. Eu não podia antes, pois eu nunca sabia qual seria o meu comprometimento.

Q. Você faria outro filme se soubesse que poderia haver seis continuações?
A. Somente se eu estivesse guarnecido de uma cadeira de rodas e um tanque de oxigênio.