J. K. Rowling ︎◆ Livros

JK Rowling: Vilã ou Mocinha?

Depois do processo entre WB e RDR, o site Hatrack River publicou um texto do Orson Scott Card falando sobre Rowling, seus processos e obras, fazendo muitas críticas e comparando obras mais antigas a Potter, utilizando-se de acusações pesadas e sem provas concretas.

Dentre muitos, mencionou algumas obras como Ender’s Game, de sua autoria, onde ele diz que o “livro foi publicado na Inglaterra anos antes de Rowling começar a escrever sobre Harry Potter” e que ele pode se levantar e chorar também, falando de como se sentiu “pessoalmente violado”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Usando palavras um tanto duras, ele disse ter sido vítima do que Rowling tanto condena e tem ganhado tantos processos: rearranjo de material. Certo ou não, o artigo falou coisas um tanto errôneas que contradizem tudo o que os milhares de fãs de JK Rowling e Harry Potter do mundo inteiro acreditam.

Pessoas que saibam desse processo, fiquem com um gosto amargo na boca em relação a Rowling de agora em diante. Seu conto de Cinderella já nos encantou. Seu comportamento avarento de bruxa-má agora nos incomoda. E seu próximo livro seja percebido como o trabalho dessa bruxa má.

Que pretensiosa e arrogante covarde. Quando escrevi um personagem gay na minha história, disse isso no próprio livro. Não esperei até que ele vendesse sua tiragem inicial para mencionar o fato.

Rowling nos mostrou como carece de um cérebro, um coração e coragem. Obviamente, ela precisa visitar Oz.

Se esta história é verdadeira, que se vá então aos tribunais para se averiguar ambas as versões do fato que foram tão duramente discutidas ali, pois acusações pesadas foram feitas e o direito de resposta deve existir.

Vale ressaltar que o processo entre WB/JK Rowking contra RDR/Lexicon terminou em acordo parcial depois da sugestão do juiz Patterson.

Confiram a tradução do texto na íntegra em notícia completa.

JK ROWLING
Rowling, Lexicon e Oz

Hatrack River ~ Tio Orson Revisa Tudo
20 de abril de 2008
Tradução: Adriana Couto Pereira

Você acredita que J.K. Rowling está processando uma pequena editora porque acha que a edição de 10.000 cópias de Harry Potter Lexicon, um livro sobre a série absurdamente famosa de Rowling, é apenas um “rearranjo” de seu próprio material?

Rowling “sente que suas palavras foram roubadas “, disse o advogado Dan Shallman.

Bom, é, eu sinto que o enredo de minha novela Ender’s Game foi roupado por J.K. Rowling.

Um jovem rapaz crescendo em uma opressiva situação familiar de repente descobre que pertence a uma classe especial de crianças com habilidades especiais, que são educadas em um centro de treinamento distante, onde a vida dos alunos é dominada por um intenso jogo que se passa no ar, e esse rapaz demonstra ter um talento excepcional e natural liderança. Ele treina outros garotos em sessões extras não autorizadas, o que irrita seus inimigos, que o atacam com a intenção de matar; mas ele é protegido por seus leais e brilhantes amigos e ganha força do amor de alguns de seus membros familiares. Ele recebe orientação especial por parte de um homem mais velho de lendárias habilidades que previamente mantém o inimigo sob vigília. Ele segue até se tornar a figura crucial em uma batalha contra um inimigo invisível que tenta dominar o mundo.

Este parágrafo lista apenas as semelhanças mais proeminentes entre Ender’s Game e a série Harry Potter. Meu livro foi publicado na Inglaterra anos antes de Rowling começar a escrever sobre Harry Potter. Sabe-se que Rowling lia muita ficção especulativa durante a época posterior à publicação de meu livro.

Eu posso me levantar e chorar também, Sra. Rowling, e falar sobre se sentir “pessoalmente violado”.

A diferença entre nós é que eu já fiz dinheiro o suficiente com Ender’s Game, sem precisar tentar punir outras pessoas cuja criatividade possa ter sido inspirada por algo que escrevi.

Mas o meu trabalho não é o único que Rowling possa ter “emprestado”. Veja este artigo de um site de fãs, indicando ligações entre Harry Potter e outros trabalhos anteriores: aqui. E não esqueça do processo por Nancy K. Stouffer, a autora de um livro entitulado “A lenda de Rah e os Muggles” [N.T.: Trouxas, no original], cujo herói era chamado “Larry Potter”.

Naquela época, os advogados de Rowling chamaram o apelo de Stouffer de “frívolo”.

É verdade que escritores emprestam palavras uns dos outros — mas supostamente temos que admitir isso, e não fingir que somos originais quando não somos. Eu tomei a palavra ansible [N.T.: Uma máquina hipotética capaz de realizar comunicação superluminal] de Ursula K. LeGuin, e sempre admiti isso. Rowling, entretanto, nega tudo.

Se Steven Vander Ark, o autor do Lexicon, tivesse escrito algo que dissesse ser original, quando é na verdade um rearranjo de idéias tiradas dos livros de Harry Potter, então ela teria razão.

Mas o Lexicon é intencionalmente apenas um livro de refereência para pessoas que já pagaram por suas cópias dos livros de Rwoling. Mesmo que o livro não seja acadêmico, ele certamente cai no mérito de um comentário acadêmico.

A hipocrisia de Rowling é tão densa que eu mal posso respirar: Antes da publicação de cada número, haviam livros sobre eles que não eram mais invasivos que o Lexicon. Eu contribuí para um deles, e não hove reclamação de Rowling ou de sua editora porque eles sabiam perfeitamente bem que essas publicações de fãs eram grande publicidade e na verdade impulsionavam as vendas.

Mas agora que a série de Harry Potter acabou, Rowling reclama que seu “trabalho cirativo” está sendo “dizimado”.

Claro, ela não declara que é o Lexicon que está minando seu “trabalho criativo” (de quem ela emprestou o termo, dessa vez?); é o processo em si! e desde que ela escolheu processar, qual o problema? Se ela tivesse deixado Vander Ark publicar seu pequeno livro e fazer seu dinheirinho, ela não iria se distrair da sua próxima novela.

Mas não, Rowling declara que o livro de Vander Ark “constitui totalmente no roubo de 17 anos de meu trabalho duro”.

Dezessete anos? Que piada. Aparentemente, ela incluiu na conta o tempo no qual estava lendo — e emprestando palavras — os trabalhos de outros escritores.

Entretanto, a principal queixa de Rowling parece ser que ela poderia fazer um trabalho melhor de anotar e enciclopedizar sua própria série.

E daí?

Nada a impede de fazer exatamente isso — anotar e explicar seus próprios livros. Você acha que, se houvesse um Anotações Sobre Harry Potter feito pela Autora, o livro de Vander Ark poderia interferir nas vendas de alguma forma?

Esse processo frívolo põe em sério risco toda a tradição de comentários sobre livros de ficção. Qualquer aluno que escrever um artigo ou trabalho sobre os livros de Harry Potter, qualquer tratado acadêmico sobre isso, fará certamente aquilo que ela está reclamando.

Uma vez que você publica sua ficção, Sra. Rowling, qualquer um torna-se livre para escrever sobre, ou comentar, e para citar livremente trechos dela, desde que a fonte seja mencionada.

Eis a ironia: Vander Ark mantém o material de seu livro em seu website há anos, e há uma citação de Rowling dizendo que, quando ela precisava dar uma olhada em algum “fato” dos primeiros livros, às vezes poderia “correr até a Internet e verificar um fato ao invés de ir a uma livraria e comprar uma cópia de Harry Potter”.

Em outras palavras, ela pessoalmente já utilizou o trabalho de Vander Ark e achou importante. Mesmo se foi por pouco tempo, ela achou útil.

Isso quer dizer que Vander Ark criou algo original e útil — ele agregou valor ao produto. Se Rowling quiser reclamar que isso interfere em sua criatividade agora, ela deveria ter feito isso enquanto estava usando o site — e dando a Vander Ark um prêmio por seu site em 2004.

Agora, claro, ela lamenta “amargamente” ter dado o prêmio.

Sabe o que eu acho que está havendo?

Rowling não tem para onde ir e nada para fazer agora que a série de Harry Potter acabou. Depois de todos os seus empréstimos literários, ela queimou seus cartuchos e está hesitando ao tentar fazer alguma coisa que signifique algo.

Além disso, ela está desesperada por respeitabilidade literária. Mesmo que tenha mais dinheiro que a Rainha ou que a Oprah Winfrey em alguns anos, ela tem que ver seus livros na lista de bestsellers e indicados em uma lista especial de “livros infantis”. Acadêmicos literários escarnecem de seu trabalho como um tipo de subliteratura, não realmente digna de discussão.

Isso a deixa maluca. O dinheiro não é suficiente. Ela quer ser tratada com respeito.

Ao mesmo tempo, ela também está rodeada por pessoas cuja principal função é puxar seu saco. Sem dúvida, algumas delas estão dizendo: “Está errado que essas outras pessoas explorem o que você criou para ganhar dinheiro para si mesmas”.

Ela se deixa aparecer como alguém ultrajada por uma atividade editorial perfeitamente normal, alguém que ela mesma já fez uso durante sua disponibilidade na internet.

Agora ela está processando alguém que devotou anos promovendo o trabalho dela sem ganhar dinheiro algum por seu esforço — e que na verdade ajudou-a a ganhar alguns dos seus buzilhões de dólares.

Talento não desculpa a ingratidão de Rowling, sua vaidade, ganância, sua atitude de zombar dos mais fracos e seu patético apelo por angústia emocional.

Eu espero de coração que o resultado desse processo seja:

1. A publicação do Lexicon continue sem nenhum problema ou prejuízo, porque ele claramente cai nos direitos de copyright para trabalhos escolares, comentários e resenhas.

2. Rowling seja forçada a pagar as taxas legais de Steven Vander Arks, uma vez que seu processo foi destituído de mérito desde o início.

3. Pessoas que saibam desse processo fiquem com um gosto amargo na boca em relação a Rowling de agora em diante. Seu conto de Cinderella já nos encantou. Seu comportamento avarento de bruxa-má agora nos incomoda. E seu próximo livro seja percebido como o trabalho dessa bruxa má.

É como sua estúpida e interesseira declaração de que Dumbledore era gay. Ela queria créditos por ser muito antenada e politicamente correta — mas não teve colhões para colocar o suposto “fato” no enredo da obra, sabendo que isso poderia afetar as vendas.

Que pretensiosa e arrogante covarde. Quando escrevi um personagem gay na minha história, disse isso no próprio livro. Não esperei até que ele vendesse sua tiragem inicial para mencionar o fato.

Rowling nos mostrou como carece de um cérebro, um coração e coragem. Obviamente, ela precisa visitar Oz.