As Relíquias da Morte ︎◆ J. K. Rowling ︎◆ Livros

MTV divulga duas entrevistas reveladoras com JKR

Durante a sua turnê pelos Estados Unidos, a autora J. K. Rowling concedeu duas entrevistas à MTV norte-americana. Uma delas foi publicada no blog, e a outra no site oficial da emissora. A primeira fala que os atores pediam para Jo contar o destino de suas personagens no último livro. Leiam um trecho abaixo:

Em um mundo cheio de feitiços mágicos, onde problemas podem ser resolvidos com uma mexida de pulso, o antigo provérbio ainda se aplica. Uma alegre J.K. Rowling disse a repórteres: Cuidado com o que desejam!

Isso se aplicou às estrelas dos filmes “Harry Potter”, que queriam saber o que ia acontecer a suas personagens com a aproximação do último livro… até que ela começou a contar a eles.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já na segunda, JKR fala sobre a forte imagem cristã que está implicita em toda a série, principalmente em “Relíquias”, e que basta um leitor afiado para fazer as ligações necessárias. Por fim, disse ter orgulho que seus livros estejam em tantas listas de livros banidos e declarou não levar a sério os protestos de alguns religiosos.

Infelizmente, nós não podemos dar mais informações aqui porque elas estão repletas de spoilers do livro Harry Potter e as Relíquias da Morte. No entanto, o Potterish traduziu as duas entrevistas na íntegra! Confiram ambas em notícia completa.

Este artigo contém spoilers!
Se mesmo assim deseja lê-lo integralmente, clique em Notícia Completa.
Para mais informações ou dúvidas, consulte nossa Política Anti-Spoilers.

J. K. ROWLING
J.K. Rowling Reconta Conversa Reveladora com estrelas de ‘Potter’

MTV ~ Shawn Adler
17 de outubro de 2007
Tradução: Raisa Garcia

Em um mundo cheio de feitiços mágicos, onde problemas podem ser resolvidos com uma mexida de pulso, o antigo provérbio ainda se aplica. Uma alegre J.K. Rowling disse a repórteres: Cuidado com o que desejam!

Isso se aplicou às estrelas dos filmes “Harry Potter”, que queriam saber o que ia acontecer a suas personagens com a aproximação do último livro… até que ela começou a contar a eles. (AVISO: SPOILERS ADIANTE)

“Eu acho que eles tinham medo de me perguntar,” ela disse, com um grande sorriso. “Eu visitei o set e Dan Radcliffe e eu conversamos, e foi ótimo. E eu disse a ele ‘Dumbledore está me dando trabalho. ’ E ele disse, ‘Mas Dumbledore está morto! ’ E aí imediatamente ‘Não me diga! Não me diga!’”

Mas isso não fez Radcliffe parar de “fingir que sabia o final do livro sete,” Rowling riu, dizendo que pagou pela sua grande boca. “ Ele seguiu o corredor, a procura das crianças, porque eles ainda estavam estudando na época, e ele disse, ‘Ela me disse, eu sei o que acontece,’” relatou Rowling. “É claro que então ele foi assediado e começou a entrar em pânico.”

“Ele teve um gostinho do que é ser eu,” a autora gargalhou. “Bem feito pra ele!”

No entanto, certamente, alguns pedaços de informação foram necessários para finger direito – e nada além, aparentemente, do que estava para acontecer a um certo par de futuros amantes.

“Eu disse a todos pedaçinhos, [mas] eu disse a Emma Watson mais coisas,” Rowling disse sobre a atriz que faz o papel de Hermione Granger, que no sétimo romance tem seu momento romântico com Rony Weasley. “Ela quase caiu da cadeira de tanto rir quando eu disse que ela teria que beijar.”

“Mas se é fiel à estória, ela tem que beijar ambos,” Rowling adicionou, indicando Harry e Rony. “O que eu acho que é meio engraçado.”

Se você fosse um dos atores nos filmes “Harry Potter”, você gostaria de saber o que iria acontecer? Ou você teria receio em perguntar? Opine abaixo.

J. K. ROWLING
A autora de ‘Harry Potter’, J.K. Rowling fala sobre a imagem cristã do livro

MTV ~ Shawn Adler
17 de outubro de 2007
Tradução: Raisa Garcia

‘Elas quase resumem a série inteira,’ ela diz sobre a escritura que Harry lê em Godric’s Hollow.

HOLLYWOOD — O livro lida intensivamente com almas – sobre mantê-las inteiras e a maldade necessária para separá-las em dois. Depois que um herói cai além do véu da vida, seus sussurros ainda são ouvidos. Começa com a premissa de que o amor pode te salvar da morte e termina com a declaração que um sacrifício em nome do amor pode te trazer de volta à vida.

Harry Potter é seguido por elfos domésticos e duendes – não discípulos – mas para o leitor afiado, os paralelos bíblicos são evidentes. Os livros “Harry Potter”, da autora J.K. Rowling, têm sempre, de fato, lidado explicitamente com temas e questões religiosas, mas até “Harry Potter e as Relíquias da Morte,” eles nunca haviam citado uma religião específica.

(ALERTA DE SPOILER! O resto desse artigo discute a conclusão de “Relíquias da Morte.”)

Esse foi o plano desde o começo, Rowling disse a repórteres durante a conferência de imprensa no começo de sua Open Book Tour, na segunda-feira. Não foi porque ela tinha medo de inserir religião em uma estória infantil. Foi porque ela tinha medo de, com a introdução de religião (especialmente cristianismo), falar demais, e deixar os fãs perceberem os paralelos.

“Para mim [os paralelos religiosos estiveram] sempre óbvios,” ela disse. “Mas eu não queria falar sobre isso abertamente, porque eu achei que isso poderia mostrar
às pessoas onde chegaria a estória.”

De fato, como é mais simplista, o conto final de Harry pode, em alguns aspectos, ser reduzido a uma estória de ressurreição, com Harry aventurando-se em uma estação meio paradisíaca depois de ser atingido pela maldição da morte no capítulo 35, apenas para retornar em seguida. (Leia como Rowling revelou os destinos das personagens às estrelas dos filmes “Harry Potter” aqui.)

Mas se ela estava preocupada de dar dicas narrativas nos primeiros livros, ela nitidamente não estava quando Harry visitou seus pais no capítulo 16 de “Relíquias da Morte”, entitulado “Godric’s Hollow.” Na lápide de seus pais ele lê a citação “Ora, o último inimigo a ser destruído é a morte,” enquanto em outra lápide (o da mãe e da irmã de Dumbledore) ele lê, “Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração.”

Enquanto Rowling disse que Hogwarts é uma escola de vários credos, “essas citações, é claro, são claramente cristãs. A segunda é uma citação direta de Jesus encontrada em Mateus 6:19, a primeira vem de Coríntios 15:26. Enquanto Hermione conta a Harry depois que ele vê os túmulos, a mensagem de seus pais significa “vida além da morte. Vida depois da morte.” Essa é uma das fundações centrais da teologia resurrecionista.

O que combina perfeitamente com Harry, disse Rowling, que estava falando sobre essas citações pela primeiríssima vez.

“Os livros são bem britânicos, então, em uma nota muito útil, Harry iria encontrar citações bíblicas em lápides,” Rowling explicou. “[Mas] eu acho que essas duas citações que ele encontra nas lápides em Godric’s Hollow, elas resumem – elas quase resumem a série inteira.”

Por ser o que junta as três Relíquias da Morte, Harry, de fato, se torna o “Mestre da Morte” no final do romance, podendo trazer de volta os espíritos de seus pais, seu padrinho Sirius Black e seu antigo professor Remo Lupin. É uma conclusão que termina com a luta de Harry, que dura três livros, com questões sobre a vida após a morte, que começa quando Sirius atravessa um véu ligando este mundo e o próximo no final de “Ordem da Fênix.”

O próprio “Relíquias da Morte” começa com dois epígrafes de temas religiosos, um de “The Libation Bearers” por Aeschylus, que clama pelos deuses para “abençoe as crianças”; e um de “More Fruits of Solitude,” de William Penn, que fala sobre a morte como “cruzando o mundo, como amigos fazem com os mares.” Nenhum outro livro da série começa com epígrafes – um fato curioso, talvez, mas que Rowling insiste em servir como guia.

“Eu realmente gostei de escolher essas duas citações poque uma é pagã, é claro, e uma é da tradição cristã,” Rowling disse da inclusão, “Eu sabia que seriam essas duas passagens desde que “Câmara” foi publicado. Eu sempre soube [que] se eu pudesse usá-las no começo do sétimo livro, eu teria dado uma dica perfeita para o final. Se elas fossem relevantes, então eu fui onde tive que ir.

“Elas apenas significam tudo para mim, elas realmente significam,” ela adicionou.

Mas enquanto o livro começa com uma citação sobre a alma immortal – e embora Harry encontre paz com sua própria morte no final de sua jornada – é a própria luta que espelha a de Rowling, segundo a autora.

“A verdade é que, como Graham Greene, eu acredito as vezes que minha fé retornará. Luto muito com isso,” ela revelou. “Em qualquer momento, se você me perguntasse se eu acredito em vida após a morte, eu acho que se você me perguntasse regularmente durante a semana, eu acho que eu iria acabar dizendo que sim – que eu acredito em vida após a morte. [Mas] luto com isso muito. Isso me preocupa muito, e eu acho que é bem óbvio perceber isso através dos livros.”

Que, com o reconhecimento da autora, “Harry Potter” lida intensivamente com temas cristãos pode ser de certa forma irônico, considerando que tantos líderes cristãos denunciaram a série por exaltar a bruxaria. Quando ele era conhecido apenas como Cardeal Joseph Ratzinger, o próprio Papa condenou os livros, escrevendo que suas “seduções implícitas, que agem despercebidas… distorcem profundamente o cristianismo na alma antes que ele possa crescer devidamente.”

De sua parte, Rowling disse que tem orgulho de estar em tantas listas de livros banidos. Em relação aos protestos de alguns crentes? Bem, ela não leva a sério.

“Eu mesma vou à igreja”, ela declarou. “Eu não tenho nenhuma responsabilidade sobre os fanáticos da minha própria religião.”