Eventos

Premiere australiana de December Boys e Press Junket NYC

Ontem foi realizada a premiere do filme December Boys em Melbourne, Austrália, e já se pode encontrar na internet várias fotos do evento.Nós reunimos todas encontradas no GettyImages, Facebook e Slide. Ao todo são mais de 100 fotos, e você pode ver as de média qualidade aqui e as de alta qualidade aqui.

Thanks to The Snitch, TLC e DR.co.uk.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Atualizado: Agora você pode ler a tradução na íntegra da conferência de imprensa de December Boys, que aconteceu em Nova York, com Dan e o diretor Rod Hardy. Confira em notícia completa.

DECEMBER BOYS
Conferência de Imprensa Daniel Radcliffe e Rod Hardy – Nova York

DanRadcliffe.com
Tradução: Raquel Monteiro

Imprensa: Nesse filme é um pouco mais sexy. Como você se aprimorou para isso e como foi pra você?
Daniel: Em termos do beijo do Harry Potter isso realmente tomou conta das ultimas noticias dos jornalistas. Você pode dizer quem pesquisou por eles porque os que disseram que foi o meu primeiro beijo na tela no HP5 não tinham nem idéia que eu beijei Teresa Palmer em December Boys. Na verdade eu estava muito agradecido que foi com Teresa porque ela… De um modo a dinâmica dos personagens refletiu como somos como atores naquele dia. O personagem dela no filme, vamos dizer, é mundano, e Maps é meio nervoso e desajeitado e grosseiro. Teresa, já tendo feito algumas cenas assim no passado, e eu, não tendo feito nenhuma, ela estava meio que me guiando conforme ela faz com Maps.

Rod: E aliás, essa cena foi gravada 3 horas da manhã também.

Daniel: Yeah, foi um dia longo. Nós fizemos todas as coisas da caverna em um só dia. Nós começamos às 4 da tarde e acabamos às 4 da manhã.

Imprensa: Você mencionou que esta com 18 agora e você cresceu fazendo as coisas de Harry Potter. Parece que vocês três foram muito protegidos da mídia, de serem explorados ou algo do gênero. Agora que você tem 18…
Daniel: Eu sou explorado o tempo todo. (grande risada)

Imprensa: Você esta achando a mídia mais interessada na sua vida pessoal ou acha que nada mudou realmente?
Daniel: Pra ser honesto, eu não tenho 18 faz muito tempo, então eu acho que provavelmente nós precisamos dar mais tempo antes de podermos medir a situação. Eu não sei se algo vai mudar. Eu espero que não, mas eu aceito que provavelmente vai um pouco. Eu não sei pra ser honesto. Nós veremos.

Imprensa: Tem alguma coisa que você mudaria se você fizesse Equus na Broadway no modo como você interpretou o personagem em West End?
Daniel: Esta é um pergunta que não me fizeram ainda. Eu não estive… Minha mente não tem estado em Alan Strang por alguns meses agora. Provavelmente perto do tempo que eu tiver que revisar a peça, tenho certeza que haverá mudanças, assim como quando fazíamos em West End mudava quase todas as noites.

Imprensa: E como você se sente sobre Harry Potter agora que você sabe que esses serão os últimos dois?
Daniel: Esquisito. Vai ser muito estranho, pessoalmente, eu acho. Mas é emocionante. Eu só não sei como eu vou me sentir quando parar. Vai ser triste, mas vai ser bom.

Imprensa: Você meio que continua um menino no coração. Daniel Radcliffe está crescido agora, ou ainda tem algumas coisas de garoto que ele ainda gosta?
Daniel: Você quer dizer como Monopólio? Pra ser honesto eu não acho que eu vá realmente crescer. Eu não acho que ninguém realmente o faça. Todos continuam muito jovens no coração. Eu sei que certamente sou. Eu não acho que eu tenha mudado tanto. Não é como seu tivesse feito 18 e começado a comprar o Financial Times.

Rod: Ele sempre tem um baralho de cartas à mão.

Daniel: Yeah, exatamente.

Rod: Agora a próxima coisa é se ele irá se tornar um apostador ou um mágico porque ele adora ser mágico.

Daniel: Yeah, é eu faço um monte de truque com cartas, o que é um símbolo de juventude, eu espero.

Eu acho uma das coisas maravilhosas desse filme é que, na época que todo filme feito é de certo modo, do jeito como é feito ou pelo script, desde o começo, almeja um lucro. Porque é desse modo que as coisas são nesse ramo, e esse filme não é assim. Só está contando uma história. E tem pedaços que crianças pequenas irão gostar, e tem pedaços que pessoas da minha idade ou mais velhas irão associar e amar. Nós contamos todos os aspectos da história, e o balanceamos, e não tentamos colocá-lo em nenhum ângulo particular para contá-lo.

Imprensa: Daniel, os papéis que você atuou até agora, fora do mundo de Harry Potter, que tipo de sexualidade em alguns aspectos seus personagens estão descobrindo a sexualidade deles. Estou curioso para saber se você já considerou fazer um personagem gay no aspecto de ser ator.
Daniel: Eu nunca faria um personagem gay só por fazer um personagem gay. Se o script for bom, e se for um bom personagem gay, eu tenho 18, então as partes que eu irei pegar serão abertas para essa faixa etária. E nessa faixa etária é quando as pessoas estão explorando sua sexualidade, então essas são as partes que eu acho que provavelmente estarei envolvido.

Imprensa: O que você acha que seu personagem te ensinou?
Daniel: Desculpe, o que Maps me ensinou sobre mim mesmo?

Imprensa: Sim.
Daniel: Nós conversamos muito sobre isso mais cedo e eu tenho uma entusiasmo pela vida e em alguns aspectos eu sou muito excitável em conversas. E Maps não é isso. Ele é completamente o oposto.

Rod: Alguém me perguntou hoje qual foi o aviso que eu me lembrava ter dado ao Daniel. E realmente tinha um, e eu dei a ele por volta de 6 meses antes de começarmos as gravações, e era que Daniel é uma pessoa de um modo, e eu digo isso como, e absolutamente quero dizer isso como um completo complemento, que tem seu coração a mostra. Tem uma honestidade e uma veracidade, e um entusiasmo por tudo. Mas o personagem de Maps é como um pobre cãozinho que foi chutado muitas vezes e responde conformemente. Então Daniel aderiu a isso e levou isso a algumas das músicas mais sombrias que você pode imaginar e ouviu suas letras e certamente me mandou um CD dessas músicas obscuras, e eu percebi que estávamos no caminho certo porque eu tive vontade de cortar meus pulsos.

Imprensa: Qual era o CD?
Daniel: Era um com muito Elliott Smith e Willy Mason.

Rod: É medonho, coisas medonhas.

Daniel: É um pouco obscuro, Radiohead, Nine Black Alps, coisas um pouco pesadas.

Imprensa: Foi uma perseguição para você conseguir o Daniel no filme? Quando você disse 6 meses antes, foi talvez porque a agenda de filmagens de Harry Potter determinou que ele não poderia fazer mais nada.
Rod: Os planetas se alinharam completamente. No fim do dia, o pensamento sobre Daniel… Você está fazendo um filme australiano, o orçamento nem sempre é a coisa mais alta do mundo, e alguém diz ‘Como você se sentiria sobre ter Daniel Radcliffe no seu filme’; que foram as exatas palavras que o agente dele me disse… Eu pulei e imediatamente disse SIM. E isto aconteceu no tempo que Daniel estava procurando por material já que a imagem de Potter estava perto do fim e teria um tempo entre o próximo que seria feito. Então eu fui muito afortunado que os planetas se alinharam e nós tivemos a oportunidade de trabalharmos juntos.

Imprensa: Você sentiu a oportunidade de nutrir o elenco inexperiente de December Boys?
Daniel: Não, não realmente. Eu me senti um pouco paternal, aquelas coisas de irmão mais velho. Quando eu tinha 12 no set de filmagem, eu estava me divertindo muito, e eu queria que aquelas crianças se divertissem. Um dos modos de fazer isso, no lugar de se divertir no set, você tem que dar duro. Porque se você não der duro, você só está bagunçando, e ai a atmosfera no set fica realmente tensa. Eu sempre acho que é um mau sinal quando você olha envolta e vê o diretor no monitor assim (faz uma mímica) como eu fiz num dia particularmente tenso. E você sabe, a coisa maravilhosa sobre isso é, tem algumas pessoas e algumas crianças com 12 anos que você pode conversar e conversar e conversar e elas simplesmente não fazem. Já essas três crianças, elas realmente ouviam. Então se você tivesse dito a eles, ‘olha gente são 1 a.m., nós precisamos ir para casa daqui a pouco e nós realmente precisamos nos concentrar agora’. Eles iriam realmente fazer isso.

Imprensa: O que você achou da Austrália?
Daniel: Bom eu já estive na Austrália umas 5 ou 6 vezes e eu simplesmente amo-a. Eu lembro que nós chegamos às pedras notáveis no KI, na Kangaroo Island, e elas são impressionantes. Elas são aquelas incríveis formações. E eu pensei, porque não as usam mais frequentemente para filmes.