A Ordem da Fênix

OdF: Omelete entrevista o elenco

Enquanto muitos estavam felizes vendo a pré-estréia de Harry Potter e a Ordem da Fênix, o site Omelete disponibilizou sua primeira entrevista com o elenco principal do filme. Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint, Katie Leung e Evanna Lynch comentaram diversos assuntos durante a Coletiva de Imprensa, o que inclui o

quinto filme e o último livro da série.

O que vocês acharam de trabalhar com David Yates e a contribuição dele à série?
Daniel Radcliffe: Acho que o que David conseguiu fazer – e que foi fantástico – foi reunir o charme dos filmes que Chris fez com o apuro visual de Alfonso e a qualidade cinematográfica totalmente britânica de Mike e juntar a tudo isso seu próprio senso de realismo, algo que até então tinha sido explorado. De todos os filmes, é o que tenho mais orgulho de ter feito. E me diverti muito trabalhando com ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O restante da entrevista você encontra aqui. Não perca!

ORDEM DA FÊNIX
Omelete ~ Érico Borgo
10 de julho de 2007

Omelete entrevista o elenco de Harry Potter e a Ordem da Fênix


Em Londres, às margens do Rio Tâmisa, cenário de uma das cenas mais bacanas de Harry Potter e a Ordem da Fênix, o Omelete participou de uma entrevista coletiva (leia mais aqui sobre o local) com os principais integrantes da “Armada de Dumbledore”: os atores Daniel Radcliffe (Harry Potter), Emma Watson (Hermione Granger), Rupert Grint (Ron Weasley), Katie Leung (Cho Chang) e a estreante Evanna Lynch (Luna Lovegood). Confira agora como foi a conversa!

Emma, Daniel e Rupert, imaginem-se no futuro, com filhos mais ou menos com 11 ou 12 anos de idade que vão iniciar carreiras no cinema, no que promete ser uma série de muito sucesso. Com a experiência que vocês têm hoje, que conselhos vocês dariam a eles?

Daniel Radcliffe: Uau… ainda hoje é difícil pra gente se dar conta da extensão global desse fenômeno. Acho que o que eu diria a eles seria para que tivessem certeza de pedir para todos os que os cercam para serem completamente honestos com eles. É muito importante que as pessoas próximas falem pra você tudo o que você não quer ouvir, que sejam honestas, porque essa coisa de crescer diante da mídia e das câmeras é muito difícil. É muito fácil virar alguém arrogante e desajustado.

Emma Watson: Hum… isso é tão difícil de responder. Mas é basicamente isso sim, para tomar cuidado com sua vida. Eu tento desesperadamente seguir vivendo como sempre vivi antes do papel. Seria tão fácil perder contato com todas as pessoas que são importantes pra mim, pela loucura que é trabalhar numa série como essa, mas tento ao máximo estar sempre presente, manter minha identidade, a de fora desse negócio. Então meu conselho seria esse, valorize sempre seus amigos e procure sempre ter tempo para eles.

Rupert Grint: É isso aí. Mesmo. Eu tenho uma família enorme, e ela ajuda muito nisso tudo. Especialmente minhas irmãzinhas, que sempre me colocam de volta com os pés no chão. Hahahaha.

Como vocês gostariam que a história – e seus personagens – terminassem?

Daniel Radcliffe: Eu evito ter qualquer tipo de teoria, especialmente porque qualquer coisa em que eu consiga pensar será tão ruim comparada ao que Jo Rowling inventou que nem tento. Mas se você está interessado em teorias, Evanna Lynch é a pessoa ideal a se conversar!

Evanna Lynch: Mas aí precisaríamos de algumas horas.

Daniel Radcliffe: Sim, ela tem horas de teorias!

Emma Watson: Eu tenho escutado essas teorias de que Hermione vai morrer… e eu definitivamente não tinha nada disso nos meus planos! Hahahaha. O que eu realmente gostaria é de vê-la colocando seu intelecto e sua natureza caridosa em alguma causa importante, como a luta em algum país distante pelos direitos dos elfos domésticos, aprimorando seus estudos e tornando o mundo um lugar melhor. E tendo um monte de bebês lindos.

Rupert Grint: É muito difícil dizer. E nem acho que seria tão ruim se o Ron morresse, afinal é o último livro. Ehehehehe. Mas seria legal se ele virasse jogador de Quadribol profissional.

Daniel Radcliffe: Como se isso fosse acontecer…

Rupert Grint: Ahahahaha, poisé…

Katie, como foi a tão alardeada cena do beijo?

Katie Leung: Ah, mas ele está aqui do lado, é chato dizer… [Daniel cobre os ouvidos com as mãos] ahahahahaha, bom, foi ótimo. Tenho certeza de que todos querem saber se ele beija bem, e ele definitivamente beija bem sim.

Eu fiquei muito nervosa durante as filmagens, pois havia enorme expectativa na cena, mas foi muito divertido fazê-la. Não havia uma data certa para que ela acontecesse, pois Daniel estava doente, então ela era sempre adiada… e adiada. Mas até que aconteceu e foi muito boa. Foi um momento muito doce. Só não sei muito bem como minha mãe e meu pai vão reagir quando a assistirem… ahahaha.

E pra você Daniel? Como foi?

Daniel Radcliffe: Estávamos os dois meio nervosos, afinal todos estavam falando sobre a cena e ela era esperadíssima. Mas depois de alguns takes tudo correu bem e começamos a aproveitar! Ahahaha. Olha, aproveitando, outro dia publicaram em algum lugar que eu disse que foram 30 takes pra fazer a cena corretamente. O que eu quis dizer é que foram 30 takes contando os ângulos diferentes da mesma cena…

David Yates – Ah, tá bom…

Daniel Radcliffe: …MAS isso foi mal interpretado, como se eu tivesse pedido para que fossem 30 takes, o que é mentira!

Daniel, Harry está muito diferente neste filme, mais maduro e irritado. Como foi vivê-lo desta vez?

Daniel Radcliffe: Eu sei que muita gente não gosta de Harry nesse quinto livro pela maneira como ele age, pela irritação constante dele. Mas eu conversei com Jo Rowling sobre isso e ela me disse, “bom, se as pessoas não entendem a raiva dele nesse livro não entenderam os outros livros, porque ele tem toda a razão do mundo para estar nervoso”. Pra mim foi interessante, pois pude explorar um lado do personagem ainda inédito, buscar essa raiva acumulada no passado e deixá-la aflorar.

O mundo acompanhou vocês crescendo – o próprio filme mostra umas cenas de vocês pequenos que são até um choque – e agora vocês estão quase chegando aos vinte anos. Quais são suas expectativas pelo início da vida adulta?

Daniel Radcliffe: Nossa, eu não sei… estou na fase do fim da adolescência e início da vida adulta e não sei o que esperar. Não faço idéia do que vai mudar.

Emma Watson: Eu mal posso esperar. Estou louca para dirigir. Quero poder subir num carro e ter aquela sensação de poder dirigir para qualquer lugar que eu queira. Estou louca por essa liberdade, poder viajar, ver o mundo… e com certeza fazer algumas bobagens pelo caminho. Mal posso esperar.

Evanna, como foi pra você entrar nesse universo depois da seleção aberta, na qual você venceu 15 mil canditatas?

Evanna Lynch: Foi muita loucura. Todo mundo tão empolgado… foi divertido. Eu esperava conseguir o papel, mas não ao ponto de ter certeza de que conseguiria, essas coisas.

David Yates [diretor]: Ah, mas quando ela fez o teste ela deixou bem claro que achava que era a escolha correta para o papel. “E se vocês não acham isso, seria uma infelicidade, pois certamente estaríamos fazendo uma escolha equivocada”. Ahahahaha. Mas falou tudo isso da maneira mais doce possível.

Evanna Lynch: Ah, mas faz sentido, né? Ahahaha

Ser uma das maiores fãs então influenciou a decisão dos produtores?

Evanna Lynch: Eu jamais teria conseguido o papel se não amasse tanto a Luna. Ouvi um monte de gente na fila falando “qual é mesmo o papel?”, e essas pessoas certamente não o conseguiriam. Eu sei tudo sobre Luna porque ela é minha personagem preferida. E respondi a algumas perguntas dos produtores que nem estão no livro, de tanto que entendo ela… e quando me informaram que consegui o papel fiquei até atordoada. Tudo aconteceu exatamente como imaginei que aconteceria…

E como foi seu primeiro dia no set, conhecer Daniel e Emma…

Evanna Lynch: Não foi no set, foi numa sessão de leitura do roteiro. Eu me senti estranha, como se não devesse estar ali, só observando. Mas todos foram muito amáveis e tentaram me enturmar.

Daniel, você já comentou no passado que é grande fã de Gary Oldman. Então deve ter sido sensacional para você este filme, já que vocês tiveram aqui muito mais interação.

Daniel Radcliffe: Sim, tivemos incríveis cenas, emocionantes e sentimentais, juntos. Eu adorei. Sou fã de longa data dele. Acho que há poucos atores com trabalhos tão bons em tantas áreas diferentes. Ele é incrível e se eu conseguir fazer minha carreira dele ficar remotamente parecida com a dele seria ótimo – mas provavelmente vou falhar, porque ele é simplesmente bom demais. Nós nos demos muito, muito bem e é uma pena que não trabalharemos mais juntos em Harry Potter. Ele é um cara ótimo.

Por falar em atuação e carreira, fale-nos um pouco sobre a sua experiência na montagem da peça Equus.

Daniel Radcliffe: Fazer Equus nos palcos foi fantástico. Foi uma experiência incrível. Quando você aparece pelado em frente a mil pessoas você se sente capaz de fazer qualquer coisa mesmo… foram-se minhas inibições. Tenho grande orgulho em ter participado da montagem.

Emma, há uma cena do filme em que Hermione tenta explicar a Harry e Ron os sentimentos de Cho Chang. Isso é algo que você sente na vida real, que os meninos não têm a menor idéia do que se passa com as garotas?

Emma Watson: Eu adoro aquela cena! É minha preferida do filme. Ela reflete a relação que eu, Dan e Rupert temos na vida real. Mas não posso culpar os caras – às vezes eu mesmo sinto que não entendo nada do que eles estão pensando. Se bem que na maioria das vezes é ao contrário. Como eles não conseguem entender o que estamos querendo? A cena é muito bacana e ilustra bem as diferenças entre meninos e meninas. Dei muitas risadas com ela.

Daniel Radcliffe: Isso é tudo mentira! A gente entende sim. Ahahahahaha. Na verdade, a maior parte do tempo os sexos não se entendem mesmo – e isso deve seguir assim até o fim dos tempos. Tá bom, eu confesso. Fico confuso a maior parte do tempo.

O que vocês acharam de trabalhar com David Yates e a contribuição dele à série?

Daniel Radcliffe: Acho que o que David conseguiu fazer – e que foi fantástico – foi reunir o charme dos filmes que Chris fez com o apuro visual de Alfonso e a qualidade cinematográfica totalmente britânica de Mike e juntar a tudo isso seu próprio senso de realismo, algo que até então tinha sido explorado. De todos os filmes, é o que tenho mais orgulho de ter feito. E me diverti muito trabalhando com ele.

Emma Watson: Eu acho este o filme mais verdadeiro de todos. É bastante realista e divido esse apreço pela verdade com David. Ele sempre buscava o realismo em todas as cenas, personagens e interpretações. E os patamares dele são muito altos, o que eu, Dan e Rupert adoramos, porque sentimos que aprendemos muito com ele.

O último livro está quase nas lojas. Vocês recebem antes, têm alguma vantagens ou são como nós mortais, que precisam esperar? E quando o receberem, vão espiar o final?

Daniel Radcliffe: O meu está devidamente comprado em pré-venda. Ahahahahaha. Mas não vou espiar o final. Minha avó faz isso e é um hábito terrível!

Evanna Lynch: Como sempre, eu irei para a fila de uma das festas de lançamento. Mas não posso dizer em qual loja, porque quero ser apenas uma fã ali. E estarei usando uma fantasia que eu mesma fiz.

Katie Leung: Meu exemplar também está reservado. E também não vou olhar não…

Rupert Grint: Eu ficarei muito tentado a olhar o final… sei lá. Hahahaha.

Emma Watson: Eu adoraria ter essa certeza, de que não vou olhar… sei que ler página por página seria perfeito, mas também não sei… será tarde da noite, estarei sozinha com meu exemplar, ninguém vai ver… farei o possível, mas não prometo nada!

Última pergunta: Como é jogar com vocês mesmos nos games de Harry Potter? Como é essa coisa de se verem por todos os cantos em merchandising?

Daniel Radcliffe: É muito, muito estranho. E me sinto estranhamente competitivo jogando a Copa do Mundo de Quadribol, por exemplo, com meu irmão mais novo. É até meio ridículo!

Rupert Grint: Jogo bastante e é bem estranho mesmo. Todo o merchandising é esquisitíssimo. E conforme tudo fica mais realista é ainda mais bizarro.

Emma Watson: Outro dia estava numa loja e vi os “Muffins Mágicos da Hermione”. Ahahahahaha. E tinha a minha cara jogando uns ingredientes num bolinho. Sabe, cada hora é uma novidade… cada uma mais estranha que a outra!

Daniel Radcliffe: Muito obrigado por terem vindo!