J. K. Rowling

J.K. Rowling e Trio no 60 Minutes

Os atores Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grint, que estrelam o próximo filme Harry Potter e a Ordem da Fênix, foram os mais recentes convidados do programa australiano 60 Minutes. Além do Trio a autora J.K. Rowling também compareceu, comentando sobre os livros.

Você pode fazer o download do programa clicando aqui (60mbs Alta Resolução WMP) e aqui (14mbs Baixa Resolução WMP).
Download pelo QuickTime em três partes: (1) (2) (3)

Abaixo citações da conversa:
TARA BROWN: Os filmes de Harry Potter ajudaram a montar seu fã-clube de garotas?
RUPERT GRINT: Sim. Bom, definitivamente consegui um pouco mais de atenção, acho. Tipo, ainda costumo ser reconhecido e isso é um pouco estranho.

Sobre a nova postura de Hermione no quinto filme:
EMMA WATSON: Eu realmente adorei interpretar seu lado rebelde. Ela meio que se liberta um pouco, porque antes era muito presa às regras e podia morrer para não quebrá-las então sim, estou rebelde.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para acompanhar a transcrição traduzida na íntegra você encontra clicando aqui.

Thanks, HPANA and DR.co.uk.

DANIEL, EMMA, RUPERT E ROWLING
60 Minutes ~ Tara Brown
1º de julho de 2007
Tradução: Adriana

Pura Magia


TARA BROWN: Parece que foi ontem que o incrivelmente fofo Sr. Potter chegou à Escola Hogwarts de Magia e Bruxaria. Na verdade, seu primeiro dia de aula foi há sete anos atrás. Desde então, houveram quatro filmes, cada um acumulando mais de um bilhão de dólares. Mas ainda mais encantadora é a chance de ver esses três jovens atores, Rupert Grint, Emma Watson e Daniel Radcliffe, crescerem diante de nossos olhos. Eles são pés-no-chão, adoráveis, adolescentes, mas a cada dia são lembrados que também se tornaram ricos e famosos.

EMMA WATSON: Em todos os lugares que vou, as pessoas me param, me reconhecem. Quer dizer, não sei como explicar. Isso virou completamente minha vida de cabeça para baixo, sim, então – então tenho que me adaptar, eu acho.

TARA BROWN: E algo prepara você para isso?

EMMA WATSON: Hmm, não. Eu só… não. Só… só vou levando, acho.

TARA BROWN: Os filmes de Harry Potter ajudaram a montar seu fã-clube de garotas?

RUPERT GRINT: Sim. Bom, definitivamente consegui um pouco mais de atenção, acho. Tipo, ainda costumo ser reconhecido e isso é um pouco estranho.

TARA BROWN: Eu ouvi – você não tem problemas com talvez sair com suas fãs, isso é verdade?

RUPERT GRINT: Não, não sou muito exigente, mesmo.

TARA BROWN: E o astro de 17 anos, Daniel Radcliffe, bem, quem imaginaria que ele iria se tornar um ladrão de corações? Agora, fama e fortuna – como isso ajuda a atrair garotas?

DANIEL RADCLIFFE: Nada em particular, não sei se ajuda muito, não sei, eu realmente não sei.

TARA BROWN: E atrapalha?

DANIEL RADCLIFFE: Também não acho que atrapalhe, não, não atrapalha. É legal, na verdade. Não sei se realmente faz tanta diferença.

TARA BROWN: Li algumas coisas sobre isso. Você sabe, ter placas dizendo Aqui Sr. Radcliffe!, coisas atiradas para você.

DANIEL RADCLIFFE: Sim, essa garota em particular de quem tenho memórias muito vívidas – que praticamente nos seguiu por toda Nova Iorque quando estivemos lá. Sim, ela era muito determinada.

TARA BROWN: E quem você acha que é mais empolgada? Garotas inglesas, americanas ou australianas?

DANIEL RADCLIFFE: Com certeza as americanas.

TARA BROWN: Na tela, Harry também está descobrindo as garotas. No último filme, uma colega de classe enfeitiça o jovem bruxo. E no novo filme, nós finalmente veremos o tão esperado beijo. É curto e doce. Como foi o primeiro beijo?

DANIEL RADCLIFFE: Oh, foi legal. Não foi uma das cenas mais difíceis, pra falar a verdade. Quero dizer, estava – estava um pouco nervoso para fazê-la mas depois que começamos, depois das primeiras tomadas, ficou muito fácil, realmente.

TARA BROWN: Li em algum lugar que você ficou um pouco desapontado. Não foi tão sexy quanto você achou que poderia ser.

DANIEL RADCLIFFE: Veja bem, nunca é, na tela. Quero dizer, na vida real, não é muito sexy. Tem algo sobre fazer tudo aquilo na frente de todas essas pessoas, realmente tira toda a intimidade que poderia haver.

TARA BROWN: A Ordem da Fênix é o quinto filme da série. É mais escuro e tenso, mas tem os mesmos amigos fiéis e destemidos. Você ainda tem prazer com isso?

DANIEL RADCLIFFE: Sim, tenho. Quando você consegue reações brilhantes das crianças, quando simplesmente as leva à loucura, acho que, para mim, esse é o poder da magia.

TARA BROWN: Agora, Hermione tem sido furiosamente sensível com todos à sua volta. Agora ela está um pouco solta neste filme. Isso faz com que seja mais legal de interpretar?

EMMA WATSON: Eu realmente adorei interpretar seu lado rebelde. Ela meio que se liberta um pouco, porque antes era muito presa às regras e podia morrer para não quebrá-las então sim, estou rebelde.

TARA BROWN: Foi a extraordinária imaginação e determinação dessa inglesa que trouxe Harry Potter à vida. J.K. Rowling era uma mãe solteira que sonhou com a história em uma viagem de trem, escreveu em cafés em Edimburgo e foi repetidamente recusada pelos editores. Rowling raramente dá entrevistas. A última foi há 12 meses atrás, para uma TV inglesa, mas seus dias de trabalho duro estão chegando ao fim.

J.K. ROWLING: Está bem, não vou quebrar violinos nem nada, mas se você passa por alguns anos onde as coisas são muito difíceis – e elas foram bem difíceis – e agora é tudo – é tão romantizado mas desmentido em meia frase, Oh, passando fome em um sótão e ocasionalmente eu pensava, Sim, pode tentar, colega. Achava que isso seria minha vida por 20 anos.

TARA BROWN: Entra Barry Cunningham — o único editor que concordou em imprimir Harry após receber o precioso manuscrito em um envelope de papel marrom.

BARRY CUNNINGHAM: Li durante aquela noite, e li durante a tarde. Eu ri e fiquei intrigado, e realmente gostei, então comprei logo na manhã seguinte.

TARA BROWN: Quanto você pagou no total?

BARRY CUNNINGHAM: Bem, foi uma quantia muito pequena. Não posso dizer quanto mas foi – foi uma quantia menor que a menor quantia que você possa achar pequena, e é provavelmente ainda menor que essa. E então, é provavelmente o melhor investimento que alguém já fez na vida.

TARA BROWN: Você falou para J.K. Rowling que aquilo um dia seria um fenômeno?

BARRY CUNNINGHAM: Bom, não. Na verdade, falei o oposto. É muito embaraçoso. Então disse a ela que procurasse um emprego porque nunca faria dinheiro algum com livros infantis.

TARA BROWN: Bum ba! Hoje, a rainha da literatura infantil é mais rica que a rainha da Inglaterra. Claro, J.K. não confirma, mas acredita-se que seja bilionária.

JK ROWLING: Devo dizer que no começo as pessoas noticiavam – elas freqüentemente alardeavam muito mais do que eu ganho – mas quero dizer, não finjo ser absurdamente rica. E, hmm, é estranho e mesquinho quando a pessoa costuma contar cada tostão que ganha.

APRESENTADOR DE TV: Antes de ser publicada, você ganhava 70 libras por semana, não?

JK ROWLING: Sim, é.

TARA BROWN: J.K. Rowling já vendeu 325 milhões de cópias de seus livros. Então tem direitos para o cinema, merchandise e, logo, um parque temático de Harry Potter. Mesmo no pitoresco mundo dos colecionadores de livros, onde livros modernos não são valorizados, você alcança um alto preço com Harry. Tá bem, quanto vale um livro do Harry Potter?

ADRIAN HARRINGTON: Depende de qual você está falando.

TARA BROWN: Adrian Harrington normalmente negocia livros raros e antigos, mas a primeira edição do primeiro livro de Harry Potter é um item de colecionador porque foram impressas apenas 350 cópias.

ADRIAN HARRINGTON: Esse vale 32.500 libras.

TARA BROWN: Sabe, isso é $75.000 na Austrália.

ADRIAN HARRINGTON: Uau!

TARA BROWN: Então, você não me daria a troco de nada?

ADRIAN HARRINGTON: Eu daria por… Eu faria um desconto pra você.

TARA BROWN: Em toda essa conversa sobre dinheiro, é fácil perceber a magia do começo de Harry Potter. Foram crianças como essas que realmente fizeram Harry Potter. Antes da febre, elas se apaixonaram por uma grande história e contaram para seus amigos, que contaram para seus outros amigos. Então, o que tem nos livros de Harry Potter que você gosta tanto?

GAROTA: Gosto do jeito que eles conseguem tipo ter animais de estimação que normalmente a gente não tem, como uma coruja, e gosto do jeito que isso tudo é mágico.

GAROTO: Amo ler os livros de Harry Potter. São tão divertidos, e a gente pode simplesmente mergulhar no mundo de Harry Potter, de galeões e varinhas e hipogrifos e todas aquelas criaturas mágicas.

TARA BROWN: Mas o sonho está acabando. Em 21 de julho, o sétimo e último livro de Harry Potter chega às livrarias. Espera-se que seja o livro vendido mais rápido da história, com fãs desesperados para saber o que vai acontecer com Harry. Apostas dizem que ele conseguirá. O final dramático é altamente secreto, mas recentemente J.K. insinuou o que pretende fazer com seus amados personagens.

J.K. ROWLING: O final, o último capítulo está escondido, embora agora tenha mudado um pouquinho. Tenho que dizer que duas pessoas que eu não esperava que morressem, morrem, então…

APRESENTADOR DE TV: Dois muito amados?

J.K. ROWLING: Bom, você sabe, o preço tem que ser pago. Estamos falando do mal em estado bruto, então eles não miram nos coadjuvantes, né? Eles procuram os personagens principais.

TARA BROWN: Você sabe quais amados personagens ela matou?

BARRY CUNNINGHAM: Sim.

TARA BROWN: Oh, me conte!

BARRY CUNNINGHAM: Mas não vou contar. Sabe, já fui interrogado várias vezes por crianças de 11, 12, 13 anos muito mais violentas que você, e não contei. Então, você não vai saber tão fácil.

TARA BROWN: Ora, vamos! O que custa?

BARRY CUNNINGHAM: Tenho medo, tenho medo que consuma mais magia do que a disponível nesse estúdio.

TARA BROWN: Até as estrelas dos filmes não têm idéia. Como você acha que a série vai acabar?

RUPERT GRINT: Realmente não sei.

TARA BROWN: Bom, a mais recente teoria que li dizia que você mata Harry.

RUPERT GRINT: Mesmo?

TARA BROWN: Sim.

RUPERT GRINT: Bom, eu não esperava por isso.

TARA BROWN: Não mesmo?

RUPERT GRINT: Talvez sim, não sei, tudo é possível, eu acho.

TARA BROWN: Alguns jovens fãs da série com quem eu falei acham que seus cérebros, seu e de Hermione, vão destruir vocês.

EMMA WATSON: Ah, tá! Essa não.

TARA BROWN: E alguns nem se importam se vocês sofrerem uma morte dolorosa.

EMMA WATSON: Oh, isso é horrível! Ora, você sabe, desde que todo mundo soluce e chore e eu tenha uma morte muito, muito dramática, então acho que será legal, mas Deus, isso é mesmo duro. Nunca pensei realmente sobre isso.

TARA BROWN: E o que você quer que aconteça no livro sete?

GAROTO: Bom, pode parecer estranho, mas acho que quero que Harry Potter morra.

TARA BROWN: Por quê?

GAROTA: Oh meu Deus, você é mau.

GAROTO: Ele acha que é tão formidável agora e que está sempre certo.

TARA BROWN: Você também gostaria que Harry Potter morresse? Você quer que ele tenha uma morte dolorosa?

GAROTA: Qual é o ponto?

GAROTO: Mas ele não precisa morrer com dor. Sim, ele deve sofrer antes, mas não precisa morrer enquanto estiver sentindo dor. Isso seria desapontador.

GAROTA: Eu não quero que nenhum deles morra – não devo desejar a morte de ninguém.

TARA BROWN: Você consegue imaginar a vida depois de Harry Potter?

DANIEL RADCLIFFE: Com esforço. Não sei, porque tem sido uma parte da minha vida há tanto tempo. É difícil me imaginar sem isso mas, você sabe – obviamente haverá vida depois de Harry Potter e, hmm, é uma perspectiva excitante, de algumas formas.

TARA BROWN: Voltando ao mundo de Harry Potter, a mágica continua. Todos os jovens assinaram contratos para os últimos dois filmes então, pelos próximos três anos, veremos bastante Harry, Ron e Hermione. Enquanto isso, tendo comprado uma casa em Melbourne, Daniel Radcliffe está enfeitiçado pela Austrália assim como estamos por ele.

DANIEL RADCLIFFE: Eu amo a Austrália e a Austrália está cansando de me ouvir dizer isso, mas, hmm, provavelmente, mas… você sabe, eu amo estar lá, amo as pessoas, embora deteste seu time de cricket tão, tão veementemente porque eles são… são provavelmente um dos melhores times que o mundo já viu.

TARA BROWN: Você é um perdedor indignado, é por isso.

DANIEL RADCLIFFE: Claro que sou um perdedor indignado. Não há nada de errado nisso! Espere até 2009.

TARA BROWN: Oh, sim, vamos esperar. Boa sorte.