A Ordem da Fênix ︎◆ Filmes e peças

Mais três novas resenhas

Novas opiniões acerca de Harry Potter e a Ordem da Fênix, que teve sua primeira exibição pública no Japão, dia 28 de Junho. A primeira delas, que pode ser lida aqui, foi feita por um fã, e classifica o filme como o melhor da série. A outra, publicada pela Variety, comenta que o filme é o mais sinistro e rude de todos. Leia um trecho abaixo.

“Uma sensação alterada dessa vez surge em grande quantitade ao redor dos recém recrutados para levar o grupo até os domínios sempre-escuros. O diretor David Yates, até agora mais conhecido por seu trabalho na televisão (e já encabeçando o sexto filme); o roteirista Michael Goldenberg, tomando o lugar de Steve Kloves; e o compositor Nicholas Hooper, cuja música vigorosamente dramática usa apenas uma fração dos temas de John Williams, fazem a maior diferença ao manter o foco longe das diversões voadoras e intrigas de casas em favor de elaborados e às vezes pesados presságios do inevitável confronto final entre Harry e Lorde Voldemort.”

Para lê-la na íntegra, clique aqui.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo contém spoilers do novo filme!
Se mesmo assim deseja vê-los integralmente, clique no link acima.
Para mais informações ou dúvidas, consulte nossa Política Anti-Spoilers.

Atualizado: Veja também a resenha realizada pelo The Hollywood Reporter que ressalta a transformação do maior livro da série em um futuro novo grande sucesso e ainda faz uma dura crítica ao mau aproveitamento de diversos atores da série. Você a encontra clicando aqui.

Muito obrigado, Igor e TheSnitch.

Resenha Ordem da Fênix
Variety ~ Todd McCarthy
29 de Junho de 2007
Tradução: Adriana

Harry Potter e a Ordem da Fênix


Os alunos de Hogwarts deixaram definitivamente as tolices juvenis para trás em “Harry Potter e a Ordem da Fênix”. Consideravelmente mais sinistro e mais rude que os filmes anteriores da série de estrondoso sucesso, o novo episódio encontra os jovens ocupados em uma colisão frontal com a adolescência e assumindo uma cadeira em seu sóbrio confronto contra o desenvernizado mal. A pottermania atingirá o cúmulo em julho, com os lançamentos quase simultâneos do quinto filme e do sétimo e último livro, e a preocupação comercial da Warner Bros. é que, talvez após a segunda ou terceira semana, a curiosidade sobre a conclusão da saga faça sombras ao interesse no filme.

Produzido extravagantemente, conforme o esperado, apesar de tudo o filme marca uma diferença notável em relação a seus precedentes. Nas cenas abertas, agouros de más novas pairam sobre tudo e todos aqueles conectados ao mundo mágico, embora o governo insista que não há ameaça alguma.

Uma sensação alterada dessa vez surge em grande quantitade ao redor dos recém recrutados para levar o grupo até os domínios sempre-escuros. O diretor David Yates, até agora mais conhecido por seu trabalho na televisão (e já encabeçando o sexto filme); o roteirista Michael Goldenberg, tomando o lugar de Steve Kloves; e o compositor Nicholas Hooper, cuja música vigorosamente dramática usa apenas uma fração dos temas de John Williams, fazem a maior diferença ao manter o foco longe das diversões voadoras e intrigas de casas em favor de elaborados e às vezes pesados presságios do inevitável confronto final entre Harry e Lorde Voldemort.

O foco concentrado resulta em um humor instável e em cenas dramáticas de intensidade incomum. Mas condensar o livro, que com suas 870 páginas é o maior que J. K. Rowling já escreveu, no filme mais curto da série teve o seu preço. Muitos espectadores não vão mesmo se importar com o primeiro filme de “Potter” sem partida de Quadribol, nem que os elfos domésticos e os fantasmas legais estejam completamente ausentes.

Mas mais séria é a diminuição das incontáveis intrigas entre os indivíduos e as facções que compreendem tanto da complicada e deliciosa trama da história. A interação detalhada entre as relações flutuantes que envolvem Harry, Hermione, Ron (particularmente desprezado aqui), Cho Chang e a intrigante novata Luna Lovegood (Evanna Lynch) é sacrificada em favor de repetir blocos de cenas de Harry ensinando seu grupo clandestino de adolescentes guerreiros qual a melhor maneira de fazer a varinha funcionar. As cenas de sala de aula são escassas e o sentimento de um ano escolar passando é mínimo, dando ao filme uma dimensão achatada quando comparado ao surpreendente “Cálice de Fogo” de Mike Newell, cheio de eventos, o filme anterior e de maior sucesso dentro da série.

A obra atual começa no final de um seco verão inglês, quando Harry (Daniel Radcliffe, de volta com uma aparência mais limpa) discute com o Ministro da Magia por ter lançado um feitiço proibido para se defender do ataque de dois dementadores. Ouvindo Harry como um inquisidor, aqui ele só escapa da expulsão de Hogwarts graças à intervenção de Dumbledore (Michael Gambon), que se atém ao conflito central: o Ministério se recusa a aceitar o argumento de Harry de que Lorde Voldemort voltou e, de fato, se preparam para colocar toda a força de sua propaganda em desacreditar Harry e Dumbledore.

Para isso, o Ministério impõe um de seus membros como professor de Defesa Contra as Artes das Trevas. Dolores Umbridge é uma das criações mais deliciosas – e com o nome mais ressoante – de Rowling; uma mulher robusta, parecida levemente com um sapo vestido de rosa, Umbridge é uma funcionária tendenciosa por excelência, uma fanática por regras e regulamentos com um toque de ironia que recobre seus editais proibitivos com tons delicados e sorrisos pré-fabricados. Imelda Staunton foi a escolha perfeita para o papel e previsivelmente surge como uma das melhores surpresas do filme.

Umbridge não perde tempo buscando apoio de Harry, das outras crianças ou da equipe de Hogwarts; assumindo mais poder virtualmente a cada dia, ela coloca seu aluno mais falador em detenção, proibe o aprendizado de feitiços práticos, começa a perseguir professores geniosos e finalmente confronta Dumbledore para assegurar o completo controle do Ministério sobre a escola.

Em resposta, Harry reúne um grupo rebelde clandestino conhecido como Armada de Dumbledore. A intensidade dessas passagens levam o espectador a acreditar que serão as cenas que mais ocuparam o interesse do diretor Yates, que parece ter erguido a imagem de Harry e Hermione como de líderes revolucionários por natureza.

Tão importante quanto isso é a renovada relação entre Harry e seu amado padrinho Sirius Black (Gary Oldman), escondido na secreta mansão familiar em Londres, e seus pesadelos com Voldemort (Ralph Fiennes), com quem ele sente uma forte e perturbadora ligação. Fica tão difícil que Harry é forçado a ter aulas particulares com o terrível Professor Snape, cujo desprazer na tarefa não poderia ser mais óbvio. Até pouco antes do final, Snape tem um papel pequeno, mas Alan Rickman pode ter se superado; dificilmente um ator faz tanto com um papel tão pequeno como ele faz aqui.

O confronto entre a equipe de Harry e os seguidores de Voldemort, liderados por Lúcio Malfoy (Jason Isaacs), ocorre estritamente em uma grande ala do Ministério repleta de globos do tamanho de pequenos melões contendo profecias. Uma dessas esferas diz respeito a Harry e é de vital interesse a Voldemort, cujo desempenho é particularmente bom ao lado da malvada prima de Sirius, Belatriz Lestrange, interpretada por Helena Bonham Carter, com uma aparência particularmente maníaca.

Não demora muito para conectar os ventos doentios que afligem Hogwarts, com a antecipação do conflito inevitável, com a atual situação do mundo como um todo. As metáforas estão todas implícitas e há muito o que fazer simplesmente crescendo e enfrentando realidades desagradáveis, mas eles contribuem muito para aumentar o sentimento de nervosismo e dificuldade, crescente ao longo da série. Será interessante ver se a antecipação geral para os dois filmes restantes será rápida ou se arrastará uma vez que a conclusão da série épica será revelada no livro final.

Resenha Ordem da Fênix
Rotten Potatoes Forum ~ jwormyk
29 de Junho de 2007
Tradução: Patrícia

Tenho certeza de que você está recebendo várias mensagens sobre a cortina preta do myspace mostrando Harry Potter e a Ordem da Fênix, mas não consegui impedir de dar a minha opinião. Assisti ontem à noite em Pittsburgh. Já li todos os livros pelo menos duas vezes e vi todos os filmes. Posso dizer sem dúvida que esse é o melhor filme da série, é o filme que mais traduz um livro de Potter para \\\”celulóide\\\”. Mesmo se você não leu os livros, você é puxado para o mundo mágico descrito ricamente por Rowling tanto quanto os nerds de capas carregando varinhas. Eles podem até dificultar sua próprio vida com este filme, porque não vejo como a Warner Brothers ser capaz de fazer um filme mais divertido, entusiástico, agitado sobre Harry Potter (e temos ainda mais dois para ver, um deles sendo a penúltima batalha entre o bem e o mal, Harry e Voldemort). Esse é o super sucesso de grande-orçamento-Bruckheimer-Harry Potter. Há grandes cenas de batalha, piadas rápidas, e grupos maus que deixam o público em frenesi. No fim a luta entre Dumbledore e Voldemort bate qualquer coisa que nós vimos em Star Wars (Dark Sith x Yoda?). Em termos de fantasia, não há filme que tenha saído nos últimos 10 anos que chegue perto do entretenimento acessível, popular desse filme. Há alguns clichês de grandes filmes de ação aqui, mas não entenda mal, não é à toa. David Yates mantém os limites esquisitos que nós estamos acostumados a associar à franquia de Potter. Ele usa seqüências montadas para passar pelas partes mais longas do livro que descrevem a chegada ao comando do ministério e a Armada de Dumbledore se formando. Ele faz isso perfeitamente com uma cara de filme dos anos 30-40. O filme é acelerado e tem um pouco mais de duas horas. Não há muitas mudanças do livro. Fazem a namorada de Harry, Cho, ser a dedo-duro e não Marieta, e algumas das conversas entre Luna e Harry estão fora de ordem. Se você está esperando a fúria de Harry contra Dumbledore e o fim do livro com a profecia sendo revelada, esqueça. Os roteiristas escolheram revelar toda a profecia a Harry no ministério e depois uma discussão breve entre Dumbledore e Harry. Harry está calmo e não destrói o escritório de Dumbledore. E sim, Sirius morre. Ele é assassinado por sua prima Belatriz depois de um duelo realmente feio com Lúcio Malfoy. Ele se vira para salvar Harry e quando achamos que acabou então Lúcio da início ao que será uma cena clássica de batalha bruxa. O começo é meio inacreditável. Sem dúvida deixa o sangue fluir. Duda agora é um brutamonte com correntes douradas. Ele começa a provocar Harry em um parquinho deserto e isolado e então o céu fica negro e os Dementadores os atacam sob uma ponte. Quando Harry salva o dia a maior parte da platéia comemorou e isso praticamente rege o ritmo do filme. Esse filme vai te deixar entretido o tempo inteiro, e só vai te fazer salivar (como se não fosse intencional), pois te dá mais vontade de ver logo o livro 7 lançado. Você provavelmente está desapontado porque eu não revelei muita coisa, mas você vai me agradecer quando você for ao cinema assistir e perceber como o filme é bom.