A Ordem da Fênix

David Heyman versus cortes

Chegou a vez do produtor da Ordem da Fênix, David Heyman sair em defesa de um dos grandes sacrifícios na produção de filmes: a edição. Na entrevista ao SciFi ele comenta sobre adaptar e cortar cenas de um livro de 700 páginas. Veja abaixo um trecho:

“Nós tivemos que cortar Ron e o Quadribol, o que me desapontou. Mas, no final das contas, com os filmes que você faz você acaba fazendo escolhas. Como você disse, você está reduzindo um livro de 700 páginas em um filme de duas horas e meia, inevitavelmente você perderá algo. E o que nós escolhemos ver no filme é realmente os pontos de vista de Harry. É o desenvolvimento de Harry, e acontecimentos que se ligam a Harry e a jornada dele são a trama central. Às vezes há lugar para algumas coisas a mais, mas na maior parte, é a jornada de Harry. Então aquela trama paralela do Ron foi secundária para a parte central da história. É uma pena, você sabe. Há tanto em cada um dos filmes que eu gostaria de ter, mas o filme deve trabalhar como uma coisa coerente, então isso acontece.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para ver a entrevista completa, clique aqui.

Obrigado, HPANA.

David Heyman, produtor do quinto filme de Harry Potter, A Ordem da Fênix, contou ao SCI FI que os diretores tiveram que fazer vários sacrifícios para adaptar o livro de 700 páginas para as telas. “Nós tivemos que cortar Ron e o Quadribol, o que me desapontou,” disse Heyman em uma entrevista fora dos sets de filmagens em Londres no outono passado. Mas, no final das contas, com os filmes que você faz você acaba fazendo escolhas. Como você disse, você está reduzindo um livro de 700 páginas em um filme de duas horas e meia, inevitavelmente você perderá algo. E o que nós escolhemos ver no filme é realmente os pontos de vista de Harry. É o desenvolvimento de Harry, e acontecimentos que se ligam a Harry e a jornada dele são a trama central. Às vezes há lugar para algumas coisas a mais, mas na maior parte, é a jornada de Harry. Então aquela trama paralela do Ron foi secundária para a parte central da história. É uma pena, você sabe. Há tanto em cada um dos filmes que eu gostaria de ter, mas o filme deve trabalhar como uma coisa coerente, então isso acontece.”

Uma coisa que não será cortada é a escuridão do livro e intensidade, acrescenta Heyman, que produziu de longe tudo nos filmes de Harry Potter. “Em algumas ocasiões é mais escuro”, disse Heyman. “Penso que é mais intenso que os filmes anteriores. Eu não acho que é mais escuro, de fato, que o quarto filme. Eu acho que é similar em termos de obscuridade. Definitivamente é mais intenso por causa da conexão entre Harry e Voldemort, por causa do sentimento de isolamento e exclusão de Harry, e isso definitivamente acrescenta intensidade à história. E, obviamente, com o que acontece no terceiro ato do filme [com uma morte fundamental], dando um toque emocional.”

Heyman disse que o diretor David Yates se encaixou melhor para o material (história) do quinto livro; Yates é melhor conhecido por dirigir minisséries britânicas de televisão, como State of Play, Traffic e Girl in the Cafe, todas misturas de histórias pessoais com intriga política, como na Ordem da Fênix.

“Você vê um diretor com um real e forte ponto de vista”, disse Heyman. “Uma sensibilidade realmente idiossincrática. Ele é alguém que… fundamenta coisas. Ele faz tudo parecer muito real e autêntico, e isso é muito importante. O quarto filme teve um tipo maravilhoso de sensibilidade teatral, bombástica, grande. Perfeito para aquele filme, com a pompa e circunstância da Copa do Mundo de Quadribol, do [Tribruxo] Torneio… e a chegada das outras escolas. Perfeito, tudo isso. [Mas] este é um filme que é fundamentado, eu acho, mais em realidade no senso que é sobre uma revolução, em parte. A guerra está em nós, ou está se pondo mais próxima, como o retorno de Voldemort. Assim como os movimentos de resistência, os movimentos de resistência franceses dos anos quarenta, que um movimento subterrâneo é formado, a Armada de Dumbledore, para proporcionar as crianças uma oportunidade de aprender a se defender. … E era importante que isso fosse tratado com real verossimilhança, uma verdade real,… e acho que David Yates trouxe isso.” Harry Potter e a Ordem da Fênix estréia dia 13 de julho.