Filmes e peças ︎◆ O Cálice de Fogo

Bastidores do Cálice do canal GMTV

Ben Shephard do canal GMTV conheceu bastante os bastidores das filmagens do Cálice de Fogo. E o resultado disto foi um especial que foi ao ar recentemente. A primeira parte pode ser baixada aqui e também fiz esta transcrição. As outras partes vêm em breve.

Atualização: Segunda parte. A transcrição está abaixo da primeira parte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fonte: Veritaserum

Especial GMTV de Ben ShephardPARTE 1

(Abertura)

Narrador: Ele está de volta! Muito mais desafiador e excitante! Harry Potter retornou à Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Harry Potter e o Cálice de Fogo é quarta adaptação bastante esperada da fonomenal bem sucecida série de J.K. Rowling.

Ben Shephard: O mundo dos bastidores de Harry Potter sempre foi um segredo bem guardado… até agora! Pela primeira vez, os produtores do filme convidaram equipes de TV para conhecer este mundo. Mas não foi qualquer um, somente a gente! Isso quer dizer que vamos conhecer coisas que ninguém jamais viu antes. E se me permitem, é muito empolgante!

(Expresso de Hogwarts)

Ben Shephard: Aqui é onde tudo acontece. Daquele lado, a glamurosa área de Watford. E deste, os estúdios de Leavesden. Não acontece muita coisa do lado de fora, mas do lado de dentro, é outra história. Algumas das coisas maravilhosas que existem lá são: vassouras que voam, dragões que cospem fogo, sereias e, é claro, magia avançada. Acreditem se quiser, mas este lugar é o lar de um fenômeno mundial.

Ben Shephard: Iremos acompanhar os bastidores de algumas das cenas mais sufocantes da história do cinema, seguir os treinos de Daniel Radcliffe para esta incrível sequência aquática, conhecer as equipes de desenho e efeitos visuais que dão vida a estas idéias fantásticas e descobrir o que acontece quando Harry fica cara-a-cara com um dragão cruel. Mas antes, eu preciso entrar. Umas das coisas que há por aqui é a chave de portal, um objeto que transporta bruxos de um lugar para o outro. É este o objeto. É claro que não sou bruxo, por isso vão ter que perdoar este truque de TV. Não acredito que funcionou. Estou aqui dentro da sala do diretor de Hogwarts, Alvo Dumbledore. É simplesmente maravilhoso, olhem estas pinturas. Edwiges está aqui, nos vigiando, cuidando da escrivaninha do diretor. É claro que tenho que experimentar sua cadeira… sentando… oh, sim, eu posso me acostumar muito com isto.

Narrador: Harry Potter e o Cálice de Fogo é mais um épico. A história começa na Copa Mundial de Quadribol mas a excitação da ocasião é destruída quando um grupo dos seguidores mais fiéis de Voldemort ataca o acampamento. Isto quer dizer apenas uma coisa. Voldemort está retomando sua força e o perigo se aproxima no mundo da magia. De volta a Hogwarts, os alunos descobrem que este ano vai ser bem diferente.

(Cena do filme)

Narrador: Duas escolas irão se juntar a Hogwarts no torneio. A sofisticada e graciosa Beauxbatons e os jovens do insituto de Durmstrang. De cada escola, um único aluno será escolhido pelo Cálice de Fogo para participar de uma série de perigosas atividas mágicas. E por causa deste perigo, os interessados devem ter mais de 17 anos.

Emma Watson: Uma das coisas inesperadas que acontecem é que o nome do Harry é cuspido do Cálice de Fogo mesmo ele sendo de menor.

(Cena do filme)

Daniel Radcliffe (voz): Então ele entra neste torneio e não sabe quem foi o responsável.

(Cena do filme)

Daniel Radcliffe: Mas sabe-se que quem quer que tenha sido, tinha um motivo cruel para fazer isto.

(Cena do filme)

Daniel Radcliffe (voz): Então o filme todo é sobre isso, Harry tenta descobrir quem o responsáveil enquanto compete no torneio.

Daniel Radcliffe: E é também sobre o fato da vida de Harry não estar mais sob seu controle.

(Cena do filme)

Ben Shephard: O filme levou um ano para ficar pronto e envolveu mais de mil pessoas na produção.

Mike Newell: Acão!

Ben Shephard: Mas como adaptar um livro com mais de 600 páginas?

(Cenas do filme)

David Heyman: É um desafio, é claro. Os livros não ficam mais curto. O quarto é o mais longo de todos.

Mike Newell: O livro é deste tamanho, duas vezes maior que os antecessores.

Mike Newell (voz): O que você tinha que fazer é arrumar uma maneira de comprimir este livro imenso numa duração de um filme.

Mike Newell: Então eu li o livro cuidadosamente com isto em mente e vi que havia uma maneira de fazer se você o tratasse como um thriller.

David Heyman (voz): A jornada é a jornada de Harry. Ele é o nosso personagem central.

David Heyman: E o que fizemos foi deixar de lado qualquer coisa que não tenha ligação com Harry ou sua jornada. Não quero dizer que sejam sub-tramas irrelevantes mas é difícil colocá-las num filme centrado no Harry.

Robbie Coltrane: Os filmes deixam muita coisa de fora. E há também mudanças nos diálogos. Se fossem colocar tudo, duraria 17 horas.

David Heyman (voz): O que eu penso é fazer um filme que vou adorar, como um fãs dos livros.

David Heyman: E eu acho que todos que trabalham nestes filmes têm esta paixão e nós juntos fazemos um filme que adoramos. Então estamos tendo respeito pelo público.

Narrador: Harry Potter e o Cálice de Fogo tem muitos personagens e pela primeira vez, com forma humana completa, o inimigo de Harry, Voldemort. Mas há um outro inimigo para combater neste filme: romance.

(Cena do filme)

Rupert Grint: “Ela menciona o fato de estarem mais velhos e o Baile.

Ben Shephard: Olhem isto. Daniel no set. Harry Potter está aqui. A cena que vão filmar é uma onde Harry convida Cho para o Baile.

Daniel Radcliffe: Harry encontra Cho sem querer e fica sorrindo como um estúpido… e… o que eu fiz muito bem.

(Cena do filme)

David Heyman: Eles passaram do estágio em que ficam rindo. Há sempre alguém beijando outra pessoa, segurando a mão de alguém, muitas trocas de bilhetes, muitos fuxicos acontecendo como “fulano está com fulano”, pequenas histórias acontecendo por trás das câmeras, e eu não desejo falar sobre elas. Mas tenho certeza que cada um está entrando no estágio onde ficam cientes da existência do sexo oposto.

(Cena do filme)

Daniel Radcliffe: A maioria dos heróis no filmes ficam com as garotas que gostam, e ele não.

Narrador: Após o intervalo, vejam a transformação do Salão Principal em um maravilhoso mundo no inverno, os segredos deste dragão cuspindo fogo e descubram quem estão saindo com quem.

Ben Shephard: É, acho que combina bem comigo.

PARTE 2

Ben Shephard (voz): Olá, sejam bem-vindos. Estamos nos estúdios de Leavesden, onde estão filmando Harry Potter e o Cálice de Fogo, para conhecer os bastidores deste enorme filme. Em breve, saberemos como fizeram esta perseguição com o dragão.

Ben Shephard: Mas por enquanto permanecemos em Hogwarts. Esta livraria é inédita para o Cálice de Fogo. E há mais de sete mil livros nas prateleiras. 2500 foram feitos de resina e 4500 reciclados dos outros filmes. Muitos, na verdade, são listas telefônicas velhas. Mas são os detalhes de alguns que achei tão incrível. Olhem isto. Isto é um plano de atividades para a Copa Mundial de Quadribol. Aqui há anúncios dos patrocinadores, notícias dos times. E isto nunca será visto no filme. Acho que vou levar isto como recordação.

Ben Shephard: Esta parede é feita de plástico e fibra de vidro. Mas parece de pedra.

Ben Shephard: Atrás da sala de Dumbledore, há uma sala que nunca foi usada para filmar mas mesmo assim foi decorada como qualquer outra parte do set para tudo aqui parecer real. Mesmo estando aqui, do outro lado sei que existe… (“incompreensível“)

Ben Shephard: Mas só uma coisa aqui interessa. Como parte do torneio, cada um dos competidores têm que pegar um deste, um ovo de ouro, de um dragão cruel que soltam fogo. Mas há um pequeno detalhe. Dragões que soltam fogo não existem, não é? É claro que não! Mas para Nick Dudman, o supervisor de efeitos das criaturas, é apenas mais um dia de trabalho.

Nick Dudman: Isto é fibra de vidro rígida. Ela é feita para que a equipe de efeitos visuais possa construir o dragão digitalmente. Este é o objeto que define a cor, a forma, o tom, a translucidez, etc. Esta cabeça não aparece no filme, apenas fornece informações para a criação digital.

Jimmy Mitchell: O que tentei mostrar foi como estas coisas se movem.

Jimmy Mitchell (voz): Porque uma coisa é o trabalho de arte que é bonito e outra é criar os movimentos prontos que vocês vêm na tela.

(Cena do filme)

Jimmy Mitchell (voz): A enorme arena onde enfretam os dragões foi construída num terreno lá atrás mas fizemos parecer que estivesse numa aréa de nível.

Jimmy Mitchell: O engraçado sobre esta cena do dragão foi a quantidade de repetiões que tivemos que fazer, porque é algo tão contínuo esta perseguição que ocorre em Hogwarts. Tivemos que nos preocupar com a posição das câmeras, os giros. Acho que foi a primeira vez que criamos uma versão computadorizada de Hogwarts.

Daniel Radcliffe: A cena do dragão…

(3, 2, 1, vai)

Daniel Radcliffe: …foi brilhante.

Ben Shephard (voz): Como você consegue se acostumar a atuar sem existir nada lá? Atuar com um pontinho.

Daniel Radcliffe: É, já me acostumei. E também não foi questão de me acostumar, eu comecei assim com dez ou onze anos, às vezes o outro ator ou criatura não estava ali. É algo que sempre soube.

(Cena do filme)

Ben Shephard (voz): E os outros atores, como Miranda Richardson, que faz o papel de Rita Skeeter, me contou sua experiência.

Miranda Richardson: Só treinamos pra isso, pelo amor de Deus.

(Cena do filme)

Miranda Richardson: Durante a tarefa do dragão, estávamos sentados olhando para uma tela verde, um homem dizia “olhem para cá”, “e o dragão está vindo agora”. Fazíamos a coreografia por causa do fogo.

(Cena do filme)

Ben Shephard (voz): Rita tirou conclusões erradas mas este é filme com momentos de amor. Ela só estava no lugar errado.

(Cena do filme)

Ben Shephard (voz): A novata Katie Leung faz o papel de Cho Chang, o interesse amoroso de Harry.

Ben Shephard: Então você é o sonho de milhões de garotas ao redor do mundo?!

Katie Leung: (“incompreensível“)

Mike Newell: Ótimo. Podem repetir, por favor?

Katie Leung: É tão mágico. Você se sente como num sonho, é claro. Isto aqui não acontece de verdade.

(Cena do filme)

Daniel Radcliffe: Eu gosto do Harry deste jeito porque ele parece o Homem-Aranha, o Peter Parker. Ele é o herói, é valente, leal, uma pessoa brilhante, mas é um desastre com as garotas. O que é fantástico porque ele não é um super-herói que sempre faz sucesso com as garotas. E Harry não tem a garota quer deseja o que é fantástico.

(Cena do filme)

Daniel Radcliffe: Harry tem sentimentos fortes por ela embora não a conheça muito. Ele só consegue dizer “como vai você?” e nada mais. É muito adorável. É um lado bem ousado de Harry.

Ben Shephard (voz): Mas não é só o Harry que tem que encontrar um par.

(Cena do filme)

Ben Shephard (voz): E o motivo de tudo isto é o Baile de Inverno.

(Cena do filme)

Emma Watson: Eu diria que minha parte preferida é o Baile de Inverno. Foi muito divertida.

(Cena do filme)

Ben Shephard (voz): Uma dança que deu trabalho para o desenhista Stuart Craig que teve que transformar o Salão Principal numa terra de inverno.

Stuart Craig (voz): Já vimos tanto o Salão Principal e desta vez tinha que ser especial.

Stuart Craig: Muita coisa foi mudada pensando em praticidade. O que se poderia mudar fisicamente? Primeiro usamos um tecido prata, ele refletia bastante. Então decidimos cobrir cada centímetro do Salão com este tecido.

Robbie Coltrane: Oh, meu Deus. É inacreditável, inacreditável. Deve ser um pesadelo para os iluminadores por causa dos reflexos. Eles devem ter passado semanas para construir.

Ben Shephard (voz): De fato, noventa pessoas levaram quatro semanas para acabar.

Robbie Coltrane (voz): É totalmente mágico.

Ben Shephard (voz): Mas não foi mágico para todos.

Mike Newell: Sempre encaramos o Baile como a quarta tarefa porque no Baile todas as emoções vêm à tona.

Daniel Radcliffe: Harry e Rony estão desesperados para encontrar um par. E quando chega a hora, eles ficam sentados. É horrível.

Mike Newell: E você pode vê-los tentando procurar o que dizer.

Daniel Radcliffe: Eu não sei que dizer, eu não sei o que fazer.

Mike Newell: Você os vê chorando para descobrir como fazer coisas bem simples.

Daniel Radcliffe: Harry está com uma pessoa que não quer estar. Ron está se sentido idiota, estúpido.

Ben Shephard (voz): Hermione teve mais sucesso. Seu par é o campeão de Durmstrang, Vitor Krum.

Ben Shephard: Acho que é particularmente dos músculos que ela gosta.

Stanislav Ianevski: Não são só os músculos.

Emma Watson: Acho que ela não acredita que ele está de olho nela então ela o dispensa. De repente ela fica pensando por que ele estaria interessado nela por tanto tempo.

Stanislav Ianevski: Eles davam dicas durante o filme que os fariam aparecer juntos.

Emma Watson: E Rony fica morrendo de ciúmes.

(Cena do filme)

Rupert Grint: Rony estava muito ciumento que ficou deprimente.

(Gravação da cena)

Emma Watson: Hermione fica bastante irritada e eles têm uma grande discussão.

Ben Shephard: Acontece porque é a visão dele, não é?

Emma Watson: É.

Ben Shephard: Já sabemos que tem algo acontecendo entre Ron e Hermione. E eles irão ficar juntos algum dia?

Emma Watson: Eu espero que sim. Acho que têm um relação bem doce, do tipo amor-e-ódio. E isso é umas das coisas que as garotas descobrem depois de um tempo que os garotos provocam as garotas que eles gostam.

(Cena do filme)

Ben Shephard (voz): E o cúpido também mandou sua flecha na direção de Hagrid.

Robbie Coltrane: Ele conhece Madame Maxime, Olimpia Maxime que também meio-gigante e temmos mesma altura, mas com os saltos ela fica enorme.

(Cena do filme)

Robbie Coltrane: E ele fica completamente louco por ela que não fica interessado nele. A idéia era que a gente saísse dançando suavemente pela floresta. É claro que iríamos derrubar coisas, bater nas pessoas mas seria engraçado.

Ben Shephard (voz): E os estudantes precisavam de uma mãozinha para ir à pista de dança.

(Cena do filme)

Ben Shephard: Vocês tiveram aula de valsa.

Emma Watson: Sim, sim.

Ben Shephard: E como foi?

Emma Watson: Foi incrível. Tivemos uma quatro ou cinco aulas.

Ben Shephard: Todos fizeram?

Emma Watson: Sim, todos. E eu adoro dançar. Uns tinham mais experiência que outros.

Ben Shephard: Está dizendo que os garotos foram um droga?

Emma Watson: Não, não todos. Os que mais se saíram bem foram os mais quietos.

Robbie Coltrane: Outra coisa legal de ver foi as garotas com seus vestidos elegantes e os garotos de gravatas e tal.

(Gravação de cena)

Robbie Coltrane: Foi uma grande ocasião para estarem tão bem vestido. Melhor dizendo, nunca ouve uma ocasião daquelas nos livros para se socializarem.

Ben Shephard (voz): Enquanto eles estão no Baile, tenho que bisbilhotar numa missão secreta.

Ben Shephard: Os objetos estão aqui, o lugar com mais alarmes. Agora tenho que achar a chave. Você pode encontrar de tudo aqui: vassouras, ratos, poções mágicas. Olhem. Uma varinha. É claro que não funciona. Oh, funciona.

Ben Shephard (voz): Depois do intervalo. Daniel Radcliffe chega em seu limite nesta sequência. Como será que fizeram?

PARTE 3

Ben Shephard: Sejam bem-vindos de volta. Nós estamos por trás da mágica de Harry Potter e o Cálice de Fogo. E agora as coisas se tornaram úmidas. Ao cumprir a primeira etapa do Torneio Tribruxo, a disputa continua pois os competidores lutam para ganhar isto… Como se enfrentar um dragão não fosse ruim o suficiente, agora vão ter que salvar alguém que somente eles sentem falta do fundo de um lago profundo. Você pode conseguir coisas impressionantes com efeitos especiais ultimamente mas a melhor forma de fazer alguém nadando embaixo d’água lutando com sereias e tubarões é colocando-o para lutar de verdade. Colocando a taça no lugar agora…

Ben Shephard: Ok, eu estava brincando sobre lutar com sereias e tubarões de verdade mas para esta sequência foi exigido um trabalho intenso.

(Cena do filme)

David Heyman: A maior dúvida foi: como vamos fazer tudo isto? É uma enorme tarefa pois toda a cena acontece inteiramente embaixo d’água.

Peter MacDonald: Durante as tentativas inicias, nós penduramos o Daniel de cabeça para baixo numa máquina terrível para seu cabelo cair, mas os movimentos não ficaram bons.

David Heyman: Este jeito não funcinou porque não dava a lentidão necessária aos cabelos do Daniel.

Peter MacDonald: Este foi o melhor jeito de prosseguir.

David Heyman: Então tivemos que construir um tanque, não de qualquer tamanho, um enorme. De fato, o maior na Europa.

John Richardson: Basicamente ele tem 18m², 6m de profundidade e contém 4 milhões e meio de litros de água.

David Heyman: Depois tivemos que treinar o Dan para nadar embaixo d’água.

Daniel Radcliffe (voz): Eu treinei seis meses antes para poder parecer o mais natural possível porque Harry vai se tornar um “peixe”, ter guelras, etc.

David Heyman: E em seguida, Dan teve que atuar embaixo d’água. É difícil atuar em qualquer situação mas atuar embaixo d’água é uma coisa incrível. Não só o Dan teve que fazer isto, mas fez mais do que os outros, é claro.

Daniel Radcliffe: Eu tinha uma máscara e o aparelho de oxigênio na boca. Eles contavam até três, e no três eu expelia todo o ar dos pulmões. Depois eu prendia a respiração e fazia a cena.

Peter MacDonald: E essas cenas duravam entre 15 e 20 segundos.

Daniel Radcliffe: Quão bem eu atuei, eu não sei. Prefiro pensar que fiz o suficiente. Mas não estou certo.

(Cena do filme)

Daniel Radcliffe (voz): Até atuar de forma ruim embaixo d’água é difícil.

Ben Shephard: Eu já vi algumas das cenas, Daniel.

Daniel Radcliffe: Viu?

Ben Shephard: Não posso dizer o quanto fiquei impressionado.

Daniel Radcliffe: Mesmo?

Ben Shephard: É.

Daniel Radcliffe: Fantástico. Muito obrigado.

Ben Shephard: Fiquei muito impressionado mesmo.

(Cena do filme)

Ben Shephard (voz): O sistema de filtração não só foi gentil aos olhos dos atores, como também deixou a água cristalina, algo essencial para a equipe. De fato, era água mineral pura. Mas isso não é tudo.

Ben Shephard: Eu soube que há um tipo de lugar onde o ator poderia ficar para que não tivesse que ir até a superfície.

Peter MacDonald: É verdade. Há o que a gente chama ‘habitat aquático’ que é uma sala pequena com uma janela onde jogávamos ar constantemente para que tivesse oxigênio dentro, e é monitorada.

Daniel Radcliffe (voz): Era como uma versão barata do confessionário do Big Brother. E basicamente um lugar seco e eu ficava desorientado… (há algo mais que não compreendi)

David Heyman: De toda as coisas que o Dan já fez, esta foi a mais difícil. No final de cada dia ele estava… e enquanto fazia aquilo, ainda estudava para (incompreensível)

Ben Shephard: Quanto tempo você passou embaixo d’água?

Daniel Radcliffe: Coincidentemente…

Ben Shephard: (incompreensível)

Daniel Radcliffe: (incompreensível)… Isso foi um presente do Departamento de Dublês. Mergulhos Profissionais. Recordes Diários.

Ben Shephard: Então, na verdade, isso é como um diário?

Daniel Radcliffe: Sim. Toda vez que eu mergulhava eles anotavam a hora que eu entrava e a hora que eu saía, e calculavam quanto tempo passei embaixo d’água. Em cada dia eu podia ficar até três horas. Eles calcularam o total, em três semanas, que foi de 41 horas e 38 minutos embaixo d’água.

Ben Shephard: 41 horas e 38 minutos em três semanas?!

Daniel Radcliffe: É. Fiquei muito satisfeito com isso.

Ben Shephard: 2483 minutos. É incrível, não é?

Daniel Radcliffe: Sim, estou muito orgulhoso, muito orgulhoso.

Ben Shephard (voz): E nem todo mundo se tornou um peixe facilmente. Stanislav Ianevski, que faz o campeão de Durmstrang Vitor Krum, teve que enfrentar seu maior medo.

Stanislav Ianevski: Eu costumava ter medo de grandes profundidades mas nada que eu não pudesse colocar o pé. Eu aprendi como ir para baixo, sempre para baixo, dar giros e tudo mais.

Ben Shephard: E como foi?

Stanislav Ianevski: No começo eu estava assustado. Sabe quando você respira muito rápido embaixo d’água e quando sai, fica tonto? Então eu desci só uma vez e não conseguia limpar a máscara no começo, então ficavam reabastecendo com água. Foi muito difícil. Mas depois que treinei no chuveiro, comecei a me acostumar com a água.

Ben Shephard: Treinou com a cabeça chuveiro?

Stanislav Ianevski: Sim, treinei no banheiro. E depois que voltei ao tanque, eu estava melhor.

Ben Shephard (voz): E Robert Pattinson, Cedrico Diggory, um dos campeões de Hogwarts, achou a experiência desorientante.

Robert Pattinson: Eu não conseguia ver nada, e os mergulhadores que davam oxigênio estavam de azul, e eu não via por causa do cloro. E quando eu estava nadando, alguém dizia “corta”, e do nada alguém empurrava aquilo na minha boca.

Emma Watson: Eu não tive que atuar porque, na verdade, eu tinha que ficar… não adormecida e nem quieta até eu voltar a superfície então eu só tinha que agitar a água, e fora isso não fiz muito.

Ben Shephard: De fato, o papel de Hermione nesta cena é feito por um manequim.

Nick Dudman: Havia quatro personagens nesta parte que passaria a maior parte do tempo amarrados pelo tornozelo então não podíamos usar pessoas de verdade. Por isso fizemos os manequins. Temos Hermione e Gabrielle aqui que são feitas de silicone com buracos por dentro para facilitar a subida e descida assim como faz um submarino. E seus movimentos são controlados por bombeamentos de água para dentro, assim não há nada eletrônico.

Nick Dudaman (voz): Também tivemos que colocar guelras no Harry, ligações entre os dedos, etc. Ele levou muito tempo para se acostumar. Quando se faz uma maquiagem como esta num ator, você já tem algum problemas, mas no momento que ele vai para a água, novos problemas surgem. O ator com aquelas ligações entre os dedos tem que pode colocar um regulador na boca entre as tomadas e as mãos não podem interferir no aspecto de segurança. Da mesma forma, se ele tem guelras, elas não podem ser danificadas pela máscara. E os pés, como entrar e sair do tanque… Todas estas coisas são considerações práticas e você tem que mostrar ao ator como tolerá-las.

Mike Newell (voz): Dan, essa foi excelente. Agora faça de novo sem dizer as falas, apenas pense.

Ben Shephard (voz): No total, a equipe levou seis semanas para filmar todo o material aquático. Mas isto é apenas parte da história.

Jimmy Mitchell: Ainda havia muito trabalho pela frente pois tudo o que fizemos no tanque foi colocar as pessoas para nadar. Não havia sereianos, grindylows. E quando isso tudo estivesse acabado, pegaríamos o material filmado e imaginariamos os movimentos de câmera agora no contexto aquático. Havia estas algas-marinhas imensas por onde o Harry iria passar e as ruínas onde ele iria salvar as vítimas.

Tim Webber: Daniel foi filmado lutando com praticamente nada embaixo d’água. Depois tivemos que coreografar, preencher com gridylows o atacando, tentáculos ao redor dele, tentar parecer como se ele estivesse sendo atacado de verdade, cuidar das sombras, do movimentos dos cabelos. Em um momento tivemos que dar movimentos aos seus óculos para ficar mais realista. Há também uma quantidade enorme de criaturas. Mesmo até a alguns anos atrás, era trabalhoso criar uma única criatura, precisava-se explorar o que os computadores podiam fazer. Agora em algumas das cenas há centenas de criaturas e fazê-las ‘atuar’ juntas para dar emoção à cena foi muito difícil. Mas estamos satisfeitos com o resultado.

Tim Webber: A maior parte das cenas foi filmado sobre um fundo azul mas havia tomadas onde a performance era impossível de ser feita por seres humanos, ou às vezes, era impossível de fazer o que a câmera precisava fazer. Então nestas tomadas criamos o Daniel no computador ou outros personagens necessários.

Ben Shephard: Por exemplo, nesta cena…

Tim Webber: Nesta cena onde ele dá este salto para fora da água, é claro que é fisicamente impossível, nem atirando-o de um canhão…

(Cena do filme)

Ben Shephard (voz): A 150 metros de profundidade, a água é extremamente turva então a claridade em cada tomada era algo a mais para se fazer.

Tim Webber (voz): O sucesso destas cenas está nos detalhes, na luz que você coloca, não pode ser estática, na flutuação das coisas, na difusão da luz já que as coisas se afastam e ficam fora de foco.

Tim Webber: Também tivemos o problema da imperfeição por causa das câmeras aquáticas… analisamos e consertamos as imperfeições.

(Cena do filme)

Jimmy Mitchell: Isso já foi feito antes, no contexto de filmar embaixo d’água, é claro, e com fundo azul, mas não com a mesma extensão que fizemos aqui. Não há uma cena que não tenha sido filmado com um fundo azul, e tivemos que criar todo o ambiente. Em toda cena há animação computadorizada, não só nas aquáticas mas também nas plataformas que tem um estilo vitoriano baseadas nos desenhos de Stuart. Colocamos as plataformas no lago escocês e nunca fomos sequer uma vez para a Escócia com a equipe e elenco.

Ben Shephard (voz): Os efeitos visuais para esta cena levaram 18 meses para ficarem prontos mas antes que encerremos o assunto, Daniel tem uma surpresa para mim.

Daniel Radcliffe: Eu acho que você deveria mergulhar, todos vão ficar impressionados, vai deixá-los desapontados.

Ben Shephard: Eu passei a minha vida toda… (incompreensível)

Daniel Radcliffe: Vamos, experimente.

Ben Shephard: Não, vamos sair agora.

Ben Shephard (voz): Mas Daniel não aceita um ‘não’ como resposta. Ele pediu para seus amigos dublês me levarem ao tanque original onde a cena foi filmada. E eles me mostraram as técnicas básicas. Eu estava na água somente por 30 minutos e meu olhos não só começaram a arder como fiquei morto de cansaço. Mas eu nem estava atuando para um filme. Foi uma experiência fantástica o que me deu uma visão do ótimo trabalho feito pela equipe.

Ben Shephard (voz): Após o intervalo, descubra como um dia escolar comum levou um adolescente sortudo ao estrelato e Harry fica cara-a-cara com seu inimigo Voldemort. Espero vocês.