O Cálice de Fogo

Jordana Chaves nos conta sua experiência em Londres

A vencedora da promoção do Sbt, Jordana Chaves, fez a gentileza de nos fornecer as fotos que ela tirou na premiere do Cálice de Fogo em Londres, e um relato -que merece ser lido!- contando detalhes sobre o tapete vermelho, a sessão do cinema e a festa pós filme! Para ler o relato e ver as fotos, clique aqui.

Sobre a Premiere
Por Jordana Chaves

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Até agora eu não acredito que isso aconteceu comigo. Eu tinha todo o meu fim de semana planejado, ir ao Pottercon, trabalhar no feriado, passar o outro fim de semana, o do meu aniversário (6 de novembro), sozinha em Sampa (pois minha família mora em MG), tudo certo. Até que na sexta feira, por volta das 6 da tarde, recebi um telefonema do Fábio, do SBT, dizendo que eu havia ganhado os DVDs do filme. Eu disse “ah, legal”, sem muito entusiasmo, mas aí o Fábio disse, “Jordana, você se lembra disso?” (e colocou a gravação que eu havia deixado no portal do SBT) “lembro” repondi, então ele falou “você tem passaporte?”. Nossa, depois disso eu não consigo me lembrar de nada claramente, comecei a chorar, a perguntar se era verdade, eu simplesmente não acreditava. Eu, que nunca tive sorte com essas coisas, que sempre fui péssima para criar textos, que tinha deixado umas frases só para dizer que pelo menos tinha tentado, tinha ganhado a viagem para Londres. Liguei para minha mãe, chorando tanto que ela até ficou preocupada, demorei a conseguir falar e contar o que havia acontecido. A partir daí foi a maior correria para arrumar tudo para que eu e meu irmão pudéssemos viajar.

Embarcamos na sexta feira, dia 4, e chegamos em Londres no sábado de manhã. Um motorista veio nos buscar e levar para o hotel. Tivemos o dia inteiro livre, então aproveitamos para conhecer a cidade. Minha prima, que está morando lá, foi com a gente e conhecemos o palácio de Buckingham, a Trafalgar Square, a National Galery (um museu de arte com trabalhos de Michelangelo, Rafael, Leonardo Da Vinci), a Oxford Street, a Picaddily Circus. A estação King’s Cross existe mesmo, mas infelizmente ficava longe de onde estávamos e não deu para conhecer. Achei até um barzinho com o nome de “Hog’s Head”. A cidade é linda, tem um ar antigo, meio medieval, as construções são enormes. A única coisa estranha é a tal mão inglesa, eu e meu irmão quase fomos atropelados, pois os volantes dos carros ficam no lado direito e o sentido do trânsito também é invertido, então a gente sempre olhava para o lado errado antes de atravessar as ruas.

A noite a cidade ganha vida, todos saem pra curtir a noite. A montagem do cenário na Leicester Square (praça onde ficava o Cinema ODEON, onde foi a premier) começou. A praça ficava a apenas dois quarteirões do hotel onde estávamos hospedados, então a gente sempre ficava andando por lá. A taça do Torneio Tribruxo já estava no alto da fachada do cinema, as bandeirinhas e decorações na praça já estavam sendo montadas. Ali pelas nove da noite começaram a chegar as primeiras pessoas para a premier, um grupo de garotas da espanha, passaram a noite inteira lá, fazendo faixas, cartazes para o dia seguinte.

Acordamos bem cedo no dia 6, a praça já estava cheia de gente e as pessoas não paravam de chegar. A decoração já estava toda pronta, várias bandeiras com os logotipos das escolas participantes do torneio tribruxo, torres, até alguns sons de criaturas e de bichos de floresta podiam ser ouvidos pelas caixas de som esocndidas no cenário. Dois telões exibiam dois trailers diferentes do filme, com cenas inétitas e toda vez que começava era uma gritaria só. A empolgação também já tomava conta de mim, que sou superfã dos livros e dos filmes. Muitas pessoas estavam fantasiadas com os uniformes das casas e, como na premier eu não poderia usar meu uniforme de quadribol (pois iríamos para uma festa depois da exibição do filme), aproveitei para usá-lo de manhã e pra tirar algumas fotos.

A cada hora aparecia uma surpresa, mas a mais legal foi o dragão, o rabo córneo húngaro, preso em uma jaula na praça, que se mexia, emitia sons e cuspia fogo de verdade. O ambiente era mágico, era como se fizéssemos parte do filme.

Quando eu voltei para o hotel, para me arrumar para a premier, tive uma surpresa: o pessoal da Warner mandou um presente de aniversário para mim, uma garrafa de champanhe francesa, com um cartão escrito em português!

Por volta das 16h todos os ganhadores de promoções de diversas partes do mundo (bélgica, austrália, itália, etc), se encontraram na recepção do hotel. Eram pessoas de todas as idades, crianças, adolescentes, adultos, todos na maior ansiedade. E as 16:30 (14:30 no Brasil) nós fomos para a Leicester Square. A chuva não parou um minuto sequer naquele dia. Nós fomos conduzido a um local perto da rampa de entrada no cinema, ficamos em uma parte cercada. Logo uma reporter começou a fazer a narração e foi a maior euforia quando as 17:00, ela anunciou a chegada de Daniel RAdcliffe, Emma Watson e Rupert Grint. Eles demoraram a chegar até nós. O primeiro ator que vi foi o garoto que faz o papel de Cedric Diggory, super simpático (além de maravilhoso), conversou com a gente, tirou foto, deu autógrafo. Depois foi a atriz Clémence Poésy, que além de linda também é muito legal. Logo depois veio o ator que faz o Viktor Krum, muito diferente do seu personagem, sério, ele estava sempre sorrindo, sempre alegre. Depois vimos o professor Flitwik. Nessa hora muitos atores começaram a chegar ao mesmo tempo, e alguns ficaram pouco tempo circulando pela praça e foram direto para o cinema. O ator Rob Lowe e a Madonna passaram tão rápido que quase que a gente não viu. A atriz Bonnie (a Ginny) estava muito diferente, com cabelo cacheado. Todos estavam por lá, o Sr Weasley, a Maggie Smith (Prof Minerva), Hagrid, Parvati, Cho Chang, os Gêmeos Weasley, Tom Felton. Nós fomos orientados pelo pessoal da Warner para não tentarmos tirar fotos com os atores (de todos jeito seria impossível, pois estávamos atrás de uma grade) Então eles tiraram para a gente. Emma Watson, Tom Felton e Rupert Grint passaram muito rápido por nós, o Tom nem parou pra tirar foto, mas foi simpático. A Emma além de linda é muito simpática também, cumprimentou a todos por terem ganhado o concurso, tirou fotos, deu autógrafos. Eu aguardava com muita ansiedade pelo Daniel Radcliffe, era quem eu mais queria ver. Mas ele era muito assediado pelos repórteres, então ele demorou a chegar até nós, estava sempre acompanhado dos pais, e quando chegou, passou muito rápido, pois já estava em cima da hora marcada para exibição do filme e o ingleses são muito pontuais . Quando ele chegou eu nem consegui falar direito, sentia uma coisa no estômago, uma emoção muito grande de vê-lo assim tão pertinho. “It is great to meet you” foi tudo que consegui dizer enquanto ele autografava meu livro. Ele estava agitado, olhava rápido para todos os lados, falou brevemente com a gente e entrou no cinema. Ele é igualzinho a gente vê nas fotos, olhos de um azul intenso, lindo, pele bem branquinha, lindo, lindo, lindo e baixinho! Não deve ter mais que 1,65. Depois de duas horas debaixo de chuva, as 18:30, entramos para assistir o filme.

Ficamos na primeira fila, e antes da apresentação algumas pessoas fizeram um pequeno discurso, entre elas, o diretor da Warner e o diretor do filme. E o trio (Dan, Rupert e Emma) foram chamados ao palco. Logo depois o filme começou. Não vou falar muito para não estragar a surpresa, mas eu gostei muito. É difícil compará-lo com os outros, mas ele segue o estilo do filme 3. Muitas coisas foram mudadas, muitas partes foram cortadas e algumas não fizeram falta. A impressão que tive, do início do filme, é de que tudo acontecia rápido demais. Sou um pouco resistente quanto a mudanças no comportamento de personagens. Algumas cenas que eu vi eu pensava “nossa, ele nunca faria isso”. Um exemplo de que não gostei é que o Dumbledore está um tanto nervoso, agindo de um jeito que nunca agiu nos livros, pois ele sempre foi calmo. As situações foram um tanto exageradas, algumas, como a cena da primeira tarefa, ficaram muito boas!! A cena do dragão é bem longa e bem emocionante. Os momentos engraçados do filme ficaram por conta dos gêmeos Weasley e principalmente por conta do Harry. Toda as vezes que ele via a Cho ele dava bobeira. Um dos momentos mais engraçados acontece quando ele está tomando suco….. AH!! outro momento muito engraçado é a cena em que ele toma banho e a Murta aparece, é uma cena longa e a Murta fica dando em cima dele e ele tentando se cobrir com a espuma.

A interpretação do Dan me surpreendeu muito, eu sempre achei a Emma e o Rupert melhores atores que ele e achei que seria um desafio muito grande a carga emocional que ele teria que passar nas cenas finais do filme. Mas ele deu conta, interpretou muito bem, foi excelente! Nunca pensei que ele conseguiria chorar daquele jeito… A luta com Voldemort é emocionante e o final é triste demais. Achei que o filme foi bem melhor que o terceiro (que para mim, terminou no meio), engraçado, emocionante e com certeza vai assustar as crianças mais novinhas pois é o mais “pesado” dos quatro, graças as cenas no cemitério….

Logo depois que o filme terminou, já havia um ônibus nos esperando. Fomos levados para o Museu de História Natural, um lugar maravilhoso, gigantesco e recebemos nossos convites para o “Yule Ball” (Baile de Inverno). O ambiente foi todo decorado como se fosse o baile em Hogwarts, todos os garçons e garçonetes vestiam roupas com o brasão de Hogwarts. A decoração estava linda,havia grandes blocos de gelo com o brasão da escola, troféus feitos de gelo, em algumas bandeijas haviam corujas “empalhadas” enfeitando. Vários tipos de bebida, comida e tudo mais, tudo muito gostoso. O mais legal era que toda hora a gente cruzava com um dos atores por lá, estávamos todos curtindo a festa junto. Era muito estranho, de repente a gente estava andando e dizia “olha só o Rupert”, “o Dan”, todos pertinho, passando por mim toda hora. Infelizmente o pessoal da Warner nos proibiu de levar celulares ou máquinas fotográficas, falaram que era pra gente curtir a festa e deixar os atores relaxarem. Ainda assim aproveitei para pegar autógrafos que eu não tinha conseguido. E fiquei seguindo o Dan pela festa, eu até tentei falar com ele, mas eu não conseguia me aproximar, a emoção era tanta que me dava dor de estômago, moleza nas pernas, paralizava mesmo, e ele ali, todo alegre, conversando com uns amigos e amigas, apenas três passos de distância de mim. Ele ficou pouco tempo na festa, e eu fiquei colada nele enquanto pude. Depois que ele foi embora, fui procurar outra diversão, e encontrei! Uma fonte de chocolate quente, cercada de potinhos com morangos, marshmelows, docinhos e coisas de todos os tipos para gente espetar, molhar no chocolate da fonte e comer. E eu fiquei um bom tempo por lá comendo chocolante junto com a Ginny, a Parvati, a Cho Chang e um dos gêmeos Weasley.

Mas infelizmente, a meia noite, tivemos que ir embora. A alegria que eu senti naquele dia é indescritível. Foi o melhor presente de aniversário que ganhei. Não consegui ficar no hotel, sai andando pela cidade com o meu irmão, que, como eu, não conseguia dormir devido a euforia depois de tantos acontecimentos. Ficamos andando pela praça, cuja decoração já estava sendo desmontada, andando pela cidade que, aquela hora, já estava bem tranquila.

No outro dia só fomos embora no fim da tarde, então deu para aproveitar Londres por mais um tempinho, e despedir da cidade. Foi muito triste voltar, tudo passou rápido demais, como num sonho, que com certeza, nunca irei esquecer. Tudo por causa de uma frase simples, e um tanto boba na minha opinião: “Eu queria que o Ministro da Magia reconhecesse a inocência do Sirius Black e deixasse de persegui-lo”.