Sem categoria

Daniel Radcliffe na Entertainment Weekly

A nova edição da revista Entertainment Weekly que chega às bancas dos EUA na próxima segunda, irá trazer Daniel Radcliffe na capa e uma entrevista com o ator.

EW: Você é um aficcionado em música – quem você tem ouvido?
DR: The Libertines. Franz Ferdinand. Eu respeito Green Day mas meu problema com punk americano é que todos soam como Good Charlotte. Mas eu gosto da American Idiot. ‘Now everybody do the propaganda’? Genial

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Daniel falou mais sobre música e também sobre garotas. Leia o restante aqui.

A matéria também menciona o Cálice de Fogo e trás algumas fotos.

Quatro filmes rodados. Olhando para trás, como você descreveria seu crescimento?
No primeiro filme, havia muita energia mas esta energia não estava sendo destacada. Agora é isto o que estou ganhando: destaque. E também nos três primeiros filmes, eu não sugeria nada. Eu não sentia que tinha este direito. Hoje eu acho mais fácil dizer algo do que ficar calado. E claro que eles dizem ‘Oh, Dan! Mova-se.’ Mas em geral, estou mais consciente sobre Harry ser meu personagem.

No Cálice, você enfrenta dragões, sereianos e um sinistro labirinto. Qual foi o maior desafio?
A sequência aquática. Treinei seis meses para ela. Houve a possibilidade de usarem um dublê e depois cobrirem com meu rosto. Teria ficado um lixo. Fico feliz por ter feito – apesar das duas infecções no ouvido.

Interpretar o Harry nunca fica chato?
Claro que não. Eu até acho que interpreto uma pessoa diferente em cada filme porque ele muda muito. Neste filme, ele está passando por toda esta besteira de puberdade.

“Besteira de puberdade”?
Assim: a primeira atração por alguém. É claro que quando é a primeira vez, não é uma simples atração – você a ama muitoooooo.

Você pode contar?
Todo garoto pode contar, pelo menos uma vez. No meu caso, mais de uma vez. Sou uma droga com as garotas. Os garotos da minha idade pensam que são delicados mas são um lixo e sabem disso.

Você é o pequeno Hitch-em-treinamento, Dan.
Não me vejo indo nesta direção.

Você é um aficcionado em música – quem você tem ouvido?
The Libertines. Franz Ferdinand. Eu respeito Green Day mas meu problema com punk americano é que todos soam como Good Charlotte. Mas eu gosto da American Idiot. ‘Now everybody do the propaganda’? Genial.

Da última vez que falamos, você disse que estava tocando baixo e confuso sobre uma carreira de rockstar.
Nem tanto mais. Não tenho futuro com a música. Se eu formasse uma banda, eu não acho que alguém diria ‘Uau! O que ele estava fazendo atuando?’