J. K. Rowling ︎◆ Livros ︎◆ O Enigma do Príncipe

Entrevista com J.K. Rowling (2ª parte)

Como todos já devem saber, JK Rowling concedeu uma entrevista exclusiva aos webmasters dos sites Mugglenet e TLC no dia do lançamento do livro.

A segunda parte da tradução você pode encontrar aqui. Vale lembrar que a mesma contém MUITOS SPOILERS do sexto livro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A primeira parte, já postada aqui no Potterish, pode ser encontrada aqui.

ES: Quando Sirius foi acusado pela morte de Pettigrew e dos Trouxas, ele realmente deu risada ou isso foi algo para deixa-lo mais insano?
JKR: Se ele realmente riu? Sim, eu diria que ele riu. Bem, ele o fez, porque eu criei ele. Sirius, para mim, ele é algcicuém que sempre esteve no limite, você não tem essa sensação sobre Sirius? Ele é um pouco incontrolável. Eu realmente gosto dele como personagem, e muitas pessoas também gostaram dele como personagem e ainda me perguntam quando é que ele vai voltar. [Risos] Mas Sirius teve suas falhas – eu já descuti isso antes – algumas falhas evidentes. Eu vejo Sirius como alguém teve uma pausa em sua evolução. Eu acho que você pode ver isso no relacionamento dele com Harry em ”A Ordem da Fênix”. Ele meio que quer que Harry seja um companheiro, e o que Harry deseja é um pai. Harry está se livrando disso agora. Sirius não estava preparado para dar isso a ele.

A risada – ele estava absolutamente atordoado com a morte de James. Harry e Sirius eram muito parecidos no jeito que os dois procuravam conexões familiares com seus amigos. Então, com Tiago Sirius queria achar um irmão, e Harry nomeou Ron e Hermione sua família. Este é o tipo de coisa que eu acho interessante – isso já esteve nos comments do mugglenet, foi no período que eu estava procurando por um fan site do mês (ou em qualquer outro tempo eu tenha o feito) – foi enquanto eu estava lendo os comments pela primeira vez e tinha algo lá que as crianças estavam falando “eu não entendo porque ele esta gritando com Ron e Hermione, quero dizer, eu gritaria com os meus pais, eu nunca gritaria com os meus melhores amigos.” Mas, ele não tem ninguém mais para com quem gritar. Isso é o interessante sobre crianças novinhas, porque eu acho que eles não podem fazer esse pulo na imaginação. Ele é muito sozinho. De qualquer modo eu me desviei quilômetros de Sirius…

Ele estava atorduado. Sim, ele riu. Ele sabia o que ele tinha perdido. Foi uma risada sem senso de humor algum. Perrigrew, quem, em um jeito protetor, pelomenos de Tiago e Sirius, que eles permitiam andar com eles, se tornou um bruxo melhor do que o que eles sabiam. Ele acabou sabendo esconder segredos melhor do que os dois sabiam.

MA: Você disse que algo que você escreveu no sexto livro te deu uma alegria demoníaca. Você lembra o que causou isso?

JKR: Oh céus. [longa pausa Jo está pensando] O que foi isso? Não foi algo realmente vingativo [risos] – isso foi mais como uma figura de linguagem. Eu sei o que eu gostei de escrever – você sabe o comentário de Luna durante a partida de Quadribol? [ risadas] Foi isso. Eu realmente gostei de fazer isso. Na verdade eu realmente gostei de escrever aquilo!

Sabe, aquela foi a última partida de Quadribol. Eu sabia quando eu escrevi que seria a ultima vez que eu escreveria uma partida de Quadribol. Para ser honesta com você, partidas de Quadribol foram a destruição da minha vida nos livros de Harry Potter. Elas são necessariamente como as pessoas esperam que Harry jogue quadribol, mas existem limites quando você pensa em os fazer jogar juntos e que coisas novas podem acontecer. E então eu tive esse momento de inspiração. Eu pensei, Luna vai comentar, e isso foi maravilhoso. É o tipo de comentário que eu faria durante uma partida de algum esporte, porque eu sou – [risadas]. De qualquer forma, foi isso.

MA: Isso foi muito divertido. Ela é engraçada.

JKR: Eu amo a Luna, eu realmente amo a Luna.

ES: Por que Dumbledore permite que Pirraça fique no castelo?

JKR: Porque ele não consegue tirar ele de lá.

ES: Ele é Dumbledore, ele não pode fazer alguma coisa?

JKR: Não, não não não não. Pirraça é como um vírus. Você não pode irradicar ele. Ele vem junto com o prédio. Você fica preso a ele. Se voce tem o Pirraça voce está preso a ele pra sempre.

ES: Mas Pirraça obedece Dumbledore. –

JKR: Supostamente.

MA: Supostamente?JKR: Sim, eu vejo Pirraça como um terrivel problema de encanamento em um prédio muito velho, e Dumbledore é muito melhor com a chave inglesa do que a maioria das pessoas, então ele consegue fazer ele funcionar de um modo melhor por algumas semanas. E então em breve começa a vazar mais uma vez. Você gostaria que Pirraça se fosse, honestamente?

JKR: Sim, eu vejo Pirraça como um terrivel problema de encanamento em um prédio muito velho, e Dumbledore é muito melhor com a chave inglesa do que a maioria das pessoas, então ele consegue fazer ele funcionar de um modo melhor por algumas semanas. E então em breve começa a vazar mais uma vez. Você gostaria que Pirraça se fosse, honestamente?MA: Se eu fosse Harry eu talvez quisesse, mas como leitora eu gosto dele. Eu gostei mais dele quando ele começou a obedecer Fred e George no final do quinto livro.

JKR: Sim, aquilo foi muito engraçado. Eu gostei daquilo. Foi satisfatório [risos]

ES: quando eu me loguei no IM (instant messenger) depois que o livro foi lançado, tinham pelo menos quatro pessoas com mensagens como “mande ela pro inferno por nós, Peeves.” Todo mundo ama aquela fala.

JKR: [Risos] Awww. Bem, Umbridge, ela é uma personagem bem má.

MA: Ela ainda está por ai?

JKR: Ela continua no ministério.

MA: Nós iremos ver mais dela? [J.K. acena positivamente com a cabeça] Você diz isso concordando de um jeito maléfico

JKR: É muito divertido torturar ela para não deixar ela ter um pouco mais de espaço antes de eu terminar!

ES: Vencendo do concurso MuggleNet “Ask Jo”, Asrial, que tem 22 anos, pergunta, “Se Voldemort visse um bicho-papão, como ele seria?”JKR: Voldemort tem medo de morrer, afrontando a morte. Eu quero dizer, ele considera a morte um afronte. Ele acha que isso é uma vergonhosa fraqueza humana, como vocês sabem. O maior medo dele é a morte, mas como um bicho papão mostraria isso? Eu não tenho certeza. Eu não pensei sobre isso porque eu sabia que vocês iriam me perguntar sobre isso.

JKR: Voldemort tem medo de morrer, afrontando a morte. Eu quero dizer, ele considera a morte um afronte. Ele acha que isso é uma vergonhosa fraqueza humana, como vocês sabem. O maior medo dele é a morte, mas como um bicho papão mostraria isso? Eu não tenho certeza. Eu não pensei sobre isso porque eu sabia que vocês iriam me perguntar sobre isso.ES: Um Cadáver?

JKR: Essa foi minha conclusão final, que ele veria ele mesmo morto.

ES: Desde o começo achei que esse questão iria ganhar, eu comecei a receber vários emails de pessoas falando que a resposta era obvia e eu não deveria perguntar isso. Exceto que todos eles discordavam sobre a resposta óbvia. Alguns tinham certeza de que seria Dumbledore, outros de que seria Harry, outros certeza de que seria a morte. Direto a pergunta então – O que ele veria em frente ao espelho de Ojesed ?

JKR: Ele mesmo, todo poderoso e eterno, era isso que ele queria.

ES: O que Dumbledore veria?

JKR: Não posso responder isso.

ES: Como seria o Bicho papão de Dumbledore?

JKR: Não posso responder essa também, mas para ter teorias releiam o livro 6, certo.

MA: Se Harry fosse se olhar no espelho de Ojesed no final do sexto livro, o que ele veria?

JKR: Ele teria que ver Voldemort desaparecer, morto, não teria? Porque ele sabe que não terá paz alguma até ele ser executado.

ES: A última palavra do sétimo livro ainda é Cicatriz

JKR: até o momento. Eu me pergunto se permanecerá desse jeito.

MA: Você já terminou ele?

JKR: Eu ainda não tive tempo de fisicamente terminar com ele. Existem com certeza algumas coisas que precisarão de mudanças. Não são grandes coisas, mas eu sempre soube que teria que as reescrever.MA: Mas ainda está no caminho?

JKR: Ah, definitivamente, sim sim.

MA: Como se sente escrevendo o ultimo livro?

JKR: Assustador, na verdade. Já foram 15 anos. Você pode imagina? Um dos mais longos relacionamentos da minha vida adulta.

MA: Você já começou?

JKR: Sim. Realisticamente, eu não acho que eu vou conseguir trabalhar de verdade até o começo do próximo ano. Eu vejo o ano que vem como o começo do ano que eu vou realmente escrever o sétimo livro. Mas eu comecei e estou fazendo pequenos pedacinhos e anotações aqui e lá. Mas você sabe o quão pequena Mackenzie ainda é, e voce é testemunha que eu tenho uma bebê pequeno e de verdade, então eu vou tentar e dar a Mackenzie o que eu dei à David, o que é por volta de um ano sem interrupções apenas comigo, e daí eu começarei a escrever seriamente de novo.

ES: O que fez as pessoas começarem a chamar Voldemort de “você-sabe-quem” e “ele-que-não-deve-ser-nomeado”?

JKR: Aconteceu muitas vezes na historia – bem, vocês sabem disso porque são do tipo de pessoa que sabem disso, mas para aqueles que não sabem, mas ter um tabu sobre algum nome é muito comum nas em algumas civilizações. Na África existem algumas tribos que nomes não são nunca usados. Seu nome é uma parte sagrada de você e é referido como o filho de fulado-e-fulana, o irmão de-fulano-e-fulana, e são dados a você esses pseudônimos, porque seu nome é algo que pode ser usado magicamente contra você se ele for conhecido. É como uma parte de sua alma. Esse é um tabu poderoso em muitas culturas e em muitos folclores. Em um ponto mais prosaico, nos anos 50 em Londres tinha um par de gêmeos chamados os Gêmeos Kray. A historia continua que as pessoas não falavam o nome Kray. Você simplesmente não mencionava o nome. Você não falava sobre eles, porque a retribuição era brutal e sangrenta. Eu acho que essa é uma demonstração de força, que você pode convencer alguém a não usar o seu nome. Impressionante no grau de medo que o seu nome pode causar. Não é algo a ser admirado.

ES: Eu quero dizer, teve algum avento especifico?

JKR: Com Voldemort? Foi gradualmente. Ele estava matando e fazendo algumas coisas muito malignas. No capitulo “Lord Voldemort Request”, quando ele volta para pedir o cargo de professor no livro 6, você já tem uma idéia de que ele foi muito longe nas artes das trevas. Naquele período muitas pessoas já estavam escolhendo por não usar o nome dele. Durante aquele tempo seu nome era usado por pessoas como Dumbledore e pessoas acima das superstições.

MA: Falando sobre eventos no mundo –

JKR: Capítulo Um?

MA:Sim, capitulo um, e os eventos atuais no mundo, especificamente, nos últimos quatro anos. Terrorismo, e tudo mais, isso fez você mudar o jeito de escrever?

JKR: Não, nunca conscientemente, no sentido de eu nunca pensei, “é a hora de um livro de harry potter pós 11 de setembro,” não. Mas o que Voldemort faz, em muitos sentidos, é terrorismo, e isso estava bem claro na minha mente antes do 11 de setembro ter acontecido. Eu iria ler ontem a noite [na leitura da meia noite no castelo] apartir do capitulo 1. Aquela era a leitura que iria ser feita até o dia 7 de julho [bombardeio em Londres]. Se tornou bem claro para mim que seria grosseiro e inapropriado ler uma passagem em que o primeiro ministro Trouxa está discutindo um assassinato em massa de Trouxas. Apenas não era apropriado, já que existem atos de leviandade lá. Era totalmente não apropriado, então foi ai que eu percebi que teria de mudar, e eu decidi ir até a loja de logros, que é bem simbólico, porque, é claro, Harry diz a Fred e Geroge, “Eu tenho um pressentimento que nos precisaremos de algumas risadas daqui a um tempo.” Tudo isso se completa muito bem. Então não, não conscientemente, mas existem paralelos, obviamente. Eu acho que uma das vezes que eu percebi os paralelos foi quando eu escrevi sobre a prisão de Stan Shunpike, sabe? Eu sempre planejei que esse tipo de coisa iria acontecer, mas essas tem razões bem fortes, dado ao fato, eu acredito, e muitas pessoas acreditam, que existiram instantes de perseguição de pessoas que não mereciam ser perseguidas, mesmo quando você esta tentando achar a pessoa que cometeu tantas atrocidades. Essas coisa apenas acontecem, é da natureza humana. Existiam ótimos paralelos enquanto eu escrevia.

ES: O chapéu Seletor já se enganou alguma vez?

JKR: Não.

ES: Sério?JKR: Ahã. Você tem uma teoria?

JKR: Ahã. Você tem uma teoria?ES: Sim. Eu já escutei muitas teorias.

JKR: [Risadas] Eu aposto que sim. Não. [risos] desculpe.

MA: Isso é interssante, porque isso sugere que a voz do chapéu vem mais da pessoa do que dele mesmo –

JKR: [faz um barulho misterioso]

MA: E talvez quando ele fala por ele mesmo, isso venha dos –

JKR: Dos Fundadores eles mesmos.

MA: Sim, Interessante. Quanto irão aparecer os fundadores e serem importantes para a trama do sétimo?

JKR: Um pouco, como alguns devem ter acertado depois do final do sexto livro. Tem tanto mais que eu gostaria de perguntar a você, mas você é que tem que me entrevistar, então vamos. [Risos]

ES: Eu sei que te perguntam isso em todas as entrevistas, mas o tamanho do livro, vai ser mudado de algum jeito?

JKR:Sétimo livro? Mais curto que a Ordem da Fênix, você quer dizer? A Ordem da Fênix é nosso marco na historia, indo bem alem dos limites. Eu ainda acho que ele vai ser mais curto que a Ordem da Fênix.

ES: Significativamente?

JKR: Eu não sei. Essa é a pura verdade, eu não sei. Eu tenho planos para o sétimo livro que não são muito concretos ainda então não posso chegar ao tamanho dele. Eu sei o que vai acontecer, ainda não sentei e cheguei ao ponto que você fala “então com isso tudo acho que teremos 42 capítulos,” ou então “estamos olhando para 31 capítulos.” Eu não sei ainda.

MA: R.A.B.

JKR: Ahhh, Deus…

[Todos riem.]

JKR: Não, eu estou feliz! Sim?

MA: Nós podemos ter idéia de quem ele é, até entao?

[Nota: JKR adotou um leve olhar maléfico aqui]

JKR: Vocês tem uma teoria?

MA: Nós chegamos ao Régulos Black.

JKR: Chegaram é?

MA: Ahã.

[Risos.]

JKR: Bem, eu acho que esse seria, hum, um bom palpite.

MA: E talvez, sendo irmão de sirius, ele tinha outro espelho –

JKR: [batendo os dedos na lata de refrigerante]

MA: Ele tinha o outro espelho, ou o espelho de Sirius –

JKR: Eu não tenho comentário nenhum sobre aquele espelho. Aquele espelho não está na mesa. [Risos de todos; JK está maníaca.]

MA: Vamos anotar que ela bateu os dedos na lata de coca em um jeito bem parecido com o Sr. Burns.

[Risos.]

Ah, eu amo o Sr. Burns.

ES: Se você tivesse a oportunidade de reescrever alguma parte da série até a gora, o que seria e porque?

JKR: Existem pedaços de todos os seis livros que eu gostaria de deixar mais curtos. Tenho o pressentimento que A Ordem da Fênix foi longo de mais, mas eu desafiei a todos a achar o lugar certo para cortar. Têm pedaços que eu cortaria, agora, olhando para trás, mas eles levariam à um livro absurdamente menor, porque meus pressentimentos dizem que vocês precisam do que está lá! Você precisa do que está lá se eu for jogar limpo com os leitores na resolução do sétimo livro. Uma das razões que a Ordem da Fênix foi tão longo, foi que eu tive que mudar de lugares com o Harry varias vezes, fisicamente. Existiam lugares que ele precisava ir e que ele nunca tinha ido antes, e isso levou tempo – para levar ele lá. Aquela foi a mais longa passagem não-Hogwarts em todos os livros, e é isso o que realmente deixou o livro longo. Estou tentando pensar em pedaços específicos mas é difícil.

ES: Algum dos sub-focos da historia poderia ser deixado de lado, recaptulando?

JKR: Eu acho muito difícil localizar alguma passagem do livro por que eu acho que elas foram necessárias. Como pode algum de nós julgar? Mesmo eu, até o sétimo estar terminado, não serei capaz de olhar para trás com certeza e dizer “isso foi discursivo.” E talvez no final do sétimo livro eu olhe para trás e pense,”eu não acho q eu deveria ser tão detalhista nesse pedaço”. Até ser escrito é difícil perceber. Mas certamente existem algumas coisas que me irritam olhando para trás, tem algumas repetições que me irritam.

MA: Agora que Dumbledore se foi, nós vamos saber algum dia o feitiço que ele usou contra Voldemort no Ministério da Magia?

JKR: Huuuummmm…[faz barulhos com a língua]

ES: vamos anotar que ela fez um som engraçado com a boca

[todos riem, JK loucamente]

JKR: é possível, é possível que vocês saibam isso. Vocês irão – [pausa] – saber mais sobre Dumbledore. Eu tenho q ser tão cuidadosa com isso.

MA: Poderíamos ter um livro sober Dumbledore? Como uma biografia?

ES: Por favor?!

JKR: Oh, claro então.

[Todos riem.]

ES & MA , se cumprimentando: Sim!

JKR: Isso não é um contrato assinado! [Rindo.]

MA: Não, é um pacto verbal – onde está Neil [o advogado dela, não o marido] ?[Risos.]

[Risos.]ES: Quantos bruxos existem?

JKR: No mundo? Oh, Emerson, minha matemática é muito ruim.

ES: Existe alguma proporção de trouxas em relação aos bruxos –MA: Ou em Hogwarts.

JKR: Bem, em Hogwarts. Tudo bem. Aqui está a coisa sobre Hogwarts. Muito antes de eu terminar a Pedra Filosofal, quando eu só estava juntando coisas para sete anos, entre ter a idéia de publicar o livro, eu sentei e criei 40 crianças que entraram no ano de Harry. Eu fico feliz por ter criado porque isso foi tão útil. Eu tinha 40 personagens fisicamente criados. Eu nunca tive que parar e inventar alguém. Eu sabia quem estava em qual ano, eu sabia quem iria para cada casa. Eu sabia sobre os pais deles, e eu tenho alguns detalhes pessoais sobre cada um deles. Então estavam lá 40. Eu nunca conscientemente pensei “É isso, essas são todas as pessoas no ano dele,” mas é mais ou menos assim que isso funcionou. Então uma vez me perguntaram quantas pessoas tinham lá e números não são meu ponto forte, uma parte do meu cérebro conheciam 40 pessoas, e a outra parte dizia, “Oh, umas 600 pessoas parece certo.” Então pessoas começaram a pensar e perguntaram, “Então onde é que as outras pessoas dormem?” [Risos] Nós temos um pequeno dilema aí. Quero dizer, obviamente mágica é algo muito raro. Eu não quero dizer uma quantia exata. Mas se você assumir que todas as crianças bruxas são mandadas para Hogwarts, então são muitos poucos bruxos comparados com os Trouxas, não é? Terá aquela criança estranha que os pais não querem mandar para Hogwarts, mas 600 de todos da Grã-Bretanha é pouco.

Vamos dizer, 3 mil [na Grã-Bretanha], na verdade, eu penso sobre isso, e daí eu penso em todas as criaturas mágicas, algumas que parecem humanas. Então você tem coisas como Trasgos, Ogros e por aí vai, então isso vai subir as estatísticas. E daí você tem o mundo das pessoas infelizes como Filch e Figg que são como parte desse mundo também, então é um pouco maior, na totalidade a comunidade mágica precisa se esconder, se ocultar, mas não se apegue a essas idéias, porque não é assim que eu penso.

Quão divertido foi escrever as cenas de romance nesse livro?

JKR: Oh, muito! Não dá pra notar?

MA: Sim.

JKR: Tem uma teoria – essa se aplica as tramas investigativas, e ao Harry, que não é realmente uma trama investigativa, exceto algumas poucas vezes – que você não deve ter intrigas românticas em livros desse tipo. Dorothy L. Sayers, que é a rainha nesse gênero de livro disse – e depois quebrou a própria regra, mas disse – que não existe lugar para romance numa história policial exceto que ela pode ser útil para camuflar os motivos das pessoas.Isso é verdade; e é um truque muito válido. Eu usei isso com o Percy e usei isso um pouco disso com a Tonks nesse livro, tentando desviar o assunto. Mas tendo dito isso, eu não concordo visto que os meus personagens são bem caracterizados e é tão importante, nós presenciarmos esses personagens se apaixonando, o que necessariamente é parte da vida. Como vocês se sentem sobre o romance?

ES: Nós estávamos comemorando o tempo inteiro

JKR: [risos] Sim! Bom, fico grata!

MA: E ficamos correndo pelos quartos gritando

ES: Nós achávamos que estava mais claro do que nunca que Harry e Ginny e Ron e Hermione – embora a gente ache que você tenha deixado isso muito bem claro nos primeiros cinco livros –

JKR: [aponta para si própria e sussurra] Eu também!

ES: O que foi isso?JKR: [mais alto] Bem, eu também acho! Também acho.

JKR: [mais alto] Bem, eu também acho! Também acho.[Todos riem]

ES: Harry/Hermione shippers – iludidos!

JKR: Bem, não, eu não vou – Emerson, eu não vou dizer que eles foram iludidos. Eles ainda são membros válidos do meu grupo de leitores!Eu não vou usar a palavra iludidos! Entretando eu vou dizer que –bem,agora estou plenamente confiante que vocês dois vão colocar esse spoiler quando forem transcrever –

[mais risos]

JKR: Eu vou dizer que sim, pessoalmente acho – bem, vai ficar claro quando as pessoas lerem o sexto livro.É isso! Está feito, não está? Nós sabemos; Sim nós sabemos que é Ron e Hermione. Eu realmente acho que eu deixei uma quantidade absurda de –

[mais gargalhadas]

JKR: pistas. Pistas gigantescas até esse ponto. Eu certamente acho que até se as pistas sutis não fossem compreendidas até “o prisioneiro de Azkaban”, ao chegarmos no “Cálice de Fogo” e fôssemos apresentados ao Krum…

Mas o Ron – eu me diverti muito com isso nesse livro. Eu realmente me diverti escrevendo as partes Ron/Lilá desse livro e a razão que fez com que eu gostasse tanto foi o fato de o Ron ser tão imaturo se comparado com os outros dois e ele meio que precisava se fazer notável para a Hermione. Agora, isso não significa experiência física necessariamente, mas ele tinha que crescer emocionalmente e agora ele já deu um grande passo. Porque ele teve uma experiência física significativa – e convenhamos, os sentimentos dele nunca estiveram profundamente ligados com a Lilá.

[Mais risos]

JKR: e ele percebe enfim que aquilo não é o que ele quer,o que o leva a dar um passo a frente ainda maior no quesito emocional.

ES: Então a amplitude emocional dele passou de uma colher de chá pra uma colher de sopa?

JKR: Sim, acredito que sim

[risos]

MA: Você ficou surpresa ao se deparar com isso pela primeira vez? Com essa devoção a essa coisa que você sabia que nunca iria acontecer?

JKR: Sim. Bem, veja isso, eu sou praticamente uma novata nesse mundo de shippers, porque por um bom tempo,eu não ia para a internet em busca de Harry Potter. Um bom tempo. De vez em quando que entrar, porque tinham umas estórias estranhas novas ou então alguma coisa que eu tinha que entrar e checar, porque supostamente eu tinha dito alguma coisa que eu nunca tinha dito. Eu nunca tinha ido em busca de fan sites, e então um dia e fiz isso e ai-meu-deus. Mais ou menos umas cinco horas depois eu levantei do pc um pouco chocada [risos]. ”O que está acontecendo?” E foi durante essas cinco horas que eu descobri os shippers e foi uma experiência incrível. Eu não sabia da existência desse grande submundo fervendo embaixo de mim.

ES:Ela está analisando pelo lado positivo

JKR: Sim, eu estou. Eu estou, mas você sabe. Quero deixar claro que a palavra “ilusão” foi sua e não minha![muito mais risos]

MA: Você está fazendo as nossas vidas bem mais fáceis sentando aqui nessa mesa –

JKR: Bem,eu acredito que qualquer um que continuar apoiando Harry/Hermione depois desse livro –

ES: [sussurra] Ilusãol!

JKR: Uh – não! Mas eles precisam reler os livros, acredito eu.

ES: Obrigada.

JKR: Sim.

MA: Isso vai…

JKR: Fazer a vida de vocês mais fácil?

[Os três]: Sim, sim.

JKR: Acredito que sim.

MA: Eu tenho que te dizer, tenho esperado [para isso acontecer], porque, você sabe, muito disso vem pelo ódio a um personagem. Ron tem sofrido muito nasmãos dos Harry/Hermione shippers.

JKR: Pra falar a verdade, isso me deixa incomodada. Definitivamente isso me deixa bem incomodada.

ES: Honestamente? Eu acho que os que apóiam o casal Harry/Hermione representam uma percentagem muito pequena dos fãs.

MA: Sim, se você fizer uma enquete geral…

ES: Eles parecem serem muitos online, mas isso é só porque online o fandom é muito…

MA: Militantes foi a melhor palavra que eu escutei…

JKR: Militante foi uma ótima palavra escolhida. Enérgica.

[Risos]

MA: O que o faz pensar quando você vê personagens que você ama sendo odiados…
ES: Ou vice versa
JKR: Isso me diverte. Realmente me diverte. As pessoas ficam falando maravilhas do Draco Malfoy, e acho que essa foi a única vez que deixou de ser divertido e passou a me preocupar. Estou tentando claramente discernir entre o Tom Felton, que é um lindo garoto, e Draco, que, seja lá como ele parecer, não é um cara legal. É romântico, mas doentio, e infelizmente uma ilusão – e lá vem a sua palavra de novo – para as garotas e você [aponta para Melissa] vai ver isso, que eles vão mudar alguém. E isso persiste pela vida de muitas mulheres, até a sua morte, e isso não é confortante e é doentio e isso realmente me preocupa um pouco, ver garotas tão jovens jurando devoção à esse personagem tão imperfeito, porque deve ter alguma coisa aí do tipo “Eu seria a responsável pela mudança dele”. Bem, eu entendo o que querem dizer,mas é muito doentio. Então, algumas vezes eu respondo, talvez um pouco bruscamente, dizendo [risos] “Quero que vc reveja os seus conceitos”

ES: Ilusão
[Risos]
JKR: Mais uma vez a sua palavra!
[Risos.]

ES: No nosso site nós temos uma tendência a termos uma postura diferente entre os shippers. No The Leaky Cauldron eles fazem uso dessa frase…
MA: Mais ou menos assim “Se você pensa assim, é um direito seu”
ES: E no Mugglenet a gente fala…
JKR: [Entre risos] Você diz “Vocês são uns lunáticos iludidos”?

MA: Basicamente ele diz: “Se você não pensa desse jeito, então saia já do meu site.”
[JKR cai na gargalhada]

ES: Nós dizemos “Vocês claramente são uns iludidos!”
JKR: Qual é aquela seção do seu site em que você posta as coisas mais absurdas que vocês recebem?

ES: The Wall of Shame?
JKR: The Wall of Shame. Nós poderíamos postar lá algumas das coisas mais ridículas que eu recebi.

MA: Que tipo de coisas?
JKR: Coisas similares. Muito similares. De provocação à coisas incoerentes – nós poderíamos dizer de uma matureza existencial. Não das crianças, mas de pessoas mais velhas .O que me fez rir muito,eu acho que foi o seu comentário Emerson dizendo “Por favor não me venha com emails estúpidos ou vc vai acabar na Wall of Shame.” Isso não é da natureza humana? Vamos expor isso aqui [risos] e as pessoas ficam competindo para estarem lá?

ES: Iludidos, como eu disse. Essa é a palavra do dia
[Risos]
JKR: Desculpa, eu engasguei com a minha bebida. Desculpa,continuem.

MA: Eu queria voltar ao Draco.
JKR: OK, sim, vamos voltar ao Draco.

MA: Ele estava incondicionalmente facinante nesse
JKR: Bem, estou feliz que você tenha achado isso,porque eu gostei de escrever ele nesse livro. O Draco também cresceu bastante nesse livro,eu discuti,com a minha editora Emma sobre o Draco. Ela disse pra mim,”Então,o Malfoy consegue praticar Oclumência,” o que, obviamente o Harry nunca tinha conseguido e agora desistiu mesmo de fazer ou de tentar. E ela estava me perguntando isso e se indagando se ele deveria ser mesmo bom na Oclumência,ao contrário do Harry. O problema de Harry com isso é que as suas emoções sempre estiveram a beira de extravasarem e ele está abalado de certa forma. E ele também está em grande contato com os seus sentimentos, com o que acontece com ele. E ele também está em grande contato com os seus sentimentos, com o que acontece com ele. Ele não está reprimido, ele tem consciência disso, e ele não conseguiria reprimi-los, ele não poderia reprimir essas memórias. Mas eu penso no Draco como alguém que consegue separar a sua vida de suas emoções e que sempre conseguiu fazer isso. Então, ele reprime a sua compaixão – de qual outra forma ele se tornaria um Comensal? Então ele reprime praticamente todo o seu lado bom. Mas então, agora ele está envolvido com os grandalhões, e de repente, após ter tido a “conversa” lhe é mandado executar uma tarefa pela primeira vez e ele está aterrorizado. E eu acredito que é um retrato exato de como certas pessoas se entregam a esse tipo de vida e depois percebem no que se meteram. Eu sinto pelo Draco. Bem, eu sempre soube que isso estava destinado à ele, por mais vil que ele fosse.
Harry está certo em acreditar que Draco não teria matado Dumbledore,o que eu acho que está claro quando o Draco começa a abaixar a varinha, quando o problema é tirado de suas mãos.

ES: Dumbledore estava planejando morrer?
JKR: [Pausa.] Você acredita que essa vai ser a grande teoria?

MA e ES: Sim. Essa vai ser a grande teoria.
JKR: [Pausa.] Bem, eu não quero desestimular essa teoria então. [Alguns risos] Eu tenho que dar esperanças as pessoas.

MA: Bem,isso faz a gente voltar a questão se o Snape é um duplo-duplo-duplo-triplo –
JKR: [Risos] Double-double-quadruple-to-the-power-of – yeah.

MA: …se isso foi planejado, e sabendo que o Dumbledore tinha conhecimento do que se passava com o Draco o ano inteiro,eles tiveram alguma discussão onde foi ditto “Se isso acontecer, você vai ter que agir como se a sua total intenção fosse a de chegar lá e me matar, porque caso contrário, Draco vai morrer, e com o Voto Inquebrável (the Unbreakable Vow), você vai morrer…
JKR: Não, eu vejo isso, e sim, eu consigo seguir a sua linha de raciocínio. Eu não posso – Digo, obviamente existem linhas de raciocínio que eu não quero ignorar. Falando de modo geral, eu descarto as especulações que não são proveitosas. Até com os shippers. Deus os abençoe, eles devem ter se divertido muito com isso. Porém são quando as pessoas começam a fazer teorias sem muito sentido – são quando as pessoas dedicam horas do seu tempo para provar que o Snape é um vampiro que eu vejo que é hora de me intrometer, pois não tem nada no cânon que apóie isso.

ES: É quando você procura por essas coisas…
JKR: Sim, é depois da décima quinta releitura, quando você começa a ver pontinhos em frente aos olhos que você começa a ver pistas sobre o Snape ser o Lord das Trevas. Então, tem coisas que eu descarto logo apenas porque eu acho que, bem, não perca o seu tempo, tem coisas bem melhores para serem debatidas, e mesmo que sejam erradas, provavelmente vai levar você a alguma pista interessante. Então, esse é o meu esboço de uma teoria

ES: Qual a pergunta que você gostaria de ser perguntada e qual seria a resposta para essa pergunta?
JKR: Um — [longa pausa] — uma ótima pergunta.O que eu gostaria que me perguntasse? [Pausa] Hoje, apenas hoje,16 de julho, eu realmente desejaria que alguém me perguntasse sobre o R.A.B, e vocês fizeram isso. Apenas hoje, porque eu acho que – bem, eu acreditava que as pessoas fariam isso.

MA: Tem mais alguma coisa que deveríamos perguntar a respeito dele?
JKR: Tem coisas que vcs vão acabar deduzindo ao lerem com mais cautela, creio eu – bem, vocês dois com certeza vão – bem,sim, eu realmente estava torcendo para que a pergunta sobre o R.A.B aparecesse.

MA: Me desculpe caso eu esteja errada, mas não foi o Regulos que foi morto pelo próprio Voldemort…
JKR: Bem,o Sirius disse que o Voldemort não iria fazerisso por o Regulus não serimportante o bastante, lembra?

MA: Mas isso não precisa ser verdade, se [R.A.B.] escreveu um bilhete ao Voldemort.
JKR: Isso não mostra necessariamente que o Voldemort o matou pessoalmente, mas o próprio Sirius suspeita que Regulus se envolveu de mais. Assim como o Draco. Ele se sentia atraído, mas a realidade que aquilo significava era um pouco de mais para ele suportar.

Oh, como vocês se sentiram sobre o Lupin e a Tonks?

ES: Isso foi…
MA: Eu fiquei surpresa!

ES: Eu fiquei surpreso também, mas não chocado.
JKR: Certo.

MA: Acho que eu fiquei um pouco chocada.
JKR: Certa pessoa, eeu não sei em qual dos sites que eu vi isso – eu quase caí da minha cadeira. Alguém, é aí que eu faço as minhas pesquisas – tipo, do jeito que eu falo parece que eu passo a minha vida na frente da Internet e por isso eu demoro tanto para terminar os livros. Eu juro que isso não é verdade e e eu gostaria de deixar isso claro para todos os gravadores depositados nessa mesa. Já que agora eu tenho o meu site, eu fico procurando por perguntas que são questionadas com freqüência e também por sites que eu gostaria de mencionar no meu site, então é assim que eu acabo vendo os comentários dos sites e coisas do tipo. E em algum desses sites, eu não pude acreditar,tinha escrito assim. Tava escrito “Ah não, Tonks não pode se casar com fulano (só Deus sabe quem era) porque a Tonks vai terminar com o Lupin e eles vão ter vários lobisomens multicoloridos juntos”. Ou foi algo parecido com isso.

MA: Eu vi isso!
JKR: Você viu? Então foi no TLC isso?

MA: Talvez- sem offender Emerson, mas é que eu normalmente não tenho tempo para leros comentários do Mugglenet…
JKR: Acredito que, com tantas pessoas comentanto, você acaba esperando que eles apareçam com praticamente todas as possibilidades.

ES: Oh, sim, eles aparecem com todas as possibilidades.
MA: Harry/Basilisco.
[Risos]
JKR: Não é a verdade. Eu sei! Acredito que se eu passasse todo o meu tempo na internet, grande parte da trama seria encontrada lá em algum lugar.

ES: Quanto tempo você frequenta os sites de fãs?
JKR: Isso varia. Quando o meu site está tranqüilo, geralmente é porque eu estou trabalhando duro ou porque estou ocupada com as crianças ou coisas do tipo. Quando eu atualizo algumas vezes seguidas, obviamente eu estou na internet. Então o FAQ e coisas do tipo são resultado das pesquisas que eu faço nos sites. Eu saio procurando para ver o que as pessoas querem que seja respondido. É fantástico, algumas vezes é frustrante, mas eu quero deixar claro que eu não posto nos comentários, porque eu sei que vai acabar se destacando. Eu fui ao chat do Mugglenet uma vez, foi uma histeria. Aquela tinha sido a primeira vez que eu tinha procurado sobre Harry Potter. Eu estava me familiarizando com esse tipo de coisa e o TLC – na verdade eu já conhecia o TLC, mas então eu descobri o Mugglenet naquela tarde e pela primeira vez eu entrei numa sala de bate papo e foi tão divertido. Eu fui tratada com completo desprezo. [Risos]. Foi divertido, nem te conto.

ES: Eu gostaria deme desculpar por…
JKR: Não, não, não, não, não desse jeito ruim que você tá pensando, mas “Ok, ok cala a boca, você não freqüenta o chat, você não sabe de nada!”. Você consegue imaginar!