Kaio Rodrigues


Seção Granger: “#Fui”, de Viviane Maurey

//Por Kaio Rodrigues - domingo, 02 de abril de 2017 às 12:37


O editor da Seção Granger, Kaio Rodrigues, leu com exclusividade o primeiro romance da carioca Vivi Maurey. #Fui chega às livrarias no dia 8 de abril, e inova ao unir cultura pop e bom humor para falar de uma juventude em constante transformação.

“Retrato de uma juventude inquieta, #Fui é narrado em primeira pessoa, quase como um diário. Sem papas na língua, Lully imprime com precisão suas alegrias e desafios, mas também seus medos e inseguranças. ”

Para ler a crítica na íntegra, acesse a extensão deste post.

Comentários: 0

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (6 votos, média: 2,33 de 5)
Loading...

Seção Granger: Trilogia “Legado Ranger”, de Raphael Draccon

//Por Kaio Rodrigues - segunda-feira, 27 de março de 2017 às 11:39


Aclamado por gerações desde 1980, Power Rangers chegou aos cinemas na última quinta, 23. Não podendo ficar de fora do lançamento, nosso editor, Kaio Rodrigues, traz a crítica de Legado Ranger, trilogia escrita pelo carioca Raphael Draccon que revisita os clássicos Tokusatsu orientais.

”Uma vez imerso nesse mundo, o leitor se sentirá como um Ranger em um campo de batalha, onde a morte pode estar na página seguinte.”

Para ler a crítica na íntegra, acesse a extensão deste post.

Comentários: 0

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (6 votos, média: 2,33 de 5)
Loading...

Seção Granger: Sou fã! E agora?

//Por Pedro Martins - domingo, 12 de março de 2017 às 18:13


Além do sobrenome grego, a jornalista e apresentadora Frini Georgakopoulos tem muitas outras características que a tornam única. A mais importante delas, sem dúvidas, é que Frini é fã de carteirinha. Tão fã que é esse o tema de seu primeiro livro, Sou fã! E agora? (Editora Seguinte).

Por Aryanne Valenzuela, Kaio Rodrigues e Pedro Martins

Apesar da inquestionável paixão pelo Mundo Bruxo de J.K. Rowling, a carioca não entrou no universo literário através da Plataforma 9 ¾. Sua coruja foram os professores, que, para ela, são profissionais tão essenciais quanto os médicos – “é uma pena que não são valorizados o suficiente para que possam realmente exercer sua profissão.”

Frini teve mestres mágicos, que a mostraram a importância e o prazer da leitura. Muito mais do que testes para provar que tinha lido Machado de Assis, Jorge Amado e o resto da lista obrigatória do vestibular, eles queriam fazê-la pensar. Para ela, toda leitura é importante: “Equilíbrio é a alma do negócio. Você tem que dar Young Adults, sim, mas tem que trabalhar os clássicos também. Com contexto. O professor tem que guiar.”

Para Frini, o amor pela leitura não acabou na escola. Há mais de uma década, ela segue a missão que tanto admira organizando e apresentando eventos literários. Para muitos, tornou-se uma guru – definição com a qual não concorda: “Eu queria que as pessoas dessem uma chance para uma obra que nunca pensaram em ler. Mas não tenho fãs, tenho companheiros de leitura. Afinal, sou uma leitora como todo mundo. A diferença é que sou muito tagarela, então as pessoas me escutam”, comenta entre risos.


Foto: Daniela Conti.

Em uma das edições mensais de seu Clube do Livro, na Livraria Saraiva do Shopping Rio Sul, Frini decidiu falar sobre Shakespeare, e esperou um público pequeno. Não podia estar mais errada; o evento lotado a intrigou: por quê, será? “Eu sempre quis ler, mas nunca soube por onde começar. Queria que você me explicasse como leio Shakespeare”, disseram os leitores.

Depois de tanto ler, é claro que Frini também começou a escrever. Primeiro, fanfics (de Harry Potter!); depois, contos, ficando entre os finalistas do prêmio Brasil em Prosa; agora, livros! Independentemente do formato, uma coisa é unânime: “Ter a ideia é o mais difícil. Depois, escrevo em poucas semanas.”

A formação jornalística a permitiu escrever Sou fã! E agora? em tempo recorde. Mas não pense que não houve dificuldades! Sua maior preocupação era o medo de soar arrogante ou de o livro parecer didático demais. A ideia de torná-lo interativo veio após a leitura de Uma página de cada vez, de Giu Alonso. “Como é um livro sobre fãs, acho legal eles poderem participar. Torna a leitura uma experiência diferente.”

Quem vê Frini em seu habitat natural, entre as estantes da Saraiva, nem se dá conta de que ela é uma orgulhosa sonserina… Ainda bem! Afinal, ela não acredita que uma casa define o caráter de uma pessoa. Mas depois da Cerimônia de Seleção de Harry Potter e a Criança Amaldiçoada, “o Chapéu Seletor devia se aposentar.”

Felizmente, seu talento independe de qualquer artefato mágico milenar. Sou fã! E agora? fez sucesso com o público, alcançando o objetivo da autora de estender seu trabalho para além das fronteiras cariocas. Com um misto de artigos rápidos e páginas interativas, “é um Clube do Livro de Bolso”, que ajuda o leitor a descobrir formas de expressar seu amor pela literatura. De fanfics a cosplays; de blogs e canais no YouTube a eventos em livrarias. Até spoilers! Tudo ganha voz na escrita de uma fã apaixonada que é a Frini.

Falando em spoilers, e se contássemos alguns da vida de Frini?

No que o seu bicho-papão se transformaria? Em uma onda, tipo um tsunami. Eu tenho pavor!

O que você veria no Espelho de Ojesed? Quem já se foi. Meus avós, minha amiga, dizendo que estão orgulhosos de mim.

Uma Relíquia da Morte? A Capa da Invisibilidade.

Depois de anos mergulhando tão a fundo nesse universo, Frini agora tem uma definição ainda mais especial para nós: “Ser fã é ser generoso. É bater palma com muito entusiasmo para o talento alheio. Isso nos torna pessoas melhores.”

Comentários: 0

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (Nenhum voto até o momento)
Loading...

Seção Granger: “E não sobrou nenhum”, de Agatha Christie

//Por Kaio Rodrigues - domingo, 22 de janeiro de 2017 às 18:14


Na Seção Granger deste domingo, 22, nosso editor Kaio Rodrigues traz a crítica de E não sobrou nenhum, de Agatha Christie, relançada pela Globo Livros depois de quase setenta anos.

“De forma genuína, a Dama do Crime cria personagens críveis e cheios de medos, dúvidas e anseios. Estariam seus passados relacionados a todas as atrocidades cometidas na ilha? Eles não sabem, mas temem que sim.”

Para ler a crítica na íntegra, acesse a extensão deste post.

Comentários: 0

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Seção Granger: “Jantar Secreto”, de Raphael Montes

//Por Kaio Rodrigues - domingo, 15 de janeiro de 2017 às 12:02


Na Seção Granger deste domingo, 15, nosso editor Kaio Rodrigues traz a resenha crítica de Jantar Secreto, aposta da Companhia das Letras para o fim do ano passado.

“Jantar secreto fala sobre os jovens do Brasil de hoje, utilizando referências pop e elementos narrativos ousados, como receitas, e-mails e até um capítulo no WhatsApp, tudo embalado com humor vibrante e algumas mortes, claro. É tenso, estranho e divertido. Um livro que consagra a rápida e invejável carreira de Raphael Montes.” – Zuenir Ventura

Para ler a crítica, acesse a extensão deste post.

Comentários: 0

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Ler nos torna mais empáticos

//Por Kaio Rodrigues - domingo, 08 de janeiro de 2017 às 21:04


A empatia é um dos temas mais discutidos da atualidade. Ele diz respeito à capacidade de uma pessoa se colocar no lugar de outra, compreendendo seus sentimentos e suas emoções. Ora, a literatura assume função crucial na busca pela empatia. Quando lemos, nos colocamos no lugar dos personagens, compreendendo seus anseios, suas dúvidas e seus objetivos. Ler nos torna mais empáticos.

A partir disso, os colunistas da Seção Granger aceitaram o desafio da Intrínseca e leram duas obras indicadas no Mesa Para Cinco, bate-papo da Editora no Youtube. Nosso editor, Kaio Rodrigues, leu Simon Vs A Agenda Homo sapiens, da americana Becky Albertalli. Já Anna constantino se deliciou com Alucinadamente Feliz, de Jenny Lawson. Você confere as suas impressões na extensão deste post.

Comentários: 0

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Cinco livros para ler em 2017

//Por Kaio Rodrigues - sábado, 31 de dezembro de 2016 às 19:04



Como todos sabem, 2016 não foi um ano fácil. Perdemos grandes artistas, de todas as sete artes – dentre eles, nosso queridíssimo Alan Rickman. Para inspirar a todos na jornada do próximo ano, nosso editor, Kaio Rodrigues, reuniu cinco livros inspiradores para serem lidos em 2017.
Na última Seção Granger do ano, agradecemos a todos os que estiveram conosco, e prometemos um ano ainda mais produtivo. Preparem suas varinhas, e confiram nossas indicações na extensão do post.

Comentários: 0

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Seção Granger: “Inverno Negro”, por Stefano Sant’Anna

//Por Kaio Rodrigues - domingo, 30 de outubro de 2016 às 16:59


Na última Seção Granger de outubro, Kaio Rodrigues assume a edição da coluna e escreve sobre “Inverno Negro”, livro de estreia do brasileiro Stefano Sant’Anna, publicado pela editora Empíreo.

“”Uma recomendação infanto-juvenil a todos os que buscam uma história simples e pontual, que cumpre bem a proposta primária de imergir o leitor em um universo fantástico.”

Para ler a resenha crítica na íntegra, acesse a extensão deste post.

Comentários: 0

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (2 votos, média: 3,00 de 5)
Loading...

Seção Granger: “A Caçadora de Bruxas”, de Virginia Boecker

//Por Pedro Martins - domingo, 25 de setembro de 2016 às 19:30


Na última Seção Granger do mês de setembro, o nosso colunista Kaio Rodrigues escreve sobre “A Caçadora de Bruxas”, primeiro livro da trilogia de Virginia Boecker, lançado há poucos meses pela editora Galera Record.

“Com uma narrativa em primeira pessoa, a obra – que chegou a ser comparada pela crítica a ‘Guerra dos Tronos’, de George R. R. Martin – busca reconstruir a Inglaterra medieval dando voz a uma personagem feminina em busca de verdades.”

Para ler a crítica na íntegra, acesse a extensão deste post.

Comentários: 0

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (Nenhum voto até o momento)
Loading...

“De volta a Blackbrick”, de Sarah Moore Fitzgerald

//Por Pedro Martins - domingo, 24 de julho de 2016 às 21:12


O nosso colunista Kaio Rodrigues vem hoje, 24, à Seção Granger para falar sobre “De volta a Blackbrick”, romance infantil escrito pela americana Sarah Moore Fitzgerald e lançado no Brasil recentemente pelo selo Galera do Grupo Editorial Record.

“Uma leitura rápida e despretensiosa, recomendada para crianças, pré-adolescentes ou quaisquer outras pessoas em busca de conforto durante o processo de perda.”

Para ler a crítica na íntegra, acesse a extensão do post.

Comentários: 0

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (Nenhum voto até o momento)
Loading...